PUBLICAÇÕES                                                                                                               ...
Os nossos leitores fazem 16 perguntas a  Joaquim José Martins Cabrita, Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD/La...
rante muito tempo, provavelmente por influência do         cargos e partidos?                                          vam...
e são muito mais perenes que qualquer projeto ou tra-     somos uma zona turística, onde a circulabilidade e a       permi...
das leis a publicar. Não me importo de voltar à Fre-       lações visadas uma palavra importante, sobretudo            por...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entrevista gazeta

445 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
445
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista gazeta

  1. 1. PUBLICAÇÕES Diploma de Louvor e Mérito FATACIL PERIÓDICAS Jornalístico e EmpresarialAUTORIZADO A CIRCULAREM INVÓLUCRO FECHADO atribuído pelo GovernoDE PLÁSTICO OU PAPEL TAXA PAGA l PODE ABRIR-SE PARA VERIFICAÇÃO POSTAL PORTUGAL LAGOA Jornal com Certificado de“Mapeamento de Boas 2013 Práticas deAcolhimento Sexta-feira, 31.8.2012 e Integração de Imigrantes 1€ (IVA 6% incluido) em Portugal” SEMANÁRIO gazetadelagoa@gmail.com em Agosto na cidade de Lagoa 24º. Ano - Nº. 1.137 DIRECTOR E EDITOR: ARTHUR LIGNE (CP 1253) - Jornal Regional de Informação Geral e Opinião Política Administração de Condomínios - www.habitomatic.com.pt C rc d S.Jo é L t 4 - r c A - 8400-314 Lago - Te . 2 2 3 2 7 5 6 - Fa 2 2 3 2 7 7 - Tlm. 913 703 487 e a e s, oe / a l 8 5 2/ x 8 5 2 Ciclo de entrevistas aos responsáveis concelhios dos Partidos Políticos - 5 Os nossos leitores fazem 16 perguntas a Joaquim José Martins Cabrita, Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD/Lagoa Ler nas páginas 5 e seguintes A Ministra da Agricultura, Assunção Cristas, visitou a FATACIL 2012 - Por Arthur Ligne - Ler na página 4 - Molho de Todo 9.00 s os dia s dias Gerberas às 2 1.00 h s os h 1,90 € Todo s 21.00 Pro d s cm o peo mi brts et e i o s rçs as aao LAGOA (junto aos Bombeiros) Tel. 282356372 8. 30 à Atgs d qaiae d tds a oies rio e uldd e oa s rgn PROMO« O DA SEMANA - 29 Agosto a 4 Setembro Papel Fotocópia A4 Domedia LAGOA (Carvoeiro) Tel. 282380320 LAGOA (Alporchinhos) Tel. 282315194 2,99 € Uva Preta Vale da Rosa Carne Picada Novilho Lápis Cor Domedia 1,49 € / kg 3,49 € / kg Promoções 1,55 € / 12 unid. Tomate Cacho Salmão Inteiro da Semana Pizza Fresca Fiorini 0,89 € / kg 4,99 € / kg 29 Agosto a 1,99 € Costeletas Mistas Cavala Fresca 3,49 € / kg 1,99 € / 1 Lt 4 Setembro Macedónia Legumes Saint Eloi 1,49 € / 800 g Os preços são válidos durante a promoção, salvo ruptura de stock ou erro tipográfico GAZETA DE LAGOA - Nº 1137 - Sexta-Feira, 31 de Agosto de 2012 1
  2. 2. Os nossos leitores fazem 16 perguntas a Joaquim José Martins Cabrita, Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD/Lagoa Esta é a quinta e última entrevista aos responsáveis nicipal de Educação de Lagoa; Conselho Municipal Não podemos cair em fatalismos, mas também nãoconcelhios dos Partidos políticos que em Lagoa de Licenciamento de Estabelecimentos Comerciais e devemos ignorar o mundo que nos rodeia; tem toda atenham obtido resultados com destaque em actos elei- Vice-Presidente da Comissão Política de Secção do razão na preocupação com os que sofrem por causatorais, não sendo nossa intenção desprezar os chama- PSD/Lagoa. Foi vereador do PSD na Câmara Municipal do desemprego e da perda de rendimento, por isso odos pequenos Partidos. de Lagoa, no mandato 2005/2009 e Vogal da Comissão Estado e as Autarquias não podem deixar de prestar a Estas entrevistas têm tido grande sucesso editorial Política Distrital do PSD/Algarve. devida atenção a essas situações, quando não sejahavendo quem sugira trabalhos jornalísticos seme- Actualmente, é Chefe de Gabinete do Presidente possível evitá-las, como não tem sido.lhantes com responsáveis locais nas áreas da Saúde, da Câmara Municipal de Lagoa e Secretário da MesaEnsino e Finanças. Sabemos das dificuldades buro- da Assembleia Distrital do PSD/Algarve, em segundo P (de leitor residente em Cadiz, Espanha) - Tenhocráticas ou, mesmo, impedimento legal dessas pessoas mandato, até 2014. 33 anos, sou natural de Lisboa, mas vivi quase toda afalarem para a Comunicação Social. Mas talvez ten- Está, ou esteve, ligado a várias instituições públi- minha vida em Lagoa. Por aqui não se fala muito bemtemos essa abordagem. cas e privadas, entre as quais a Comissão de Ética do de Portugal e da austeridade imposta pelo governo de Mas vamos ter uma enorme surpresa no que respei- CHBA (desde 2005). direita. O governo continua a dificultar a vida aos ci-ta a entrevistas, já em Setembro. A pergunta que fizemos aos nossos leitores, igual dadãos, retirando-lhes direitos, como é o caso da redu- Entretanto, recordamos que recentemente entrevis- para todos, foi a seguinte: “o que gostaria de comentar ção das férias e salários, extinção dos subsídios de fé-támos os seis Presidentes das Juntas de Freguesia, o e perguntar aos responsáveis pelos Partidos Políti- rias e de Natal e a obrigação de trabalho grátis e nãoPresidente da Câmara e o Presidente da Assembleia cos que tenham ou que já tiveram assento nos órgãos notei que o PSD tenha estrebuchado em relação a is-Municipal. do poder político no Município de Lagoa?” so. Será que vamos assistir à promessa da sua repo- As entrevistas aos “chefes políticos” em Lagoa, O trabalho que se segue reproduz os comentários sição em próxima campanha eleitoral?iniciadas na edição de 29 de Junho de “Gazeta de La- e as perguntas formuladas livremente pelos nossos R - Devo, com toda a sinceridade, dizer como pontogoa”, são feitas para aferir o pensamento e o perfil dos leitores, seguindo uma metodologia simples: mante- prévio, que não posso aceitar que se responsabilizeresponsáveis partidários face aos problemas que afec- mos um curto diálogo com os nossos leitores subordi- este governo, quase na íntegra, pela situação que otam o país e, obviamente, o Concelho Lagoa e já foram nado àquela pergunta e dessa conversa e respectivos país vive, ignorando a situação que o mesmo governopublicadas: PS (Francisco Malveiro, a 29.6.2012); comentários construímos as perguntas editadas na herdou. Não nos podemos esquecer que o país estavaCDS/PP (Leonel Granja, a 20.7.2012); BE (Jorge nossa redacção para efeitos de publicação traduzindo, à beira da bancarrota e que, no atual modelo de funcio-Ramos, a 27.7.2012); PCP (Ana Boto, a 10.8.2012) fielmente, o que eles comentam em relação aos assun- namento da União Europeia, as economias dos paísesconcluindo-se esta série, hoje, com a entrevista ao tos do quotidiano local, regional e nacional e o que se assemelham às das famílias. Por isso, quando nãoresponsável local do PSD (Joaquim Cabrita). querem perguntar aos políticos. Depois, elaboramos há dinheiro, só resta ter que cortar. Pode-se, natural- Para este conjunto de entrevistas solicitámos a um questionário, que enviamos por e-mail para o polí- mente, discutir os critérios e apesar de pertencer e tercolaboração dos nossos leitores e/ou assinantes que tico em questão, a que responde de forma livre, sem responsabilidades locais no PSD não vou dizer quefizeram as perguntas aos entrevistados. Para cada uma pressões de tempo ou de espaço. tudo o que o Governo fez, foi bem feito, mas sejamoscontactámos, por telefone, fax ou internet, dezasseis Eis as perguntas a Joaquim José Martins Cabrita: honestos, se todos não abdicarmos de um pouco, al-leitores do nosso jornal - sendo que doze são residen- guns não terão nada. Vai dizer-me que alguns deviamtes no Concelho de Lagoa (2 por Freguesia, assinantes P (de leitor residente em Florença, Itália) - Tenho ter abdicado de mais do que foram obrigados a fazê-loou não de Gazeta de Lagoa) e quatro assinantes resi- 46 anos, sou natural de Braga. Toda a minha família e que outros já deram tudo, direi que descontandodentes no estrangeiro - de que resultam, no seu con- continua a viver em Lagoa pelo que sei que o desem- muita da demagogia que envolve normalmente estesjunto, 16 perguntas. prego aí é muito elevado. Não se pense que aqui está temas, a social-democracia impõe que, de facto, todos Para esta última entrevista coube a vez a Joaquim melhor. Gostaria de regressar ao Algarve, mas tenho devamos contribuir e que quem pode mais, deve contri-José Martins Cabrita, Presidente da Comissão Política medo do desemprego. A pergunta é: aceita a ideia de buir mais, mas não nos podemos esquecer que sem osde Secção do PSD/Lagoa, natural de Lagoa, onde nas- que o Estado tem de intervir bastante mais na econo- contributos de alguns, não conseguiremos inverter aceu há 46 anos (3.8.1966). É licenciado em Direito pela mia, a favor dos mais débeis, sob pena de muitos mais situação e se a esses exigirmos o que eles nunca quere-Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa desde milhares de pessoas caírem no desemprego, na misé- rão dar, perdê-los-emos e, necessariamente, assim so-1990 (média de 14 valores), Pós-Graduado em Direito ria, no crime, na prostituição e na ruptura social e freremos todos mais. A justiça tem que ser o critério,do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente (média mental? mas a razoabilidade e a praticabilidade não podem tam-de 16 valores) para além de outras formações técnicas R - É óbvio que o Estado tem obrigações para com bém andar arredadas das decisões sobre as medidas ae académicas e participação em seminários e work- os mais débeis em termos sociais e económicos. Como adotar.shops, a maioria na área do Direito e da Municipalidade. em tudo na vida, é preferível a intervenção preventiva Exerce advocacia há cerca de vinte e dois anos, à curativa ou paliativa, por isso, a intervenção priori- P (de leitor residente em Haarlem, Holanda) - Te-sendo sócio da J. Plácido Santos & Associados e da tária tem que ser na dinamização económica e na criação nho 42 anos, sou natural de Portimão, mas vivi maisSociedade Trustgest Consultores. Fez assessoria jurí- de condições para que as empresas, sobretudo as micro de metade da minha vida em Carvoeiro. Fazer umadica na Direcção de Serviços de Recrutamento do Es- e pequenas empresas que predominam em Portugal e pergunta a um político é coisa que nunca me passariatado-Maior do Exército, contratado pelo Exército, ramo na nossa região, possam sobreviver e não tenham que pela cabeça. De forma irreverente, ela aqui vai: Tenhodas forças armadas que serviu como Alferes, a partir reduzir ainda mais a sua dimensão ou mesmo fechar. lido na imprensa internacional artigos que denunciamde 1991 e como Tenente, a partir de 1994. Também me parece que o atual momento da econo- actos de corrupção em Portugal. É verdade que alguns Também exerceu a docência no ISMAG-ISHT / mia mundial e, sobretudo, europeia dificulta imenso a políticos portugueses são corruptos e que nas Câma-ISMAT tendo sido regente das cadeiras de Direito do tomada de medidas que produzam rapidamente o efeito ras os favores se pagam ao nível de alguns funcioná-Trabalho, Direito Público, Direito das Famílias, Direito impulsionador, mas não podemos desfalecer e temos rios sem escrúpulos? Há autarcas a perder os seusdas Sucessões, Introdução ao Direito, Direito da Arqui- que acreditar que será possível recuperar. Dou-lhe um mandatos. Não é preocupante?tectura e do Urbanismo, Fiscalidade, Relações Labo- exemplo da nossa região. Se todos nós, e sobretudo a R - Os políticos são pessoas com todos os defeitosrais, Gestão dos Recursos Humanos, Direito Comuni- hotelaria, começarmos a adquirir produtos agrícolas e virtudes que caracterizam o género humano. Haverátário, etc., etc.. da região, daremos uma forte ajuda ao interior a partir políticos e funcionários públicos menos sérios, como A sua entrada na política activa (PSD) deu-se em do litoral. Se os hotéis e os operadores turísticos leva- há advogados, engenheiros e técnicos de qualquer área2001, ano em que foi eleito Presidente da Assembleia rem os turistas a visitar os recantos, as cidades e as al- menos honestos. O que sucede é que os políticos e,Municipal de Lagoa. Sucessivamente, foi eleito mem- deias da nossa região, há produtos que se vendem, por força deles, os que os rodeiam, estão mais expos-bro da Assembleia Metropolitana do Algarve; Conse- negócios que se geram e oportunidades que se criarão tos, têm um enfoque mediático muito maior, o que dálho Municipal de Segurança de Lagoa; Conselho Mu- para dinamizar a economia local. uma visibilidade muito maior aos seus defeitos. Du-2 GAZETA DE LAGOA - Nº 1137 - Sexta-Feira, 31 de Agosto de 2012 5
  3. 3. rante muito tempo, provavelmente por influência do cargos e partidos? vamos de ter cortar na Educação e na Saúde! AchoEstado Novo, havia como que uma deificação dos polí- R - Quanto a obras em anos eleitorais, não concor- que ele ainda não tem carisma nem é considerado umticos. Perdoavam-se-lhes os defeitos e enalteciam-se do que assim seja sempre e há uma razão plausível pa- prestigiado homem de Estado para dizer coisas queas virtudes, hoje é um bocadinho o contrário. ra assim acontecer muitas vezes. É que sendo os ciclos só são perdoáveis a loucos ou líderes mundiais. O que Mas a grande mais valia é a democracia, porque se eleitorais de quatro anos e não devendo, quer por não tem importância na Europa tem muita em Portu-hoje se conhecem os vícios e os atos menos lícitos de questões de ética política, quer mesmos, muitas vezes, gal. Concorda com aquelas afirmações do PM e, comoalguns políticos, como os de qualquer pessoa, isso é por exigências legais, os projetos exceder os ciclos líder político do PSD, como as comenta?a prova de que a democracia funciona. Sinceramente, políticos, é perfeitamente natural que devendo uma R - Não me cabe comentar as afirmações do Pri-não creio que os políticos e os agentes do Estado de obra ser estudada, projetada e financiada, normalmente meiro-Ministro, mas cabe-me, numa atitude séria, tentarhoje, nas Câmaras como em qualquer outro lado, sejam o primeiro ou primeiros anos do mandato são gastos percebê-las, mesmo que os termos concretos usadospiores que os de antes, muito pelo contrário, o escrutí- nestas fases que não têm visibilidade pública e depois não sejam os mais ortodoxos.nio e a fiscalização que a lei impõe e que a comunicação o que se vê, é a obra em curso (no 2º ou 3º ano) e a sua No que diz respeito à emigração, é evidente quesocial muitas vezes complementa, inculcam natural- finalização perto do final do ciclo. Mas isto é natural e temos que criar condições para que todos os Portugue-mente uma atitude muito mais conforme aos ditames em obras de grande dimensão, quase imperativo que ses possam ser felizes em Portugal e não necessitemda lei. Pela minha experiência pessoal, posso dizer-lhe assim seja. Mas lembro-lhe que, muitas vezes, as obras de ir em busca de “el dorados” fora de portas. Devo,que no poder autárquico o que me tem surpreendido é principais são as que não têm esta visibilidade, mas porém, dizer que, hoje em dia, com a União Europeia oa quantidade de pessoas que tenho encontrado e que têm um impacto social muito superior, como os apoios conceito é assumidamente o da liberdade de circulaçãopela dedicação, pelo empenho e pelo esforço que fazem às associações e clubes, a dinamização cultural ou o e de estabelecimento em todos os aspetos, portanto,não merecem as críticas que, muitas vezes, lhes são apoio social. Estes são permanentes, duram todo o cada cidadão europeu é livre de se fixar em qualquerfeitas, sobretudo com generalizações. mandato e, muitas vezes, esquecidos, por quem critica dos países da União, sem sequer dever ser considerado a inauguração de uma qualquer obra mais perto do fi- um imigrante, mas antes um migrante. Ou seja, há uma P (de leitora residente em Paris, França) - Tenho nal do mandato. desmistificação do conceito de procura de um local39 anos, sou natural de Lagoa. Emigrei há seis anos. Quanto às candidaturas, também aqui não creio para trabalhar ou viver, devendo considerar-se tão le-Tenho uma amiga que frequenta a mesma Universi- que não tenha existido renovação. Hoje tem pessoas gítimo o estabelecimento num país que não o de origem,dade onde estuda ex-PM Sócrates e diz-me que todos no executivo camarário e na Assembleia Municipal quanto a fixação numa diversa região do mesmo país.o detestam por o acharem de nariz empinado e ser um que ocupam os lugares à relativamente pouco tempo Também numa perspetiva extra europeia, o mundo hojedos responsáveis por aquilo que se está a passar na e tem havido mutação. Também em termos de infor- é muito mais aberto, sendo muito mais naturais os mo-Europa. Entre os emigrantes, pensa-se que o actual mação política, pelo menos o PSD tem um sítio na in- vimentos migratórios, até ao nível das profissões maisPrimeiro-Ministro ainda é pior que Sócrates e que só ternet que procura transmitir o que vai ocorrendo de qualificadas. Creio que o PM quis dar nota desta des-fará este mandato por estar a provocar o caos nas fa- relevância e tem procurado manter contacto com os mistificação e não tanto incentivar-nos a partir.mílias. Não sou só eu que o digo. Diz toda a agente. seus militantes e a população em geral, mas é verdade Quanto à referência às eleições, também aqui achoClaro que deve pensar diferente, ou não? que, por vezes sentimos algum divórcio entre a gene- que existiu aproveitamento da essência da mensagem, R - Já em resposta a outra questão afirmei que é ralidade das pessoas e a política, mas a consciência a qual terá sido desvalorizar a luta pela vitória eleitoralevidente que o atual Governo encontrou uma situação desse facto deve levar-nos, e efetivamente tem-nos a todo o custo (muitas vezes, curiosamente criticada aque não lhe é imputável e que obrigou à tomada de di- levado, a procurar combatê-lo. outros), valorizando antes a seriedade da atuação, comfíceis medidas. Estou convicto que o atual Primeiro-Mi- verdade e vontade de conseguir os resultados preten-nistro acredita mesmo que pode fazer algo para melho- P (de leitor residente em Lagoa) - Tenho 54 anos, didos, o que subscrevo inteiramente.rar o estado do país e acredito, estando a leitora fora, sou natural de Lagoa. Analisando as eleições, e vêm No que respeita aos cortes nos setores referidos,seguramente tem reflexo de que a imagem do país e da aí novas eleições, verifico que só por milagre o PSD como em quaisquer outros, devem apenas ser feitosnossa conduta em face da crise é hoje bastante melhor. manteve a Junta de Porches tendo escolhido péssimos no supérfluo e nunca no que possa tocar a essênciaNós discutimos os dolorosos efeitos que algumas me- candidatos às presidências das Juntas que perdeu. A da satisfação das necessidades básicas dos cidadãos.didas têm, mas verdadeiramente ninguém, até agora, ideia já era… que se lixem as eleições ou foi um erro Também subscrevo o particular relevo da educação efoi capaz de apresentar medidas alternativas que asse- táctico? Os candidatos não são escolhidos e votados da saúde, a primeira porque é apostando nela que segurassem o mesmo resultado, sendo certo que não no Partido? Se os vereadores vitalícios são bons e pode verdadeiramente construir um amanhã melhorpagar as dívidas que contraímos e ignorar as nossas têm prestígio, porque não lideram listas para Juntas com melhores cidadãos, a segunda na medida em queobrigações perante os credores, não me parece um para ganhar eleições? O PS fez isso, apresentou um não se pode deixar de assegurar a quem não tem meiosbom pressuposto de ação. ex-vereador em Lagoa e ganhou… o acesso aos cuidados básicos de saúde e a uma vida O que o atual Governo mais tem a seu crédito é R - Os candidatos às eleições, sejam eles para Jun- de qualidade. Mas, como certamente concordará, háexatamente o facto de ter tomado medidas imediatas, tas ou outro qualquer órgão, são escolhidos tendo em muitas maneiras de cortar e até um determinado pontoque sendo impopulares, visaram estancar o défice, isto conta diversas variáveis, tais como a capacidade para será seguramente compatível a existência de cortesé o menos eleitoralista dos comportamentos e exata- liderar o projeto que o Partido pretende implementar, a com a manutenção e até a melhoria do serviço, nomea-mente o contrário do que fez o Governo anterior que identificação com o local concreto onde o mandato damente quando o que se visa é a otimização e os cor-ignorou a crise e continuou a gastar o que não tinha deve ser exercido e, naturalmente, a opinião que a Co- tes se verificam no desperdício que todos, creio, admi-para assegurar mais uma vitória eleitoral. Concordo, missão Política, em cada momento, tem das pessoas timos que existia nalguns serviços.porém, que as medidas implementadas têm tido um em concreto para serem capazes de atingir o resultadoelevado custo para algumas famílias e que, num pri- esperado. Deixe-me que diga, que não subscrevo mini- P (de leitor residente em Ferragudo) - Tenho 54meiro momento, é perfeitamente compreensível que mamente a sua opinião sobre a qualidade dos nossos anos, sou natural de Rio de Mouro. Ainda não foigastar menos seja o mote, mas, naturalmente, terão últimos candidatos às Freguesias, tendo capacidade tornado público um comunicado com a posição doque se começar a ver resultados das reformas feitas e qualidades que justificavam (na minha opinião) a PSD/Lagoa e Câmara Municipal em relação à extin-assim como serem tomadas novas medidas para es- sua escolha. Também se é verdade que o PSD perdeu ção de Freguesias. O PSD/Lagoa vai ficar calado etancar o desemprego e gerar um efeito económico posi- em 5 Juntas, em quase todas elas bateu-se em termos assistir, sem contestar, à extinção de 2 ou 3 Fregue-tivo, sob pena de os efeitos na economia serem perver- de resultado e, acima de tudo, teve uma postura muito sias? Também se fala na extinção de Câmaras e Con-sos. O que não podemos é exigir, por um lado, que o digna, com pessoas capazes de governar as Freguesias celhos. Que informação me pode dar sobre estes as-Governo gaste mais, apoie e dê e, por outro, acusá-lo e de concretizar projetos complementares à política suntos já que, para além de ser líder local do PSD, éde não conseguir equilibrar as contas. O dinheiro, para municipal. Mas é ao povo que cabe decidir e, nem chefe do gabinete do Presidente da Câmara, pelo queo Governo, como para qualquer um de nós, ou se ganha sempre, por uma ou outra razão, o que se crê profun- deve saber um pouco mais que nós, cidadãos?ou se pede. Não devendo o Governo pedi-lo, só o po- damente ser um bom projeto com as pessoas certas, é R - O PSD já tomou localmente posição sobre a Leide fazer gerar, mas a única maneira saudável de gerar como tal entendido. que veio impor a extinção de Freguesias. O nosso en-dinheiro é fazer a economia produzir e, na atual con- Só mais um reparo, para deixar dito que ganhar tendimento é que, sendo certo que quanto a esta maté-juntura internacional, isso não é fácil. Porches não foi um milagre, foi o resultado de um tra- ria não deve haver nem tabus, nem realidades imutá- balho sério, honesto e capaz do Sr. José Pina Marques veis, a verdade é que o atual número de Freguesias de P (de leitor residente em Lagoa) - Tenho 37 anos, e da sua equipa. Lagoa é relativamente recente e resultou da dinâmicasou natural de Lisboa. Tenho de reconhecer que muito Quanto aos Vereadores serem candidatos a Juntas, económica e social do Concelho. Assim, só nos parecese tem feito no concelho de Lagoa mas as obras apare- podê-lo-ão ser como qualquer outra pessoa e ninguém legítimo alterar as Freguesias existentes a partir dumacem quase sempre em tempo de eleições. E por falar tem cargos vitalícios na política e muito menos tal é base voluntária e num movimento que parta das pró-em eleições, pouco sabemos sobre os Partidos e seus verdade na nossa realidade concreta. prias populações e seus representantes ao nível dasresponsáveis. Não há informação ou agora há menos Freguesias.informação política e somos confrontados com candi- P (de leitor residente em Ferragudo) - Tenho 43 Devo ainda acrescentar que entendo que esta édaturas a políticos que não lembraria ao Diabo. Em anos, sou natural de Lagoa. Tenho ouvido muitas uma matéria de tal maneira importante que não deveLagoa são sempre os mesmos. Qual o motivo que leva barbaridades entre as quais três do PM Passos Coe- ser prejudicada por guerras partidárias. As alteraçõesalgumas pessoas eleitas por voto popular a abandonar lho: é melhor emigrarem, que se lixem as eleições e que fizermos, seguramente, prorrogar-se-ão no tempo26 GAZETA DE LAGOA - Nº 1137 - Sexta-Feira, 31 de Agosto de 2012 3
  4. 4. e são muito mais perenes que qualquer projeto ou tra- somos uma zona turística, onde a circulabilidade e a permitir desvios a esta regra.jetória partidária, por isso, tenho defendido e defendo mobilidade em geral deve ser um fator dinamizador ea procura de um largo consenso sobre esta matéria. não um escolho. P (de leitor residente em Carvoeiro) - Tenho 66 Há dinâmicas urbanísticas e económicas recentes A posição do PSD Lagoa foi assumida na Assem- anos, sou natural de Carvoeiro. Alguns residentesque viabilizam pensarmos em soluções um pouco di- bleia Municipal, foi transmitida já aos órgãos regionais estrangeiros, identificados com a política portuguesaversas das atuais seis Freguesias, mas as alternativas e nacionais do Partido e, com a liberdade que cada um e atentos ao que aqui se passa, têm-me perguntado odevem ser ponderadas e, na medida de possível, con- dos militantes tem, sei que alguns têm participado nas que é que o nosso PM pretendeu dizer com a frase quesensualizadas, porque a divisão administrativa e o ações de protesto, das mais públicas às mais privadas se lixem as eleições! A minha pergunta é: Imaginebem-estar das populações não é património de ninguém (como por exemplo não usar a Via do Infante, ou usando que o nosso Presidente da Câmara ou o nosso Presi-a não ser das próprias populações e a autonomia local apenas na medida em que essa utilização apenas abar- dente de Junta, ao falarem numa festa qualquer, diziamnão deve ser apenas vista na relação das autarquias que as 10 passagens gratuitas). Neste aspeto, pode o mesmo. Como seria depois? Será que esta gentecom o poder central, mas também nas relações entre ter a certeza que o PSD Lagoa está contra as portagens não sabe o que diz ou é parva? Como líder do PSD deelas, respeitando-se os níveis de cada uma. e assume publicamente tal posição. Lagoa, qual é a sua opinião? A organização administrativa Portuguesa é caótica R - Eu, como já tive oportunidade de dizer anterior-e cumula um conjunto de contradições, a começar pela P (de leitor residente em Estômbar) - Tenho 33 mente, acho que neste caso se deu demasiado valor àreferência constitucional às Regiões Administrativas anos, sou natural de Portimão. Estou desempregada expressão e se esqueceu a essência da mensagem,e a total ignorância que os diversos poderes centrais há anos, sou mãe solteira e não consigo encontrar que até me parece muito positiva. Acusam-se normal-têm mantido em relação ao assunto. Também existem trabalho. Já fui aliciada para ir para a Noruega só mente os políticos de só terem interesse em ganharduplicações e disfuncionamentos na articulação da que não encontro ninguém que me preste informações eleições e não se preocuparem com as pessoas, parece-divisão distrital com as regiões plano e entre estas e sobre se posso estar a ser vítima de uma qualquer re- -me claro que o que o PM quis dizer foi exatamente oalgumas associações de Municípios. No caso do Algar- de de tráfico humano. Tenho medo e não encontro contrário disto. Ele está mais preocupado em salvar ove, felizmente, neste aspeto estamos menos mal, por- respostas. A Câmara ou os Partidos políticos não de- país e recuperá-lo da crise do que em ganhar ou perderque a AMAL (Comunicadade Intermunicipal), o Distri- veriam ter um serviço de apoio e informação aos de- as próximas eleições. Isto é de quem quer o bem doto e as Direções Regionais até coincidem, mas, obvia- sempregados e a possíveis saídas profissionais sem seu povo e não o seu próprio.mente, só uma região com dirigentes eleitos e verdadei- ter de passar pelo Instituto de Emprego? É evidente que, na política ganhar eleições é a con-ramente conhecedores da nossa realidade daria o em- R - Tanto deveriam ter que, no nosso caso, temos. dição para governar e quando achamos que temos umpurrão que necessitamos em muitos aspetos e não O Gabinete de Inserção Profissional (GIP) que funciona bom projeto e podemos ser uma mais-valia, temos quedeixaria que fossemos “levados” nalguns outros. no Município (junto dos Serviços de Ação Social) tem ganhar as eleições primeiro para o poder implementar. exatamente essa função e tem tido um importante papel Mas eu também acho que não se deve governar com P (de leitor residente em Porches) - Tenho 36 anos, no apoio e na canalização de oportunidades de empre- os olhos nas eleições, antes devemos olhar para a rea-sou natural de Faro. Respondo a centenas de empre- go para os seus potenciais destinatários no nosso lidade e a preocupar-nos em fazer o que entendemosgos e envio milhares de currículos e nada. O meu Concelho. Se ainda não o contactou, deve fazê-lo, por- que tem que ser feito para o bem da comunidade e dassubsídio de desemprego está a acabar. Só não morro que ele existe, tem o apoio técnico e está integrado na pessoas a que as nossas políticas se destinam. É evi-de fome porque tenho os meus pais. Estou desiludida rede funcional do Instituto de Emprego e pode ser a dente que, por exemplo, a gestão apenas preocupadacom os políticos e a política. Dou um exemplo: em ajuda essencial para distinguir uma boa oportunidade em fazer coisas nos últimos meses para agradar àsPorches há pessoas que nunca trabalharam, nunca de emprego de um qualquer logro. Além disso, pode pessoas está errada, é tratar as pessoas como igno-descontaram, mas ganham muito dinheiro em sub- encontrar outra ajuda e quem sabe a oferta de emprego rantes e é insensato.sídios e nos seus negócios e ainda têm apoios da Câ- que permita trazê-la de volta ao mercado do trabalho. Assim como foi profundamente errado e insensatomara, pagam misérias por rendas e ainda roubam a o Eng.º Sócrates ter-nos enterrado nos últimos anoságua e luz que consomem. Isto é justo? P (de leitor residente em Estômbar) - Tenho 48 da sua governação, apenas preocupado em manter-se R - Nunca é justo abusarmos do sistema. Não sei a anos, sou natural de Estômbar. Tenho ouvido muitas no poder. Isto não é política na sua essência e as pes-que situação concreta se refere, mas acho que é dever queixas de fornecedores que dizem não conseguir re- soas devem estar-se “lixando” para isso, ainda quede todos os cidadãos, quando se sentirem discrimina- ceber a tempo e horas da Câmara de Lagoa, os seus talvez esta não seja a expressão mais bonita para serdos, reportarem os casos que conhecem e que os põem fornecimentos. Ouvi na televisão que foi apresentada usada por um PM.nessa situação de injustiça relativa. Obviamente, como uma queixa ao PGR relacionada com possíveis ex-já disse, vivemos um grave problema de emprego e te- cessos de zelo no que diz respeito à Lei dos Compro- P (de leitor residente em Carvoeiro) - Tenho 45mos todos que fazer um esforço para procurar redina- missos que os fornecedores dizem servir para todo o anos, sou natural de Porches. Sou militante do PSD.mizar a economia e criar emprego, mas tal não pode tipo de desculpas de maus pagadores. Nem sei bem do Estive há uns tempos atrás na redacção de Gazeta deacontecer à custa do erário público, porque simples- que se trata. Afinal, estamos a falar de quê? Lagoa em conversa com o seu director sr. Arthur Li-mente não há dinheiro para isso. Portanto, concordo R - A designada Lei dos Compromissos é uma lei gne e falámos nos feriados que iriam ser extintos econsigo no aspeto em que não deve ser gasto dinheiro que, na sua essência, obriga a que os Municípios não dessa conversa ficou-me a ideia de que também os fe-com quem não precisa, mas não podemos é ter es- tenham pagamentos em atraso para além de 90 dias riados municipais deveriam ser extintos. Agora quetigmas nem preconceitos e quando se trata de necessi- sobre a data em que o pagamento era devido e que im- já foram ou vão ser extintos feriados que marcam adades, todos somos iguais quando necessitamos. Se põe também que os Municípios não assumam uma nossa história política e religiosa, como encararia aalguém tem negócios e rendimentos e não necessita despesa para a qual, antecipadamente, não saibam que hipótese da extinção dos feriados municipais, entrede apoios, então essa situação deve ser denunciada e têm uma receita garantida para a cobrir. Como vê, isto os quais o de Lagoa, a 8 de Setembro?comprovada, contudo, perante a lei e nas mesmas cir- impõe, por um lado, exatamente o efeito contrário ao R - Sou contra a extinção de feriados, sejam elescunstâncias, todos somos iguais, independentemente das queixas que refere, ou seja, que os atrasos não se- quais forem, porque eles fazem parte do nosso patri-de credos, raças ou confissões. jam superiores a 90 dias (sendo certo que para algumas mónio social e não creio que seja assim que se resolvem pessoas ou entidades, mesmo estes 90 dias, são dema- os problemas de produtividade. Isto parece-me uma P (de leitor residente em Porches) - Tenho 74 anos, siado tempo) e, por outro, obriga a um particular cuida- falsa questão e a não ser em empresas onde a produtivi-sou natural de Lagoa. Li um texto de campanha de do na assunção de despesa, na medida em que ela só dade depende estritamente de uma produção horária,2005 do PSD, onde se diz que “os trabalhadores da pode ser contraída se houver garantia de pagamento em todas as outras pesa muito mais a organização doCâmara, as mulheres, os idosos, os jovens, os empre- efetivo. trabalho que a sua estrita duração. A este facto acrescesários e os estrangeiros têm sido os artífices do de- É disto que estamos a falar e o eco tem sido muito sermos nós, Algarve, uma região dependente do turis-senvolvimento sustentado do Concelho de Lagoa”. grande, porque havendo Municípios que têm uma dí- mo e, para nós, os feriados são, em regra, muito bons,Será? Os políticos e autarcas deixaram de se preocu- vida acumulada considerável (o que não é o caso de porque propiciam os fins de semana prolongados e aspar connosco. Veja-se um caso: o PSD nacional, regio- Lagoa, pelo menos no meu entendimento e tendo em pontes que nos trazem turismo, nomeadamente foranal e local já tomou alguma posição pública e solidária conta termos relativos de comparação entre capacida- das épocas altas, combatendo assim a sazonalidade.sobre as portagens na Via do Infante e o pandemónio de financeira e montante da dívida), com a entrada em Os feriados municipais são também peças destena EN125? Qual e onde? vigor destas obrigações e de alguns procedimentos património sociocultural local, muitas vezes pretexto R - O PSD local e regional tem tomado posição pú- que lhe são complementares, ficam praticamente im- de aproximação e encontro entre as pessoas e marcan-blica contra a introdução de portagens na Via do Infan- pedidos de realizar nova despesa e têm uma forte ten- do uma forte ligação dos cidadãos ao seu Concelho,te e o PSD Lagoa nunca escondeu e sempre assumiu dência para o bloqueio. Mas o objetivo essencial do por isso não devem acabar.publicamente a sua oposição a essa introdução. As legislador até foi proteger exatamente os credores dosportagens são injustas, porque a Via foi construída Municípios, porque quanto a isso, creio que estamos P (de leitor residente no Parchal) - Tenho 53 anos,em grande parte com dinheiros provenientes dos fun- todos de acordo, é profundamente injusto que alguém sou natural de Portimão. Quase todos os leitores têmdos comunitários; é insensata, porque não há alterna- venda um bem ou realize um serviço para um Município perguntado se o Parchal poderá deixar de ser Fregue-tiva credível e razoável (como se tem visto recente- e não receba dentro de um prazo razoável e previamente sia e há opiniões políticas para todos os gostos, pare-mente, nomeadamente no atravessamento do nosso estabelecido entre os contratantes. Um país normal, cendo-me que quem concebeu a ideia da extinção ouConcelho) e é prejudicial à economia Algarvia, porque de gente normal, a funcionar normalmente não se pode fusão já tem a lei preparada e bem guardada na gaveta4 GAZETA DE LAGOA - Nº 1137 - Sexta-Feira, 31 de Agosto de 2012 7
  5. 5. das leis a publicar. Não me importo de voltar à Fre- lações visadas uma palavra importante, sobretudo portante tem sido o trabalho de sensibilização destaguesia de Estômbar. Mas não quero ir sozinho. Que quando for conhecida a proposta concreta do grupo força de segurança para as necessidades e para asbenefícios podem ser obtidos na extinção de Fre- de trabalho. prioridades no nosso Concelho e, nos últimos tempos,guesias, se dizem que as despesas são mínimas? Isso Neste caso, como em qualquer outro, o mais impor- sei que tem existido um estreitamento desse relaciona-não vai provocar mais desemprego? tante para o PSD Lagoa é que nada seja feito à revelia mento e uma articulação da ação que tem permitido R - Quanto à resposta a esta pergunta, remeto em e sem o conhecimento das populações visadas, mas bons resultados, nomeadamente em termos de reduçãomuito para o que já atrás referido sobre esta questão antes com a participação e o mais conforme à sua von- da criminalidade.das Freguesias. O essencial para o PSD Lagoa é que tade, salvaguardando, naturalmente, o que nos for im- Concordo inteiramente que a segurança é um dosas populações eventualmente alvo da agregação dese- posto pela Lei e pela Assembleia da Republica, que, vetores importantíssimos na nossa região, quer parajem ou, no mínimo, aceitem a fusão. Elas serão os desti- tal como para a criação, é o único órgão competente que todos nos sintamos confortáveis e descansados,natários das alterações, devem por isso ter consciência para a decisão final. quer porque sendo um destino turístico, um dos gran-dos benefícios ou prejuízos que, para si, possam de- des argumentos da nossa oferta deve passar por aqui.correr da agregação e decidir em consciência. P (de leitor residente no Parchal) - Tenho 58 anos, Também é evidente que, nos difíceis tempos que Como também já disse, das seis Freguesias que te- sou natural de Estombar. Há alguns anos atrás falou- atravessamos, a criminalidade pode ter tendência amos, duas são de constituição relativamente recente e -se e li neste jornal, que Lagoa iria ter Polícia Muni- crescer, nomeadamente aquela que se dirige contra ocorresponderam a dinâmicas próprias locais, pelo que, cipal, o que nunca aconteceu. Hoje, com o louco au- património, daí toda a importância da ação da GNR e anão podem ser de ânimo leve extintas ou alteradas. mento da criminalidade violenta, tráfico e consumo articulação dessa ação com a Câmara Municipal e asTambém as Freguesias de Porches e Estombar têm de droga na zona de Lagoa, diariamente noticiada na organizações da sociedade civil local, para completauma base histórica consolidada e uma especificidade Imprensa, essa polícia até poderia ser útil. Como res- perceção dos fenómenos potencialmente geradoresmuito própria, não me parecendo curial proceder à sua ponsável político acha que a GNR tem tido respostas de condutas criminosas.reestruturação. rápidas adequadas ao crescimento da criminalidade? Não creio, porém, que neste particular aspeto a É evidente, nos termos da atual lei, que a Freguesia O que acha que leva Lagoa a resistir à tentação de ter polícia municipal possa ser uma mais-valia significa-do Parchal e a de Estombar serão alvo de qualquer Polícia Municipal? tiva, porque teria muita limitação de meios de ação e aproposta do Grupo de trabalho, face à consideração R - Creio que pode existir alguma confusão quanto sua simples existência poderia afetar o envio de meioslegal de que dividem um núcleo urbano, mas porque, ao papel da Polícia Municipal. Este corpo policial local, por parte da GNR, essa sim com condições para nodesde a separação destas Freguesias, ocorreram e es- onde exista, não pode ir muito mais além nas suas terreno garantir a nossa segurança.tão previstas dinâmicas urbanas muito específicas, o competências, do que vai a fiscalização do Município.resultado não terá forçosamente que ser a reintegração A segurança de pessoas e bens cabe à GNR (e ondedessas Freguesias, cabendo, na nossa ótica, às popu- existe, que não é o caso de Lagoa, também à PSP). Im- Lagoa, 24.8.2012 Projeto Férias Desportivas no Meu Bairro 2012 nos dois maiores Bairros Municipais do concelho de Lagoa Porque é fundamental criar alternativas de vida às Durante sete semanas, este projeto proporcionoucrianças e jovens proporcionando-lhes oportunidades a ocupação dos tempos livres das crianças e jovensque potenciem uma maior integração social, o entre os 6 e os 14 anos de idade, e a descoberta deMunicípio de Lagoa, através dos seus serviços de apetências até agora inexploradas a partir de um con-Ação Social e Saúde e Desporto e Juventude, colocou junto de atividades, experiências e passeios, tais co-em prática o Projeto “Férias Desportivas - Verão mo, saídas à praia, visita às Fontes de Alte e ao Sítio2012” entre os dias 09 de Julho e 24 de Agosto nos das Fontes em Estômbar, Parque Aquático - Slide edois maiores bairros de cariz social do concelho de Splash, visionamento de filmes, jogos tradicionais,Lagoa - Bairro Municipal de Porches e Bairro Municipal jogos didáticos e desportivos nos polidesportivosJacinto Correia, onde existem menores respostas neste locais, entre outros.âmbito. CML Se recebeu uma carta, não se esqueça de renovar a sua Assinatura até à data indicada, para continuar a receber o jornal48 GAZETA DE LAGOA - Nº 1137 - Sexta-Feira, 31 de Agosto de 2012 5

×