Parkinson

6.164 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
208
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parkinson

  1. 1. PARKINSON Universidade de Mogi das Cruzes
  2. 2. DEFINIÇÃO: • A doença de parkinson (DP) é uma doença crônica e progressiva do sistema nervoso caracterizada por sinais cardinais.
  3. 3. EPIDEMIOLOGIA: • Cerca de 1% da população acima de 55 anos; • Torna-se cada vez mais comum com o avanço da idade; • Cerca de 2,6% da população acima de 85 anos; • Idade média de surgimento é de 58 a 62 anos com a maioria dos casos tendo seu surgimento entre 50 e 79 anos; • 10% desenvolve precocemente – antes dos 40 anos; • Não existe diferença na prevalência que se relacione ao sexo, classe social ou diferenças geográficas.
  4. 4. ETIOLOGIA: • A DP pode ser divida em primário e secundário; - Parkinsonismo primário ou idiopático: • Instabilidade postural e disturbios da marcha; • Tremor - menos bradicinesia e instabilidade postural; - Parkinsonismo Secundário: • Parkinsonismo pós-infeccioso – Gripe e encefalite; • Parkinsonismo tóxico – manganês, monóxido de carbono, dissulfeto de carbono, cianida, metanol.
  5. 5. - Parkinsonismo farmacológico ; - Causas metabólicas – metabolismo de cálcio que resulta em calcificação dos NB; - Parkinson- Plus – (PSP) doença neurodegenerativa que podem afetar a substância negra e causar sintomas da DP junto com outros sinais neurológicos. Não apresenta melhora mensurável com medicamento (levodopa)
  6. 6. FISIOPATOLOGIA: Núcleo caudado + Striatum Putamen + Globo pálido + Núcleo subtalâmico + Substância negra = Núcleos da base
  7. 7. • Os NB têm um papel importante na produção de movimentos voluntários e controle dos ajustes posturais. • A lesão dos NB resulta em distúrbios motores hipocinéticos e hipercinéticos. • Na DP ocorre uma degeneração dos neurônios dopaminérgicos - redução do movimento espontâneo e fenômeno de liberação (perda da influência inibitória dentro dos NB. • Antes que os sinais se tornem evidentes, estima-se que cerca de 80% dos neuronios sofreram degeneração.
  8. 8. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: • Tremor: – É o sintoma mais frequente; – Rítmico; – Relativamente lento (4 a 7 ciclos por min.); – Repouso; – Início é unilateral; – Estresse emocional o tremor; – Sono ou relaxamento, o tremor desaparece;
  9. 9. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: • Rigidez: – A rigidez muscular decorrre do aumento de resistência que os músculos oferecem quando um segmento do corpo é movido passivamente; – Rigidez em roda denteada; – Rigidez em cano de chumbo; • Acinesia e bradicinesia: • Instabilidade postural: A postura geral do paciente modifica-se: existe predominância dos mm. Flexores de modo que a cabeça fica fletida sobre o tronco, este sobre o abdômen e os MMSS são mantidos ligeiramente a frente com semiflexão de cotovelo;
  10. 10. COMPROMETIMENTOS INDIRETOS: • Pobreza de movimento; • Fadiga; • Características faciais; • Distúrbios cognitivos – memória, cálculos e orientações espaciais; • Distúrbios da fala – presente em 50 a 75% dos casos. A voz torna-se mais fraca, o volume diminui e pode haver rouquidão. (disartria hipocinética);
  11. 11. COMPROMETIMENTOS INDIRETOS: • Alterações musculoesquelética- retrações, cifose, escoliose; • Distúrbios da marcha – marcha festinada; • Disfunção de deglutição e comunicação – 50 a 95% dos pacientes tem disfagia pela rigidez. Pode ocorrer a sialorréia;
  12. 12. DIAGNÓSTICO: • O diagnóstico de DP é clínico; • Devem ser descartadas as síndromes “parkinson Plus”; • TC ou RM são usadas para descartar outras doenças; • O paciente tem que ter pelo menos 2 dos 4 sinais cardinais;
  13. 13. TRATAMENTO CLÍNICO: • Ainda não existe cura para DP, no entanto o tratamento adequado pode melhorar os sintomas e diminuir a velocidade de progressão da patologia; • Medicamentos -Anticolinérgicos; - inibidores da monoaminoxidase - Agonistas dopaminérgicos; - antivirais - Levodopa - inibidores da catecol-metil-transferase
  14. 14. AVALIAÇÃO: • Colher a história do paciente; • Cognição; • Dor; • Postura; • Força muscular; • Função motora (rigidez, bradicinesia, tremor e instabilidade postural); • Marcha; • Questionar sobre disfagia, fala, AVDs.
  15. 15. OBJETIVOS FISIOTERAPÊUTICO: • Em relação aos objetivos de maneira geral, é importante: – Retardar o surgimento de contraturas e deformidades; – Retardar a atrofia por desuso e a fraqueza muscular; – Melhorar o funcionamento motor e a mobilidade; – Incrementar o padrão de marcha; – Melhorar as condições respiratórias e a mobilidade torácica; – Manter ou melhorar a independência funcional nnas AVDs.
  16. 16. FISIOTERAPIA APLICADA: • Exercícios de relaxamento; • Alongamento; • Exercícios de mobilidade; • Fortalecimento de cadeia muscular posterior; • Treino de marcha; • Exercícios de expressão facial; • Exercícios em grupo; • Hidroterapia; • Exercícios respiratórios.

×