1ºPeríodo-Apresentação final

2.623 visualizações

Publicada em

Apresentação final de Área e Projecto 12ºAno do Grupo C da Escola Secundária Professor José Augusto Lucas, tratando o Tema: Energias Renováveis

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1ºPeríodo-Apresentação final

  1. 1. ENERGIAS RENOVÁVEIS OEIRAS VERDE Escola Secundária de Linda-a-Velha Ano lectivo 2009/2010 Área de Projecto 12ºA Professora Madalena Fernandes
  2. 2. INTRODUÇÃO <ul><li>Este trabalho desenvolvido no âmbito da disciplina de Área de Projecto tem como objectivo mostrar o percurso efectuado durante o 1º período pelo nosso grupo, que escolheu as Energias Renováveis no concelho de Oeiras como tema a desenvolver. </li></ul><ul><li>Palavras chave: Ambiente, Poluição, Desenvolvimento sustentável, Futuro, Natureza, Infra-estruturas, Eficiência energética, Consumo, Recursos. </li></ul>
  3. 3. O TEMA <ul><li>Apesar de não ter sido a primeira escolha, o grupo acordou trabalhar as Energias Renováveis no nosso concelho. </li></ul><ul><li>Este é um tema abrangente, actual e de interesse para toda a sociedade, permitindo-nos a elaboração de um projecto final consistente. </li></ul>
  4. 4. OBJECTIVOS A CUMPRIR <ul><li>Com este projecto pretendemos sensibilizar toda a população, em particular os habitantes de Oeiras, para a importância de incutir neles próprios, e nos seus conhecidos, comportamentos em defesa do ambiente. Estes comportamentos passarão pela utilização de energias renováveis, o que vai de encontro com o nosso tema de trabalho. </li></ul>
  5. 5. UTILIDADE A NÍVEL DO CONCELHO <ul><li>Actualmente o concelho de Oeiras apresenta um dos mais elevados índices de qualidade de vida em Portugal, assumindo-se como a sede de importantes empresas ligadas às novas tecnologias. </li></ul><ul><li>Por este motivo, o conselho posiciona-se como um destino de excelência para investimentos que visam um desenvolvimento sustentado. </li></ul>
  6. 6. TRABALHO REALIZADO <ul><li>Investigação teórica </li></ul><ul><li>Inquéritos </li></ul><ul><li>Cartaz </li></ul><ul><li>Site “Oeiras Verde” </li></ul><ul><li>Contacto de entidades </li></ul><ul><li>Projectos para o 2º Período </li></ul>
  7. 7. INVESTIGAÇÃO TEÓRICA
  8. 8. RECURSOS NATURAIS <ul><li>A Terra contém uma grande variedade de riquezas naturais (alimentos, materiais, ...) essenciais à sobrevivência do Homem, e que são utilizadas nas mais diversas actividades, satisfazendo as necessidades do ser humano em sociedade. </li></ul><ul><li>Recurso Natural: “qualquer coisa” existente no estado natural, que se apresenta como relevante ou útil para os seres humanos. </li></ul><ul><li>Ex: solo, minerais, água, vento, seres vivos, etc. </li></ul>
  9. 9. FORMAS DE CLASSIFICAR OS RECURSOS NATURAIS <ul><li>1. Quanto ao tempo necessário para que se dê a sua reposição no meio ambiente... </li></ul>Recursos Naturais Não renováveis Renováveis Não são inesgotáveis. Como levam milhões de anos a formarem-se, e a sua exploração e consumo têm crescido muito, as suas reservas vão-se esgotando, não se produzindo novas. Petróleo, carvão, gás natural, urânio Produzem-se continuamente novas reservas. Energia solar, eólica, hidráulica, etc.
  10. 10. <ul><li>2. Quanto à origem... </li></ul><ul><li>Recursos Biológicos : vegetais e animais usados na indústria alimentar e outras indústrias (da madeira, têxtil, ...), bem como alguns micróbios utilizados na transformação dos alimentos (queijo, iogurtes, bebidas alcoólicas, ...), e na preparação de alguns medicamentos (antibióticos, por exemplo). </li></ul><ul><li>Recursos Minerais : metais extraídos de minérios, em minas, ou as rochas extraídas de maciços rochosos, em pedreiras. </li></ul><ul><li>Recursos Hídricos : como as águas doces e salgadas. </li></ul><ul><li>3. Quanto à possibilidade de se obter energia a partir deles... </li></ul><ul><li>Recursos Energéticos : como os obtidos a partir dos combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural), os obtidos a partir de materiais radioactivos, do Sol, do vento, da água, ... </li></ul>
  11. 11. RECURSOS ENERGÉTICOS Recursos Energéticos Renonáveis Não Renonáveis Energia solar, eólica, hidráulica, etc. Carvão, petróleo, gás natural, substâncias radioactivas
  12. 12. NÃO RENOVÁVEIS Recurso Energia Vantagens Desvantagens Carvão Termoeléctrica -Baixo custo -Poluente -Esgota-se Petróleo Termoeléctrica -Elevado rendimento -Poluente -Esgota-se Gás natural Térmica -Baixo custo -Pouco poluente -Esgota-se Substâncias radioactivas Nuclear -Baixo custo -Perigo de radiação e dos resíduos
  13. 13. RENOVÁVEIS <ul><li>As energias renováveis englobam todas as formas de energia obtidas de fontes naturais capazes de se regenerar, e portanto inesgotáveis. </li></ul><ul><li>Existem sete tipos de energias renováveis: </li></ul><ul><li>- Solar; </li></ul><ul><li>- Eólica; </li></ul><ul><li>- Hídrica; </li></ul><ul><li>- Geotérmica; </li></ul><ul><li>- Maremotriz; </li></ul><ul><li>- Biomassa; </li></ul><ul><li>- Hidrogénio. </li></ul>
  14. 14. ENERGIA SOLAR <ul><li>Energia solar é a designação dada a qualquer tipo de captação de energia luminosa proveniente do sol, e posterior transformação dessa energia numa forma útil ao homem, seja directamente para aquecimento de água ou para energia eléctrica ou mecânica. </li></ul>
  15. 15. ENERGIA EÓLICA <ul><li>Esta energia provém do vento. Utilizada desde a antiguidade para navegar ou funcionar os moinhos, esta é uma das grandes apostas para a produção de energia eléctrica. </li></ul><ul><li>O aerogerador obtém energia convertendo a energia cinética do vento em energia eléctrica. </li></ul>
  16. 16. ENERGIA HÍDRICA <ul><li>A energia hídrica utiliza a força cinética das águas de um rio e converte-a em energia eléctrica pela rotação de uma turbina hidráulica. </li></ul>
  17. 17. ENERGIA GEOTÉRMICA <ul><li>Energia geotérmica é a energia obtida a partir do calor proveniente do interior da Terra. </li></ul><ul><li>Alta temperatura (T>150 ºC)-geralmente associado a áreas de actividade vulcânica, sísmica ou magmática - produção de energia eléctrica </li></ul><ul><li>Baixa temperatura (T<100 ºC)- resultam geralmente da circulação de água de origem meteórica em falhas e fracturas e por água residente em rochas porosas a grande profundidade </li></ul>
  18. 18. ENERGIA MAREMOTRIZ <ul><li>A energia maremotriz é produzida através da utilização da energia contida no movimento de massas de água devido às marés. </li></ul><ul><li>Podem ser obtidas dois tipos de energia maremotriz: energia cinética das correntes, devido às marés, e energia potencial, pela diferença de altura entre a maré alta e a maré baixa. </li></ul>
  19. 19. BIOMASSA <ul><li>Ao efectuar o processo de fotossíntese, as plantas transformam energia solar em energia química, que pode depois ser convertida em energia eléctrica, combustível ou calor. A estas fontes orgânicas utilizadas neste processo dá-se o nome de biomassa. </li></ul><ul><li>A biomassa pode ser de três tipos: sólida, gasosa e líquida. </li></ul>Exemplos: - o biogás - por transformação de estrumes – combustível para aquecimento/produção de electricidade. - o álcool (carburante) a partir de certas plantas - os óleos combustíveis (sementes).
  20. 20. HIDROGÉNIO <ul><li>As pilhas de hidrogénio são líderes de uma mudança de modelo energético, cada vez mais defendida: a utilização de energias renováveis e não poluentes, em substituição das energias fósseis (petróleo, gás) responsáveis pelas emissões poluentes actuais. </li></ul><ul><li>As pilhas de hidrogénio são dispositivos electroquímicos, constituído por um empilhamento (daí o termo pilha) de células de combustível ligadas em série, que produz energia. </li></ul>
  21. 21. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA <ul><li>A eficiência energética pode ser definida como uma optimização no consumo de energia. </li></ul><ul><li>A eficiência energética acompanha todo o processo de produção, distribuição e utilização da energia, que pode ser dividido em duas grandes fases: </li></ul><ul><li>- Transformação; </li></ul><ul><li>- Utilização. </li></ul>
  22. 22. TRANSFORMAÇÃO <ul><li>A energia existe na Natureza em diferentes formas e, para ser utilizada, necessita de ser transformada. </li></ul><ul><li>Durante essa transformação, parte da energia perde-se, gerando desperdícios prejudiciais para o ambiente. Parte destas perdas é inevitável e deve-se a questões físicas, mas outra parte é perdida por mau aproveitamento e falta de optimização dos sistemas. </li></ul><ul><li>Neste contexto, têm-se multiplicado as iniciativas para a promoção da eficiência energética. </li></ul>
  23. 23. UTILIZAÇÃO <ul><li>Vamos considerar quatro sectores onde pode ser amigo do ambiente: </li></ul><ul><li>1. Água e electrodomésticos </li></ul><ul><li>2. Luz e climatização </li></ul><ul><li>3. Pilhas e computadores </li></ul><ul><li>4.Comida e alimentação </li></ul>
  24. 24. ÁGUA E ELECTRODOMÉSTICOS <ul><li>Troque o seu frigorífico velho: Um frigorífico com mais de 10 anos consome, em média, 857 kWh, o que equivale a 108,99 euros por ano. Um novo de categoria A+ gasta apenas 400 kWh, que equivale a 50,82 euros por ano; </li></ul><ul><li>Ponha as máquinas a trabalhar à noite: A forma mais fácil de poupar energia sem esforço passa por usar as máquinas de lavar roupa e loiça apenas em período nocturno. Um pequeno passo para o Homem (poupa 34,32 euros por ano) e um grande passo para o planeta; </li></ul><ul><li>Desligue o forno dez minutos antes: Se desligar o equipamento dez minutos antes do tempo, num cozinhado de uma hora, o calor que se mantém lá preso termina o serviço. Para uma utilização de dez vezes por mês, a 1,56 kWh por cozinhado, esse dez minutos representam menos 31,2 kWh por ano, uma redução de 4 euros na factura da luz; </li></ul><ul><li>Poupe Água: considerando o preço de água por metro cúbico em Oeiras (50 cêntimos) e apontando para o consumo médio de 10 m3 por mês, gastar menos 30% de água (que, segundo vários estudos, é proporção do desperdício) corresponde a poupar 18 euros por ano. Introduza uma garrafa cheia dentro do autoclismo, para diminuir a capacidade do equipamento; desligue a torneira enquanto escova os dentes ou se ensaboa; e experimente regar as plantas lá de casa com água da cozedura dos vegetais. </li></ul>
  25. 25. LUZ E CLIMATIZAÇÃO <ul><li>Mude as lâmpadas de casa: Anualmente, uma habitação portuguesa gasta, em média, 216 kWh em iluminação, se todas as lâmpadas forem incandescentes. Se forem de baixo consumo, esse gasto é de apenas de 43,2 kWh. A diferença na conta da luz, ao fim de um ano, é de 22,05 euros e está a emitir menos 7,2 quilos de CO2 por mês. Mas seja qual for o seu tipo de habitação, nunca mantenha luzes ligadas em divisões vazias; </li></ul><ul><li>Acabe com o “stand-by”: Televisores, aparelhagens de som, modems... Desligue tudo da corrente. Pode argumentar que a diferença não é significativa. Mas pense que é a mesma coisa que chegar a 31 de Dezembro, tirar 18,9 euros da carteira e deitá-los no caixote do lixo. </li></ul>
  26. 26. PILHAS E COMPUTADORES <ul><li>Computador portátil/secretária: De todos os equipamento de uma habitação, esta é a escolha mais fácil de fazer, do ponto de vista ambiental e económico, um portátil gasta apenas 10 a 20% da energia consumida por um computador de secretária. Uma poupança que pode atingir os 50 euros por mês. </li></ul><ul><li>Desligue (mesmo) o computador: Não deixe o computador ligado só porque tem o screensaver activo. Deixar a máquina ligada o dia todo pode custar até 278 euros por ano (2 190 kWh partindo do principio de que o monitor está desligado). </li></ul><ul><li>O recarregável é bom: As pilhas convencionais têm um impacto negativo no meio ambiente 32 vezes maior do que as recarregáveis. </li></ul>
  27. 27. CONSUMO E ALIMENTAÇÃO <ul><li>Não desperdice comida: Admita que um lar gasta 390 euros em comida por mês no supermercado, o que dá um custo médio por refeição de 6,5 euros; se a família souber aproveitar as sobras de comida e preparar uma refeição suplementar por semana, ao fim se um ano poupou 338 euros. </li></ul><ul><li>Evite os sacos de plásticos: Saiba que se levar 20 sacos de plástico por mês para casa, ao fim de um ano, ajudou a enviar para a atmosfera 15 quilos de CO2. Compre um daqueles sacos das compras, que custam apenas 50 cêntimos, e em 12 meses já poupou entres 1,90 e 3,10 euros. </li></ul><ul><li>Recicle e reutilize: Cada tonelada de plástico reciclado evita a emissão de 1,35 toneladas de CO2 para a atmosfera; de vidro 0,84 toneladas. Em relação a reutilizar, o segredo está em pensar sempre no seguinte, antes de pôr o que quer que seja no lixo: “O que posso fazer com isto?” A poupança depende da elasticidade da sua imaginação. </li></ul>
  28. 28. INQUÉRITOS
  29. 29. OBJECTIVO <ul><li>Elaborámos este inquérito de forma a analisar o conhecimento dos alunos da nossa escola relativamente ao tema “Energias Renováveis” e, também, para perceber qual a sua preocupação com o uso racional da energia nas suas habitações. </li></ul><ul><li>Optámos por distribuir os inquéritos somente aos alunos do secundário, da área de Ciências e Tecnologias. Esta escolha deveu-se ao facto destes alunos estarem mais familiarizados com o tema e, deste modo, também facilitámos o nosso trabalho. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>OEIRAS VERDE </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>No âmbito da disciplina de Área de Projecto da turma de 12ºA, decidimos realizar um Inquérito dirigido aos alunos do secundário da escola, com o objectivo de apurar a opinião e nível de conhecimento dos mesmos acerca das Energias Renováveis.  </li></ul><ul><li>Assinale na folha a resposta seleccionada com um X. </li></ul><ul><li>Sexo F M Idade __   I – Energias Renováveis </li></ul><ul><li>Sabe o que são energias renováveis? </li></ul><ul><li>Sim Não </li></ul><ul><li>Se respondeu NÃO a esta questão, preencha apenas a segunda parte do Inquérito, referente à eficiência energética.  </li></ul><ul><li>É a favor da utilização de energias renováveis? </li></ul><ul><li>Sim Não  </li></ul><ul><li>Acredita que as energias renováveis podem ser economicamente rentáveis? </li></ul><ul><li>Sim Não </li></ul><ul><li>Acha que o concelho de Oeiras tem as condições geográficas necessárias à implementação de energias renováveis? </li></ul><ul><li>Sim Não </li></ul><ul><li>Na sua opinião, quais as melhores energias renováveis para serem aplicadas no concelho? Assinale no máximo 3 itens. </li></ul><ul><li>Energia eólica Biomassa Energia hidráulica Energia solar Hidrogénio </li></ul><ul><li>Energia geotérmica Energia das marés </li></ul>
  31. 31. <ul><li>II – Eficiência Energética </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Em que estação do ano consome mais energia eléctrica a sua habitação? </li></ul><ul><li>Verão </li></ul><ul><li>Inverno </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Classifique cada um dos itens de acordo com o sector onde consome mais energia na sua habitação. Numere por ordem decrescente de consumo (1 onde consome mais, 4 onde consome menos). </li></ul><ul><li>Iluminação </li></ul><ul><li>Águas quentes e sanitárias </li></ul><ul><li>Electrodomésticos </li></ul><ul><li>Outros. Quais?____________ </li></ul><ul><li>Costuma preocupar-se em poupar energia na sua habitação? </li></ul><ul><li>Sim </li></ul><ul><li>Não </li></ul><ul><li>Algumas vezes </li></ul><ul><li>Se respondeu SIM ou ALGUMAS VEZES, de que forma poupa energia? </li></ul><ul><ul><li>______________________________________________________ </li></ul></ul>
  32. 32. RESULTADOS <ul><li>Na sua opinião, quais as melhores energias renováveis para serem aplicadas no concelho? </li></ul>
  33. 33. <ul><li>Costuma preocupar-se em poupar energia em sua casa? </li></ul>
  34. 34. <ul><li>Classifique cada um dos itens de acordo com o sector onde consome mais energia na sua habitação. Numere por ordem decrescente de consumo (1 onde consome mais, 3 onde consome menos). </li></ul>
  35. 35. CARTAZ
  36. 36. OBJECTIVO <ul><li>A elaboração do cartaz foi efectuada no intuito de dar a conhecer à comunidade escolar parte dos resultados obtidos no tratamento de dados dos inquéritos. Neste trabalho foram também apresentadas soluções para aplicarmos no nosso dia-a-dia, de modo a tornarmo-nos mais amigos do ambiente. </li></ul>
  37. 38. SITE “OEIRAS VERDE” HTTP://SITES.GOOGLE.COM/SITE/OEIRASVERDE/
  38. 39. CONTACTOS A ENTIDADES
  39. 40. OEINERGE <ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>A OEINERGE (Agência Municipal de Energia e Ambiente de Oeiras) é uma associação sem fins lucrativos que tem por objectivo contribuir para a eficiência energética, o melhor aproveitamento dos recursos energéticos endógenos e a gestão ambiental na interface com a energia, tendo em vista a promoção de um desenvolvimento local sustentável. </li></ul><ul><li>O que fazem? </li></ul><ul><li>Apoiar a Câmara Municipal de Oeiras, Sócios Fundadores, Agentes Económicos e Cidadãos na Gestão de Recursos tendo em vista a promoção de um modelo de desenvolvimento local sustentável. </li></ul>
  40. 41. E-MAIL ENVIADO <ul><li>Exºs Senhores </li></ul><ul><li>Somos quatro alunos do 12º ano da Escola Secundária de Linda-a-Velha, que no âmbito da disciplina de Área de Projecto, estamos a realizar um trabalho intitulado: “Energias Renováveis – Oeiras Verde”. </li></ul><ul><li>Pretendemos com este trabalho dar a conhecer o que tem sido feito no concelho de Oeiras de modo a proporcionar o uso racional das Energias Renováveis e, se possível, contribuir para a divulgação e o incentivo da utilização de tais Energias.  </li></ul><ul><li>Como tal, vimos por este meio solicitar uma possível colaboração da Oeinerge, facilitando-nos uma visita às vossas instalações, no intuito de receber informação acerca do vosso projecto. </li></ul><ul><li>Atendendo ao nosso interesse neste projecto, estamos disponíveis todas as tardes para nos deslocarmos às vossas instalações. </li></ul><ul><li>Agradecemos uma resposta </li></ul><ul><li>Atenciosamente,   </li></ul><ul><li>Ana Raquel, Maria Barros, Miguel Bastos, Rita Rana </li></ul>
  41. 42. LINHA VERDE <ul><li>O Número Verde  - 801 201 205 – é o número do Ambiente da Câmara Municipal de Oeiras e vem contribuir para optimizar e facilitar o acesso dos munícipes aos serviços da Câmara, que através deste contacto podem efectuar pedidos como: </li></ul><ul><li>Inscrições para projectos de educação e sensibilização ambiental; </li></ul><ul><li>Obtenção de informações sobre questões ambientais; </li></ul>
  42. 43. PROJECTOS PARA O 2º PERÍODO
  43. 44. <ul><li>Dinamizar actividades na escola durante a semana da Energia Sustentável na União Europeia (22 a 26 de Março); </li></ul><ul><li>Deslocamento à Escola Primária Sylvia Philips, em Carnaxide, de modo a incutir nos mais novos a importância de um consumo racional e moderado da energia; </li></ul><ul><li>Contacto com a Empresa Siemens a fim de obter mais informações sobre o tema Energias Renováveis. </li></ul>
  44. 45. CONCLUSÃO <ul><li>O 1º Período foi, em parte, de adaptação à disciplina de Área de Projecto. </li></ul><ul><li>Consideramos produtivo o nosso trabalho desenvolvido até à data. Continuaremos a trabalhar no sentido de obter um projecto consistente. </li></ul>
  45. 46. BIBLIOGRAFIA <ul><li>Sites: </li></ul><ul><li>http://www.energiasrenovaveis.com/ </li></ul><ul><li>http://www.minerva.uevora.pt/odimeteosol/energias.htm </li></ul><ul><li>http://www.adene.pt/ADENE/ </li></ul><ul><li>http://www.oeinerge.pt/ </li></ul><ul><li>http://www.cm-oeiras.pt/Paginas/cmo_homepage.aspx </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Energia_renov%C3%A1vel </li></ul><ul><li>www.edprenovaveis.com </li></ul><ul><li>Revistas/Jornais: </li></ul><ul><li>Visão, nº870, 5 a 10 de Novembro </li></ul><ul><li>Oeiras Actual </li></ul>
  46. 47. TRABALHO REALIZADO POR: <ul><li>Grupo C </li></ul><ul><li>Ana Raquel, nº1 </li></ul><ul><li>Maria Barros, nº13 </li></ul><ul><li>Miguel Bastos, nº15 </li></ul><ul><li>Rita Rana, nº18 </li></ul>

×