MITOLOGIA CRIATIVA

808 visualizações

Publicada em

Mitologia aplica em Arteterapia para o Autoconhecimento.

Publicada em: Espiritual
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
808
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MITOLOGIA CRIATIVA

  1. 1. O termo MITOLOGIA refere-se ao estudo de mitos ou a um conjunto de mitos. Os mitos são, geralmente, histórias baseadas em tradições e lendas feitas para explicar o universo, a criação do mundo, fenômenos naturais e qualquer outra coisa que explicações simples não são atribuíveis. O termo em geral é associado às descrições de religiões fundadas por sociedades antigas como a egípcia, grecoromana, céltica, nórdica, que foram quase extintas. A mitologia sobrevive no mundo moderno através de lendas urbanas, ficção científica, literatura fantástica, historias em quadri-nhos entre outras maneiras. O sincretismo contemporâneo permite o resgate e culto aos mitos imemoriáveis da humanidade.
  2. 2. JUNG considerava a criatividade como um dos instintos humanos. Quando trabalhamos com recursos artísticos, criamos um mundo imaginário composto por uma relação de forças que retratam a dinâmica de nossa psique, através de linguagem simbólica. (BERNARDO, 2008, p.115). Por psique JUNG chama a completude do ser, o consciente e o inconsciente. Sua psicologia analítica busca revelar uma estrutura e dinâmica da psique e criar uma tipologia de energia psíquica – atitudes, funções, tipos etc. (HYDE, 2012, p. 174). As imagens e textos abaixo são resultado das vivências propostas em Mitologia Criativa em cada uma delas fomos convidados a refletir sobre nossa relação interna e externa com o mundo individual e coletivo.
  3. 3. I. TRANSFORMAÇÃO DE IMAGENS BAD BOY – O REBELDE
  4. 4. I. TRANSFORMAÇÃO DE IMAGENS GOOD BOY – O CONSERVADOR
  5. 5. II. CINCO FIGURAS E HISTÓRIAS A ESPERA ANCIOSA... Congelada em meu silêncio, apenas os pensamentos acompanham o ritmo do meu coração. Ora compassivo e terno, ora galopante e quase a estourar... Ai que morro de amor e desespero ao te esperar... Me lembro das telas de Hopper e eu aqui sozinha a te esperar... Vem logo meu Amor Infinito preencher esse vazio de tanto te esperar...
  6. 6. II. CINCO FIGURAS E HISTÓRIAS O TESOURO PERDIDO. A campainha da porta anuncia um possível comprador. “Será que eu vou?” Cansado de ser lapidado e polido que ternos olhares e dedos poderiam lhe confortar. Pequeno tesouro, jóia rara. “Quero atrair teu olhar, exercer fascinação e te encantar” A porta se fechou, não foi desta vez. “Quem sabe ainda hoje alguém venha me encontrar!”
  7. 7. II. CINCO FIGURAS E HISTÓRIAS UM RESTO DE DIA. Amontoado junto aos outros nem pareço aquela vigorosa brasa, os volteios da fumaça inebriante. O escape da rotina, da cobrança, da vida em um momento de puro isolamento. Os lábios me sugam com prazer, ativo os neurônios, vicio e me dissipo novamente na fumaça. Longo ou breve acabo entulhado em meio aos fragmentos de um dia desesperado.
  8. 8. II. CINCO FIGURAS E HISTÓRIAS PARA ABRIR OS OLHOS. Ele não passaria despercebido, como uma brincadeira de mau gosto, ia te pegar na esquina, na distração, te cobrir todo e você não teria como fugir. O amargo e a escuridão travando o grande desafio : abra os olhos imersos nas sombras e saia ainda vivo de seus maiores medos. Este é o meu convite!
  9. 9. II. CINCO FIGURAS E HISTÓRIAS AONDE ESTÁ A VERDADE? Caminhava todos os dias do amanhecer ao cair da noite. Procurando em cada pessoa, lugares e cantos. “Aonde esta?...” Se estivesse no espelho já teria encontrado, se fosse na terra já teria revolvido, nem nas águas ou nas nuvens passageiras, longe mesmo das chamas bruxelentas nas velas das igrejas. Segundos, minutos, dias, semanas, meses, anos ainda vou continuar esperando te encontrar antes do final do meu existir.
  10. 10. III. TEMPLO DE HERMES Fusão de imagens sobre elementos e divindades correlacionados ao deus grego (frente).
  11. 11. III. TEMPLO DE HERMES Transição entre reinos / Thot, deus egípcio (parte traseira).
  12. 12. III. TEMPLO DE HERMES Hermes com caduceu, Tiépolo (1696 -1770). Transição de reinos (parte interior).
  13. 13. III. TEMPLO DE HERMES Hermes é filho de Zeus e Maia. Portador do caduceu de ouro, designado por Apolo como pastor. Mensageiro dos deuses, psicopompo, guia as almas dos mortos ao Hades, astuto e inventivo Hermes é o fornecedor de bens, mestre artesão, deus da eloquência, dos comerciantes, dos viajantes e dos ladrões, a ele é dedicado numero quatro. Entre vários filhos: Hermafrodito foi gerado com Afrodite, enquanto o deus Pã foi fruto do desejo pela Ninfa de Dróps. Hermes esta relacionado a características de Thot, Mercúrio, Hermes Trimegisto, Jesus Cristo e Eshu.
  14. 14. IV. CESTA DE ATITUDES E SENTIMENTOS Em cada saquinho uma erva: • Amor – Manjericão • Alegria – Alecrim • Paz – Orégano • Longanimidade – Camomila • Benignidade – Erva Doce • Bondade – Cedro • Fidelidade – Lavanda • Mansidão – Macela • Domínio Próprio – Anis Estrelado
  15. 15. IV. CESTA DE ATITUDES E SENTIMENTOS “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas cousas não há lei.” Gálatas 5.22-23
  16. 16. V. “GENTE QUE MORA DENTRO DA GENTE” ALMINHA Cada um de nos já nasce com ela, no principio é bem inocente depois vai aprendendo com a Dona Vida as diferenças entre o bem e o mal. Embora esteja dentro de nos, curiosa vive a dar passeios imaginários , fica extasiada com a brisa, se encanta com o trovão e não gosta de tomar chuva. Nesse vai e vem nossa Alminha sempre esta a procura de algo que lhe complete pois ela entende que o grande sentido de tudo esta na união pelo amor.
  17. 17. V. “GENTE QUE MORA DENTRO DA GENTE” “Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Hermann Hesse, escrito alemão (1877 – 1962).
  18. 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERNARDO, P. P. A Prática da Arteterapia – correlações entre temas e recursos. Vol. V: A Alquimia nos contos e mitos e a Arteterapia: criatividade, transformação e individuação. São Paulo: Arterapinna Editorial, 2013. BERNARDO, P. P. A Prática da Arteterapia – correlações entre temas e recursos. Vol. III: Mitologia Africana e Arteterapia: criatividade, transformação e individuação. São Paulo: Arterapinna Editorial, 2012. BERNARDO, P. P. A Prática da Arteterapia – correlações entre temas e recursos. Vol. I: Temas centrais em Arteterapia. São Paulo: Arterapinna Editorial, 2012. CAVALCANTI, R. O mundo do Pai – Mitos, Símbolos e Arquétipos. São Paulo: Cultrix, 1995. HYDE, M. Entendendo Jung : Um guia ilustrado. São Paulo: Leya, 2012.

×