Práticas em Língua Inglesa: dos contos de fadas
à construção do e-book
Caroline Bona1
, Tamires Andréia Nardelli3
, Caique...
sanadas as dúvidas pertinentes aos planejamentos ou
conhecimentos didáticos.
Depois de um caminho de observações e conheci...
Morais. Tradução de The voices of society: literacy,
consciencioness and power. In.: DELTA, vol.14, nº2, p. 336. 1998.
UM ...
2009.
c. Capítulo de livro:
JACKSON, M. L. Chemical composition of soil. In: BEAR, F. E., ed. Chemistry of the soil. 2.ed....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relato de exp. carol,tamires e caique

149 visualizações

Publicada em

RELATOS IFC 2014

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relato de exp. carol,tamires e caique

  1. 1. Práticas em Língua Inglesa: dos contos de fadas à construção do e-book Caroline Bona1 , Tamires Andréia Nardelli3 , Caique Fernando da Silva Fistarol3 (1) Estudante de Letras – Português/Inglês e bolsista do PIBID – Subprojeto Interdisciplinar Linguagens; Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB; Blumenau, Santa Catarina; carol_bona@hotmail.com. (2) Estudante de Letras – Português/Inglês e bolsista do PIBID – Subprojeto Interdisciplinar Linguagens; Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB; Blumenau, Santa Catarina; tamiresnardelli@gmail.com; (3) Supervisor do Subprojeto Interdisciplinar de Linguagens do PIBID da Universidade Regional de Blumenau (FURB); caique.fstarol@yahoo.com.br RESUMO: Este relato de experiência busca mostrar a aplicação de um projeto de letramento com contos de fada pelo Subprojeto Interdisciplinar “Linguagens” do PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência)- FURB. O objetivo dessa prática aplicada é de promover o letramento de forma lúdica. Este trabalho é focado na experiência vivida pelas bolsistas nas aulas de Língua Inglesa com uma turma de 4° ano na escola que o subprojeto atua, em Blumenau, na Escola Básica Municipal Annemarie Techentin. O projeto visa letrar o aluno na língua estrangeira a partir de contos e fábulas infantis. Durante a sequência didática “João e Maria” surgiu a ideia aliada à necessidade de se criar um produto final que envolvesse o vocabulário referente à comida e ao uso de tecnologias em sala de aula: a produção de um e-book de receitas culinárias. O presente trabalho fundamenta-se nos estudos de Kleiman, Rojo, Martins. Palavra Chave: séries iniciais; língua inglesa; práticas. INTRODUÇÃO Com o intuito de minimizar as dificuldades encontradas pelos docentes ao entrarem pela primeira vez em uma sala de aula, surge o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), o qual busca promover a interação entre o ensino superior e a educação básica, nos ambientes de ensino-aprendizagem. Um dos subprojetos que o PIBID oferece na FURB é de linguagens. Este atuou no ano de 2014, na Escola Annemarie Techentin, com o intuito de letrar os alunos de um quarto ano em língua inglesa, através de uma sequência didática com o conto “João e Maria”. Depois da contação foram feitas atividades relacionadas ao conto. Estas atividades envolveram outros gêneros orais e escritos e o uso de ferramentas digitais. Elencado os conteúdos do idioma foram elencados na sequência aplicada. Esta oportunidade de vivenciar prática de um professor de Inglês e podendo ter respaldo do que pode ser melhorado é fundamental. O projeto trás segurança aos futuros docentes. Neste sentido o objetivo deste trabalho é compartilhar experiências que o subprojeto linguagens obteve no ensino de língua inglesa nas séries iniciais. O presente trabalho tem o objetivo de socializar a experiência dos bolsistas do PIBID/ FURB- Linguagens com o passaporte de leitura que configurou-se como o produto final do projeto e ferramenta para o incentivo à leitura das crianças envolvidas. METODOLOGIA Nossa primeira atividade consistiu em fazer leituras prévias sobre letramento (Kleiman, 1995) e discutirmos a organização do projeto a ser realizado com os alunos. Em seguida, fomos observar uma aula para identificação dos alunos, interesses e dados da escola. Nos primeiros momentos parece que não iremos dar conta, ou com muita aflição, pois ainda não nos sentimos seguros em mostrar nossas capacidades. Ao mesmo tempo temos certeza que iremos alcançar nossos objetivos, pois temos reuniões, com nossos supervisores e coordenadores, nas quais são II Seminário de Pesquisa e Prática Pedagógica – SP3, IFSC – Câmpus Gaspar, 06 e 07 de Novembro de 2014.
  2. 2. sanadas as dúvidas pertinentes aos planejamentos ou conhecimentos didáticos. Depois de um caminho de observações e conhecimentos adquiridos, os bolsistas são colocados para trabalhar em sala de aula, sempre com o supervisor auxiliando. Como somos bolsistas que cursam Letras, optamos por voltarmos nossa pedagogia ao ensino do inglês. Projeto Um projeto muito interessante que começamos a aplicar a partir abril de 2014 foi o uso de contos de fadas nas aulas de língua inglesa do quarto ano A. Esse método incentiva a leitura, além de focar também na oralidade e compreensão da Língua Estrangeira nas séries iniciais. Primeiramente, antes de começar a contação, fazemos a introdução do vocabulário básico na língua alvo, pois contamos a história inglês. Citação penny UR É interessante verificar o interesse dos alunos, mesmo que não compreendam tudo que é dito. Através do auxílio de imagens percebemos que os alunos ficaram mais interessados e entenderam um pouco mais. “Assim, criar condições de leitura não implica apenas alfabetizar ou propiciar acesso aos livros. Trata-se antes, de dialogar com o leitor sobre a sua leitura, isto é, sobre o sentido que ele dá a mesma” (MARTINS, 2007, p. 34). Pq uso da leitura em le, pagina 9 citação kleimann Na segunda aula foi feita a contação do conto João e Maria, as bolsistas utilizaram personagens e cenário de papel para auxiliar a compreensão da história. Logo após a contação, os alunos foram questionados sobre os acontecimentos e foi feita a leitura da história pelos alunos. O texto era na língua materna, mas algumas palavras grifadas eles teriam que falar na língua inglesa. Isso faz com que memorizem o vocabulário novo além de praticarem o speaking. Percebesse que alunos dessa idade são mais propícios a atividades lúdicas e orais. A atividade da leitura do conto pelos alunos foi demorada, pois todos quiseram participar, assim também verificamos a motivação dos alunos na aprendizagem. Os alunos produziram um resumo sobre o que se lembravam da história. Ensinamos a ordem dos fatos, começo meio e fim, de maneira sucinta. Assim como apresenta Dias: Nossa tarefa, como educadores, seria abordar os mais variados tipos de textos em sala de aula, analisando as semelhanças e diferenças, a estrutura textual de cada um, o vocabulário utilizado, buscando incentivar a leitura, a interpretação e a produção pelos próprios alunos dos mais variados portadores de textos existentes e utilizados em nossa sociedade (2001, p. 25). Pelo conto foi possível focarmos no vocabulário de alimentos. Foram realizadas quatro atividades relacionadas a alimentos até chegarmos ao produto final, o e-book de receitas culinárias. Primeiro introduzimos vocabulário de doces e sobremesas e a partir de então foi pensado em como criar uma receita, nas aulas seguintes introduzimos vocabulário de ingredientes, exemplo de receita de cupcake e por ultimo os alunos foram a sala de informática. (a sala de informática não tem os recursos necessários, mas ser professor é assim, temos sempre imprevistos).Procuraram a receita de uma das sobremesas ensinadas. Neste dia os alunos estavam bem agitados por usarem computadores, mas poucos sabiam usar o Word ou fazer uso de qualquer outra ferramenta senão o Google. Posteriormente foram ensinados a utiliza a ferramenta de tradução online e juntamente com seus conhecimentos, traduziram a receita do português para o inglês. Finalizando com imagens e formatação de texto para produção d e-book. durante as aulas na sala de informática houve muitos imprevistos, modificando o andamento do projeto, pois seriam os alunos que fariam o e-book, mas pela falta de disponibilidade da sala e recursos, como também conhecimento de informática dos alunos não foi possível realizar. http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_marcia_cristina_so uza_fajardo.pdf temos que ensinar os alunos a usar a intenet Não é suficiente se ter a capacidade de ler e escrever ou se ter acesso à Internet e ser um “surfista” hábil; é necessário também que se saiba o que procurar na rede; senão iremos aonde o surfe e não os nossos corações e nossas mentes” MEY, Jacob L. As vozes da sociedade: letramento, consciência e poder. Tradução de Maria da Glória de II Seminário de Pesquisa e Prática Pedagógica – SP3, IFSC – Câmpus Gaspar, 06 e 07 de Novembro de 2014.
  3. 3. Morais. Tradução de The voices of society: literacy, consciencioness and power. In.: DELTA, vol.14, nº2, p. 336. 1998. UM DOS OBJETIVOS PRINCIPAIS DA ESCOLA É POSSIBILITAR QUE OS ALUNOS PARTICIPEM DAS VÁRIAS PRÁTICAS SOCIAIS QUE SE UTILIZAM DA LEITURA E DA ESCRITA NA VIDA, DE MANEIRA ÉTICA, CRÍTICA E DEMOCRÁTICA. (ROJO 2009, P.98) HTTP://WWW.FACSAOROQUE.BR/NOVO/PUBLICACOES/PDF/V4-N1-2013/MARCIA.PDF RESULTADOS E DISCUSSÃO Como resultados, já que o ebook de receitas é o produto final de uma sequência didática, espera- se que os alunos sejam capazes de inferir conhecimentos sobre o vocabulário aprendido, sobre verbos no modo imperativo e conhecimentos da estrutura textual de uma receita. O ebook ainda auxiliará os alunos a aprenderem a selecionar conteúdos online e buscar recursos que ilustrem e valorizem a produção escrita. Verificamos que o uso de atividades lúdicas em lingua estrangeira deixam os alunos bastate motivados. Neste projeto verificamos que os conhecimentos dos alunos evoluíram, não somente na lingua inglesa como também na utilização de ferramentas como computadores, internet e gêneros textuais. Citações Bibliográficas Para citações maiores de três linhas, esta deverá vir em bloco único, com fonte 9, com 2 cm de deslocamento à esquerda. CONCLUSÕES Concluímos que o subprojeto está auxiliando muito no crescimento acadêmico e profissional das bolsistas. O PIBID proporciona oportunidades de desenvolver a futura profissão com o auxilio de profissionais capacitados. Diferentemente de entrar em uma escola sozinha e querer aplicar as teorias aprendidas na universidade, mas não saber como motivar e intervir com os alunos na sala de aula. Como também é difícil muitas vezes cumprir com seu plano por imprevistos encontrados pelo caminho. Além disso, no decorrer da sequência didática explorada na seção “metodologia” nos sentimos motivadas, pois pode-se verificar que os alunos inferiram conhecimentos sobre o vocabulário aprendido, a estrutura textual de uma receita, bem como auxiliar a selecionar conteúdos online e buscar recursos que ilustrem e valorizem a escrita. AGRADECIMENTOS Dirigimos nossos agradecimentos à Deus, antes de tudo, à Universidade Regional de Blumenau (FURB) da qual somos alunas, ao supervisor do projeto Caique pelo grande apoio prestado e professoras coordenadoras Marta e Valéria pelas contribuições sempre bem-vindas. REFERÊNCIAS a. Periódicos: FONSECA, J. A.; MEURER, E. J. Inibição da absorção de magnésio pelo potássio em plântulas de milho em solução nutritiva. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 21, 47-50, 1997. b. Livro: DIAS, Ana Iorio. Ensino da linguagem no Currículo. Fortaleza: Brasil Tropical, 2001 MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 2007. KLEIMAN, Ângela B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, Mercado das Letras, 1995. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social – São Paulo: Párabola Editorial, II Seminário de Pesquisa e Prática Pedagógica – SP3, IFSC – Câmpus Gaspar, 06 e 07 de Novembro de 2014.
  4. 4. 2009. c. Capítulo de livro: JACKSON, M. L. Chemical composition of soil. In: BEAR, F. E., ed. Chemistry of the soil. 2.ed. New York: Reinhold, 1964. p.71-141. d. Trabalho em Anais: VETTORI, L. Ferro “livre” por cálculo. In: 15º Congresso Brasileiro de Ciência do Solo. Campinas, 1975. Anais. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1976. p.127-128. f. Internet: MENDES, G. El Niño and La Niña. Disponível em: < http://www.stormfax.com/elnino.htm>. Acesso em 15 out. 2000. http://www.partes.com.br/educacao/pratica.asp http://www.editorarealize.com.br/revistas/eniduepb/trabalhos/Modalidade_3datahora_04_10_2013_22_ 21_40_idinscrito_1737_51a73359ec0fb3d1e37c1232092d379f.pdf http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/VI.encontro.2010/GT.17/GT_17_10_2010.pdf http://www.editorarealize.com.br/revistas/setepe/trabalhos/Modalidade_1datahora_30_09_2 014_23_59_56_idinscrito_307_b00c565e3c88ae7e5e6703454ca1eb93.pdf II Seminário de Pesquisa e Prática Pedagógica – SP3, IFSC – Câmpus Gaspar, 06 e 07 de Novembro de 2014.

×