SÉCULO XX - ANOS 50 E 60

3.135 visualizações

Publicada em

Fim da opressão de duas grandes guerras, hora da mulher resgatar sua feminilidade, Dior promove o "New Look" - Os anos dourados chegaram e com eles a força do american way life, o mundo dos adultos esta com seus dias contados pois a rebeldia dos adolescentes ganha lugar e voz com o Roch'n Roll... Let's go baby!...

Publicada em: Design
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.135
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
93
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SÉCULO XX - ANOS 50 E 60

  1. 1. HISTÓRIA DA INDUMENTÁRIA E MODA SÉCULO XX – 1950 / 1960 MODA E COMPORTAMENTO PROF. ODAIR TUONO
  2. 2. INTRODUÇÃO Os anos 50 representaram um re-torno aos valores relacionados a fa-mília e ao bem estar. Os adultos ditavam as regras, mas este cenário ganharia outros contor-nos com a rebeldia das novas gera-ções. Românticos, rebeldes, psicodélicos, frenéticos, retrógrados ou excessi-vos, muitos adjetivos podem nomi-nar as décadas que antecedem o Século XXI. O mundo respirou emoção e desejo de se renovar constantemente an-tes do final do milênio.
  3. 3. ANOS 50 A silhueta da mulher resgatou os traços de feminilidade com os om-bros delineados, cintura afunilada e saia rodada, influência do New Look (1947) de Christian Dior. A moda desta década era de ex-trema sofisticação, luxo e glamour marcando este período dos “anos dourados”, onde a Alta-Costura te-ve seus momentos de esplendor. Cores vivas e estampas florais, a moda procurava traduzir alegria e romantismo da época. A cintura marcada por saias roda-das era designada como “cintura de vespa”, conferida pelo uso de uma cinta muito apertada.
  4. 4. ANOS 50 Os sapatos utilizados eram os “scarpins” de salto alto e bico fino, os chapéu da abas grandes e as luvas indispensáveis até para o dia, as bijuterias ganham destaque por-que imitavam as jóias. O estilo feminino americano era aquele de uma mulher ligada à vida familiar com requinte, à televisão passava a influenciar a moda. O casamento perfeito, a vida repleta de eletrodomésticos e frivolidades faziam parte de um cotidiano artifi-cial, criado para vender ao mundo o sonho americano.
  5. 5. ANOS 50 Na década de 50 o jornal alemão Bild criou Lili – “Bild Lili” – uma personagem de histórias em quadri-nhos para representar uma nova imagem feminina nos anos de reconstrução da Alemanha no pós-guerra. Em 1955, foi criada uma boneca de plástico, segundo a imagem de Lili que passava a ser um exemplo de manequim, atuando em diversas profissões e sempre bem vestida. A boneca apresentava estilos de roupa e acessório diferentes para cada ocasião.
  6. 6. ANOS 50 A repercussão do sucesso de Lili fez com que a empresa Mattel com-prasse os direitos de produzir a boneca para os Estado Unidos. As meninas começaram a se iden-tificar com um modelo feminino dife-rente do modelo mãe e filho. Em 1959 surgiria a boneca Barbie com sua figura exageradamente feminina – seios grandes, cintura de vespa e pernas longas – para o desconforto dos tradicionalistas e alegria das crianças e jovens. Barbie passou a ser um padrão estético admirado em todo mundo. Cindy Jackson Sarah Burge
  7. 7. ANOS 50 As jovens norte-americanas come-çaram a buscar uma identidade própria para sua moda, utilizavam cardigãs de tricot, saias rodadas, sapatos baixos, meias soquetes e rabo-de-cavalo fazendo o estilo college. As cigarretes, calças compridas, eram justas e curtas à altura dos tornozelos utilizadas com sapati-lhas. Os jovens preferiam as calças jeans com a barra virada e camiseta de malha (t-shirts), cabelos com bri-lhantina, topetes e costeletas faziam parte do visual, os rapazes eram influenciados pela música e cinema, o prenúncio dos anos rebeldes.
  8. 8. ANOS 50 O prêt-á-porter dos franceses re-presentavam a elegância da nova geração elitista. Surgia o shopping center, nos Estados Unidos, com a missão de atender aos consumidores que passaram a morar nos subúrbios e precisavam de novos centros de compras. As mães aconselhavam as moças sobre o risco de se tornar uma “per-dida”, ou seja, de perder a virgin-dade antes do casamento. A sociedade tentava idealizar a vida com perfeição, algo não próprio da natureza humana.
  9. 9. ANOS 50 1951 – Era inaugurada oficialmente a TV Tupi, a primeira estação de televisão brasileira. 1952 – Willen Kolff cria o coração artificial. 1953 – Os biólogos Watson e Crick decifram a estrutura do DNA, molé-cula responsável pela transmissão dos caracteres hereditários. 1956 – Elvis Presley surge como novo ídolo do rock, em 58 foi con-vocado para servir o exército ame-ricano numa base na Alemanha. 1959 – O elastano e o microchip são inventados.
  10. 10. ANOS 60 Os anos 60 foram o grande mo-mento para o consolidação do prêt-à- porter na moda influenciando a elite européia e americana que ad-quiria produtos em butiques. O psicodelismo transparecia em es-tampas multicoloridas de padrão geométrico e orgânico em tecidos de fibras sintéticas, além da utiliza-ção de novos materiais como plás-tico e acrílico. Artistas dos movimentos Pop Art e Op Art como Andy Warhol, Roy Lichtenstein e Victor Vassarely in-fluenciaram na ornamentação das roupas através da estamparia.
  11. 11. ANOS 60 Os jovens influenciam na criação de um novo guarda roupa com carac-terísticas informais e descontraídas, o padrão mini era evidente em saias e vestidos. No clima da paz, amor e pílulas anticoncepcionais, os jovens solta-vam as amarras e faziam sexo sem pensar em casamento. A modelo Twiggy personificava um estilo ingênuo e ambíguo com as-pecto de menina com cabelos cur-tos e olhos maquiados com rímel ou cílios postiços, impondo uma estéti-ca de corpo magérrimo como pa-drão de beleza.
  12. 12. ANOS 60 A moda masculina renovou seu guarda-roupa entre jaquetas com zíper, golas altas, tecidos sintéticos, botas, calças mais estreitas em conjunto com camisas coloridas ou estampadas, uma grande contribui-ção para esta mudança visual foi o surgimento da moda unissex. Caubói (cowboy) – Moda baseada nas roupas de trabalho dos vaque-iros e pioneiros americanos, que incluíam camisas de algodão xa-drez, lenços, jeans ou bombachas e botas de salto grosso. Ponchos e paletós de couro com franjas também eram usados. O estilo popularizou-se entre as déca-das de 60 e 70.
  13. 13. ANOS 60 A Guerra do Vietnã foi o mais lon-go conflito militar que ocorreu de-pois da II Guerra Mundial, esten-deu- se por dois períodos distintos. No primeiro, as forças nacionalistas vietnamitas, sob orientação do Viet-minh (a liga vietnamita), lutaram contra os colonialistas franceses, entre 1946 a 1954. No segundo, uma frente de nacio-nalistas e comunistas - o Vietcong - enfrentaram as tropas de interven-ção norte-americanas, entre 1964 e 1975. Com um pequeno intervalo entre os finais dos anos 50 e início dos 60, a guerra durou quase 20 anos. 1,2 milhão de mortos
  14. 14. ANOS 60 Os hippies faziam parte de uma ge-ração jovem dos Estados Unidos que desejavam contestar o sistema vigente e o estilo de vida de seus pais, as roupas tinham detalhes ar-tesanais, patchwork, bordados, apli-cações e bijuterias populares, saias longas de crepe indiano, calça “bo-ca- de-sino” ou “pata-de-elefante”. Os cabelos eram longos e despen-teados, o visual resgatava certo na-turalismo e conforto na forma de vestir, batas com efeito desbotado, calças desgastadas propositalmen-te, sandálias de couro, lenços ou chapéus de aba mole completavam uma variedade de roupas criadas pelos jovens.
  15. 15. ANOS 60 Em 1968 esses jovens pacifistas realizavam passeata em Washing-ton contra a guerra do Vietnã, du-rante a manifestação flores eram colocadas nos canos das armas do policiais que acompanhavam o ma-nifesto difundindo assim os ideais do movimento “Flower Power”. Outros slogans fizeram parte desta geração emblemática como “Peace and Love” – “Make Love, Not War” e o mais polêmico deles era “Sex, Drugs and Rock’n Roll”. Em paralelo, Betty Friedan liderava o movimento feminista que exigia a liberação do aborto, a emancipação da mulher casada e o direto ao di-vórcio.
  16. 16. ANOS 60 Kitsch – Termo usado pela crítica para descrever obras pretensiosas, rebuscadas, feias ou sentimentais. Podem representar um clichê barato ou conter elementos decorativos desvinculados de uma função prá-tica no uso cotidiano. O estilo floresceu desde a rejeição do modernismo por alguns desig-ners na década de 60. Entre o apelo afetivo e o gosto duvidoso os produtos kitsch prolife-ram aos montes invadindo as casas de forma inocente.
  17. 17. ANOS 60 1960 – Inaugurada Brasília, a nova capital do Brasil. 1961 – O russo Yuri Gagárin é o primeiro homem a ir ao espaço. 1962 – Surge a Anistia Internacional para combater as violações dos direitos humanos no mundo. 1964 – Maurício de Souza cria Mônica e Cebolinha. 1965 – Malcolm X e Martin Luther King foram precursores dos movi-mentos contra discriminação racial. 1969 – Woodstock foi realizado em uma fazenda nos arredores de Nova Iorque. O homem chegava à Lua.
  18. 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAUDOT, François. Moda do Século. São Paulo: Cosac Naify, 2005. BRAGA, João. História da Moda: uma narrativa. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2004. JONES, Sue Jenkyn. Fashion design – manual do estilista. São Paulo: Cosac Naify, 2005. LEHNERT, Gertrud. História da Moda do Século XX. Colónia: Könemann, 2001. MENDES, Valerie e HAYE, Amy de la. A Moda do Século XX. São Paulo: Martins fontes, 2003. PEACOCK, John. The Chronicle of Western Costume. Londres: Thames and Hudson Ltd., 1991. ROBERTS, J. M. O Livro de Ouro da História do Mundo – da Pré-História à Idade Contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.

×