Apoiando alunos com Asperger

229 visualizações

Publicada em

Sindrome de Asperger

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
229
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apoiando alunos com Asperger

  1. 1. i'll C *im A t* “ Ç cgpoíando o comportamento apropriado EM ALUNOS COM ASPERGER'S CONTRIBUÍRAM: Dr. Cathy Pratt indiana Resource Center tor Autism Stephen Buckmann Monroe County Community School Corporation v a Í* S . * '. " j i. t: . x a X J'. “tl” 'ii n I. l¡ -Íitt ibñãl* 5*' ijzüi tgti f: : ll" t F lfx 'ix' “I Í f. ~"/ l. im_ z ' 'v3.- COMPORTAMENTOS DESAFIADORES SÃO FREOUENTEMENTE OS PRIMEIROS OBSTÁCULOS NO APOIO A ALUNOS COM ASPERGER'S (AS) Enquanto há poucos estudos publicados para direcionar os educadores para abordagens comportamentais mais eficazes para esses alunos, parece mais evidente (dada a heterogeneidade entre esses indivíduos) que o apoio comportamental eticaz requer práticas altamente individualizadas que lidam com essas áreas primarias de dificuldade nas interações e entendimentos sociais, comunicação pragmática, controle de ansiedade, preferência pela mesmice e regras, e comportamentos ritualisticos. Enquanto os elementos especificos de um programa positivo de apoio comportamental võo variar de aluno para aluno, os t0 passos seguintes percorrem um longo caminho em garantir que as escolas estõo trabalhando para conseguir os melhores resultados em favor dos seus alunos.
  2. 2. Murici: inauguraram C4'3_II'II AEWElRdE-Iê' 'lã-MI ! II#l@*| !IL. !I: LII§-Í« «ami : alt-Iara 5. : wiilsllamá-f» Lxlrnyicts. USE AVALIAÇÃO COMPORTAMENTAL FUNCIONAL COMO UM PROCESSO PARA DETERMINAR A RAIZ DO COMPORTAMENTO PROBLEMÁTICO E, COMO PRIMEIRO PASSO, PARA DESENHAR UM PROGRAMA DE SUPORTE COMPORTAMENTAL. O resultado chave de uma avaliação comportamental funcional abrangente deve incluir uma descrição clara e não ambigua dos comportamentos problemáticos; e a identificação das conseqüências que mantêm o comportamento. Examinando todos os aspectos do comportamento, pode-se desenhar um programa que conduz a uma mudança comportamental a longo prazo. PENSA NA PRETENSÃO Muito frequentemente o foco de um programa de controle do comportamento estó nos procedimentos disciplinares que foca exclusivamente a eliminação do comportamento problemático. Programas como esse não foca mudança comportamental a longo prazo. Um programa eficaz deve expandir além das estratégias da conseqüência (por exemplo, castigo, perda de privilégios) e focar na prevenção da ocorrência do comportamento problema ensinando alternativas aceitáveis socialmente e criando ambientes positivos de aprendizagem. USE ANTECEDENTES E ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO DE ACONTECIMENTOS Antecedentes são acontecimentos que acontecem imediatamente antes do comportamento problemático. Formação de acontecimentos são situações ou condições que podem estimular a possibilidade que um aluno pode participar de um comportamento problemático. Por exemplo, se um aluno estiver doente, cansado ou com fome, ele pode ficar menos tolerante a mudanças de planos. Entendendo as formações de acontecimentos que podem preparar o terreno para comportamentos problemáticos, mudanças podem serfeitas nos días em que o aluno pode não estartazendo o seu melhor para evitar ou reduzir a probabilidade de situações difíceis e preparar o terreno para aprender habilidades adaptadas com o tempo. Nas escolas, muitos antecedentes podem gerar incidentes comportamentais. Por exemplo, muitos alunos com Asperger's tem dificuldades em ambientes barulhentos e s ll'lttt : W : "À“; "LAU! ,:| !1_$. !IE "I'll i I : amami-wma 'mgiâlm . . lilíli ! IIHLALJIEIQI ! QIIVII : E-'Iriáritlilwe ucltilw 7' : là I (015 P' N31_ 9,1731 M3 É¡ Í'. ' »em HCIMOI aumentava: : : mu: :« ' _: I§V: 9I: l!lH:1:-' ! ÍÍÍLÍEIQPÊ *TIE-IHIUINEIHQWI li 'I ll“ I** lllI'. lotados. Assim, o recém chegado a escola de segundo grau que fica fisicamente agressivo no corredor nos periodos de passagem pode precisar sair da classe um minuto ou dois antes para evitar a congestão que provoca esse comportamento. Com o tempo, o aluno pode começar a passar pelo corredor mais acostumado com a situação, ou com as instruções especificas dadas a ele. Questões chave para lidar quando discutir esses tipos de estratégias são: - O que pode ser teito para eliminar a situação problema (por exemplo, a condição provocadora)? - O que pode ser feitos para modificar a situação se ela não puder ser eliminada totalmente? - A estratégia precisara ser permanente, ou é um "conserto" temporário que permite ao aluno (com suporte) aumentar as habilidades necessárias para controlar a situação no futuro? TORNE O ENSINO DE HABILIDADES ALTERNATIVAS UMA PARTE INTEGRAL DO SEU PROGRAMA Deve-se ensinar aos alunos com Asperger's comportamentos aceitáveis que substituam um comportamento problemático e que tem o mesmo propósito do comportamento desafiados. Por exemplo, uma criancinha com Asperger's pode ter problemas ao entrar em um ioga de chutar bola e ao invés se inserir no ioga, atacando, assim, os outros iogadores e tendo o risco de exclusão. Nunca presumo que o aluno saiba comportamentos sociais adequados. Enquanto esses alunos têm dons para algumas coisas, eles precisarão ser ensinados habilidades de comunicação pragmótícas e sociais tão metodicamente quanto as habilidades acadêmicas. Estratégias de auto-controle também são habilidades importantes a serem ensinadas. O auto- controle ensina as pessoas a discriminar o seu próprio comportamento alvo e registrar a ocorrência ou ausência desse comportamento alvo. (Kalgel, Kalgel E Parks, 1995). O auto-controle aiuda os alunos a alcançarem maiores niveis de funcionamento independente em muitos ambientes e situações. Ao invés de ensinar comportamentos para situações especificas, o auto-controle ensina uma habilidade mais geral que pode ser aplicada a um número ilimitado de ambientes. O procedimento tem relevância particular e utilidade imediata para alunos com Asparger's a quem pode ser ensinado, por exemplo, como praticar relaxamento ou como encontrar um lugar para se reagrupar quando perturbado . FIQUE-lili ! n'| '¡? I!. '.'l5|= -' ! NFIHMRJ "I'll
  3. 3. _inllãrtlílãtf ALT › , EWÀVÇÍIEKIISIIIIÍÍAS il( AVWSIRGEIIJS» @til l: WIDE INIFIIIENIITIHE' At FI:15!ll_. l[I= [lí [IV Atlllrtli' El? Awaãnlflia' j: FI, M Í Il( mrAu-íiúv: »Avivitf-Ilinll: «ao i 1 f ! LA a' Í unnpioidmuiia : nata-afins ll IIUÍÍIIÍFVAII toíIt-Lwnurqtãsútqni ¡Ílm íxapraxgraitaa-xaromamlatqui 'ONU¡Milly! Olihllllelliiorapllolbllãllllñndbkiíi Im di: q-ucuitamn-r-_k Qkisiolúnlillh : mu: :sim: -ttáIl-, tfãuictl-I 5. : ram-ni animo» qllgmnlqw cr-. nqruiísmwiñnrqw ; garan- cita-mma: _mn 'AVÍlItqInIw-If E9951) IILfHF-ànqloi m¡ i-_I-Illnualniia átmunnlçtdto Inn-lc. x59». ¡Illlúlnma mi milan) HãIIêÍÍlOÍÍhÔIQIÉIà ll àhíitelekioll* Qlullrnaniínlls _onlaiialíànr-Itoupiol: "ill-mlk. : Manson-ia pm: ãntIt-_Iqura-nniaoiim um: Iliialíqlgíãlal: .qu-nom cíIÍhaIIIdt-, rciia : mt anniiaaniçilat na "íçgplçlíl QI; - ¡Iiialiatsñlt uma ! Qllnpllôiôlllñílçi pita maifñioitqim-, onnutqsy 'al-into -golaidtqlniia-cftaatollnlr *Inhuma-w : :hihihi dia ommpraifãniatlqi aciona¡ pIIaQMIIQIQIQIÍIOI omni Engano): çmelvltcua. ; iqzxçur , oiçugpmmç : :ipi-atletas sont-agiu. oI5L~r= L1~úrn-oft= uoI¡I[gio›-. Fellini dia -iianggíion 'nIqIhtIhoíloJ-ilaw. proibia: dia ougmnmolgf-Ílo; tar-dinamite dllsiinrqlínitoxx : Lillmoltcn luatavlmiiaw, oílÍh-ioltoitotoile- anna¡ _atum-liam *emIiíàtiiohiilagllilçlox forge» ami Íoiontdlslmlgíro» anoitomi aniirqrqprauncflnb : :entravam njtavtogioj¡ lolol-to' til'- Imoílc- m» «anual dlarxnltsmniito. ¡nur-Lim- um: xampu gina-amullrtanuhqlbñllitdldlssunuroitomic. . flIhq-It-Ílmilm nuT-. rôtaonítxqm hiqllotlhoilotoftaw. lôlñiñilli : :Lqoylviaur _Ilhllillàllllqlxj , naum-ruimoura Iiiaaml citeih-rtãuçnqi «mt ¡qrdllçiçllinç-nll-Liitcito. , omni 'Ylçlinatqllotlhçii oii; - anuçunçmqlb 'vamu quiionasihunlçl. tqtdllmaciiadton¡uncmdto. IIIhqIIt-'tqtoftsla-alum “CIMI"Killiiãlñüíãkülollalg mui. . -dñnlmñ MUDANÇA COMPORTAMENTAL EFETIVA PODE EXIGIR QUE TODOS OS ENVOLVIDOS MUDEM DE COMPORTAMENTO Jó que os comportamentos são influenciados pelo contexto e pela qualidade dos relacionamentos com os outros, os profissionais e membros da família devem monitorar o seu próprio comportamento quando trabalharem com alunos com Asperger's. Cada vez que um professor repreende um aluno pó mau comportamento, se perde uma oportunidade de recompor o momento em termos da necessidade do aluno de desenvolver habilidades alternativas. PROJETE PLANOS DE PREVENÇÃO A LONGO PRAZO No meio de comportamentos problemáticos adotar uma abordagem a longo prazo para o programa educacional do aluno pode ser difícil. Contudo, planos para apoiar o aluno durante esse prazo longo deve ser traçados desde o começo. Muitos procedimentos e apoios da maior relevância e utilidade para os alunos com Aspergefs (por exemplo, aiustes específicos, apoios dos seus pares, habilidades sociais, estratégias de auto-controle) devem ser desenvolvidas progressivamente à medida que a criança fica na escola. Não são estratégias de controle de crises mas coisas que podem evitar o surgimento de situações de crise. yíflivilPiIããílvivilãvll: I 'Paint Iliviv# PI_I›'I'_',3CL NÉLÀVIÍ-IMVÀÍÇP; AV' "FINIIQZCWL É IILVÀIÁF. FIHÀVAY» [lã c: : riviILI›~Ii«í; ~ ; fwí 019mm : Iizmur nroluoqpioliianuuanltoll $- crcnulüulgianlia no auiiantoihluanito -Ítm Qllmm o -s: cnii= ›:iio~ m» qplqll alla quam¡ a m. I'ma-i ouitut-. n aiaíkvulmaruii; :mm @found-matam cita : utah-igual -romupiomqutnianitqll 'tum-natural 'tom-k auplowmfàsh agitam: o» qomugiouiqnurunito» arouwndianruólnlevtollioílaw. norma: ,ui-mi o~ -tonmpi-¡it-cmaunio. qftçwani «ai 'i llllalliio á iluldhiltcll. En¡ tlllilllt. praticava». sit: pnqgioíñím I' _nuqpiüñio em hmgílor afim tomupxonitcjuuianiío» _emita : mi Qlltnlutaniia tdhohüflllalfãlsüüton a auniianojltdto» : raiar-mt: li , ci-Jim att-I _oiauqgiaiciltvrqi cttc- Imíhrnilum Inéhrmlurçra ! mui Aíñprçmiad: giaigllnlaniia não» tam¡ ; mi I-iiçnliçi *ÚÍÍLIICIÚÍQIIIEIIÍÍQII . ~ ilaleíhzmr qmlbnamiu arthur-retornaram anne. ,In loufâs. !olmgiçiitqnciçncitow , oitçlbllalnnñüqçn , oiçiçjtçlnni «ngm @to : uma: namslekitdtoroftew komiouplvaiíagfãro : mi : mllqlgfñâlñ slsíitsbiuíQlliíêi-Íl I (o) I¡ : :an-ua , amu I r qomnpionitqnnianito» 'iam vullu arommnnçrciiluo» ta: : urílo , Illo]_o| ¡›: lÍÍo« *paint-Loft Inlíhvmflurcw ÍCIIII Áugiaqrat# snqgxanmaunonbi dIihquII-ttqiottaw _Ilummñüdnh dia qonmunntiçiorgñlo: :menu-Julio: allan : rito «maquete ils IHIJI oI Ilnrginogiarci ; itçmvt-. Iniania , omni : Im-ni füpnqm: dia gui-moita Ilihllãktñã ; the ; imitam iam ¡rsmxmidlni oililtqultqlqtoíla em¡ àbíipllâkiñnli imtexm : anual tusiitorgtílo» a . unit-p : nana-Iguatu: lnugioiiinlniiare. :: Lqullt-. ldta, o cromupxoniíolunanito» premia aq: o» nuno : uma : than plÍJIOt II qomuluncrorggíxo gplqlllito tutti-nai m. _onllülüloln 7* (omnpiondimnanito- : tam: «aliam-muuito» um quadrante. Florian-ítem magnum ct-_nrqrdiamnqqw -itow : mil-naum tãni Illlsltloiio- «oil-ua . › In-íMI-'Iurm igromillvmmanita ou: namojñrnnntraniiájl tam: IJÍII uqltoit , ci-_uiüamlnlr Iquoi q¡ quitação dia : Iwiíçngow pltavmniitvrow a , arraial-im o laura-u 9101!¡ w 31h11m» cita “nullotlltcttqr-ttsw Qlliaumlñvrow. DISCUTIR COMO OS ALUNOS COM ASPERGERIS SE ENOUADRAM NOS PROCEDIMENTOS E PRATICAS ESCOLARES TIPICAS Uma questão importante é enquadrar os alunos em praticas disciplinares típicas. Muitos alunos com Aspergefs ficam muito ansiosos pela perda de privilégios, castigos ou repreensões, e com freqüência não conseguem se reagruparseguinda a sua aplicação. Uma outra questão são os procedimentos disciplinares escolares. Escolas focadas na suspensão ou expulsão como abordagem primária, ao invés do ensino de habilidades sociais, conflito de resolução e negociação e formação de ensino comunitário, são tipicamente menos eficazes. COLABORE, COLABORE, COLABORE! Educadores, administradores, pessoal relacionado ao serviço e pais devem colaborar com o plano de apoio comportamental que estiver claramente e facilmente complementado. Uma vez desenvolvido, o plano deve ser monitorado nos ambientes, e regularmente revisto em seus pontos fracos e fortes. inconsistências nas nossas expectativas e comportamentos somente intensificação os desafios demonstrados pelo aluno com Asperger's.
  4. 4. 7910 Woodmont Avenue, Suite 300 Bethesda, Maryiand 20814-3067 Fone: 30i .6570881 Or i.800.3AUT|5M Fax: 30i 6570869 Web: wwwoutism-societvorg Este materiai fo¡ reproduzido com apoio e permissão de O Indiana Resource Center for Autismo (lRCA) - Centro de Pesquisa sobre Autismo de Indiana. Visite : wwwiidcfutdianaedu / ¡rca. . Xuttsm §QUPCÚÉ ii v. .. REFERÊNCIAS Bambara, LM. & Knoster, TP (1995). Guideiines: Effective behaviorai support. Harrisburg, PA: Pennsyivania Department of Education, Bureau of5pecia| Education. Koegei, R. L., Koegei, LK. , 8( Parks, DR. (1995). "Teach the individuai" model of generaiization: Autonomy through self- management. ln R. L. Koegei & L. K. Koegei (Eds. ), Teaching chiidren with autism: Strategies tor initiating positive interactions and improving learning opportunities. (pp. ó7~77). Baitimore, MD: Paul H. Brookes Pubiishing Company. Wiiliams, K. (1995). Understanding the student with Asperger Disorder: Guidelines for teachers. Focus on Autistic Behavior, i0, 9- ió. Se você gostou da informação contida nesta publicação, por favor pense em oferecer um apoio. Através de doações que a disponibilidade dessa informação continuaró para outras pessoas em necessidade. Aiude-nos continuara trabalhar de forma vital para a comunidade autista através de da doação do imposto sobre sobre forma de dedução . www. autism- societyorg/ supportasa

×