Perspectivas para a Carne Bovina a 2022
Osler Desouzart
osler@odconsulting.com.br
Cento e noventa e oito países e territór...
15 França 19.085.561 1,34%
16 Nigéria 18.871.399 1,32%
17 Quênia 18.173.500 1,27%
18 Venezuela 17.350.000 1,22%
19 Indonés...
205 Samoa Americana 110 0,000008%
206 Ilhas Wallis e Futuna 60 0,000004%
207 Saint Pierre e Miquelon 35 0,000002%
208 Groe...
11 Índia 210.824.000 10.600.000 1.086.500 102,5
12 Itália 5.832.457 3.559.433 1.000.374 281,0
13 Reino Unido 9.933.000 2.8...
7
E serão essas mesmas regiões do mundo que responderão por 87,85% do aumento do consumo de
carnes do mundo, considerando-...
Consideramos para esse cálculo a projeção da OECD-FAO para 2022 e tomamos como base de partida
da comparação a média do co...
No Gráfico III estão detalhadas quais as regiões do mundo que serão responsáveis pelo crescimento do
consumo da carne bovi...
búfalo. Entretanto, explicar o baixo consumo per capita de carnes em geral na Índia por motivos
religiosos é uma visão não...
14
Frequentemente nos esquecemos ou não reparamos no fato de que o Brasil figura entre os quatro
maiores consumidores de t...
Tabela VI
15
A produção buscará a proximidade do consumo e essas regiões, constituídas por países
majoritariamente em dese...
17
O processo de migração da produção mundial de carnes para os Países em Desenvolvimento também
está presente nos bovinae...
18
Graças ao crescimento de 24,23% dos Países em Desenvolvimento contra o de 4,26% dos Países
Desenvolvidos, a produção mu...
2 Brasil 9.479 11.027 1.548 16,33%
3 EU-27 8.142 7.958 -184 -2,27%
4 China 6.449 7.546 1.097 17,01%
5 Índia 2.677 4.163 1....
20
Quando examinamos o “quem é quem”, mas, sobretudo o “quem será quem” da produção de carne
bovina reforçamos a convicção...
22
Sendo o Brasil o principal exportador mundial, é de nosso interesse conhecer o comportamento dos
principais importadore...
Trigo 1.150
Arroz 2.656
Milho 450
Batatas 160
Soja 2.300
Carne bovina 15.977
Carne suína 5.906
Carne de Aves 2.828
Ovos 4....
direi que o importante é desenvolver uma consciência sobre a importância da água, pois só cuidamos
daquilo que valorizamos...
Os principais importadores (cf. Gráficos X e XI )– USA, Japão, Rússia, Coréia do Sul e países do Oriente
Médio - serão aco...
29
Tabela X
30
O comércio internacional de carne bovina será comandado pelo Brasil, Estados Unidos e Índia do ponto
de vis...
A posição alcançada pela Índia é o que mais chama a atenção quando observamos sua progressão (CF.
Tabela XI). É constituíd...
Gráfico XIII
33
O panorama da década que se aproxima é positivo para todas as carnes, com crescimento no consumo,
no comér...
35
O Brasil é uma potência em produção, consumo e exportação de carne bovina e de consequência deve
ser um dos grandes ben...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Panorama para a carne bovina a 2022 aw

503 visualizações

Publicada em

Publicada em: Alimentos
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
503
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Panorama para a carne bovina a 2022 aw

  1. 1. Perspectivas para a Carne Bovina a 2022 Osler Desouzart osler@odconsulting.com.br Cento e noventa e oito países e territórios1 do mundo possuem rebanho bovino sendo que vinte desses países concentram 71,5% do rebanho mundial. Não estão aqui inclusos os bubalinos que creio terão que ficar para outro artigo ou acabaremos com tantas páginas quanto um catálogo. Tabela I Rebanho Bovino em 2011 Cabeças % total mundial Mundo 1.426.389.031 100,0% 1 Brasil2 212.815.311 14,92% 2 Índia 210.824.000 14,78% 3 USA 92.682.400 6,50% 4 China 82.886.000 5,81% 5 Etiópia 53.382.194 3,74% 6 Argentina 48.000.000 3,37% 7 Paquistão 35.568.000 2,49% 8 México 32.936.334 2,31% 9 Sudão 29.618.000 2,08% 10 Austrália 28.506.169 2,00% 11 Colômbia 25.156.068 1,76% 12 Bangladesh 23.121.000 1,62% 13 Tanzânia 21.300.000 1,49% 14 Rússia 19.967.863 1,40% 1 Nesses números encontram-se quatro territórios não incorporados dos Estados Unidos (Puerto Rico, US Virgin Islands, American Samoa, Guam), duas províncias chinesas (Taiwan e Hong Kong), nove regiões/departamentos/ territórios ultramarinos franceses (Nova Caledônia, Guadalupe. Guiana Francesa, Reunião, Martinica, Polinésia Francesa, Wallis e Futuna, Saint Pierre and Miquelon) e os Territórios Ocupados da Palestina. 2 Os dados da FAO do rebanho brasileiro correspondem aos publicados pelo IBGE
  2. 2. 15 França 19.085.561 1,34% 16 Nigéria 18.871.399 1,32% 17 Quênia 18.173.500 1,27% 18 Venezuela 17.350.000 1,22% 19 Indonésia 14.824.000 1,04% 20 Myanmar 14.088.043 0,99% 3 A tabela I lista os vinte principais rebanhos mundiais. Adoraria que o espaço numa revista me permitisse apresentar todos os demais países, mas não resisto a apresentar a curiosidade dos menores rebanhos do mundo (cf. Tabela II) Tabela II Rebanho Bovino em 20114 Cabeças % total mundial Mundo 1.426.389.031 100,0% 193 Ilhas Cayman 2.061 0,000144% 194 Ilhas Faroe 2.000 0,000140% 195 Hong Kong 1.600 0,000112% 196 Brunei Darussalam 852 0,000060% 197 Bahamas 750 0,000053% 198 S.Helena, Ascensão e Tristão da Cunha 700 0,000049% 199 Seychelles 660 0,000046% 200 Bermuda 650 0,000046% 201 Singapore 200 0,000014% 202 Guam 140 0,000010% 203 Ilhas Cook 130 0,000009% 204 Niue 115 0,000008% 3 Elaborado por ODConsulting com base em dados da FAOSTAT | © FAO Statistics Division 2013 | 15 December 2013 Cattle & Buffaloes 2011 por países 4 Idem
  3. 3. 205 Samoa Americana 110 0,000008% 206 Ilhas Wallis e Futuna 60 0,000004% 207 Saint Pierre e Miquelon 35 0,000002% 208 Groenlândia 15 0,000001% Quem conhece Hong Kong fica se indagando onde são criadas as 1600 cabeças do rebanho, questão também pertinente para as 200 cabeças de Singapura, sem contar o fascínio de rebanhos inferiores a esse número de cabeças. Os países com grandes rebanhos são candidatos a liderar a produção de carne bovina, mas naturalmente não há uma correlação linear, pois rendimento, produtividade, características do rebanho, se de carnes ou leiteiro, manejo, sanidade, sistema de criação, nível de tecnificação e outros ∆ fatores tornam a equação bem mais complexa. Tabela III Bovinos - 2011 Rebanho, Abates, Produção de Carne e Rendimento Rebanho (cabeças) Abates (cabeças) Produção Carne (t) Rendimento Mundo 1.426.389.031 295.827.648 62.813.259 212,3 1 USA 92.682.400 35.108.100 11.983.308 341,3 2 Brasil5 212.815.311 39.100.000 9.030.000 230,9 3 China 82.886.000 43.100.000 6.167.000 143,1 4 Argentina 48.000.000 10.857.246 2.419.700 222,9 5 Austrália 28.506.169 8.012.000 2.109.875 263,3 6 México 32.936.334 8.795.468 1.803.932 205,1 7 Rússia 19.967.863 8.564.819 1.625.469 189,8 8 França 19.085.561 5.186.574 1.566.453 302,0 9 Alemanha 12.562.600 3.719.013 1.170.376 314,7 10 Canada 12.155.000 3.390.900 1.154.240 340,4 5 O número de abates é da FAOSTAT a partir de “fontes oficiosas”. O IBGE -Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária GEPEC - Gerência de Pecuária, “Produção Animal - 4º Trimestre de 2011 e Acumulado do Ano” http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000008050103112012013329746408.pdf (IBGE - Pesquisa Trimestral de Abates.xls) registra o número de 28.823.944 cabeças de bovinos abatidas no ano de 2011
  4. 4. 11 Índia 210.824.000 10.600.000 1.086.500 102,5 12 Itália 5.832.457 3.559.433 1.000.374 281,0 13 Reino Unido 9.933.000 2.838.000 936.000 329,8 14 África do Sul 13.688.328 2.915.000 828.609 284,3 15 Colômbia 25.156.068 3.900.419 820.985 210,5 16 Uzbequistão 9.093.700 4.239.000 763.000 180,0 17 Paquistão 31.726.000 3.910.000 761.000 194,6 18 Turquia 11.369.800 2.571.765 644.906 250,8 19 Nova Zelândia 10.020.917 4.010.239 622.676 155,3 20 Espanha 5.923.200 2.314.752 604.113 261,0 21 Irlanda 6.493.000 1.642.400 545.942 332,4 22 Japão 4.230.000 1.174.221 500.370 426,1 23 Venezuela 17.350.000 2.152.000 494.500 229,8 24 Uruguai 11.808.000 2.046.903 479.000 234,0 25 Indonésia 14.824.000 2.055.000 465.800 226,7 6 Propositalmente estendemos a Tabela III a vinte e cinco países de forma a que o Japão - vigésimo segundo produtor mundial de carne bovina - pudesse figurar, já que esse país é o benchmark em termos de rendimento. Sempre quando nos indagarmos sobre como atenderemos a demanda crescente por carne bovina, bastará que nos recordemos das disparidades de rendimento para que possamos visualizar o muito que temos a ganhar quando nos permearmos à ciência e à tecnologia e fizermos da busca constante por conhecimento a base de um processo de melhorias contínuas. Que os ativistas nos deixem trabalhar e de forma sustentável alimentaremos o mundo, mesmo quando este mude sua dieta para produtos de origem animal e que a carne bovina passe a ser item habitual e não ocasional do cardápio das economias em expansão da Ásia, África e América Latina. Serão essas três regiões do mundo ocorrerão 95,4% do crescimento demográfico nos próximos dez anos e concentrarão 86% da população mundial em 2022. Tabela IV 6 idem
  5. 5. 7 E serão essas mesmas regiões do mundo que responderão por 87,85% do aumento do consumo de carnes do mundo, considerando-se a evolução do consumo em 2009 para a projeção de seu quantum em 2022. O aumento total projetado no período alcança 59,9 milhões de toneladas adicionais (cf. Gráfico I). Gráfico I 8 7 Elaborado por ODConsulting com base em dados da: United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division (2013). World Population Prospects: The 2012 Revision - População por Região do Mundo 8 Elaborado por ODConsulting - Consumption of meats to 2022 Fonte dos dados usados no estudo: OECD/FAO (2012), OECD-FAO Agricultural Outlook 2013,
  6. 6. Consideramos para esse cálculo a projeção da OECD-FAO para 2022 e tomamos como base de partida da comparação a média do consumo entre 2009 e 2011 (cf. Tabela V). Tabela V Consumo Mundial de Carnes Em 000 tm A B C Média 2009- 11 2022 ∆ 000 t Bovino 66.007,7 76.309,9 10.302,2 Suíno 107.872,4 126.576,3 18.703,9 Aves 99.628,7 128.377,2 28.748,5 Ovinos & Caprinos 13.600,0 15.774,1 2.174,1 9 Segundo essas projeções da OECD-FAO, as carnes de aves responderão por 47,97% desse crescimento, as de suíno por 31,21%, as de bovino por 17,19% e as de ovinos e caprinos por 3,63% (cf. Gráfico II). Gráfico II 10 9 Idem 10 Idem
  7. 7. No Gráfico III estão detalhadas quais as regiões do mundo que serão responsáveis pelo crescimento do consumo da carne bovina no período estudado. Não é surpreendente que a Ásia seja responsável por 45% desse aumento, mas é extremamente significativo para um país exportador como o Brasil. A Ásia reúne países que não possuem os recursos naturais necessários a autoabastecer esse incremento do consumo. À exceção da Índia, exportadora de carnes de vaca e, principalmente, de bubalinos não há na região asiática outro país capaz de gerar excedentes exportáveis significativos (cf. Gráficos X e XI). A Índia assumirá papel relevante nesse abastecimento externo, graças á sua proximidade dos mercados importadores asiáticos e aos preços menores da sua grade de produtos exportados. Gráfico III 11 Os Gráficos IV e V apresentam os quinze principais países consumidores. É interessante observar no primeiro deles a Índia, sétimo maior consumidor mundial e que habitualmente é avaliado como país que não consome carne bovina por considerarem a vaca um animal sagrado. Muitos hindus, jainistas e budistas12 adotam uma dieta vegetariana, mas está só é um preceito impositivo na religião jainista. No hinduísmo e no budismo não há uma proibição da ingesta de carnes. Minha esposa é budista e se nos convidarem para um churrasco só se preocupem em aumentar a quantidade de carne. Há hindus que não ingerem carne por entenderem que ferem o preceito de não-violência e muitos outros que se abstém somente da carne bovina e entre algumas castas inferiores só se permite o consumo de carne de 11 Idem 12 O hinduísmo é a religião de 80,5% dos indianos; o budismo é praticado por 08% da população e o jainismo por 0,5%
  8. 8. búfalo. Entretanto, explicar o baixo consumo per capita de carnes em geral na Índia por motivos religiosos é uma visão não abrangente do tema, que ignora o aspecto da influência da renda na dieta. Os muito pobres praticam um vegetarianismo econômico e não religioso ou filosófico e migram para produtos de origem animal, principalmente carnes, na medida em que suas rendas se expandem. É essa a revolução que temos testemunhado nos últimos vinte e cinco anos e é esta que influenciará profundamente as relações comerciais internacionais e o agronegócio mundial nos próximos vinte e cinco anos. Gráfico IV 13 O gráfico V revela um Brasil de continuado consumo expressivo, números que considero modestos para a China, uma Índia carnivoramente voraz e o aparecimento do Vietnam entre os quinze principais países consumidores, graças á carne de búfalo e tornando-se um expressivo importador para o deleite dos exportadores indianos. Gráfico V 13 Elaborado por ODConsulting a partir de dados do Food Outlook OECD-FAO 2013-2022. Beef Meat 1995 to 2022 ABC países
  9. 9. 14 Frequentemente nos esquecemos ou não reparamos no fato de que o Brasil figura entre os quatro maiores consumidores de todas as carnes no mundo, sendo que em carne bovina ocupamos já no dia de hoje a segunda posição mundial. Consolidaremos essa posição em 2022 e lideraremos a expansão de consumo em toneladas, respondendo por 13,3% do crescimento total mundial. A Tabela VI lista os trinta principais países por crescimento do consumo da carne bovina a 2022 e reitero que a previsão para a China parece-me de uma modéstia franciscana. 14 Idem
  10. 10. Tabela VI 15 A produção buscará a proximidade do consumo e essas regiões, constituídas por países majoritariamente em desenvolvimento, serão as alavancas do aumento da produção de carnes, concentrando 93% do aumento do total mundial até 2022, aqui também tendo o ano de 2009 como a base de partida.16 Gráfico VI 15 Idem 16 Os totais apresentados nos Gráficos I, II, IV referem-se á carne bovina, suína, aves e de ovinos-caprinos. Não incluem as carnes de bubalinos, asininos, equinos, muares, camelídios, coelho, roedores e carnes de caça que representam de >3,5 % do total mundial.
  11. 11. 17 O processo de migração da produção mundial de carnes para os Países em Desenvolvimento também está presente nos bovinae. Em 1995 os Países Desenvolvidos respondiam por 55,5% da produção mundial de carne bovina, posição essa que se inverte quando avaliamos a média da produção entre 2009-2011, que será a base de partida que usaremos no restante deste escrito. Essa migração se acentuará. Em 2022 os Países em Desenvolvimento estarão concentrando 59,7% da produção mundial de carne bovina (cf. Gráfico VII). Gráfico VII 17 Meats to 2022 Developing and Developed Fonte: OECD/FAO (2013), OECD-FAO Agricultural Outlook, 2013-2022,
  12. 12. 18 Graças ao crescimento de 24,23% dos Países em Desenvolvimento contra o de 4,26% dos Países Desenvolvidos, a produção mundial de carnes aumentará 14,95% a nível mundial, estimando-se nesse cenário que a produção brasileira se expanda em 16,33%. Interessante observar o prognóstico de crescimento da Argentina, país cuja produção é descendente desde 2010. No cenário da OECD-FAO a Argentina passa a retomar sua produção em 2014 e voltar a ter a importância que historicamente a marcou no segmento bovino. Observem ainda na Tabela VIi os grandes percentuais de crescimento dos países em desenvolvimento da Ásia, em particular a Índia, a Indonésia e, percentualmente, a Tailândia, ainda que em termos absolutos esse crescimento seja discreto. Na África destacam-se Tanzânia, Sudão19 , Etiópia e África do Sul. Na América Latina Colômbia e Paraguai lideram essa expansão percentual. E finalmente os países desenvolvidos dessa lista (USA, EU-27, Austrália, Nova Zelândia e Japão) oscilam entre queda ou índices de crescimento abaixo da média mundial. O mundo realmente mudou e seguirá mudando. Tabela VII Ø 2009- 2011 2022 ∆ tons ∆ % Mundo 66.578 76.531 9.953 14,95% 1 USA 11.390 11.527 137 1,20% 18 Elaborado por ODConsulting com base em dados da OECD-FAO - Beef Meat 1995 to 2022 ABC países 19 A atual situação de instabilidade política e o mal africano do tribalismo poderão comprometer esse prognóstico
  13. 13. 2 Brasil 9.479 11.027 1.548 16,33% 3 EU-27 8.142 7.958 -184 -2,27% 4 China 6.449 7.546 1.097 17,01% 5 Índia 2.677 4.163 1.486 55,50% 6 Argentina 2.834 3.215 381 13,44% 7 Austrália 2.121 2.405 283 13,35% 8 Rússia 1.698 2.089 391 23,05% 9 México 1.751 1.959 208 11,89% 10 Paquistão 1.465 1.774 310 21,14% 11 Canadá 1.511 1.486 -25 -1,65% 12 Colômbia 938 1.352 414 44,07% 13 África do Sul 852 1.105 252 29,61% 14 Egito 784 783 -1 -0,13% 15 Indonésia 382 684 301 78,78% 16 Uruguai 559 661 101 18,07% 17 N.Zelândia 636 619 -17 -2,66% 18 Sudão 340 553 212 62,47% 19 Etiópia 389 529 140 35,98% 20 Japão 511 505 -6 -1,21% 21 Tanzânia 292 493 201 69,00% 22 Tailândia 306 473 166 54,19% 23 Paraguai 333 469 136 40,84% 24 Iran 407 468 61 15,02% 25 Cazaquistão 405 463 58 14,42%
  14. 14. 20 Quando examinamos o “quem é quem”, mas, sobretudo o “quem será quem” da produção de carne bovina reforçamos a convicção sobre as mudanças em curso no mundo das carnes, A produção mundial de todas as carnes tem alta concentração em poucos países, e a carne bovina não é exceção que confirme uma regra para a qual não há exceções. Somos e seguiremos sendo uma pequena família, onde quinze países respondem por 79,25% da produção mundial de carne bovina (cf. Gráfico VIII), nível esse que seguirá concentrado em 2022 (cf. Gráfico IX) Gráfico VIII 21 Gráfico IX 20 Elaborado por ODConsulting a partir de dados da OECD-FAO Agricultural Outlook 2013-2022. Beef Meat 1995 to 2022 ABC países prod 21 Elaborado por ODConsulting com base em dados da OECD-FAO AGRICULTURAL OUTLOOK 2013: Dataset: OECD- FAO Agricultural Outlook 2013-2022 Beef Meat 1995 to 2022 ABC países
  15. 15. 22 Sendo o Brasil o principal exportador mundial, é de nosso interesse conhecer o comportamento dos principais importadores mundiais. Os motores principais do comércio internacional refletem as vantagens comparativas para a produção de determinado item e demandas em locais onde não há as condições ou os recursos naturais para se alcançar a autossuficiência. As carnes são comparativamente muito mais ineficientes como fonte de fornecimentos de calorias e proteínas, quando comparadas com outras fontes de origem animal, mormente leite e pescados, e notoriamente em relação aos produtos de origem vegetal. São necessárias de 6-8 toneladas de razão23 grão/proteína para produzir uma tonelada de carne bovina, 3-4 toneladas para produzir uma tonelada de carne suína e de 2 a 3 toneladas para produzir uma tonelada de carne de aves. Sem contar a questão que tenho propagado com a convicção e a insistência de um missionário ibérico do tempo das grandes navegações: a importância da água. Cada vez que me dirijo a uma plateia de produtores bovinos e divulgo a já célebre tabela de água virtual em produtos (cf. Tabela VIII) logro obter unanimidade – todos discordam e em coro dizem: está errado. Tabela VIII Água Virtual contida em Produtos Selecionados Litros de água por kg de produto 22 Idem 23 No senso matemático do termo
  16. 16. Trigo 1.150 Arroz 2.656 Milho 450 Batatas 160 Soja 2.300 Carne bovina 15.977 Carne suína 5.906 Carne de Aves 2.828 Ovos 4.657 Leite 865 Queijo 5.288 Fonte: ¹Hoekstra - citado no UN Water Report 2006. 24 Pois bem, reforcem o coro, mas informem-se sobre o tema. Entrem no site da Waterfootprint Network (há páginas em português) e façam o download dos relatórios preciosos Mekonnen, M.M. e Hoekstra, A.Y. (2010) The green, blue and grey water footprint of farm animals and animal products;. Alternativamente, leiam Mekonnen, M.M. and Hoekstra, A.Y. (2012) A global assessment of the water footprint of farm animal products. Visitem os dados de Mekonnen, M.M. and Hoekstra, A.Y. (2011) National water footprint accounts: the green, blue and grey water footprint of production and consumption, Value of Water Research Report Series No.50, UNESCO-IHE, Delft, the Netherlands. Estão com alguma dúvida sobre a metodologia de cálculo, então leiam VIRTUAL WATER IN FOOD PRODUCTION AND GLOBAL TRADE, REVIEW OF METHODOLOGICAL ISSUES AND PRELIMINARY RESULTS, Daniel ZIMMER and Daniel RENAULT, World Water Council, FAO-AGLW. Acham ainda que todos estão errados, então ajudem o mundo e apontem os erros, pois a realidade é que a escassez e má distribuição de água no mundo pode impactar positivamente o comércio internacional de produtos que requeiram muita água em sua produção. O reverso negativo dessa moeda é que a escassez e má distribuição de água no mundo poderá ser causa de guerras no futuro, como a disputa por fontes baratas de energia tem sido nos últimos trinta anos. Essas guerras não serão travadas no Oriente Médio, rico em petróleo e pobre em água. O palco desses conflitos serão as nações ricas em água, sendo o Brasil a mais rica com 12% dos recursos de água doce renováveis do mundo. A única coisa que não se pode fazer é enfiar a cabeça na areia para não ver o problema. Temos que ter consciência da existência de um problema para podermos enfrentá-lo e buscar soluções. Simplistamente 24 Água Virtual Contida em Produtos Selecionados.xls
  17. 17. direi que o importante é desenvolver uma consciência sobre a importância da água, pois só cuidamos daquilo que valorizamos. A partir dessa conscientização cumprirá então mobilizarmos inteligência e investir recursos para obter ganhos na produtividade de água, com a mesma ênfase com que buscamos ganhos contínuos em conversão, redução de mortalidade, desfrute do rebanho e outros importantes índices pecuários. Repeti a minha catequese e se tiver convencido um de vocês a pensar na importância da água para a pecuária já terá sido uma vitória. O comércio internacional de “água virtual”25 terá uma importância crescente na medida em que o vetor da expansão do consumo de carnes serão países asiáticos e africanos, muitos do quais sem a água necessária para abastecer a mudança da dieta das suas populações de produtos básicos de origem vegetal para uma maior ingesta de produtos de origem animal, principalmente carnes. A Tabela IX demonstra a economia de “água virtual” quando importam um quilograma de carne. No caso da carne bovina é muito significativo e se tomarmos como exemplo países asiáticos, onde o arroz é o “alimento básico”26 . A cada quilo de carne bovina importada economizam água suficiente para produzir 6,02 kg de arroz. Tabela IX – Quantidade de alimentos básicos que pode ser produzida com a mesma quantidade de água economizada com a importação de 1 kg de carne Carne Bovina 15.977 litros p.kg Carne Suína 5.906 litros p.kg Carne de Aves 2.828 litros p.kg Trigo 1.150 litros p. kg 13,89 5,14 2,46 Arroz 2.656 litros p. kg 6,02 2,22 1,06 Milho 450 litros p. kg 35,50 13,12 6,28 Batatas 160 litros p. kg 99,86 36,91 17,68 27 25 Água virtual é quantificação do volume de água necessário para produção de um produto ou de um serviço. Na conta de quantificação não se contabiliza apenas a água contida no produto inicial, mas também toda a água que foi usada em todas as etapas de seu processo de produção. O conceito é de autoria do Prof.John Anthony Alan, da Universidade de Londres. 26 Refere-se ao alimento consumido rotineiramente e em quantidades que o tornam a parte dominante da dieta típica de uma determinada população. Suprem a maior parte da energia e de parte significativa de outros nutrients de uma determinada população. 27 Idem nota #20
  18. 18. Os principais importadores (cf. Gráficos X e XI )– USA, Japão, Rússia, Coréia do Sul e países do Oriente Médio - serão acompanhados pela expansão da demanda no Vietnam, este principalmente por carne de búfalo, e pela China, cujas importações poderão melhor serem avaliadas quando somarmos ao volume importados diretamente aqueles que transitam por Hong Kong, parcela considerável da qual acaba sendo reexportada para a China. A Tabela X permite conhecer as importações de Hong Kong de carnes e miúdos bovinos e bubalinos. Gráfico X 28 Gráfico XI 28 Elaborado por ODConsulting a partir de dados da OECD-FAO Agricultural Outlook 2013-2022. Beef Meat 1995 to 2022 ABC países prod
  19. 19. 29 Tabela X 30 O comércio internacional de carne bovina será comandado pelo Brasil, Estados Unidos e Índia do ponto de vista exportador (cf. Gráficos XII e XIII), com a Austrália também experimentando crescimento graças à demanda nos Estados Unidos e no Sudeste Asiático. 29 Idem 30 Elaborado por ODConsulting com base em dados Hong Kong Merchandise Trade Statistics, Census and Statistics Department, www.censtatd.gov.hk kg kg kg 01111 Carne Bovina, c/osso, fresca ou resfriada 1.357.111 152.178 135.569 01112 Carne Bovina, s/osso, fresca ou resfriada 5.496.737 5.343.666 5.611.423 01121 Carne Bovina,c/osso, congelada 10.532.521 8.273.199 11.612.593 01122 Carne Bovina, s/osso, congelada 112.082.101 115.479.124 156.490.890 129.468.470 129.248.167 173.850.475 01251 Miúdos de Bovino, fresco ou resfriado 1.244.063 998.012 954.787 01252 Miúdos de Bovino, congelado 207.165.131 235.334.779 229.906.266 208.409.194 236.332.791 230.861.053 Total 337.877.664 365.580.958 404.711.528 2010 2011 2012 Subtotal Carne Bovina Subtotal Miúdos Bovinos Código Mercadoria
  20. 20. A posição alcançada pela Índia é o que mais chama a atenção quando observamos sua progressão (CF. Tabela XI). É constituída majoritariamente por carnes de bubalinos e de vaca e seus preços serão em média de US$ 1,00 a menos por quilo do que as carnes bovinas. A posição geográfica de proximidade dos mercados asiáticos, o que conhecerão maior expansão, assegura esse futuro auspicioso para a Índia, e somente questões sanitárias poderão impedir que esses prognósticos se cumpram. Tabela XI Export Carne Bovina 000 t A B ∆ t B-A ∆% B-AØ 2009- 2011 2022 Mundo 9.228,23 10.885,10 1.656,87 100,0% Índia 893,80 1.635,20 741,40 44,7% USA 1.045,93 1.568,30 522,37 31,5% Brasil 1.646,03 1.880,00 233,97 14,1% Austrália 1.374,97 1.594,60 219,63 13,3% 31 Gráfico XII 32 ] 31 Elaborado por ODConsulting a partir de dados da OECD-FAO Agricultural Outlook 2013-2022. Beef Meat 1995 to 2022 ABC países
  21. 21. Gráfico XIII 33 O panorama da década que se aproxima é positivo para todas as carnes, com crescimento no consumo, no comércio internacional e na produção (cf. Tabelas XII e XIII). As carnes bovinas experimentarão crescimento percentual anual ascendente após décadas de um menor dinamismo. Tabela XII 34 Tabela XIII 32 Idem 33 Idem 34 Fonte: OECD-FAO Agricultural Outlook 2013 - © OECD 2013, Capítulo 7, Tabela 7.2. Per capita consumption and real prices, Meat chapter.xls 1997-99 2004-06 2011-13 2022 Carne Bovina 2,63 2,99 3,35 3,84 Carne Suína 23,58 26,65 29,48 34,06 Carne de Aves 7,96 9,19 11,42 13,59 Total das Carnes Principais 34,17 38,83 44,25 51,49 Consumo per capita kg/pessoa/ano
  22. 22. 35 O Brasil é uma potência em produção, consumo e exportação de carne bovina e de consequência deve ser um dos grandes beneficiários dessa década positiva que se inicia. Já vimos como exemplos vizinhos o que políticas públicas desastradas podem fazer com a grandeza de um setor. Zelemos e unamo-nos para que nos atrapalhem. 35 Fonte: OECD-FAO Agricultural Outlook 2013 - © OECD 2013, Capítulo 7, Tabela, 7.1, Meat chapter.xls 2003-2012 2013-2022 2003-2012 2013-2022 2003-2012 2013-2022 Todas as Carnes 2,32% 1,59% 4,26% 1,58% 1,26% 0,60% Bovina 1,23% 1,49% 1,71% 1,55% 0,18% 0,48% Suína 1,83% 1,37% 4,85% 0,80% 0,70% 0,37% Aves 3,68% 1,93% 6,69% 2,09% 2,47% 0,92% Ovina-Caprina 2,15% 1,25% 0,30% 1,30% 0,97% 0,26% Produção Exports Consumo per capitaVariação Anual (% aa)

×