A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial

6.598 visualizações

Publicada em

Crise do Império Português do Oriente e a afirmação de novas potências

Publicada em: Educação
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Viva!
    Quando menos se espera lá se encontra um colega de curso!
    Saudações Nelson
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.598
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
959
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
228
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial

  1. 1. A disputa dos mares e a afirmação do capitalismo comercialImpérios coloniais europeus no século XVII
  2. 2. • População escassa para povoar territórios tão vastos e dispersos;• Ruinosa administração portuguesa no Oriente, agravada pela corrupção;• Fracos recursos económicos de Portugal;• “Política de transporte” seguida por Portugal, tornando o país dependente das importações estrangeiras;• Numerosos naufrágios provocados por tempestades, ataques de piratas e corsários e cargas excessivas dos navios;• Reanimação das Rotas do Levante pelos Muçulmanos;• Concorrência dos Holandeses, Ingleses e Franceses, que defendiam a liberdade de navegação nos mares (mare liberum);• Ataques de piratas e corsários.
  3. 3. Apogeu do Império Espanhol 2ª metade do séc. XVI – A Espanha torna-se a maior potência colonial e comercial da Europa. Nesta época chegam a Sevilha grandes carregamentos de ouro e prataFilipe II, Rei de Espanha provenientes das minas da América.
  4. 4. A crise da sucessão dinástica e a União Ibérica • Em 1578, o rei D. Sebastião morreu na Batalha de Alcácer Quibir, em Marrocos, no Norte de África. • A sua morte provocou uma crise dinástica em Portugal, uma vez que ele não tinha filhos nem irmãos. • Sucedeu-lhe o seu tio-avô, o cardeal D. Henrique, idoso e sem descendentes, tendo falecido em 1580.D. Sebastião Batalha de Alcácer Quibir, 1578
  5. 5. • D. António, Prior do Crato, era apoiado pelo povo.• Filipe II, Rei de Espanha, era o candidato mais poderoso, contava com o apoio de importantes sectores da nobreza, do alto clero e da burguesia.• Em 1581, Filipe II, nas Cortes de Tomar, foi aclamado Rei de Portugal, com o título de Filipe I de Portugal. União Dinástica ou União Ibérica Portugal e Espanha passaram a ser governados por um mesmo rei – “monarquia dualista”. Entre 1581 e 1640 Portugal viveu sob o domínio filipino.
  6. 6. Promessas de Filipe II Nas Cortes de Tomar (1581)• Respeitar as leis e os costumes do país;• Atribuir cargos administrativos em Portugal e no Império somente a Portugueses;• Manter a língua portuguesa como oficial;• Continuar a cunhar e a usar moeda portuguesa;• Manter a coroa e os direitos e privilégios de Portugal separados dos de Espanha. . . Monarquia Dualista Filipe II de Espanha
  7. 7. A ascensão económica e colonial da Europa do NorteO Império Holandês O Império Inglês
  8. 8. O Império Holandês1ª metade do século XVII – A Holanda ganhaimportância como nova potência marítima ecolonial.Causas: Frota marítima organizada e poderosa, quepermitia o transporte mais barato das mercadoriasentre o Norte e o Sul da Europa; Tolerância política e religiosa; Burguesia forte e empreendedora, que investiaos lucros em novos negócios; Conquista de algumas colónias portuguesas,aproveitando o envolvimento de Espanha emguerras europeias; Criação de companhias de comércio:Companhia Holandesa das Índias Orientais (1602)e Companhia Holandesa das Índias Ocidentais(1621); Crise do Império Espanhol, devido à redução daquantidade de prata americana que chegava aSevilha.
  9. 9. Outras instituições importantes: •Banco de Transferências de Amesterdão •Bolsa Geral de Amesterdão Vista de Amesterdão em 1617Na 1ª metade do século XVII, Amesterdão tornou-se o centro da economiamundial.
  10. 10. O Império Inglês Isabel I (1533-1603) Filha de Henrique VIII, rainha de Inglaterra entre 1558 e 1603. Francis Drake (1540- 1596), corsário inglês que atormentou os barcos portugueses e espanhóis.A Inglaterra começou, ainda no século XVI, a levar a cabo actos de corso e pilhagem no tempode Isabel I.Francis Drake, o mais famoso dos corsários ingleses, atacava barcos e portos peninsulares com oapoio da rainha.
  11. 11. Esta lei estipulava que os produtos das colónias inglesas só podiam ser transportados para Inglaterra em navios ingleses e que os navios estrangeiros só podiam transportar para Inglaterra mercadorias produzidas nos respectivos países. O Acto de Navegação tinha como objectivos acabar com os intermediários holandeses e estimular a construção naval.Oliver Cromwell – estadista inglês, chefe dogoverno entre 1649 e 1658
  12. 12. Império colonial da França (sécs. XVII-XIX)Territórios: América do Norte (Quebec), Caraíbas (Martinica, Guadalupe, S. Pedroe Miquelão, Haiti), África (Senegal, Argélia, Tunísia…)- Guerra dos Sete anos com a Inglaterra (1756-1763).
  13. 13. A prosperidade dos tráficos atlânticos portugueses e a RestauraçãoCrise do Império Viragem do Índico O Brasil e as colóniasPortuguês do Oriente para o Atlântico africanas passaram a ser mais exploradas A partir de meados do séc. XVI, a produção e a exportação do açúcar do Brasil passaram a ser as actividades mais importantes do Reino. Escravos a trabalhar num engenho de açúcar, no Brasil
  14. 14. Os negros, trazidos docontinente Africano, eramtransportados dentro dosporões dos navios negreiros.Devido às péssimas condiçõesdeste meio detransporte, muitos delesmorriam durante a viagem.Após o desembarque eleseram comprados porfazendeiros e senhores deengenho, que os tratavam deforma cruel e desumana.
  15. 15. Tráfico de escravos Os escravos eram trocados por produtos de baixo valor no litoral africano, sendo depois vendidos a alto preço nos mercados de escravos , como se fossem animais. O tráfico negreiro só terminou no século XIX, tendo provocado, ao longo de mais de três séculos, uma verdadeira catástrofe demográfica entre a população africana. Anúncio de venda de escravosMercado deescravos, século XVII
  16. 16. O COMÉRCIO TRIANGULAR – SÉCULOS XVII-XVIIIComércio triangular: Portugal, África e BrasilAçúcar, algodão, tabaco, pau-brasil.Nos finais do século XVII os bandeirantes iniciaram a exploração do ouro.
  17. 17. A dominação filipina e a restauração da independência Redução das remessas de ouro e prata provenientes da América, depois de 1620 Envolvimento da Espanha em guerras, como a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) com a França Concorrência dos Holandeses e Ingleses pelo controlo do comércio marítimoDescontentamento da população portuguesa Os inimigos de Espanha passaram aser, também, inimigos de Portugal; Os territórios orientais iam caindo nas mãosdos Holandeses e Ingleses; Os Holandeses fixaram-se no litoral Nordestedo Brasil, prejudicando a nossa burguesia; A nobreza estava descontente com a entregade cargos e títulos a espanhóis; O agravamento de impostos que levou arevoltas populares, como a Revolta doManuelinho, em 1637 Revolta do Manuelinho, Évora
  18. 18. No dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de 40 fidalgos invadem o Paço da Ribeira, ondeestava a duquesa de Mântua, prima do rei de Espanha, e o seu secretário Miguel deVasconcelos, um português que se colocara às ordens dos espanhóis. Após a rendição daduquesa, o povo de Lisboa vibrou de alegria gritando:Liberdade! Liberdade!Viva El-rei D. João IV de Portugal!A partir desta data iniciou-se a quarta e última dinastia - a Dinastia de Bragança.

×