Cap. II – Gestão Escolar Democrática: espaço de contestação<br />Trabalho desenvolvido <br />na disciplina de <br />Estudo...
 Este capítulo trata especificamente dos três autores âncoras, elencados por Shimamoto, ditos críticos, que são:<br /> C...
<ul><li>Segundo a autora, para se efetivar a                                       é   </li></ul>necessário considerar seu...
 Paro trata a administração historicamente, focada na vida do homem em sociedade, em sua relação com a natureza e com os ...
Tragtenberg – defende uma sociedade sem exploração, sem administradores e administrados, o que significa uma sociedade sem...
Tragtenberg afirma que não há uma proposição de que possa haver uma mudança na instituição escolar possível de superar a e...
Shimamoto - Cap II - Gestão escolar democrática - espaço de contestação
Shimamoto - Cap II - Gestão escolar democrática - espaço de contestação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Shimamoto - Cap II - Gestão escolar democrática - espaço de contestação

806 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Shimamoto - Cap II - Gestão escolar democrática - espaço de contestação

  1. 1. Cap. II – Gestão Escolar Democrática: espaço de contestação<br />Trabalho desenvolvido <br />na disciplina de <br />Estudos em Gestão Educacional, <br />orientado pelo <br />Prof. Dr. Paulo Gomes Lima<br />Dourados-MS<br />2011<br />
  2. 2.  Este capítulo trata especificamente dos três autores âncoras, elencados por Shimamoto, ditos críticos, que são:<br /> Continua a sua análise a partir da discussão de gestão, participação e autonomia e nos pilares descentralização e transparência.<br />
  3. 3. <ul><li>Segundo a autora, para se efetivar a é </li></ul>necessário considerar seu <br /><ul><li>De acordo com Saviani – a educação, a democracia e o contexto – devem ser pensados, para que se possa fazer educação pública no país, por meio de eleições diretas e universalização dessa escola, sendo esta de qualidade e com lutas travadas pela democratização do ensino.</li></li></ul><li>Saviani – se pauta acreditando na possibilidade de haver a democratização da gestão – contudo, ele questiona dois fatores, quais sejam:<br /><ul><li> Deste modo, toda prática educativa possui uma dimensão política e toda prática política possui uma dimensão educativa;</li></li></ul><li><ul><li> Segundo Saviani, o saber produzido socialmente é uma forca produtiva, é um meio de produção, e esse saber é utilizado para atender a classe dominante;</li></ul>Paro – concebe o conceito de administração no sentido de evitar que alguns equívocos interpretativos aconteçam, pois para ele, não é possível uma compreensão real dos processos educacionais escolares se não se considerar dois determinantes da administração escolar, que são:<br />
  4. 4.  Paro trata a administração historicamente, focada na vida do homem em sociedade, em sua relação com a natureza e com os outros homens pela via do trabalho. Sendo esse homem como fazendo parte de um processo de hominização.<br />* Defende que o movimento de hominização se pauta pela coexistência de duas práxis, sendo elas:<br />para tornar real o pensado que se processa conscientemente.<br />A deturpação do homem-coisa, a administração assume um papel burocrático e dominador e uma pequena minoria assuma para assegurar o modelo instalado, assim, chama de absolutização da administração capitalista (PARO).<br />
  5. 5. Tragtenberg – defende uma sociedade sem exploração, sem administradores e administrados, o que significa uma sociedade sem partidos, governos ou estado, ele critica a separação de três termos, que se seguem:<br />Ele critica o uso da máquina educacional para conquistas pessoais, distanciadas de uma responsabilidade ética e social para com todos os cidadãos.<br />
  6. 6. Tragtenberg afirma que não há uma proposição de que possa haver uma mudança na instituição escolar possível de superar a estrutura tão intensamente disseminada, como Paro e Saviani acreditam.<br />Para ele, a <br />é pensada e feita de forma que as coisas não sejam inseparáveis, cujos sujeitos atuem e vivam de maneira consciente e coerente.<br />

×