Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3

388 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
154
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3

  1. 1. Reflexão de Nuno Maria“Em questões de cultura e saber, só se perde aquilo que se guarda, só se ganha aquilo que se dá” (António Machado)Que passos poderiam dar as nossas bibliotecas para se aproximarem de um modelode biblioteca (BE) 2.0?Para que se possam dar passos sólidos e de uma forma consolidada, as nossasbibliotecas devem estar em pé de igualdade, permitindo-lhes desenvolverinstrumentos e trocar informações/conteúdos entre elas. No entanto, a realidade dasnossas escolas continua a ser muito diferente, nem todas as bibliotecas das escolasestão devidamente apetrechadas de equipamentos informáticos que permitam aosalunos usufruírem das tecnologias de informação e comunicação, na sua plenitude.Outro facto actual e que condiciona o desenvolvimento das nossas BE 2.0, é aconjectura económica do país, que não permite aos pais dos alunos manterem muitasvezes a internet em casa, limitando por isso o seu acesso e inibindo o desenvolvimentoda BE 2.0.As bibliotecas estão em constantes mudanças, a tradicional biblioteca estática/cara acara está tomando novas formas de interacção virtual, permitindo às bibliotecasconstruírem relações mais próximas com os frequentadores existentes e criando novasrelações virtuais com aqueles que por norma não utilizavam os recursos/serviços dabiblioteca. A biblioteca tem obrigatoriamente que evoluir e adaptar-se aos seus reaisusuários. Os actuais usuários mudaram “os estudantes de hoje representam a primeirageração que cresceu com toda esta nova tecnologia. Os videojogos, o e-mail, ainternet, os telemóveis e onde as mensagens instantâneas são parte integral das suasvidas”(Marc Prensky). A biblioteca deve ser um espaço social que oferece serviços paratodos e entre todos. A BE 2.0 baseia-se na participação e interacção entre os usuáriose os bibliotecários, onde os usuários colaboram na criação dos serviços físicos evirtuais. Segundo Sarah Houghton “A BE 2.0 consiste simplesmente em fazer do espaçoda biblioteca (físico e virtual) em algo mais interactivo, mais colaborativo e virado paraas necessidades da comunidade… o objectivo básico é dar às pessoas aquilo que elasquerem e que necessitam para a sua vida”.Neste sentido esta BE 2.0, deve segundo Maness (2006):1-Centrar-se no usuário, onde este cria conteúdos e serviços, tornando a bibliotecadinâmica.2- Oferecer uma experiência multimédia, onde as colecções e os serviços contêmcomponentes áudio e vídeo. 1
  2. 2. Reflexão de Nuno Maria3- Ser socialmente rica, pois inclui a presença de usuários que comunicam entre si ecom os bibliotecários, através de formas síncronas e assíncronas.4- Ser comunitariamente inovadora, onde a biblioteca assume um papel de serviçocomunitário, com comunidades em constantes mudanças, onde as principaisalterações da biblioteca são provenientes dos usuários, de forma a que estesprocurem, achem e utilizem informações. Nunca podemos esquecer que esta é umacomunidade virtual centrada nos usuários, onde estes interagem e criam recursos.As ferramentas colocadas ao nosso dispor pela Web 2.0 por si só não são suficientespara que hajam transformações nas nossas bibliotecas, estas mudanças têm de partirprimeiramente dos bibliotecários. Estas alterações só serão possíveis se estes foremalfabetizados e consciencializados sobre a importância da implementação da Web 2.0.Deste modo, os professores bibliotecários devem ser capazes de se adequar/adaptar àrealidade dos seus usuários e de evoluírem acompanhando as sistemáticas alteraçõesa que a sociedade é sujeita. Nestas novas características destes novos bibliotecáriosrealço que estes devem ser aventureiros, sem receio de correr riscos, deexperimentarem para verem se funciona e que tenham a capacidade para voltar atráscaso não se adeqúe ao seu contexto. Necessitam também de ter gosto pelainvestigação e de testar esta multiplicidade de ferramentas colocadas à sua disposição,pois só utilizando são capazes de avaliar continuamente o seu potencial para a suabiblioteca.Para terminar quero focar algumas ferramentas da Web 2.0 que existem na minhabiblioteca (ESFMP) e a forma como estas estão aplicadas. Seguidamente queferramentas devem ser implementadas para ir ao encontro de uma BE 2.0:Actualmente a informação da biblioteca é divulgada online através de uma páginasituada no site da escola, esta é muito estanque e nada interactiva, existeprincipalmente para divulgação de actividades. Neste sentido penso claramente quefazia mais sentido voltar ao blogue que foi anteriormente criado e que está inactivo,blogue esse que pode estar localizado numa rede social. O blogue devia-se basear naconstrução colectiva do conhecimento, utilizando todo o seu potencial deinteractividade. Por isso vejo mais o blogue ao serviço das próprias actividades que sãodesenvolvidas na biblioteca, como orientadores, como ferramentas indispensáveispara o processo de desenvolvimento da actividade, do que como montra deresultados. No entanto é necessário manter a qualidade da literacia num blogue,competindo ao professor bibliotecário actualizar, autenticar e tornar o mesmofidedigno, sendo para isso necessário tempo e dedicação. Embora seja frequente osnossos alunos pensarem que lhes basta fazer uma pesquisa no google para acederem ainformação, esta ferramenta não lhes dá qualquer validação de qualidade e é aí que abiblioteca pode ter um papel fundamental: através do uso de marcadores sociais, a 2
  3. 3. Reflexão de Nuno Mariabiblioteca pode validar a Web e ajudar assim os alunos e professores nessa tarefa, damesma maneira que os bibliotecários já fazem. Outra forma de divulgação que utilizamos na nossa escola é a rede social, ondeutilizamos o Facebook para apresentarmos aquilo que fazemos. Neste sentido o usodesta ferramenta ainda é muito rudimentar, pois podemos utilizar esta rede socialpara implementar mais ferramentas da Web 2.0, que permitirão uma aproximação àBE 2.0. Uma das ferramentas que se podem utilizar com o Facebook são as mensagenssíncronas, através do chat, que cada vez mais permitem não só escrever mas tambémver e ouvir, permitindo aos usuários falarem em directo com os bibliotecários, como seestivessem na biblioteca (espaço físico).Parece que a Wiki é igualmente uma ferramenta a poder aplicar, ferramenta essa, quepode fazer aproximar alunos com interesses comuns da biblioteca e que pode serusada, por exemplo para discussão de obras lidas, para construção colectiva detrabalhos de turmas diferentes mas sobre a mesma temática, etc...Estas são algumas das alterações, que podem ser feitas e as quais foram baseadas naleitura e análise à bibliografia sugerida. No entanto muitas mais opções podem serequacionadas, no entanto espero obter mais conhecimentos ao nível da BE 2.0, paraque possa sugerir outras ferramentas, pois só as irei propor depois de as conhecer edominar. 3

×