Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina

9.218 visualizações

Publicada em

Apresentação em português sobre anatomia da pelve menor e avaliação clínica da bacia, focada para alunos de graduação em medicina e residentes em ginecologia e obstetrícia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.218
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
165
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina

  1. 1. Bacia obstétrica Patricia de Rossi Internato em Ginecologia e Obstetrícia Conjunto Hospitalar do Mandaqui
  2. 2. Bacia obstétrica
  3. 3. Bacia óssea  Ossos: sacro, cóccix e ilíacos  Pontos de referência: promontório, sinostose sacroilíaca, espinha isquiática, eminência ileopectínea, sínfise púbica
  4. 4. Estreitos da bacia  Estreitos ou planos da bacia são as regiões que podem dificultar a passagem do feto  Estreito superior: limite superior da pelve obstétrica (A)  Estreito médio: terço inferior do sacro, espinha isquiática e borda inferior da sínfise púbica (C)  Estreito inferior: margem inferior da sínfise púbica, ramos isquiopúbicos, ligamentos sacroespinhosos (sacrociáticos), ponta do cóccix (D)  B é o plano de maiores diâmetros da pelve, situado entre S2 e S3 até a borda posterior da sínfise púbica
  5. 5. Estreito superior  Delimitado por  Posteriormente: promontório e asas do sacro  Lateralmente: linhas e eminências ileopectíneas  Anteriormente: margem superior da pube e sínfise púbica  Diâmetros  Ântero-posterior ou conjugado verdadeiro (conjugado obstétrico): 11 cm  Oblíquos: da eminência ileopectínea à sinostose sacroilíaca: 12 cm  Transverso máximo: maior diâmetro do estreito superior: 13 cm  Transverso médio: eqüidistante do sacro e da pube: 12 cm 12
  6. 6. Estreito superior  A forma do estreito superior varia com o tipo de bacia  Ginecóide (50%): elipse transversa – quase um círculo  Antropóide (25%): elipse anteroposterior (ginecóide rodada 90 graus)  Andróide (20%): aproximadamente triangular; passagem da cabeça fetal tem dificuldades crescentes (paredes da pelve convergem)  Platipelóide (5%): achatada; insinuação difícil
  7. 7. Avaliação clínica do estreito superior  Medida do conjugado verdadeiro ou obstétrico  Promontório até o ponto retrossinfisário de Crouzat (ponto mais saliente na face posterior da pube)  Conjugado verdadeiro: medido indiretamente através da medida do conjugado diagonal (promontório até a borda inferior da sínfise púbica)
  8. 8. Estreito médio (escavação)  Diâmetros  Sacro médio-púbico: do meio de S3 até o meio da face posterior da sínfise púbica: 12 cm  Biisquiático: de espinha a espinha isquiática: 10,5 cm (ponto de maior estreitamento do canal de parto)
  9. 9. Avaliação clínica do estreito médio  Pelvigrafia interna  Espinhas isquiáticas proeminentes ou apagadas  Paredes pélvicas  Forma do sacro Eixo da bacia
  10. 10. Estreito inferior  Diâmetros  Transverso: bituberoso (entre as tuberosidades isquiáticas): 11 cm  Ântero-posterior (cóccix-subpúbico): 9,5 cm (11 cm após a retropulsão do cóccix)
  11. 11. Avaliação clínica do estreito inferior  Ramos isquiopúbicos  Ângulo subpúbico > 90 graus facilita o parto  Medida do diâmetro bituberoso

×