Garotinha, cansada de suas meias três quartos, o sujeito abre
uma leve contradição: rezar por ser má. Ora, ser um poeta qu...
Cássia Eller: Malandragem
Cássia Eller: Malandragem
Cássia Eller: Malandragem
Cássia Eller: Malandragem
Cássia Eller: Malandragem
Cássia Eller: Malandragem
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cássia Eller: Malandragem

375 visualizações

Publicada em

Interpretação da música

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
375
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cássia Eller: Malandragem

  1. 1. Garotinha, cansada de suas meias três quartos, o sujeito abre uma leve contradição: rezar por ser má. Ora, ser um poeta que não ama e uma menina má que reza pelos cantos põe em choque exatamente a realidade do ser humano. Quem de nós é um ser humano exemplar? Crianças, na impossibilidade de saber a verdade só nos resta dirigir o carro (seguir em frente) e tomar pileques (desencanar), além de cantar. Afinal, cantar é rezar duas vezes. Cantar é manter-se vivo para além daquilo que teima em nos matar. Malandro, o sujeito da canção, sem príncipe, faz do canto um auto canto, para assim manter-se suspenso no ar.

×