A grécia antiga

224 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A grécia antiga

  1. 1. A Grécia Antiga:
  2. 2. Os Aqueus:
  3. 3. • Os gregos ou helenos (de Hélade, antigo nome da Grécia) são de origem indo-européia. Os indo- europeus, começaram chegar à Grécia por volta de 2.000 a.C. • Primeiro vieram os aqueus, com seus rebanhos, ocupando as melhores terras e tornando-se sedentários, tendo assimilado povos mais antigos, os pelágios, ou pelasgos, provavelmente de origem mediterrânea, que ainda estavam vivendo no período neolítico.
  4. 4. • Formaram centros urbanos como Micenas, Tirinto e Argos. Os habitantes de Micenas entraram em contato com a Ilha de Creta, onde havia uma civilização avançada. Esses dois povos se integraram e desenvolveram a civilização creto-micênica.
  5. 5. Ilha de Creta
  6. 6. • Por volta de 1.700 a.C., os núcleos arianos na Grécia foram fortalecidos com a chegada de novos grupos arianos: os jônios e os eólios. A integração foi pacífica e nessa época, a civilização creto-micênica chegava ao auge. Os cretenses dominavam o Mar Egeu e os aqueus aprenderam com eles técnicas agrícolas, navais e valores religiosos.
  7. 7. • Acabaram superando os mestres, destruindo- os por volta de 1.400 a.C., estendendo então suas atividades comerciais e piratas até as costas da Ásia Menor, na "Rota do Peixe Seco e do Trigo", nas proximidades do Mar Negro.
  8. 8. Os Jônios:
  9. 9. Os Eólios:
  10. 10. • No início do século XII a.C., os Gregos destruíram TRÓIA (Ílion, em Grego), cidade que ocupava posição estratégica nos estreitos, entre o Egeu e o Negro. Isto lhes deu o controle do tráfico marítimo na região. A civilização micênica expandia-se em direção à Ásia, quando chegaram os Dórios, último grupo de povos indo-europeus a penetrar na Grécia. Mais guerreiros, conhecedores de armas, os dórios arrasaram as cidades gregas, e a população fugiu apavorada para o interior ou para o exterior. Os gregos com isso fundaram inúmeras colônias nas costas da Ásia Menor (Turquia) e em outros lugares do Mediterrâneo.
  11. 11. Os Dórios:
  12. 12. Grécia: O Período Homérico • O período se chama homérico porque seu estudo se baseia em duas obras atribuídas a Homero: a Ilíada e a Odisséia. A Ilíada marca a tomada de Tróia pelos gregos, com a concentração do autor no herói Aquiles, com sua cólera contra Agamenon, que lhe roubou a escrava Briseida. No início, Aquiles se nega a lutar, mas a morte de seu primo Patroclo o faz mudar de idéia. Uma parte importante da Ilíada descreve o cavalo de madeira com o qual os gregos "presenteiam" os troianos para tomar sua cidade.
  13. 13. O Pomo da Discórdia:
  14. 14. Helena de Tróia:
  15. 15. Páris:
  16. 16. Aquiles:
  17. 17. Tróia:
  18. 18. O Cavalo de Tróia:
  19. 19. • Quanto à Odisséia, sua maior parte descreve o retorno do rei Odisseu (Ulisses) ao Reino de Ítaca. Mas a obra ocupa-se de três temas fundamentais: a viagem de Telêmaco, as viagens de Odisseu e o massacre dos pretendentes de sua mulher, Penélope. Ilíada e Odisséia possuem diferenças claras no vocabulário e no estilo, apesar de serem atribuídas ao mesmo autor.
  20. 20. Ulisses:
  21. 21. • Na Ilíada não se menciona o uso do ferro; na Odisséia há referências constantes ao metal: calcula-se um intervalo de 50 anos entre uma obra e outra: a Ilíada no fim do século IX a.C.; a odisséia em meados do século VIII a.C. Provavelmente aquela seria obra de um poeta jônico e esta última, de um poeta das ilhas. Além disso, as obras sofreram alterações dos aedos, poetas que transmitiam os poemas oralmente, através das gerações. Ambas as obras só ganharam forma escrita no século VI a.C., em Atenas, durante o governo de Psistrato. •  
  22. 22. Homero:
  23. 23. O Sistema Gentílico  • Os genos, uma célula básica da sociedade grega surgiram após o século XII a.C. e eram uma grande família, com todos os descendentes de um mesmo antepassado vivendo no mesmo lar. Cada membro (gens) dependia da unidade da família, que por sua vez era chefiada pelo homem mais velho e era passado do pai para o filho mais velho (pater-familae); tinham seu culto aos antepassados; sua própria justiça, baseada no costume. A economia consistia na administração da casa, conforme indica a própria origem da palavra: uma casa.
  24. 24. • Os bens produzidos, assim como os instrumentos e a propriedade, eram coletivos e não podiam ser vendidos, transferidos ou divididos. O trabalho também era coletivo e a família expulsava quem se recusasse a trabalhar. A produção era distribuída igualmente, o que impedia a diferenciação econômica entre os membros dos genos. Ocasionalmente, sendo a família pouco numerosa ou inábil para algumas tarefas, usavam o trabalho de escravos ou artesãos em certas atividades.
  25. 25. • De economia predominantemente agropastoril, coletivista social e economicamente, o genos não deixava de apresentar diferenciações individuais, pois a posição da pessoa na família dependia de seu parentesco com o pater-familias. No plano político, o poder – patriarcal – se baseava no monopólio de fórmulas secretas, que permitiam ao chefe o contato com os deuses protetores da família.
  26. 26. A desintegração dos Genos: • O sistema gentílico estava fadado a durar pouco. O genos começou a enfrentar dificuldades de mão-de-obra, de produtos que só podiam ser cultivados em certos tipos de solo. A transformação devia-se a dois fatores: • I. A produção não crescia proporcionalmente à população, devido às técnicas rudimentares, causando a queda da renda familiar, provocando descontentamento;
  27. 27. • II. O genos passou a dividir-se em famílias menores, enfraquecendo-se; filhos mais novos protestavam contra a vida difícil; cada um trabalhava com menos estímulo e mais exigência na divisão dos produtos. Desenvolveu-se o gosto por luxo e conforto, fortalecendo-se assim o individualismo, que trouxe a necessidade de dividir a propriedade coletiva. Em muitas famílias, os lotes foram divididos por sorteio e, mais tarde, em razão de herança, poderiam ser novamente divididos. Começava a luta, cada vez mais violenta, pela posse da terra.
  28. 28. • Porém, o novo regime ainda não era completo, havendo exceções: nas reservas coletivas, particulares só podiam possuir as terras mais férteis; em muitas propriedades conservava-se o sistema de rodízio do lote entre os antigos membros do genos; em certas regiões, os lotes podiam ser divididos, mas não repassados para quem não tivesse pertencido ao antigo genos.
  29. 29. Consequências da Desintegração dos Genos: • No plano social, aumentaram as diferenças, com grandes proprietários de terras férteis e pequenos proprietários de terras pouco férteis, além de grande número de indivíduos que perderam a propriedade, inclusive descendentes de proprietários que, depois de muitas divisões por herança, ficaram com lotes insignificantes. Estes últimos formaram uma camada marginal, errante, que vivia de míseros salários ou de esmolas. Outros se lançaram à aventura da pirataria, iniciando o comércio marítimo.
  30. 30. • Poucos tiveram sucesso nesta última atividade; eles em geral se integraram com a aristocracia proprietária através do casamento. Coexistiam grupos de tipo patriarcal, famílias pequenas e indivíduos isolados. No plano político, a desintegração gerou a passagem do poder do pater-familias para os parentes mais próximos, os eupátridas (filhos do pai), que monopolizavam os equipamentos de guerra, a justiça, o poder religioso, todo o poder político enfim. Esta camada deu origem à aristocracia grega, cujo poder resultava da posse da riqueza fundamental: a terra.
  31. 31. A Acrópole:
  32. 32. O Partenon:
  33. 33. O Desenvolvimento Urbano: • Da união de várias tribos surgiu a organização política típica da antiga Grécia: a cidade-estado (pólis). • Para isso foi fundamental o rompimento da unidade do genos, do contrário, as cidades não teriam passado de associações políticas temporárias. Com a pólis, passaram a construir a base da sociedade e seu elemento de união. Apresentavam características próprias: a ACRÓPLE, templo construído sobre uma elevação; a ÁGORA, praça central; e o ASTI, mercado de trocas. Ocorria a passagem da economia gentílica para a urbana, ainda cheia de elementos da economia familiar, mas já trazendo os sinais da futura economia internacional grega.

×