Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0

625 visualizações

Publicada em

Definição de Interação e Hipertexto a partir de textos produzidos pelo professor Alex Primo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
625
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
46
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0

  1. 1. APRESENTAÇÃO DOS CONCEITOS PRESENTES NOS SEGUINTES TEXTOS: “QUÃO INTERATIVO É O HIPERTEXTO? DA INTERFACE POTENCIAL À ESCRITA COLETIVA” – de Alex Fernando Teixeira Primo “HIPERTEXTO COOPERATIVO: UMA ANÁLISE DA ESCRITA COLETIVA A PARTIR DOS BLOGS E DA WIKIPÉDIA” - de Alex Fernando Primo e Raquel da Cunha Recuero
  2. 2. O objetivo do trabalho é discutir o hipertexto em virtude das relaçõesinterativas por ele motivadas. Questões como interação (bidirecionalidade,diálogo e permutabilidade) , o termo “usuário” e autoria compartilhada serãodesafiadas. É um exemplo de interatividade? http://www.existor.com/
  3. 3. Entrevista com Alex Primo a questão http://youtu.be/N382tTbebLQ da interação Marco Silva - O conceito de interatividade especifica um tipo singular deinteração. A interatividade está na disposição para mais interação, paraintervenção , para participação, para multiplicidade. Não se limita à interaçãodigital, mas é potencializada por ela. Alex Primo - Há dois tipos de interação: mútua e reativa. Na interação mútua, o foco está no relacionamento. As relações estão em transformação permanente. Na interação reativa, não há cocriação. Só há um grupo de escolhas. Entrevista (Marco Silva e Alex Primo) - 2005
  4. 4. De acordo com Lucien Sfez, a comunicação contemporâneaapresenta uma dimensão de aprisionamento. De acordo comele, a sociedade pós-moderna não consegue se comunicarconsigo mesma. Ele cunha o termo tautismo (tautologia = a falado mesmo (“repito, logo provo”) + autismo = estado mental defechamento, com pouco ou nenhum contato com o exterior),modelo de comunicação que procura justificativas em si mesmo,marcado pela circularidade, impossibilidade de troca etotalitarismo.   http://www.thefreelibrary.com/A+tecnologia+vista+como+narrativa.+entre Entrevista com Lucien Sfez
  5. 5. Em uma abordagem tecnicista, aqueles que usam atecnologia são chamados de usuários. Tal fato nos remete à Teoriada Informação (Shannon e Weaver, 1949), que concebe acomunicação como uma transmissão de sinais onde há um emissore um receptor. A comunicação como dialogia (interação) já aparece emPlatão e Sócrates. Assim sendo, o conhecimento é construído nasrelações sociais, Pode-se dizer, então, que os termos “receptor” e“usuário” são conceitos inadequados à interação. O termointeragente emana a ideia de interação, ou seja, a ação queacontece entre os participantes (aquele que age com outro).
  6. 6. Há diferentes formas de interação hipertextual: da mais simples navegação àcriação cooperativa.1) HIPERTEXTO POTENCIAL É o tipo de hipertexto onde os caminhose movimentos possíveis estão pré-definidos e não abrem espaço para ointeragente visitante incluir seus próprios textos e imagens. Há umainteração reativa quando os trajetos estão todos pré-definidos. Nohipertexto potencial apenas o leitor se modifica, permanecendo oproduto digital com suas características originais.
  7. 7. HIPERTEXTO2) HIPERTEXTO COLABORATIVO / HIPERTEXTO COLAGEM Constituiuma atividade de escrita coletiva. O hipertexto colaborativo permite aintervenção criativa dos participantes do grupo, mas através de lacunas nasequência prevista. Demanda mais um trabalho de administração e reuniãodas partes criadas em separado do que um processo de debate e invençãocooperada.3) HIPERTEXTO COOPERATIVO É um texto multissequencial escrito pordiversos colaboradores. No hipertexto cooperativo, todos avaliamconstantemente sua produção. E como todos os interagentes podemalterar qualquer parte do texto, a personalidade e o estilo desenvolvidosno grupo acabam por permear toda a produção. A evolução do textodepende das decisões do grupo como um todo. As sequências são sempretemporárias. Enquanto a interação reativa se caracteriza por um equilíbrioestático, na interação reativa se observa um equilíbrio dinâmico, negociadoentre os interagentes, no transcurso de contínuos desequilíbrios .
  8. 8. A escrita colaborativa não é exclusividade do suporte digital. Jean Piaget afirma que cooperar envolve “operações efetuadas em comum ouem correspondência recíproca”. Na cooperação, o ‘eu’ é substituído pelo ‘nós’. Peter Kollock e Marc Smith lembram que a tensão entre o individual e o coletivo está na raiz do problema da cooperação, ou seja, aquilo que pode parecer certo, justo e conveniente para uma pessoa, pode, ao mesmo tempo, promover resultados prejudiciais para o grupo como um todo. Essa problemática, chamada de “dilema social”, tem repercussões importantes nas relações travadas no ciberespaço. “Conflito e cooperação em http://www6.ufrgs.br/limc/PDFs/conflito.pdf mediadas por interações computador” – Alex Primo
  9. 9. Entrevista com Alex Primo webs e wikis. http://youtu.be/7AEQjRYMQ90 Com os blogs e páginas wikis, os internautas passam a ser guias,podendo inclusive criar o próprio território e os caminhos que oentrecruzam.
  10. 10. Os weblogs são sistemas de publicação na Web baseados nos princípios demicroconteúdo e atualização frequente. Os textos são publicados em blocosorganizados cronologicamente. Estes blocos de texto costumam utilizar muitos linkspara fontes e contraposições de fontes, constituindo-se também em umacaracterística desses blogs. Os weblogs não foram criados com o fim exclusivo deservirem como “diários eletrônicos”, mas simplesmente como formas de expressãoindividual. A maioria dos sistemas de blogs conta hoje com duas ferramentas muitopopulares: a ferramenta de comentários (permite aos internautas deixarobservações e comentários sobre os posts publicados pelo autor do blog) e aferramenta de trackback (permite que outros posts, em outros blogs, que fizeramreferência a um texto sejam linkados junto dele, de modo a mostrar ao internauta adiscussão que está sendo realizada em torno do assunto também por outros blogs).São exatamente estas ferramentas que fazem do blog um sistema que traz umaorganização diferenciada para a Web. O weblog torna-se um espaço decomunicação entre os interagentes, proporcionando a discussão e o diálogo. O blogpermite ao blogueiro e aos internautas criar novas trilhas, criar novos nós e links. Os blogs não são sempre uma forma de construção coletiva onde todos possuempoder. Muitas vezes, trata-se de um texto escrito coletivamente, mas de uma redede significações coletiva agregada a um texto individual.
  11. 11. O termo Wiki foi cunhado por Ward Cunningham e significa “rápido” no Havaí(wiki wiki). Através do sistema Wiki um internauta pode alterar qualquer conteúdoapresentado em um site através do próprio browser utilizado para navegação. O sistema Wiki veio permitir não apenas a reunião de dados, mas a própriageração de novos conhecimentos de forma compartilhada entre diferentes sujeitos, aqualquer tempo e de qualquer lugar.A Wikipédia : Tem uma estrutura disposta em rede. Não existe uma hierarquia queorganiza os verbetes e a própria consulta. A recuperação das informações se dáa partir de um mecanismo automatizado de busca e entrecruzamento deinformações se “amarra” através de links. A autoria não fica aqui relegada à mera opção entre caminhos potenciaisabertos por um webmaster. Não se trata apenas de leitura ativa e criativa, mastambém de legítima redação. É preciso também notar que cada intervençãoaltera não apenas um verbete específico, mas também a própria Wikipédiaenquanto todo editorial. Cada inclusão ou eliminação de link modifica a redehipertextual. A preocupação maior se desloca da proteção ao nome do autor para ocuidado com a informação, com o texto da comunidade.
  12. 12. "Num universo em que tudo se comunica, sem que se saiba a origem da emissão,sem que se possa determinar quem fala, o mundo técnico ou nós mesmos, nesseuniverso sem hierarquias, salvo emaranhadas, em que a base é o cume, acomunicação morre por excesso de comunicação e se acaba numa interminávelagonia de espirais. E a isso que dou o nome de "tautismo“. Lucien Sfez 
  13. 13. As três situações interativas pensadas por Thompson são: interação face-a-face (dialógica),mediada (dialógica) e a interação quase mediada (monológica). CARACTERÍSTICAS INTERAÇÃO FACE- INTERAÇÃO INTERAÇÃO INTERATIVAS A-FACE MEDIADA QUASE (telefone, MEDIADA computador...) (livro, jornal, rádio...) ESPAÇO-TEMPO Contexto de Separação dos Separação de copresença: contextos; contextos; sistema disponibilidade disponibilidade referencial estendida no estendida no espaço- tempo e no tempo e no temporal espaço espaço comum POSSIBILIDADE DE DEIXAS Multiplicidade de Limitação das Limitação das SIMBÓLICAS deixas possibilidades possibilidades simbólicas de deixas de deixas simbólicas simbólicas ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE Orientada para Orientada para Orientada para um outros outros número específicos específicos indefinido de receptores potenciais DIALÓGICA / MONOLÓGICA Dialógica Dialógica Monológica 
  14. 14. FONTES INTERESSANTES1) http://www6.ufrgs.br/limc/projetos.html2) http://www.youtube.com/watch?v=ShRODbkFIJ0&feature=related
  15. 15. GRUPO 4Aline RibeiroCristiane FreitasJuliana CâmaraLidiane FernandesOfélia Sagres

×