Judo ParaolímpicoDescriçãoModalidade exclusiva para cegos ou deficientes visuais. As disputas respeitamas mesmas regras do...
Os atletas são divididos em três classes que começam sempre com a letra B(blind = cego). Homens e mulheres têm o mesmo par...
japonesa passou a ser a quarta modalidade brasileira a subir no pódioparaolímpico – Lawn Bowls, Atletismo e Natação são as...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Judo Paraolímpico

5.520 visualizações

Publicada em

Publicada em: Esportes, Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.520
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Judo Paraolímpico

  1. 1. Judo ParaolímpicoDescriçãoModalidade exclusiva para cegos ou deficientes visuais. As disputas respeitamas mesmas regras do judo convencional. A vitória pode se dar por “ippon” oupor duas diferentes pontuações: o “wazari” e o “yuko”. Há algumasdiferenças básicas para o judo convencional: os lutadores iniciam a luta jácom a pegadaestabelecida, aluta éinterrompidaquando osjogadoresperdem ocontacto totalum do outro, oatleta nãopode serpunido ao sairda área de luta e o atleta cego total é identificado com um círculo vermelhode 7 cm nas duas mangas do quimono. A organização do judo paraolímpico éfeita pela IBSA – International Blind Sport Federation, que rege o desporto emconsonância com a IJF – International Judo Federation e o IPC – InternationalParalympic Committee.Classificação funcional
  2. 2. Os atletas são divididos em três classes que começam sempre com a letra B(blind = cego). Homens e mulheres têm o mesmo parâmetro de classificação.B1 – Cego total: de nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos até apercepção de luz, mas com incapacidade de reconhecer o formato de umamão a qualquer distância ou direcção.B2 – Jogadores já têm a percepção de vultos. Da capacidade em reconhecer aforma de uma mão até a acuidade visual de 2/60 ou campo visual inferior a 5graus.B3 – Os jogadores já conseguem definir imagens. Acuidade visual de 2/60 a6/60 ou campo visual entre 5 e 20 graus.HistóricoEsta arte marcial foi a primeira modalidade de origem asiática a entrar noprograma paraolímpico. Desde a década de 70 há o conhecimento destaprática desportiva. A estreia em paraolimpíadas foi em 1988, na capital sul-coreana Seul. Na ocasião, só os homens deficientes visuais lutavam. Estaconstante seguiu intacta em Barcelona, Atlanta e Sydney. Os JogosParaolímpicos de Atenas-2004 marcam a entrada das mulheres nos tatamisparaolímpicas. A entidade responsável pelo exporte é a FederaçãoInternacional de Desportos para Cegos, fundada em Paris, em 1981.Assim como no resto do mundo, a década de 70 marcou o princípio do judo noBrasil. Em 1987, houve a primeira saída dos judocas brasileiros para umacompetição internacional. Era o Torneio de Paris. Desde quando o desportopassou a fazer parte dos Jogos Paraolímpicos, o País demonstra ser uma dasmaiores potências do planeta. Já em Seul-88, Jaime de Oliveira (categoria até60kg), Júlio Silva (até 65kg) e Leonel Cunha (acima de 95kg) conquistaram amedalha de bronze. Com tais resultados, esta arte marcial de origem
  3. 3. japonesa passou a ser a quarta modalidade brasileira a subir no pódioparaolímpico – Lawn Bowls, Atletismo e Natação são as outras. Atlanta-96 temum significado especial para o judo paraolímpico nacional. Isso porque foi aParaolimpíada na qual António Tenório da Silva ganhou o ouro na categoriaaté 86kg. Em Sydney, Tenório voltou a ser campeão paraolímpico. Desta vez,na categoria até 90kg. Entre as mulheres, um feito marcante foi a conquistado Mundial da IBSA, em 2003, por Karla Cardoso (até 48kg), o que lhe garantiuvaga em Atenas. Danielle Bernardes (até 57kg) ganhou o bronze e tambémcarimbou seu passaporte para a Grécia e a equipe feminina do País foi vice-campeã do mundo.

×