Foto: Matheus da Costa     Arte na indústria     Por Nadia Saad, artista plástica e ceramista         Sou ceramista há mai...
Foto: Matheus da CostaTempoCeramico.com.br                       25
No entanto, lá na indústria, no afã de produzir, nem dei                            atenção a alguns fatos. As manilhas re...
Foto: Matheus da Costada empresa Cerâmica Parapuan foram se interessando e se apro-ximando, com muita curiosidade sobre me...
Foto: Matheus da Costa         Ouvi depoimentos espontâneos de funcionários da empresa              e esculturas belíssima...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Matéria Arte na Indústria

2.084 visualizações

Publicada em

Esta matéria, Arte na Indústria, foi publicada na revista Tempo Cerâmico, na edição de maio/junho.
Nesta edição "veremos o diferente, com a oportunidade de poder se surpreender positivamente, e presenciar ambientes únicos e criativos... (Kennia Cristina S. de Andrade, Editora de Redação)
Google translation:
This article, Art in Industry, was published in Tempo Cerâmico magazine, in the May / June.
In this issue, "we'll look for different, with the opportunity to surprise positively, and witness unique and creative environments ... (Kenna S. Cristina de Andrade, Editor Editorial)

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.084
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
743
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Matéria Arte na Indústria

  1. 1. Foto: Matheus da Costa Arte na indústria Por Nadia Saad, artista plástica e ceramista Sou ceramista há mais de trinta anos, fruto de um comen- oportunidade sensorial maior. Elas tinham que crescer. Era tário nos corredores da faculdade, “Você fala muito com as veemente o chamado. Para prosseguir com meu sonho fui em mãos”. O meu trabalho é bastante diverso e multifacetado, busca de um forno maior para fazer crescer as esferas. várias são as vertentes. Em meu ateliê sou mais introspectiva, Apesar de paulistana, razões pessoais e afetivas me leva- lá ele é impregnado de mistérios provocativos. Adoro criar ram ao estado de Minas Gerais. Bati às portas da Cerâmica situações onde o resultado instiga a imaginação do obser- Parapuan, situada em Pará de Minas. Imediatamente fui vador. Muitas vezes, ele, o observador, não se contenta em arrebatada por aquela visão das manilhas e logo mudei meu apenas olhar, toca furtivamente, às vezes até cheira o trabalho projeto. Interrompi a ideia das esferas enormes para eu na ânsia de descobrir o que é aquilo. mesma “mergulhar” nas manilhas. A circularidade, o dentro e Em uma das vertentes de meu trabalho faço esferas onde o o fora, o escuro... Foram os conceitos que as aproximaram das dentro e o fora se revelam, criando meu próprio universo de esferas, naquela visão estonteante. Iludida assim, dei início a planetas. Na evolução de meu processo criativo era premente uma nova empreitada. Durante meu processo criativo sempre que a provocação fosse ampliada. Eu queria que o Observa- estabeleço vários diálogos com a matéria, com o visível e o dor, literalmente, mergulhasse dentro das esferas; tivesse uma invisível. TempoCeramico.com.br24
  2. 2. Foto: Matheus da CostaTempoCeramico.com.br 25
  3. 3. No entanto, lá na indústria, no afã de produzir, nem dei atenção a alguns fatos. As manilhas remetem a um simbolismo próprio que traduzem combinações subjetivas de sentimentos e pensamentos de outra instância ao mesmo tempo em que podem ser associadas a formas existentes na natureza. Se vistas como colunas, já foram amplamente usadas no decorrer da história do homem. Sua verticalidade é pungente, a simetria é absoluta! Também, desconsiderei alguns quesitos técnicos como o tipo e o ciclo da queima, a qualidade da argila e a forma como são fabricadas. As manilhas “nascem” para serem tratadas como manilhas. Eu queria dar a elas o mesmo tratamento que dava às minhas esferas, queria trilhar os mesmos caminhos. Diante disso, retrocedi alguns passos e me abri, novamente, ao desconhecido. A atração que as manilhas me provocavam era cada vez mais forte. Perguntei-me: Então, o que fazer? Diante do conflito, nasceu uma inspiração. A dica era a luz. Iniciei a construção de luminárias escultóricas, totens. E assim surgiu outra vertente de meu trabalho, mais recente. Design em cerâmica, voltada para a arquitetura e também decoração. Aos poucos, os funcionários TempoCeramico.com.br26
  4. 4. Foto: Matheus da Costada empresa Cerâmica Parapuan foram se interessando e se apro-ximando, com muita curiosidade sobre meu trabalho. E nessemesmo tempo, ao andar pela fábrica, percebia que aqui e alihavia alguns trabalhos dos funcionários. Eram bichos realizadosem formas ou modelagem, alguns utilitários como tijelas paraanimais, casinhas feitas a partir de tijolos cerâmicos, pequenosoratórios e cofrinhos para moeda. Tudo muito timidamenterealizado. O momento crucial foi a notícia do 3º Salão e CongressoNacional de Cerâmica de Curitiba-PR. Consultados os donosda empresa e os funcionários sobre sua participação no Salão,não houve hesitação. Formou-se o Grupo Parapuan. Desdeentão, já foram enviados trabalhos dos funcionários para algunssalões, como 3º Salão de Curitiba, Bienal Naif de Piracicaba-SPe Grande Exposição de Arte Bunkyo na Sociedade Brasileirade Cultura Japonesa em São Paulo. Todo o processo foi umasurpresa. Não imaginava que seu desdobramento tocaria emalgo para além do meu trabalho e da vida dos funcionários dafábrica: O Projeto Parapuan – Arte na Indústria. Um projeto deinclusão social. TempoCeramico.com.br 27
  5. 5. Foto: Matheus da Costa Ouvi depoimentos espontâneos de funcionários da empresa e esculturas belíssimas em manilhas e tijolos. O que mais me Parapuan ao se depararem com o resultado do processo criativo fascina é como o olhar efervescente de um imaginário estimu- no qual eles se engajaram, por conta do projeto: “- Puxa, quanta lado é capaz de transformar um objeto projetado para ficar na coisa! Tantos anos aqui e nunca pensei que isso fosse possível!” “- Se horizontal, enterrado, no escuro, úmido, esquecido, revelar sua não fosse por você, tudo isso ficaria escondido aqui dentro.” Nesse nobreza e dignidade, antes invisíveis; e tudo por causa de um período chegou-me às mãos a frase de Yoko Ono e que Raul sonho, a busca de um forno maior, as manilhas foram trazidas Seixas também cantou: “Um sonho sonhado por um é só um sonho à tona e iluminadas. Como diz Manoel de Barros: “... que a que se sonha só; um sonho sonhado por muitos é REALIDADE.” importância de uma coisa não se mede com fita métrica, nem com Caiu como uma luva. Passou-se o tempo e atualmente os alunos balanças nem barômetros, etc… Que a importância de uma coisa e instrutores da Escola de Artes da Secretaria de Cultura de Pará há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós.” de Minas, também se juntaram ao Grupo Parapuan. São recebi- Gramática expositiva do chão: poesia quase toda. dos pelos funcionários, que além de orientá-los, conjuntamente Esse envolvimento da “Arte na Indústria” está produzindo desenvolvem trabalhos criativos e que surpreendem o observa- uma leva muito interessante de produtos que podem receber dor. Assim nasceu o Projeto Parapuan Arte na Indústria e, agora água, ficar ao ar livre, receber luz, como os protótipos que de- que transpuseram os muros da empresa e os limites da cidade, senvolvi. Eu e os outros participantes do Projeto Parapuan nos o projeto ampliou suas fronteiras. Projeto Parapuan, Arte na dispomos a desenvolver projetos de criação de outros artistas, Indústria: Para Além do Trabalho. designers e profissionais da área de criação, tendo como suporte Recentemente fomos convidados a participar da 23ª Feira as manilhas e os tijolos produzidos pela Cerâmica Parapuan. de Cerâmica de Belo Horizonte, realizada nos dias 29 e 30 de Esperando que, em breve, possamos trocar algumas ideias, abril e 1º de maio. Os trabalhos de todos, alunos, funcionários e gostaria de finalizar com palavras de meu Mestre Megumi os meus, fizeram sucesso. O Projeto ganhou visibilidade e todos Yuasa “O artista é um agente da fé, pois ele faz o que não vê porque estão mais motivados a criar e desenvolver objetos de design acredita que está lá.” TempoCeramico.com.br28

×