Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar

1.443 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar

  1. 1. TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Profª MsC Gidélia Alencar Sabemos que a avaliação não pode ser um fim em si mesmo, pois se constitui num meio (processo) a ser utilizado por professores e alunos para que o processo de ensino aprendizagem ocorra satisfatoriamente. Por esta razão, a seleção das técnicas e instrumentos de avaliação depende de alguns fatores como: os objetivos visados, a natureza da área de estudo, o tempo do professor, o número de alunos em sala, etc. Por isso, faz-se necessário o conhecimento do professor quanto às vantagens e desvantagens de cada instrumento. A fim de auxiliar na seleção, disponibilizamos abaixo alguns instrumentos de avaliação mais utilizados, apontando suas principais vantagens e desvantagens. TESTES E PROVAS OBJETIVAS Recomendados para verificar se os objetivos cognitivos estão sendo atingidos Principais vantagens Principais desvantagens Avaliam vários objetos ao mesmo tempo Elaboração difícil e demorada Possibilitam julgamento rápido e objetivo Exigem digitação e impressão Limitam-se ao conteúdo, eliminando a subjetividade na Não avaliam as habilidades de expressão dos alunos correção Os resultados podem virar dados estatísticos Condicionam a uma certa passividade dos alunos Facilitam a “cola” e requerem fiscalização cuidadosa TESTES E PROVAS SUBJETIVAS Recomendados para oportunizar a expressão dos alunos de maneira pessoal Principais vantagens Principais desvantagens De fácil organização Favorece amostra reduzida das aprendizagens adquiridas Verifica a capacidade reflexiva do aluno Não anula a subjetividade na correção Verifica a capacidade de organização das idéias Exige tempo e definição prévia de critérios para correção Possibilita verificação da clareza e objetividade de expressão Correção demorada do aluno PROVA ORAL Permite avaliar a capacidade reflexiva e crítica do aluno sobre o tema abordado, sendo mais utilizada no ensino de línguas estrangeiras Principais vantagens Principais desvantagens Permite avaliar a capacidade reflexiva e crítica do aluno Oferece amostra reduzida do conhecimento do aluno Avalia conhecimentos e habilidades de expressão oral Os atributos pessoais do aluno interferem no resultado (ex.: gagueira) Permite verificação da pronúncia, construção correta da frase O julgamento é imediato e subjetivo e fluência no vocabulário Desenvolve a oralidade Ocorre a variedade de questões e de condições ambientais CONSTRUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA 1. 2. 3. 4. 5. FASES DA CONSTRUÇÃO Determinação dos objetivos e conteúdos a serem avaliados Escolha dos tipos de instrumentos (dissertativo e / ou objetivo) Fixação do número de questões e instruções Elaboração das questões e instruções  Bem distribuídas  Cuidadosamente elaboradas  Baseadas em idéias relevantes Revisão e aperfeiçoamento das questões  Retenção e análise de cada item
  2. 2.              ORGANIZAÇÃO Questões a partir de idéias e problemas relevantes Respeito pelo grau de formação escolar do aluno Instruções específicas para cada categoria ou item Não usar frases prontas Questões em ordem de dificuldade crescente Agrupamento de questões da mesma categoria Evitar dicas de respostas Apresentação esteticamente organizada (digitada) Evitar divisão de questões (na digitação) Separar uma questão da outra Somente utilizar ilustrações nítidas Determinar o critério de correção antes da aplicação da prova Preparar o gabarito de correção TIPOS DE QUESTÕES Resposta curta Lacuna Certo-errado Verdadeiro- falso Levam à recordação /evocação Memorização Levam ao reconhecimento Acasalamento / combinação Associação Exigem ordenação Múltipla Escolha Exigem resposta múltipla CONSTRUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DA PROVA SUBJETIVA 1. 2. 3. 4.    5.  FASES DA CONSTRUÇÃO Determinação dos objetivos e conteúdos a serem avaliados Escolha dos tipos de instrumentos (dissertativo e/ou objetivo) Fixação do número de questões e instruções Elaboração das questões e instruções Bem distribuídas Cuidadosamente elaboradas Baseadas em idéias relevantes Revisão e aperfeiçoamento das questões Retenção e análise de cada item       ORGANIZAÇÃO Planejar as questões com antecedência Elaborar questões coerentes com os objetivos propostos Questões claras e específicas Observar o tempo disponível para sua aplicação Observar o desenvolvimento intelectual do aluno Não utilizar questões optativas    CRITÉRIOS PARA CORREÇÃO Estabelecer critérios para cada questão Corrigir a mesma questão de todas as provas Manter o anonimato das provas
  3. 3.       QUESTOES DISSERTATIVAS / SUBJETIVAS PODEM AVALIAR: Capacidade de organizar, analisar e aplicar conteúdos Relacionar fatos e idéias Interpretar dados e princípios Analisar criticamente uma idéia Realizar interferências Expressar idéias e opiniões com clareza e exatidão TIPOS DE PROVAS SUBJETIVAS Perguntas curtas  O que  Quem  Quando  Qual  Onde... Perguntas relativamente curtas:  Relacione  Enumere  Defina  Diferencie... Perguntas dissertativas:  Descreva  Compare  Explique  Analise  Resuma  Interprete... Remetem à recordação de acontecimentos, nomes, datas e locais Exigem respostas mais elaboradas Exigem respostas mais complexas e extensas (Adaptado de Haydt, 2008)

×