SÉCULO XX - 1900 BELLE ÉPOQUE + I GUERRA MUNDIAL

2.697 visualizações

Publicada em

O avanço da tecnologia através da Revolução Industrial - os Tempos Modernos - a vida cultural na Cidade Luz - os disabores da Guerra Mundial. A influência do comportamento e da sociedade na forma de vestir no início do Século XX..

Publicada em: Design
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.697
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
135
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SÉCULO XX - 1900 BELLE ÉPOQUE + I GUERRA MUNDIAL

  1. 1. HISTÓRIA DA INDUMENTÁRIA E MODA SÉCULO XX – 1900 / 1910 MODA E COMPORTAMENTO PROF. ODAIR TUONO
  2. 2. BELLE ÉPOQUE Bela Época, em francês, foi um período de cultura cosmopolita européia que começou em 1871 e durou até a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914. A expressão designava o clima intelectual e artístico do período marcado por profun-das transformações culturais que se tra-duziram em novos modos de pensar e viver o quotidiano. A Belle Époque foi considerada uma era de ouro da beleza, inovação e paz entre os países europeus. A cena cultural esta-va em efervescência: cabarés, o cancan, e o cinema haviam nascido, e a arte to-mava novas formas com o Impressionis-mo e a Art Nouveau.
  3. 3. BELLE ÉPOQUE Inovações como o telefone, o telégrafo sem fio, o cinema, a bicicleta, o automó-vel, o avião, inspiravam novas percep-ções da realidade. Paris com seus cafés-concertos, balés, operetas, livrarias, teatros, boulevards e Alta Costura, tranformou-se na Cidade Luz, o centro produtor e exportador da cultura mundial. O romance de Henri Murger, Scènes de la vie de bohème (1848) imortalizou a boe-mia, aos lado dos escritos de Baudelaire, Rimbaud, Verlaine, Zola, Anatole France e Balzac. Ir a Paris ao menos uma vez por ano era uma obrigação entre as elites, pois garan-tia o vínculo com a atualidade do mundo. René Gruau
  4. 4. EXPOSIÇÃO UNIVERSAL As exposições universais foram montadas a partir do século XIX em Londres, Paris, Chicago entre outras cidades que eram os epicentros da modernidade. O retrato do estágio mais avançado da ci-vilização ocidental, que convivia com os problemas advindos da desigualdade e da marginalização de grande parcela da po-pulação. As exposições queriam ser uma miniatura desse mundo moderno avançado, com-posto de espetáculos nos campos da ci-ência, das artes, da arquitetura, dos cos-tumes e da tecnologia. A torre Eiffel, o palácio de cristal e a roda gigante eram os símbolos visíveis do avanço tecnológi-co exibido nas feiras mundiais.
  5. 5. EXPOSIÇÃO UNIVERSAL O século XIX foi o cenário de um espeta-cular progresso produtivo ligado às ne-cessidades da população industrial e ao crescimento da urbanização. Novos mate-riais foram empregados nas construções como aço e cimento, vidro e cristal. A Torre Eiffel (1889), projetada por Gustave Eiffel, era parte integrante da exposição tecnológica, realizada naquele ano na capital francesa em paralelo com as celebrações do centenário da revolu-ção. O monumento fazia parte do conjunto da exposição temporária e quase foi destruí-do em 1909, quando descobriram sua uti-lização para transmissão de sinais de rá-dio, tornando-se um dos mais famosos monumentos do mundo.
  6. 6. ERA EDUARDIANA Os rígidos valores morais da Era Vitoriana foram quebrados no final do século XIX, quando o primogênito real, Edward VII, assume o trono inglês. O príncipe de Gales, gostava de exibir as novidades da moda, o tecido “príncipe de Gales", batizado em sua homenagem, foi usado por ele pela primeira vez em 1876 e existe até hoje como um padrão clássico de xadrez.
  7. 7. ERA EDUARDIANA O ideal de beleza se dividia em dois: o estilo Edwardiano, pois o rei tinha uma clara preferência por mulheres maduras, que sustentaram a tendência de cabelos em tons cinza/ branco e as "Gibson Girl", popularizada pelos desenhos de Charles Dana Gibson sobre sua esposa. A atriz Gabrielle Edwardian Ray foi dan-çarina do Maxim’s e na produção do espetáculo "The Merry Widow" realizava acrobacias e rodopios sustentada por 04 homens levando a platéia da época ao delírio. Vários cartões postais vintage retratam a dançarina que por alguns é considera a primeira “super model”.
  8. 8. ART NOUVEAU Forma de arte decorativa que se disseminou pela Europa na década de 1890. Apesar do estilo expressar-se principalmente na arquitetura, decoração de interiores e no desenho de mobiliário, abrangeu também jóias e tecidos. O Art Nouveau utilizava elementos do clássico e do barroco, linhas ondulantes e temas ligados ao mundo vegetal. Criou uma nova unidade nas artes visuais – predominava o plano bidimensional – e a utilização de linhas curvas, gerando leveza, movimento e organicidade às imagens.
  9. 9. 1900 – BELLE EPOQUE Robert Delaunay, 1913
  10. 10. 1900 – BELLE EPOQUE O corpo feminino ideal deveria ter aproximadamente 40 cm de circun-ferência na cintura, os espartilhos e as ancas conferiam a chamada si-lhueta “S” (busto para frente e qua-dris para trás). As mulheres começavam a praticar esportes como a equitação, o tênis, o jogo de peteca, arco e flecha e andar de bicicleta. A moda para o dia-a-dia era com-posto de casaco e saia do mesmo tecido chamado de tailleur. A mulher da Belle Epoque represen-tava para sociedade o poder e pres-tígio alcançados pelos homens, ad-quirindo assim a imagem de um “Bibelot”.
  11. 11. BELLE EPOQUE
  12. 12. HAUTE COUTURE – WORTH Charles Frederick Worth (1826- 1895) é considerado o “pai da Alta Costura”. Apresentava suas coleçõ-es em modelos vivos para a alta no-breza européia, entre elas a impe-ratriz Eugênia e a rainha Vitória. A Alta Costura desenvolve peças únicas, sob medida e finalizadas à mão. Para ser um haute couturier, um estilista deve ter no mínimo 20 cos-tureiras, apresentar duas coleções em Paris, a partir de 75 modelos, todos executados à mão e sob me-dida.
  13. 13. Os homens das classes do-minantes estavam a frente das industrias, o que exigia um caráter de sobriedade, a roupa utilizada era reflexo da necessidade de peças funcionais e práticas. Os tons escuros para ter-nos com coletes eram pre-dominantes, camisas bran-cas de gola alta, o chapéu e a bengala caracterizavam a figura de um magnata. O homem omitia qualquer enfeite, à exceção da gra-vata, da cartola e da cor-rente do relógio de bolso, que ficava aparente sobre o colete. BELLE EPOQUE
  14. 14. BELLE EPOQUE A prática dos “banhos de mar” ganham cada vez mais adeptos no sentido terapêutico de sua utilização. Peças de malha cobriam o tronco e as pernas até o joelho, acompa-nhadas de meias, sapatos e capa para maior proteção ao excesso de exposição. O lazer dos banhos de mar influ-enciou a criação de uma roupa própria para criança, surgiu o estilo marinheiro que se tornou um clássi-co deste público que utilizava roupas de adulto em miniatura.
  15. 15. VIDA CULTURAL Em 1900 estreava a ópera "Tosca", de Giacomo Puccini (1858–1924), em Roma. O compositor italiano levou ao palco, em termos de grande realismo, a representa-ção dramática dos amores da cantora Tosca com o pintor Cavaradossi, envolvi-do em atividades revolucionárias, situa-ção que o chefe da polícia Scarpia tenta-va aproveitar, sendo morto por Tosca. Puccini foi autor de doze óperas, entre as quais “Manon Lescaut” (1893), La Bohè-me (1896), “Madama Butterfly” (1904), La rondine (1917), Il trittico (1918) e Turandot (1926). Hariclé Darclée, soprano romena, convi-dada para ser a primeira interprete da ópera “Tosca”.
  16. 16. VIDA CULTURAL A celebre atriz Sarah Bernhardt (1844- 1923) e dançarina Isadora Duncan (1878-1927) são referências no cenário cultural. No entanto o exotismo do Balé Russo, dirigido por Sergue Diaghilev, trouxe ao público parisiense Vaslav Nijinski consi-derado o maior dançarino de sua épo-ca. Nijinski (1890–1950) criou para os bai-lados russos: O espectro da rosa, A tarde de um fauno e Sherazade, contagiando platéias e influenciando a criação de moda para o orientalismo.
  17. 17. 1900 – ACONTECIMENTOS O formato das roupas segue os valores da estética curvilínea do Art Nouveau. O namoro começava após a autoriza-ção do pai da mulher. Se o noivado era desfeito, a mulher tinha mais dificulda-des para arranjar um segundo preten-dente. Expectativa de vida era de 40 anos. 1900 – Sigmund Freud publica “A Inter-pretação dos Sonhos”, marco na psica-nálise. 1901 – Marconi inventa o rádio. 1906 – Santos Dumont voa sobre Paris no avião 14-Bis. 1907 – Início do movi-mento dos escoteiros. 1908 - Os pri-meiros imigrantes japoneses desembar-cam no Brasil.
  18. 18. ANOS 10
  19. 19. ANOS 10 Em 1910, com o aparecimento das má-quinas, a costura torna-se uma profissão autônoma. Para toilette feminina surgiram as cintas-ligas, as meias cor-da-pele, a saia-calça e o sutiã moderno. A I Guerra Mundial põe fim a utilização do espartilho e ancas. As mulheres passa-vam a assumir o posto de trabalho do ma-rido. Devido a escassez de produtos, as pes-soas foram incentivadas a serem mais simples, e adotar o gosto por roupas práti-cas, um pouco masculinizadas. Novos materiais começaram a ser trazi-dos para a moda, como a borracha. Essa fusão resultou no primeiro tênis chamado Ked's (1917).
  20. 20. HENRY FORD Fundador da Ford Motor Company desenvolveu a linha de montagem em série (1913). A alta produção tinha como carac-terística marcante a cor do veículo, que era preta. Reduzindo os custos de produção e adaptando a linha de montagem construiu carros simples e tradi-cionais. O modelo “T” da Ford ven-deu mais de 15 milhões de unida-des. "Você pode ter o carro da cor que quiser, contanto que ele seja pre-to". Henry Ford
  21. 21. I GUERRA MUNDIAL A causa do conflito foi o assassinato em Sarajevo do herdeiro do trono austro-húngaro, arquiduque Francisco Ferdinando, por um sérvio (1914). O resultado foi uma corrida armamen-tista e a formação de alianças diplomá-tico- militares. • Tríplice Aliança: Alemanha, Áustria, Itália. • Tríplice Entente: França, Inglaterra, Rússia. Em 1918 foram realizadas negociaçõ-es entre as potências encerrando des-ta forma a I Guerra Mundial com a Conferência de Paz de Paris. 33 Países em conflito 74 Milhões Recrutados 10 Milhões Mortos 20 Milhões Mutilados 208 U$ Bilhões Gastos militares
  22. 22. ANOS 10 – ACONTECIMENTOS O grande aliado das mulheres foi o sutiã, que surgiu como dois lenços amarrados num laço, criado por Mary Phelps Jacob. Os papéis eram claros no casamento: o homem sustentava a família e mandava no lar. A mulher cuidava da casa e dos filhos. 1911 – Descoberta a cidade inca de Macchu Picchu, Peru. 1912 – O tran-satlântico britânico Titanic naufraga após bater em um iceberg. 1916 – In-ventados os primeiros eletrodomésti-cos: o liquidificador, a batedeira elétri-ca e o espremedor de frutas. 1919 – Ghandi prega a não-violência contra os ingleses na Índia.
  23. 23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAUDOT, François. Moda do Século. São Paulo: Cosac Naify, 2005. LEHNERT, Gertrud. História da Moda do Século XX. Colónia: Könemann, 2001. MENDES, Valerie e HAYE, Amy de la. A Moda do Século XX. São Paulo: Martins fontes, 2003. PEACOCK, John. The Chronicle of Western Costume. Londres: Thames and Hudson Ltd., 1991. RECCO, Claúdio Barbosa. História Geral. Endereço eletrônico: www.historianet. com.br ROBERTS, J. M. O Livro de Ouro da História do Mundo – da Pré-História à Idade Contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000. VEILLON, Dominique. Moda & Guerra – Um retrato da França ocupada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

×