A CAMPANHA DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA PELALIBERTAÇÃO DA ITÁLIA1Durval de Noronha Goyos21.- INTRODUÇÃO1.1.-É para m...
lado, meu tio, Ruy de Noronha Goyos, hoje com 99 anos deidade, que serviu com disciplina, louvor e distinção a causa denos...
2.- A ITÁLIA FASCISTA.O jovem Luiz Alberto Moniz Bandeira, que posteriormentese tornaria o maior historiador brasileiro de...
A aceitação do poder absoluto do ditador vem bemcaracterizadano juramento do “balila”, a juventude fascista, queimpunha: “...
fascismo representava, realmente, os interesses da extremadireita e patrocinava um nacionalismo exacerbado. Mussolini,adem...
Assim, a convulsão social resultante do quadro econômicopropiciou a acessão ao poder de Benito Mussolini e seumovimento fa...
sanções econômicas aplicadas pela Liga das Nações sob ainiciativa do Reino Unido foram ridicularizadas pelo ditadoritalian...
civilização é ariana; d) existe uma raça italiana; e) chegou omomento dos italianos se declararem racistas; f) os judeus n...
generalizado, renegavam o próprio passado, flutuavam na buscade quem fosse o mais forte, Croce permaneceu imperturbável na...
ambiente favoreceu a sedimentação da liderança de Adolf Hitlere do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães(P...
Leon Trotsky, um expoenteintelectual da Revolução Russa efundador do Exército Vermelho,comentou com agudapercepção, que “o...
O primeiro ministro da economia de Hitler, Hjalmar Schachtdirigiu o dispêndio estatal para o rearmamento, dedicando 10%do ...
substituindo-o por “sangue germânico” e “honra alemã”, que setornaram os princípios básicos do direito alemão27.Segundo al...
resistida da Áustria, promovendo a unificação com a Alemanha,ou Anschluss, ação contemplada em MeinKampf, como uma“questão...
predomínio da marinha inglesa no Atlântico impedia fosse feito oregular abastecimento da Alemanha, com as matérias primasn...
4.- O BRASIL NO FINAL DA DÉCADA DE 30 E INÍCIO DOS ANOS 40.Em30 de outubro de 1930 foi deposto o presidenteWashington Luís...
do Exército, da Marinha e do Povo38.”Interventores, quase todostenentes, foram nomeados para governar os estados federados...
A nova Constituição contemplava a eleição indireta dopresidente da República, havida em 17 de julho de 1934, querecaiu sob...
apoiara em nenhum partido fascista em particular e nãoperseguia uma política racista, de resto não apenas insana, masde mu...
proximidade ao governo de Getúlio. Dentre os próceres da AIestava Miguel Reale48, “um de seus elementos mais radicais49”.S...
Os governos da Alemanha e Itália resolvem trabalhar com oEstado Novo, saudado nestes países. Ambos os países tinhamlargos ...
214.636 os imigrantes originais59e, os demais, seusdescendentes. Os imigrantes japoneses e descendentes tinham294 escolas ...
econômicas e financeiras, já que os EUA eram o maior parceirocomercial do Brasil na ocasião. De mais a mais, eventuaisexpo...
política de equilíbrio que lhe permitisse tirar proveito dascontradições entre os diversos imperialismos. Os americanosvia...
Getúlio, nem fui eu, nem foi ninguém que nos forçou a romperrelações. Foi a nossa posição geográfica, a nossa economia, an...
maneira, a FAB transferiu para bases situadas no nordeste dopaís contingentes equipados com material capaz de fazerreconhe...
A frota brasileira tinha ainda 9 modernos naviostorpedeiros(destroyers) de desenho americano e inglês, lançadosentre 1940 ...
guerra marítima contra os meios de transporte marítimobrasileiro, tendo o cuidado de excluir ataques aos portosbrasileiros...
do Rio de Janeiro, Filinto Müller, movimentaram-se para impediro ato, que ocorreu finalmente sem incidentes76e com grande ...
do Eixo se renderam após a batalha de Stalingrado, na frenteoriental, às tropas do Exército Vermelho79.Poucos dias após a ...
movimentadas do mundo, sendo por algum tempo a principal e amais movimentada base americana fora das fronteiras dos EUA.O ...
De 1942 até 1945, os poucos navios da Marinha do Brasil“participaram da escolta interaliada de 251 comboios eefetuaram 195...
Da mesma maneira, Getúlio e Roosevelt cuidaram dacooperação civil, econômica, financeira e comercial entre os doispaíses d...
os demais, navios mercantes ou mistos pertencentes ao LloydBrasileiro, o Lloyd Nacional e a Costeira.Durante a 2ª Guerra M...
intenção de passar a guerra restrito ou limitado à defesadoméstica90.Com o acordo fechado entre Getúlio Vargas e FranklinD...
A Cavalaria da FEB era formada pelo 2º Esquadrão deReconhecimento, baseado no Rio de Janeiro. O 1º. Batalhão deSaúde foi o...
posteriormente. No final daquele ano, o General Mascarenhasde Moraes visitou os campos de batalha na África e da Itália,de...
saúde. O número de combatentes propriamente ditos foi de15.265.Foram eles transportados em navios americanos eescoltados p...
Castelo, com o apoio aéreo da FAB, uma campanha muito dura,realizada em pleno e rigoroso inverno, sem roupas adequadas,em ...
No dia 26 de abril de 1945, a FEB entrou em contato com a148ª Divisão Alemã, que incluía a divisão fascistaBersaglieri,pre...
c) Destruição da indústria e instalações militares ao norteda Itália104.No início de novembro, o Grupo de Caça da FAB pass...
Comando, mas foi responsável por 15% dos veículos destruídos,28% das pontes destruídas, 36% dos depósitos de combustívelda...
Em meados de abril, o Exército Vermelho, sob o comandodo MarechalGeorgyZhukov atingiram Berlin110, a capital alemã,uma cid...
postos de trabalho, para prosseguirmos na faina sagrada de fazerum Brasil forte e respeitado, num mundo livre e feliz114.”...
asnecessárias consultas ao povo brasileiro116”. Seis meses depois,em 15 de abril de 1944, ele reiteraria a promessa.Contud...
Góis e Dutra procuravam impedir uma guinada de Getúlio, quetambém havia restabelecido relações com a URSS, à esquerda119.O...
Como resultado imediato da guerra, surgiu uma novaordem jurídica internacional. Em abril de 1945, no final daconfrontação,...
(GATT), hoje a Organização Mundial do Comércio (OMC). Aospoucos foi instituída uma ordem jurídica internacional que, ainda...
Com a proibição das línguas estrangeiras no Brasil,reforçou-se o uso da língua portuguesa nos vastos contingentesde imigra...
nossos dias, da mesma forma que a luta contra a criminalidadeorganizada.A Alemanha saiu não apenas destroçada da 2ª Guerra...
No pós-guerra, as relações econômicas, políticas e culturaisentre o Brasil, Alemanha, Itália e Japão, desenvolveram-se def...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A campanha da força expedicionária brasileira pela libertação da Itália

910 visualizações

Publicada em

Palestra proferida na Amici D'Italia; em São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. 01/06/2013

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
910
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A campanha da força expedicionária brasileira pela libertação da Itália

  1. 1. A CAMPANHA DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA PELALIBERTAÇÃO DA ITÁLIA1Durval de Noronha Goyos21.- INTRODUÇÃO1.1.-É para mim um grande prazer fazer a abertura datradicional Semana da Itália, com uma conferência cujo tema nosé caro a todos os brasileiros, descendentes ou não de italianos,pela contribuição notável que a campanha da ForçaExpedicionária Brasileira (FEB) representou no sentido dapromoção do estado de Direito, da observância dos direitoshumanos e pela prevalência da ordem democrática numa escalaglobal. Essa ação também teve uma importância considerávelpara a libertação da Itália das forças do mal que tantas desgraçastrouxeram ao seu povo. Por último, o sentimento que inspirou aação brasileira teve reflexos domésticos relevantes, eis queajudou a sedimentar a ainda incipiente democracia em solopátrio.1.2.-Amanhã será celebrada a data nacional da Itália, o dia2 de junho, assim definida pela data do plebiscito, em 1946, queoptou pelo fim da monarquia, a instalação da República Italiana,e instalou os alicerces para a ordem constitucional e ademocracia naquele país.1.3.-Como filho de mãe italiana e cidadão do Brasil e daItália, tenho a dupla satisfação de abordar esta questão, devendoainda registrar o meu enorme prazer de ter hoje aqui ao meu1Texto básico da conferência proferida em 1º de junho de 2013, na sociedade Amici d’Italia, São José doRio Preto, Estado de São Paulo, Brasil.2Advogado qualificado no Brasil, Inglaterra e Gales e Portugal. Presidente de Noronha Advogados.Professor de pós-graduação de direito internacional público e privado. Membro da Academia Rio-pretense de Letras e Cultura (ARLC).
  2. 2. lado, meu tio, Ruy de Noronha Goyos, hoje com 99 anos deidade, que serviu com disciplina, louvor e distinção a causa denosso País e das liberdades democráticas na qualidade demembro da Força Expedicionária Brasileira (FEB) no teatro deguerra da Itália, já que integrante do 9º Batalhão de Engenharia,o qual partiu do Rio de Janeiro em junho de 1944. Peço umacalorosa salva de palmas ao Sargento Ruy de Noronha Goyos.1.4.- Registro ainda os meus agradecimentos à minha caraamiga,Rosalie Sanches y Gallo, pelo amável convite para aconferência de hoje e ainda ao meu querido amigo, AdhemarBahadian, ex-embaixador do Brasil junto à República Italiana,pela sugestão de que eu devesse abordar o tema, frustrado queestava com o esquecimento dos feitos gloriosos da FEB nãoapenas na Itália, mas também no Brasil.1.5.- O dia de hoje também me é caro, pois foi nesta data,há trinta e cinco anos, em 1978, que fundei, com dois outrossócios, a sociedade Noronha Advogados, hoje com 15 escritóriosem 8 países.1.6.-Organizei a conferência de hoje da seguinte forma:1.6.1.-Esta Introdução;1.6.2.-A Itália Fascista;1.6.3.-A Alemanha Nazista;1.6.4.-O Brasil no final da década de 30 e início dos anos 40;1.6.5.-A defesa costeira e a guerra marítima e aérea;1.6.6.-A Campanha da FEB na Itália; e1.6.7.-Conclusões.
  3. 3. 2.- A ITÁLIA FASCISTA.O jovem Luiz Alberto Moniz Bandeira, que posteriormentese tornaria o maior historiador brasileiro de todos os tempos, emoutubro de 1969, no prefácio da obra3do grande jurista pátrio,Alberto da Rocha Barros, ensinou que “o fascismo, ao contráriodo que muitos imaginam, não constitui um fenômeno particularda Itália e da Alemanha que, em determinada época, ameaçoualastrar-se pelo mundo. Ele surge onde e quando o capitalfinanceiro não mais consegue manter o equilíbrio da sociedadepelos meios normais de repressão, revestidos das formasclássicas da legalidade. Naturalmente, segundo as condiçõesespecíficas de tempo e de lugar, o fascismo assumecaracterísticas e cores diferentesmas, no essencial, permanececomo um tipo de Estado peculiar, um sistema de atos de força ede terror policial, de contra revolução permanente. É o regimeda guerra civil declarada que se institucionaliza.”De fato, o fascismo foi o responsável pela criação dosneologismos “totalitarismo” e “totalitário”, com o que seusadeptos descreviam o poder absoluto do Estado, sob o controlede um homem voluntarioso, o “Duce”.O ditador totalitáriocomporta-se em solo pátrio como um conquistador estrangeiro.Assim, o regime totalitário objetiva o domínio absoluto da naçãomediante o uso generalizado da violência do Estado contra asociedade civil.3Alberto da Rocha Barros, “Que é o Facismo”, Gráfica Editora Laemmert AS, Rio de Janeiro, 1969
  4. 4. A aceitação do poder absoluto do ditador vem bemcaracterizadano juramento do “balila”, a juventude fascista, queimpunha: “em nome de Deus e da Itália, juro seguir as ordens doDuce e de servir com todas minhas forças e, se necessário, commeu sangue, a causa da revolução fascista4”.Por sua vez, odecálogo do miliciano, em seu item 9, afirmava: “Mussolini hasempre ragione5”.O fascismo, segundo Hobsbawm6, não apenas negavaMarx, mas também a Voltaire e a John Stuart Mill. Rejeitavaigualmente toda a herança do iluminismo, da mesma forma queo socialismo e o comunismo. Politicamente, o fascismoapresentava-se como a contradição ao Estado democrático dedireito. De fato, de acordo com Mussolini, “a liberdade não é umfim. É um meio. E como meio, deve ser controlada e dominada7.”Da mesma forma, Hermann Goering, um dos próceres nazistas,chamava a moralidade cristã e o humanismo existencialista de“esses ideais estúpidos, falsos e doentios8”.Nesse sentido, PalmiroTogliati definiu o fascismo como“uma ditadura terrorista escancarada dos mais reacionários,chauvinistas e imperialistas elementos do capital financeiro9.” O4Carlo Galeotti, “Saluto al Duce”, Gremese Editore, Roma, 2001, página 20. Tradução para o portuguêspelo conferencista.5Carlo Galeotti, op. Cit, página 21.6Eric Hobsbawn, “How to Change the World – Tales of Marx and Marxism”, Abacus, London, 2012,página 268.7Christopher Hibbert, “Mussolini, the rise and fall of il Duce”, Palgrave Macmillan, New York, 2008,página 47.8D.J. Goldhagen, “H. Goering”, London, 1996, página 457.9Palmiro Togliati, “Lectures on Fascim”, London, 1976, página 1.
  5. 5. fascismo representava, realmente, os interesses da extremadireita e patrocinava um nacionalismo exacerbado. Mussolini,ademais, procurou expandir os interesses coloniaisitalianosmanu militari, naturalmente.Mussolini tomou o poder através de um golpe de Estado,uma marcha de aproximadamente 25 mil milicianos a Roma, oque levou o Rei da Itália, Vitor Emanuel, em 28 de outubro de1922, a pedir que o Duce formasse um governo de coalizão. Logoapós, em 1925, foram conferidos ao governo, já exclusivo dofascismo, poderes extraordinários e o regime se tornou umaditadura absoluta, sem oposição permitida e censurainstitucionalizada.Na ocasião, a Itália tinha cerca de 45 milhões de habitantes.Sua economia era ainda predominantemente agrícola. O setorindustrial italiano representava menos de 33 por cento doProduto Interno Bruto e estava concentrado no norte do país. Arenda per capita do habitante do sul da Itália, um territóriosubdesenvolvido economicamente, não passava de 40 por centodo morador do norte do país.De mais a mais, a Itália saíra vitoriosa, mas com a economiadestruída da 1ª Guerra Mundial. Sua balança comercial eranegativa e seu balanço de pagamentos a duras penas seequilibrava com as remessas dos emigrantes italianos mundoafora. No pós-guerra, verificou-se um massivo desemprego,inflação e depressão econômica.
  6. 6. Assim, a convulsão social resultante do quadro econômicopropiciou a acessão ao poder de Benito Mussolini e seumovimento fascista. Em 1927, o governo fascista entrou em suafase corporativista, com uma intervenção massiva do Estado naordem econômica e no sistema bancário. Data desse ano a CartaDel Lavoro que dispunha, em seu artigo primeiro que “ a naçãoitaliana... é uma unidade moral, política e econômica, que serealiza integralmente no Estado Fascista”. A situação do país sópiorou com a chamada Grande Depressão mundial, a partir de1929.A visão cultural do fascismo era medíocre. Segundo GiorgioBocca, “a história ‘sem heróis’, como pesquisa crítica da verdade,de nexos sócio-econômicos e políticos, é desencorajada, a IdadeMédia não agrada, pois ‘das trevas’, não agrada nem menos oRenascimento, pois o seu caráter mercantilista e supranacionalse apresenta herético... O único verdadeiro e grande amor dofascismo é aquele pelas tradições romanas, de uma maneiraacrítica que confunde o reinado, república e império, bem comoa sociedade cós costumes duros e fortes com aquela do luxotirânico e do cosmopolitismo10”.Em 1935, 100 mil homens das forças armadas fascistasinvadiram a Etiópia, uma das duas áreas da África que nãohaviam sucumbido ao imperialismo e depuseram o imperadorHailéSelassié. No dia 5 de maio de 1946 foi ocupada a capital,Addis Abeba. Na ocasião, Mussolini declarou: “a Itália finalmentetem o seu próprio império. Um império fascista, um império dapaz, um império de civilização e de humanidade11”. As duras10Giorgio Bocca, “Storia della Italia nella Guerra Fascista”, Arnaldo Mondatori Editore, Milano, 1996,páginas 67 e 68.11R.J.B. Bosworth, “Mussolini’s Italy – Life under the Dictatorship”, Penguin Books, London, 2005, page367.
  7. 7. sanções econômicas aplicadas pela Liga das Nações sob ainiciativa do Reino Unido foram ridicularizadas pelo ditadoritaliano. Foi então intensificado o processo de colonização daLíbia12.Em 1936, Mussolini comprometeu-se a colaborar comFranco, na guerra civil espanhola e enviou um contingente de 80mil militares à península ibérica, em apoio ao fascismo espanholcontra as forças republicanas do governo democrático. Em 1939,tropas italianas depuseram o rei Zog da Albânia e ali instalaram aordem imperial italiana. Tais ações naturalmente alienaram aItália da comunidade das nações e tiveram o condão de aaproximar do outro vilão na ordem internacional, a Alemanhanazista.Em 1937, Mussolini aceitou um convite de Hitler paravisitar a Alemanha. No mesmo ano, em novembro, a Itáliaassinou um pacto contra o comunismo internacional com aAlemanha e Japão. Em dezembro daquele ano, a Itália se retirouda Liga das Nações. Em 1939, Itália e Alemanha assinaram ochamado Pacto de Aço, uma aliança diplomática e militar, comcaracterísticas ofensivas e defensivas. Estava selado o futuro daItália de curto prazo.Uma das páginas mais tristes da ditadura fascista na Itáliadiz respeito à política racista de Estado. Em 1938, sob a égide doMinistério da Cultura Popular, foi publicado13um manifesto queinter alia afirmava: a) as raças humanas existem; b) há grandes epequenas raças; c) o conceito de raça é puramente biológico; d)a população da Itália é de origem ariana em sua maioria e sua12Nesse período diminuiu a emigração italiana para o Brasil, já que o governo fascista privilegiava acolonização de seu império africano.13Revista “ La Difesa della Razza”, 5 de agosto de 1938.
  8. 8. civilização é ariana; d) existe uma raça italiana; e) chegou omomento dos italianos se declararem racistas; f) os judeus nãopertencem à raça italiana.Em 1939, a lei14proibiu o casamento entre italianos ejudeus; vetou o emprego de judeus em instituições financeiras,jornais e cartórios e limitou a atuação de judeus nas chamadasprofissões intelectuais. Ademais, proibiu a frequência de judeusnas escolas pública e limitou o seu direito de propriedade.Após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, a situação dosjudeus na Itália piorou marcadamente. Segundo Michele Sarfatti,a partir de dezembro de 1943, “a grande maioria dos judeus napenínsula foi aprisionada e depois transferida ao campo detriagem nacional da polícia italiana...para deportaçãoprincipalmente ao campo de Auchwitz-Birkenau15”. Em 1944,todos os bens remanescentes em propriedade de judeus foramtransferidos ao Estado16.Nesse ponto, impõe que se mencione que o fascismojamais obteve o consenso nacional italiano. Importantes forçassempre a ele se opuseram e, se não se manifestaram com maiorvigor, isso é devido ao caráter da brutal ditadura imposta. Otenaz movimento de resistência armada é um exemplocontundente dessa situação.Também na sociedade civil, a oposição se fez sentir, comono caso do grande intelectual italiano, Benedetto Croce. A seurespeito, Antonio Gramsci observou: “enquanto tantosintelectuais perderam a cabeça e não sabiam se orientar no caos14Lei 1024, de 13 de julho de 1939.15Michele Sarfatti, “La Shoah in Italia- La persecuzione degli ebrei sotto Il fascismo”, Giulio Einaudieditore, Torino, 2005, páginas 105 e 106.16Decreto Legislativo XXII 2, de 4 de Janeiro de 1944. V. Michele Sarfatti, op cit, página 111.
  9. 9. generalizado, renegavam o próprio passado, flutuavam na buscade quem fosse o mais forte, Croce permaneceu imperturbável nasua serenidade e afirmação de sua fé que, metafisicamente, omal não pode prevalecer e que a história é racionalidade17.”3.- A ALEMANHA NAZISTA.O grande economista inglês, John Maynard Keynes, aocomentar em 1919 o Tratado de Versailles, celebrado ao final daPrimeira Guerra Mundial, que ocorreu entre 1914 e 1918,afirmou que “ao lado de outros aspectos da transação, acreditoque a campanha para obter da Alemanha a reposição integral docusto da guerra foi um dos atos mais sérios de imprudênciapolítica cometido pelos nossos estadistas18.”De fato, continua Keynes, “nem sempre as pessoas aceitammorrer de fome em silêncio: algumas são dominadas pelaletargia e o desespero, mas outros temperamentos se inflamam,possuídos pela instabilidade nervosa da histeria, podendodestruir o que resta da organização social, e submergindo acivilização com suas tentativas de satisfazer desesperadamenteas necessidades individuais. É contra esse perigo que todos osnossos recursos, nossa coragem e idealismo devem cooperar19.”Ninguém anteviu com tanta clareza, precisão ediscernimento as condições propícias para o surgimento donazismo na Alemanha como o grande economista inglês. Tal17Antonio Gramsci, Il materialismo storico e La filosofia di Benedetto Croce, Torino, Einaudi, 1948,página 179.18J.M. Keynes, As Conseqüências Econômicas da Paz, Editora Universidade de Brasília, São Paulo, 2002,página 99.19J.M. Keynes, op cit, página 158.
  10. 10. ambiente favoreceu a sedimentação da liderança de Adolf Hitlere do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães(Partido Nazista), muito embora inexistisse um programapartidário ou uma ideologia que se pudesse apresentar ao povoalemão.Ao invés, a ação do partido era fundada na demagogia maisescabrosa, nos preconceitos mais vis e em promessas cínicas einsubsistentes. Em sua obra básica, MeinKampf, Minha Luta,Adolf Hitler assim apresenta sua cosmovisão: “O Partido Nazistaapropria-se nas características iniciais do pensamentofundamental de uma concepção geral racista do mundo; e,tomando em consideração a realidade prática, o tempo, omaterial humano existente, com as suas fraquezas, forma uma fépolítica, a qual, por sua vez, dentro desse modo de entender arígida organização das massas humanas, autoriza a prever a lutavitoriosa dessa nova doutrina20.”O que importava a Hitler, mais do que um conjunto básicode ideias expostas numa plataforma política, era o caminho aopoder, o queevidenciava o seu oportunismo. Como observou ohistoriador inglês, Ian Kershaw, opositores de Hitlerfrequentemente subestimaram o dinamismo do ideário nazistadevido ao seu caráter difuso e ao cinismo de sua propaganda21.Hitler tinha “uma mensagem de redenção nacional. Num cenárioeconômico sombrio e miséria social, ansiedade e divisão,permeiado de percepções de falência e incompetência dosaparentemente pequenos políticos, tal mensagem foipoderosa22.”20Adolf Hitler, “Minha Luta”, Centauro Editora, São Paulo, 2005, página 293.21Ian Kershaw, “Hitler 1889-1936: Hubris”, The Penguin Press, London, 1998, página 253.22Ian Kershaw, op cit, página 331.
  11. 11. Leon Trotsky, um expoenteintelectual da Revolução Russa efundador do Exército Vermelho,comentou com agudapercepção, que “o nacional-socialismo desce muito mais: domaterialismo econômico para o materialismo zoológico”. ONazismo recolhia “todo o lixo do pensamento políticointernacional...para com ele fazer o tesouro intelectual do novomessianismo alemão23.”Em 1933, a Alemanha sofria não apenas as consequênciaseconômicas da paz de Versailles, como também os efeitos dagrande depressão econômica iniciada nos Estados Unidos daAmérica (EUA) em 1929, inclusive a hiperinflação e odesemprego massivo.Naquela época, sua população era de cercade 65 milhões de pessoas.O caos político social e político resultante da desordemeconômica e social foi o suficiente para que as hordas nazistasexigissem nas ruas e nos gabinetes, com a violência típica, aindicação de Hitler como primeiro ministro, o que foi feito. Naseleições parlamentares alemãs subsequentes, de março de 1933,o Partido Nazista obteve 43.9% dos votos, o que lhe assegurou288 das 647 cadeiras do Reichstag, o parlamento alemão.Os resultados das eleições permitiram a plena assunção depostos chaves do governo por membros do Partido Nazista. Foientão colocada em prática uma economia até certo pontokeynesiana, com bastante sucesso, tendo sido então iniciada asistemática deconstrução da ordem democrática, o repúdio àsrestrições impostas pelo Tratado de Versailles, a implementaçãoda legislação racista e o expansionismo militar.23IsaaacDeutscher, “Trotski – O Profeta Banido”, Editora Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1968,página 161.
  12. 12. O primeiro ministro da economia de Hitler, Hjalmar Schachtdirigiu o dispêndio estatal para o rearmamento, dedicando 10%do produto interno bruto a tal fim, e à construção de obraspúblicas, como estradas. Para financiar tais dispêndios, foramintroduzidos os chamados títulos Mefo. Sem reservas emmoedas estrangeiras24, a Alemanha recorreu à moeda escrituralpara compensar operações de escambo e buscou a substituiçãode importações pelos produtos domésticos.Tal política econômica teve o apoio dos grandes gruposempresariais alemães, beneficiados pelos pedidos de compra epelos grandes contratos públicos. A economia passou a crescermuito e o desemprego diminuiu drasticamente. O setorimobiliário cresceu 3 vezes e a indústria automobilística, muitoencorajada pelo governo, ganhou um enorme impulso.Os sindicados perderam a liberdade. As greves forambanidas. Os partidos políticos foram fechados. Toda oposição aoregime foi proibida. A liberdade de pensamento expressão foieliminada. A censura foi aplicada em todos os setores daimprensa ou da expressão. Queimaram-se até os livros do poetaHeinrich Heine, que observou com muita propriedade: “lá ondeos livros são queimados, no final queimam-se os homens25.”Carl Schmitt, o principal teórico jurídico do regime nazistaapontou três princípios básicos a governar a nova ordem legal,quais fossem o Estado, o movimento e o povo. O Estado eraconduzido pelo movimento, ou seja, o Führer, o líder, ao passoque o povo era o sujeito passivo da ação do primeiro26. Schmitt,ademais, suprimiu o conceito de Homem no Código Civil alemão,24Adolf Hitler, op cit, página 9.25Ian Kershaw, op cit, página 483,26Giorgio Agamben, “Carl Schmitt – Un giurista davanti a se stesso”, Neri Pozza editore, Vicenza, 2005.
  13. 13. substituindo-o por “sangue germânico” e “honra alemã”, que setornaram os princípios básicos do direito alemão27.Segundo alguns desatinados especialistas legais alemães,dentre as fontes do direito alemão situavam-se os planos doFührer28(sic). De acordo com Schimitt, oFührer não era o agenteda nação, mas o seu mais alto magistrado e mais altolegislador29.O racismo foi um dos pilares do ideário nazista eresponsável por uma das páginas mais sombrias da História.Hitler tratou amplamente do tema em sua obra30. A raça arianaera considerada superior enquanto as demais vistas como sub-humanas ou monstruosas. A perseguição dos judeus tornou-sepolítica oficial de Estado a partir de 1933, com a exclusãodaqueles dos empregos públicos. Em 1935, foram aprovadas aschamadas Leis de Nuremberg, que inter-alia revogaram acidadania alemã dos judeus.Em 1936, 1937 e 1938 os judeus foram excluídos de todasas profissões regulamentadas. A partir de 1941, a populaçãojudaica alemã foi transferida para os infames campos deconcentração e de extermínio no leste europeu. Um programade eliminação física dos judeus e de outros segmentospercebidos como inimigos do Reich foi colocado em prática em1942.A partir de 1936, tal modelo começou a se esgotar e ogoverno alemão orientou o seu planejamento econômico para aguerra. No início de 1938, Hitler promoveu a invasão não27Yvonne Sherratt, “Hitle’s Philosophers”, Yale University Press, New Haven, Connecticut, 2013, página101.28Alberto da Rocha Bastos, opcit, página 37.29Yvonne Sherrat, op cit, página 102.30Adolf Hitler, op cit, página 210 et seq.
  14. 14. resistida da Áustria, promovendo a unificação com a Alemanha,ou Anschluss, ação contemplada em MeinKampf, como uma“questão de vida ou morte”.Começaram a seguir os nazistas a colocar em prática adoutrina da expansão para o leste, na busca do chamado espaçovital, lebensraum, igualmente objeto da obra de Hitler31. A regiãodos Sudetos, na Checoslováquia, com importante população deminoria alemã, foi objeto da cobiça nazista e integrada ao Reichem 1938, com a complacência dos ingleses e franceses32. Seguiu-se a ocupação militar do resto do país e a criação de um“protetorado” .Em 1939, Hitler decidiu implementar o plano de invasão daPolônia na busca de mais espaço vital para o Reich alemão. Paratanto, a diplomacia nazista, liderada por JoachinvonRibbentrop,celebrou um pacto de não agressão com a União das RepúblicasSocialistas Soviéticas (URSS), representada porVyacheslavMolotov, ministro dos assuntos estrangeiros, em 24de agosto daquele ano. No 1º de setembro de 1939, as forçasnazistas invadiram a Polônia. Dois dias após, a RepúblicaFrançesa e o Reino Unido declaravam guerra à Alemanha.Começava na Europa a Segunda Guerra Mundial33.Entre a primavera e o verão de 1940, a Alemanha ocupou aDinamarca, derrotou a França e a Força Expedicionária Britânica,ocupando Paris no dia 14 de junho, tendo levado de roldão aBélgica, Luxemburgo e a Holanda. O General Charles de Gaulleestabeleceu, em Londres, um governo francês no exílio. O31Adof Hitler, op cit, página 473 et seq.32V., nessesentido, de David Faber, “Munich – The 1938 appeasement crisis”, Simon & Schuster, London,2008.33Na Ásia, o conflito começou em 1937 com a invasão japonesa da Manchúria, no nordeste daRepública da China.
  15. 15. predomínio da marinha inglesa no Atlântico impedia fosse feito oregular abastecimento da Alemanha, com as matérias primasnecessárias ao normal funcionamento de sua economia.Anteriormente, havia sido ocupada a Noruega e instauradoum regime simpatizante aos nazistas neste país. Mussolinideclarou guerra à França e ao Reino Unido depois da derrota dasforças destes países pelas tropas nazistas34, no teatro de guerrafrancês, levado por um grande senso de oportunismo. A Gréciarendeu-se às forças ítalo-germânicas, após uma resistênciaheróica, e foi ocupada no início de 1941.Um ano após a rendição francesa, em 22 de junho de 1941,Hitler desencadeou a operação Barbarossa35e invadiu a URSS,com 140 divisões de exército e alcançou impressionantessucessos iniciais, ocupando a parte oeste do país e chegandoaLeningrado e a poucos quilômetros de Moscou.A frente debatalha inicial tinha 1.500 quilômetros e se expandiu para 2.500antes do final daquele ano.No dia 7 de dezembro de 1941, em seguida a um boicoteeconômico e financeiro que se provara eficaz, as forçasjaponesas atacaram a principal base dos EUA no Oceano Pacífico,no Havaí, destruindo uma grande parte da frota americana e desua força aérea, trazendo dessa maneira os americanos aoconflito mundial em conjunção com os aliados. Alastrava-seentão o conflito armado, que atingiu uma escala global semprecedentes.3434Sobre a extensão das conquistas nazistas, V. Mark Mazower, “Hitler’s Empire”, Penguin Books,London, 2008.35Sobre a guerra na frente oriental européia, V. Alan Clark, “Barbarossa – The Russian-GermanConflict1941-45”,Weidenfeld &Nicolson, London, 1995.
  16. 16. 4.- O BRASIL NO FINAL DA DÉCADA DE 30 E INÍCIO DOS ANOS 40.Em30 de outubro de 1930 foi deposto o presidenteWashington Luís por um movimento armado, chamadotenentista, de cunho corporativista. Inspirado até certo pontopela filosofia positivista, segundo Nelson Werneck Sodré, otenentismo era “superficial... e modesto em suas reivindicações.Começava por supor que tudo dependia dos homens queestavam no poder e que a simples substituição deles levaria aresultados significativos36.”O País, então com aproximadamente 37 milhões dehabitantes, passava por grave crise econômica e socialdecorrente dos reflexos da quebra dos mercados financeirosinternacionais de 1929. Caíram dramaticamenteas exportaçõesdo café, principal produto brasileiro e o balanço de pagamentosencontrava-se grandemente deficitário. As classes dominantes,anteriormente unidas, se cindiram37e os políticos fora do eixotradicional do poder, situado em São Paulo e Minas,principalmente no Rio Grande do Sul, uniram-se para mais umlevante militar.A 3 de novembro de 1930, Getúlio Vargas, o líder domovimento, e ex-ministro da fazenda de Washington Luís,entrou na capital federal, o Rio de Janeiro, à frente das tropasrevolucionárias comandadas pelo General Góis Monteiro.Getúlio declarou na ocasião estar “assumindo provisoriamente ogoverno da República, como delegado da Revolução, em nome36Nelson Werneck Sodré, “Formação Histórica do Brasil, Editora Brasiliense, 5ª. Edição, 1969, página318.37V. Nelson WerneckSodré, op cit, página 320.
  17. 17. do Exército, da Marinha e do Povo38.”Interventores, quase todostenentes, foram nomeados para governar os estados federadosbrasileiros.Segundo Leôncio Basbaum, Getúlio muito se interessava noapoio dos tenentes e a eles tantas concessões fazia, porque“com farda ou sem ela representavam duas grandes forçasreunidas: a militar e a demagógica. Militarmente, elesdominavam o exército, pela sua proximidade com a tropa,podendo a qualquer momento levantá-la39”. Queriam ostenentes “o fascismo, o governo forte, a luta de morte contra ocomunismo e as veleidades revolucionárias das massas40”.A chamada Revolução Constitucionalista de São Paulo, em9 de julho de 1932, objetivava a retomada do poder pelos chefesdo Partido Republicano Paulista (PRP), do qual haviam sidoalijados por Getúlio Vargas. Adotaram os paulistas a bandeiraconstitucionalista, que refletia o anseio nacional, o qual eratemperado pela profunda crise econômica e pelos desmandospolíticos e administrativos da ditadura.Vencida a rebelião paulista e com o resultante prestígiopolítico adquirido, Getúlio pôde realizar eleições, levadas a efeitoem maio de 1933, nas quais pela primeira vez as mulheres e osmaiores de dezoito anos tiveram o direito ao voto, com base emnovo registro eleitoral e supervisão da Justiça Eleitoral41.AConstituição de 1934 tinha um perfil burguês e, até certoponto,liberal, com importantes influências de marcado caráterfascista.38Leôncio Basbaum, “História Sincera da República”, vol.3, Editora Alfa-Omega, São Paulo, 1976, página14.39Leôncio Basbaum, opcit, página 19.40Leôncio Basbaum, opcit, página 20.41V. Richard Bourne, “Getúlio Vargas – A Esfinge dos Pampas”, Geração Editorial, São Paulo, 2012,página 100 et seq.
  18. 18. A nova Constituição contemplava a eleição indireta dopresidente da República, havida em 17 de julho de 1934, querecaiu sobre a pessoa de Getúlio Vargas, com mandato até 1938,criava deputados classistas, bem como ratificava todos os atosdo regime ditatorial. Seus efeitos seriam suspensos já em 1935,em virtude do estado de sítio então decretado, que perdurou atéa decretação do Estado Novo, em 1937.Na manhã de 10 de novembro de 1937, Getúlio Vargas deuum putsch, um autogolpe, dissolvendo o Congresso Nacional poração da polícia, evitando a presença ostensiva do exército42. Às10 horas do dia seguinte, foi assinada a nova cartaconstitucional, minutada em sua maior parte por FranciscoCampos, homem com fortes inclinações fascistas. Getúlioassumia todo o poder para si próprio, governando por decreto43.Conforme observou Basbaum, “ a nova Constituiçãodispensava... o Congresso, o sistema representativo,enquadrando-se no sistema ditatorial fascista que enfeixava emuma só mão os poderes legislativo e executivo. E, como se viumais tarde, com o Tribunal de Segurança, também oJudiciário44.” Em dezembro de 1937, foram fechados os partidospolíticos. A censura foi institucionalizada.Estava criado o Estado Novo, designação tomada porempréstimo do melancólico Portugal do sanguinário ditadorAntonio Salazar, e que, segundo Thomas E. Skidmore,“representava a versão brasileira abrandada do método fascistaeuropeu45”. Diferentemente do fascismo europeu, Getúlio não se42Boris Fausto, Getúlio Vargas, Companhia das Letras, São Paulo, 2006, página 80 et seq.43E. Bradford Burns, “A History of Brazil”, 3rd edition, Columbia University Press, New York,, 1993,página 356 et seq.44Leôncio Basbaum, opcit, página 105.45Thomas E. Skidmore, “ Brasil: de Getúlio a Castelo”, Paz e Terra, São Paulo, 1985, página 52.
  19. 19. apoiara em nenhum partido fascista em particular e nãoperseguia uma política racista, de resto não apenas insana, masde muito difícil implementação num país multirracial como oBrasil.Assim Getúlio explicou a questão dos direitos e liberdadesindividuais na constituição de 1937: “o Estado Novo nãoreconhece direitos de indivíduos contra a coletividade. Osindivíduos não têm direitos, têm deveres! Os direitos pertencemà coletividade! O Estado, sobrepondo-se à luta de interesses,garante os direitos da coletividade e faz cumprir os deveres paracom ela46.”O Estado Novo, “na fase ascensional do fascismo, tomava aeste as suas exterioridades mais tristes. Mais se o fascismoitaliano e o nazismo alemão correspondiam a uma etapacapitalista plenamente desenvolvida, o Estado Novo deveriacorresponder a uma etapa capitalista inicial. As contradições deque surgiu o Estado Novo, e as que se mantiveram ouapareceram na sua vigência, apresentaram-se com umacomplexidade que o aparato policial, a brutalidade repressiva e aextremada centralização apenas disfarçaram47.”Durante os anos 30, os dois grandes partidos de massa noBrasil foram o Partido Comunista Brasileiro, que se apresentavacomo a Aliança Nacional Libertadora, proscrito em 1935, e aAção Integralista (AI). Dentre os partidos fechados em dezembrode 1937 estava a Ação Integralista,liderada por Plínio Salgado,partido brasileiro de inspiração fascista, e com grande46Boris Fausto, opcit, página 82.47Nelson Werneck Sodré, op cit, página 329.
  20. 20. proximidade ao governo de Getúlio. Dentre os próceres da AIestava Miguel Reale48, “um de seus elementos mais radicais49”.Segundo Sá Motta, “o integralismo possuía uma doutrinasemelhante à fascista50.” Seus jornais elogiavam frequentementea Mussolini e Hitler, “muito embora os integralistas gostassemde frisar que seu movimento era nacionalista, autenticamentebrasileiro e inspirado na cultura nacional51.” Ao invés de camisasnegras ou marrons, usavam as de cor verde.Em 1937, o ministro das Relações Exteriores fascista,Galeazzo Ciano, decidiu subsidiar financeiramente a AçãoIntegralista52, antes do putsch de Getúlio Vargas, pelasidentidades ideológicas e também porque o candidato daquelepartido para as eleições presidenciais programadas, e depoisfrustradas, Plínio Salgado, para aquele ano era um dos favoritos.Inconformados com o fechamento dos partidos, a AçãoIntegralista tentou um frustrado golpe de Estado, assaltando oPalácio Guanabara em maio de 1938. Os chefes principais darevolta integralista tiveram a fuga para o exterior organizadapelo embaixador italiano, VicenzoLojacono, para a Itália,forjando para tanto a necessária documentação. Miguel Reale“parte clandestinamente, em 2 de julho de 1938, no navioitaliano Augustus com destino a Genova, sob a falsa identidadede Giovanni Sbraglia, cidadão italiano53.”48Posteriormente, reitor da Universidade de São Paulo sob a ditadura militar brasileira(1964 a 1986).49Ricardo Seitenfus, “O Brasil vai à guerra –O processo do envolvimento brasileiro na Segunda GuerraMundial”, Manole, Barueri, 2003, página 51.50Rodrigo Patto Sá Motta, “Introdução à História dos Partidos Políticos Brasileiros”, Editora UFMG, BeloHorizonte, 2008, página 60.51Rodrigo Patto Sá Motta, opcit, página 60.52Amado Luiz Cervo, “As relações históricas entre o Brasil e a Itália”, UNB editora, Brasília, 1991, página139.53Ricardo Seitenfus, opcit, página 139.
  21. 21. Os governos da Alemanha e Itália resolvem trabalhar com oEstado Novo, saudado nestes países. Ambos os países tinhamlargos contingentes de cidadãos no Brasil. A colônia italiana eraestimada em 1940 em cerca de 3 a 5 milhões de pessoas deorigem peninsular, de acordo com estimativas privadas, ouaproximadamente 12% da população do Brasil no período,metade das quais no Estado de São Paulo, que tinha a economiamais desenvolvida do País.Somente o Estado de São Paulo tinha cerca de 360 jornaisem língua italiana54, o Rio de Janeiro, 64, e o Rio Grande do Sul,53. O Brasil tinha na ocasião cerca de 400 escolas italianas55, deiniciativa dos imigrantes e seus descendentes e de ordensreligiosas, e não dos governos italiano e/ou brasileiro. Essenúmero excedia em mais de 2 vezes aquele combinado dasescolas italianas na Argentina e nos EUA.Por sua vez, a colônia alemã no Brasil era estimada, em1940, entre 700 e 900 mil pessoas.56Havia 937 escolas alemãs noRio Grande do Sul em 1930. A imprensa alemã também sepropaga. O jornal Deutsche Zeitung atinge uma tiragem de 55 milexemplares diários em 192857. Em abril de 1939, foram fechadosos jornais estrangeiros. Em novembro do mesmo ano, foinacionalizado o ensino no Brasil58.Por sua vez, o número de imigrantes japoneses e seusdescendentes, em 1940, era estimado em cerca de 650 milpessoas, a maioria das quais no Estado de São Paulo, sendo54Amado Luiz Cervo, opcit, página 61.55Amado Luiz Cervo, opcit, página 61.56Ricardo Seitenfus, opcit, página 11.57Ricardo Seitenfus, opcit, página 15.58Amado Luiz Cervo, opcit, página 149 et seq.
  22. 22. 214.636 os imigrantes originais59e, os demais, seusdescendentes. Os imigrantes japoneses e descendentes tinham294 escolas nipônicas60, apenas em São Paulo, dezenas dejornais, um hospital, o NipponByoin, o Hospital Japão.Na ocasião, por volta de 1941, o número combinado doscidadãos dos países do Eixo no Brasil era, portanto, deaproximadamente 6 milhões e quinhentas mil pessoas, ou quase16% da população total.De mais a mais, o processo demiscigenação racial, típico fenômeno brasileiro, já se fazia notar,particularmente com membros da comunidade italiana.A situação econômica do Brasil se deteriorava de formasubstancial. Crescia o déficit do balanço de pagamentos, emfunção da queda dramática do saldo da balança comercial,devido à diminuição dos preços internacionais das mercadoriasagrícolas. Getúlio Vargas declara a moratória unilateral da dívidaexterna em 1938, perdendo o Brasil o acesso aos mercadosfinanceiros voluntários internacionais.Temia-se, no Brasil, uma potencial iniciativa alemã deindução à separação dos 3 estados do sul do País para a criaçãoda chamada Alemanha Antártica, devido à alta concentração depopulação de origem alemã naquela área do território nacional eà ação de partidos filo-nazistas.Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, em 1º desetembro de 1939, o Brasil se distancia gradativamente dospaíses do Eixo, mais afins ideologicamente do regime do EstadoNovo, e se aproxima dos EUA, que indisfarçadamente apoiava aFrança e a Inglaterra no conflito. Essa opção foi feita por razões59Celia Sakurai, “Imigração Japonesa para o Brasil. Um exemplo de imigração tutelada – 1908-1941”, inWWW.clacso.org.ar/biblioteca, página 10.6060História da Imigração, parte 3, in www.imigracaojaponesa.com.br.
  23. 23. econômicas e financeiras, já que os EUA eram o maior parceirocomercial do Brasil na ocasião. De mais a mais, eventuaisexportações brasileiras para Alemanha e Itália estavam sujeitasao bloqueio da marinha britânica.Por outro lado, o déficit no balanço de pagamentos e aperda de acesso aos mercados financeiros voluntários de crédito,este por força da moratória, levou o Brasil, forçosamente, a umapolítica de substituição de importações, o que representou umincremento substancial da indústria leve no País. Por sua vez,aumentou a intervenção direta do Estado em ferrovias,navegação e indústrias básicas, como petróleo e aço61.A diplomacia dos EUA, antevendo a entrada do país noconflito mundial e a necessidade da cooperação do Brasil nofornecimento de produtos estratégicos e na facilitação de basesno Atlântico Sul, aproximou-se do governo Vargas, largamentecriticado em sua imprensa, pelo viés fascista. Em 1940, foioferecida ao Brasil uma linha de crédito do Eximbank americanopara a indústria de base.A partir de junho de 1940, o Brasil começa a discutir com osamericanos uma eventual cooperação militar na eventualidadede o conflito armado mundial alastrar-se para o continente.Nessa eventualidade, os americanos queriam facilidades egarantir a proteção das regiões do Rio de Janeiro, Salvador,Natal, Fortaleza, São Luís, Teresina, Recife e Belém62.Temiam os americanos tanto uma incursão armada do Eixona região, como movimentos separatistas de cidadãos do Eixo noPaís. Vargas, no entanto ainda relutava e buscava realizar uma61Thomas E. Skidmore, opcit, página 76.62Ricardo Seitenfus, opcit, página 247.
  24. 24. política de equilíbrio que lhe permitisse tirar proveito dascontradições entre os diversos imperialismos. Os americanosviam a posição de Vargas com desconfiança. A recíproca eraigualmente verdadeira.Todavia, a partir de maio de 1941, Vargas adota umapostura de conformidade com aquela dos EUA na questão dadefesa continental e orienta sua diplomacia a buscar o apoio dosdemais países latino americanos, realizando em junho daqueleano a conferência pan-americana no Rio de Janeiro com aqueleobjetivo.Na ocasião, o chanceler brasileiro, Oswaldo Aranha, velhoamigo e colega de Vargas na faculdade de direito de PortoAlegre, alertara o ditador brasileiro, a respeito da proclamadaintenção de neutralidade da Argentina, que o Brasil dependiamais dos EUA (quatro quintos do café exportado, empréstimos)que o país da Bacia do Prata63.Um dia após o ataque japonês a Pearl Harbour, o governode Vargas declarava a solidariedade aos EUA. Por sua vez, no dia11 de dezembro de 1941, Alemanha e Itália declararam guerraao país americano. Em 28 de janeiro de 1942, ao final doencontro de chanceleres continentais, realizado no Rio deJaneiro, a maioria concordou em romper relações com o Eixo,com a exceção de Argentina e Chile64. Na mesma data, o Brasilrompeu relações com os países do Eixo e a imediatamenteAlemanha declara estado de beligerância contra o Brasil.Na ocasião, o Chanceler brasileiro, Oswaldo Aranha,declarou,com a honestidade atípica num diplomata, que “não foi63Amado Luiz Cervo, opcit, página 167.64Roberto Sander, “O Brasil na mira de Hitler – A história do afundamento de 34 navios brasileiros pelosnazistas”, Ponto de Leitura, Rio de Janeiro, 2007, página 31.
  25. 25. Getúlio, nem fui eu, nem foi ninguém que nos forçou a romperrelações. Foi a nossa posição geográfica, a nossa economia, anossa história, a nossa cultura, enfim, a condição nossa de vida ea necessidade de procurar sobreviver65.”Em 3 de março de 1942, Os EUA firmaram um acordo Lend-Lease, Empréstimo-Arrendamento, com o Brasil o qualcontemplava o fornecimento de armas e munições de guerra noexpressivo valor, para a época, de 200 milhões de dólares66, comuma redução de 65% de seu valor real e em condições de créditovantajosas67.Em seguida, foram celebrados acordos permitindo apresença de tropas americanas na região nordeste do Brasil. Foitambém criada a Comissão Técnica Militar Mista comrepresentantes dos dois países.Naquele momento, o Exército do Brasil tinha umcontingente de apenas aproximadamente 66 mil soldados,organizados em 5 divisões de infantaria, das quais 3 foramtransferidas para o nordeste, sob o comando do General Leitãode Carvalho68. O restante da tropa ficaria, como de hábito, nafronteira do País com a Argentina, então percebida como oprincipal inimigo potencial do Brasil.Por sua vez, a Força Aérea Brasileira (FAB), uma armaindependente desde 1941, conseguia estar mais mal equipadaque o Exército, possuindo cerca de 200 aeronaves, poucas dasquais de combate e nenhuma delas moderna. De qualquer65Stanley Hilton, “Oswaldo Aranha – Uma Biografia”, Editora Objetiva Ltda., Rio de Janeiro, 1994, página389.66Posteriormente, o valor ascendeu a 360 milhões de dólares, integralmente pago pelo Brasil emparcelas, a última das quais liquidada no 1º. De julho de 1954. V., nesse sentido, “Causas eConseqüências da Participação do Brasil na II Grande Guerra”, Departamento de Imprensa Nacional,1958, Rio de Janeiro.67Ricardo Seitenfus, op cit, página 280.68Keith Campbell, Brazil in the Second World War, Unisa Centre for Latin American Studies, Pretoria,South Africa, 1992, página 5.
  26. 26. maneira, a FAB transferiu para bases situadas no nordeste dopaís contingentes equipados com material capaz de fazerreconhecimento marítimo, sob o comando do BrigadeiroEduardo Gomes69.Foram criadas bases aéreas em Amapá, Belém, São Luís,Fortaleza, Natal, Recife, Maceió, Salvador e Caravelas, todas elasda maior importância para as operações da aviação militar. Essaseram relacionadas com a proteção dos fluxos de navegaçãomarítima, tanto doméstica quanto internacional, bem como coma campanha anti-submarinos ao longo do extenso litoralbrasileiro70.Em contraste com a situação do Exército e da FAB, aMarinha do Brasil encontrava-se em situação bastante melhor,com o programa de rearmamento em franco progresso. Issotinha a ver com a tradicional capacidade brasileira de construçãonaval estabelecida em território nacional. Em 1937, o Brasil haviarecebido três novos submarinos de fabricação italiana71, que sesomaram a um outro, de 1929, da mesma procedência.Contudo, tais submarinos não puderam ser utilizados nasoperações militares que se seguiram, restringido o seu uso aoadestramento, para evitar o risco de serem confundidos comaqueles do regime fascista italiano72, o que nos dá umaveemente lição histórica de mais um motivo para não adquirirarmas de inimigos potenciais ou de fontes pouco confiáveis, porqualquer motivo que seja.69Keith Campbell, op cit, página 6.70INCAER – Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica, “A participação da Força Aérea Brasileira na IIGuerra Mundial”, in www.incaer.aer.mil.br.71O Tamoio, Tupi e Timbira, da classe italiana Perla.72Keith Campbel, op cit, página 15.
  27. 27. A frota brasileira tinha ainda 9 modernos naviostorpedeiros(destroyers) de desenho americano e inglês, lançadosentre 1940 e 1941 e outras unidades de menor porte. Anavecapitânea da frota brasileira era o encouraçado MinasGerais, que era assemelhado ao encouraçado São Paulo, ambosconstruídos por volta de 1910, sendo que o primeiro havia sidomodernizado em 193973. Em Setembro de 1941, o Brasilofereceu o uso das bases do Recife e Salvador à Força AtlânticoSul da marinha dos EUA, comandada pelo Almirante JonasIngram.A Marinha do Brasil começara já a adestrar os naviosmercantes brasileiros a viajar em comboio, usando asembarcações da classe Carioca como escolta74. É de se ressaltarque, no início dos anos 40, o transporte de carga e depassageiros entre o sul e o norte/nordeste do Brasil ainda erafeito por via marítima, tal qual nos tempos do Império. Assim, obom funcionamento do transporte marítimo brasileiro era umaquestão estratégica decisiva, já que em risco estavam nãoapenas o comércio exterior, mas igualmente as comunicaçõesdomésticas.5.- A DEFESA COSTEIRA E A GUERRA MARÍTIMA E AÉREACom a mera ameaça de beligerância vinda da embaixadaalemã, quando do rompimento das relações diplomáticas entre oBrasil e os países do Eixo, em 28 de janeiro de 1942, a Alemanhaprincipalmente, mas também a Itália, desencadearam uma73Keith Campbell, op cit, página 7.74Keith Campbell, op cit, página 8.
  28. 28. guerra marítima contra os meios de transporte marítimobrasileiro, tendo o cuidado de excluir ataques aos portosbrasileiros. A longa costa brasileira, com 7.4 mil quilômetros deextensão, é sabidamente ainda hoje muito difícil de proteger.Em função dos riscos de transporte e do estado debeligerância, houve uma crise de abastecimento no País,inclusive de itens essenciais, como o combustível, trazendo noseu bojo a carestia e a inflação. Em maio de 1942, o cargueiroComandante Lyra foi torpedeado no Cabo São Roque, por umsubmarino italiano, o Barbarigo75, que foi posteriormenteatacado por um bombardeiro B-25 Mitchell da Força AéreaBrasileira.No início de junho de 1942, mais 3 embarcações cargueiras,ou de caráter misto, da marinha mercante do Brasil, dentre asquais se contavam as naves Alegrete e Paracuri, foram afundadaspor submarinos alemães e italianos ao largo da costa brasileira.Em julho, foram afundados o navio Tamandaré e mais oBarbacena e o Piave. Entre os dias 18 e 19 de agosto de1942,foram afundados pelo submarino alemão U-507 cincocargueiros brasileiros, o Arará, Baependi, Aníbal Benévolo,Itagiba e Araraquara, com aproximadamente 650 mortes dentretripulantes e passageiros.Era grande a indignação da opinião pública nacional. Para odia 4 de julho de 1942, a data nacional dos EUA, a heróica UniãoNacional dos Estudantes (UNE) convocou uma demonstração desolidariedade em frente à embaixada daquele país americano.Setores do governo Vargas representados pelo chefe de polícia75Francisco César Ferraz, “Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial”, Jorge Zahar Editor, Rio deJaneiro, páginas 39 e 40.
  29. 29. do Rio de Janeiro, Filinto Müller, movimentaram-se para impediro ato, que ocorreu finalmente sem incidentes76e com grande eespontânea adesão popular.Em 22 de agosto de 1942, o Brasil reconhece oficialmente oestado de beligerância e, em seguida, declara guerra à Alemanhae Itália no dia 31 de agosto. Conforme bem observam Ruy eBuonicore, “o longo tempo passado entre o início dotorpedeamento dos nossos navios e a decretação de guerramostra as vacilações que ainda existiam no interior dogoverno77.” Contudo, a declaração de guerra contra o Japãosomente foi feita em junho de 1945, ou seja, menos de doismeses antes do fim do conflito militar contra as forças nipônicas.Nesse sentido observa Seintenfus com propriedade, “apartir da entrada do Brasil na guerra, a situação do governoVargas, em particular a do presidente-ditador, torna-sedesconfortável. Getúlio combate oficialmente contra o Eixo pelaliberdade e pela democracia, ao mesmo tempo que mantém opaís sob um regime ditatorial, cópia empalidecida das ditaduraseuropéias78.A declaração de guerra do Brasil às potências do Eixo foitão mais significativa porque ocorreu num momento em que asforças nazistas e fascistas prevaleciam no conflito, ocupandopraticamente todo o continente Europeu. A virada decisiva na 2ª.Grande Guerra Mundial em favor dos aliados viria a ocorrersomente a partir do dia 31 de janeiro de 1943, quando as forças76Ricardo Seitenfus, opcit, página 298.77José Carlos Ruy e Augusto Buonicore, “Contribuição à história do Partido Comunista do Brasil”,Fundação Maurício Grabois/Anita Garibaldi, São Paulo, 2010, página 75.78Ricardo Seitenfus, op cit, página 300.
  30. 30. do Eixo se renderam após a batalha de Stalingrado, na frenteoriental, às tropas do Exército Vermelho79.Poucos dias após a declaração de guerra, mais três naviosmercantes brasileiros foram afundados: o Osório, o Lajes e oAntonico, todos ao largo da região norte do Brasil. Mais para ofinal do ano de 1942, o Porto Alegre foi afundado na costa daÁfrica do Sul e o Apalóide, no mar do Caribe.Diversos outrosataques frustrados foram realizados por submarinos alemães eitalianos.Imediatamente após a declaração de guerra, a FABorganizou patrulhas anti-submarinos e a Marinha do Brasilorganizou um sistema de comboios. A FAB estava a receber jánovos aviões dos EUA sob o regime lend-lease, para fins deguerra anti-submarino, dentre os quais Lockheed A-28ª Hudsons,North American B-25 Mitchells e hidroaviões Catalina80.Apenas para fins de treinamento, os EUA forneceram aoBrasil, só para a Escola de Aeronáutica, de 1942 a 1944, mais detrezentos aviões de instrução81. No período, a FAB formou, noBrasil, 558 oficiais aviadores e, nos EUA mais 281, num total de839.Em 2 de março de 1942, foi criada a Base Aérea de Natal,em Parnamirim, aproveitando-se de uma pequena infraestruturacivil já existente no local. Essa base tornou-se responsável porum triângulo que defrontava o teatro de operações meridional,compreendendo o Sul da Europa, o Norte da África, o Caribe e acosta brasileira. A base de Parnamirim tornou-se uma das mais79Sobre a batalha de Stalingrado, V. por Andrea Marrone, “La Disfatta Del Terzo Reich – La Battaglia diStalingrado”, Newton Compton Editori, Roma, 2012, e, também Antony Beevor, “Stalingrad”, Viking,Londres, 1998.80Keith Campbell, op cit, página 15.81INCAER, op cit, página 4.
  31. 31. movimentadas do mundo, sendo por algum tempo a principal e amais movimentada base americana fora das fronteiras dos EUA.O patrulhamento aéreo em proteção aos comboiosmarítimos representou um grande esforço para a FAB. Milharesde horas de voo eram realizadas mensalmente, de dia e de noite,muitas vezes em condições de mal tempo e em áreas distantescentenas de quilômetros do litoral, em busca dos submarinos,que muito raramente eram avistados82.Por sua vez, os comboios organizados pela Marinha doBrasil, foram protegidos por duas forças navais brasileiras, aForça Naval do Nordeste, que contava como os cruzadores Bahiae Rio Grande do Sul, quatro vasos de escolta da classe Carioca, eum número de embarcações de patrulha e ataque fornecidaspelos EUA, e a Grupo Patrulha do Sul. O Comandante em Chefeda Marinha do Brasil era o Almirante Dodsworth Martins, aopasso que a Força Naval do Nordeste era liderada pelo AlmiranteAlfredo Soares Dutra. O Grupo Patrulha Sul era chefiado peloComandante Ernesto de Araújo.Os comboios que viajavam ao longo da costa brasileira,para o norte, eram escoltados até o Recife pela Marinha doBrasil. A partir do Recife, eram escoltados por unidadesamericanas baseadas no Brasil, até a ilha de Trinidad, no Caribe,de onde eles passavam a integrar o sistema de comboio dohemisfério norte, de responsabilidade dos americanos. Nosentido sul, o procedimento era invertido. A cobertura aérea erafeita desde Belém, no Pará, até a Bahia, por unidades da FAB eamericanas baseadas no Brasil.82INCAER, op cit, página 10.
  32. 32. De 1942 até 1945, os poucos navios da Marinha do Brasil“participaram da escolta interaliada de 251 comboios eefetuaram 195 de escolta exclusivamente brasileira. Conduzirama porto seguro 2881 navios aliados, totalizando 14 milhões detoneladas, por 3.895 milhas de oceano, entre o Rio Grande eTrinidad, nas Caraíbas83...”Em 28 de janeiro de 1943, o presidente dos EUA, FranklinDelano Roosevelt, veio a Natal, no Brasil, para um encontro como Presidente Getúlio Vargas para tratar de questões estratégicase também atinentes à cooperação militar e a campanha conjuntaa ser desenvolvida. Na ocasião, acertou-se a participação detropas brasileiras no teatro de guerra europeu, por iniciativa deGetúlio Vargas.Segundo Boris Fausto, “a decisão de enviar os contingentes– exemplo único entre os países latino-americanos – resultou defatores combinados, entre eles o interesse do governo Vargasem reforçar seu prestígio, considerando-se o entusiasmo daopinião pública pela iniciativa; o desejo de ter uma posiçãoimportante nas negociações do pós-guerra, especialmente noâmbito da Organização das Nações Unidas (ONU), de cujaorganização as grandes potências já cogitavam84”.Vargas via também a participação de tropas brasileiras noconflito mundial projetando uma perspectiva histórica comoparte de seu projeto de construção nacional, pois pretendia,como de fato veio a fazer posteriormente, que tropas de todo oBrasil tomassem parte na força expedicionária a ser formada, demaneira que toda a nação pudesse se orgulhar dos seus feitos85.83Conforme ordem do dia 21 de julho de 1966 do Almirante Arnaldo Toscano.84Boris Fausto, opcit, página 105.85Richard Bourne, op cit, página 161.
  33. 33. Da mesma maneira, Getúlio e Roosevelt cuidaram dacooperação civil, econômica, financeira e comercial entre os doispaíses durante o conflito militar. Essa cooperação não foi, comose poderia imaginar à primeira vista, unilateral por parte dosEUA, já que o Brasil também fez suas contribuições, como cedermuitos dos nossos limitados navios cargueiros para o transportede mercadorias aos EUA.No curso de 1943, 3 modernos destroyers construídos nosestaleiros do Rio de Janeiro, Greenhalgh, Marcílio Dias e Maris eBarros, foram incorporados à esquadra brasileira.Imediatamente em seguida, 8destroyers foram transferidos pelosamericanos à Marinha do Brasil86. Com o aumento do poder defogo de nossa Marinha de Guerra, maiores responsabilidadesforam a ela transferidas no teatro de operações do Atlântico Sul.Por sua vez, a FAB havia organizado suas patrulhas anti-submarinos em três grupos de esquadrões, baseados em Belémdo Pará, o 1º. Grupo, na Base Aérea do Galeão, no Rio deJaneiro, o 2º. Grupo, e em Florianópolis, em Santa Catarina.Esses esquadrões recebiam constantemente novosequipamentos sob o regime Lend-Lease, inclusive os LockheedPV-I Venturas87.O Brasil perdeu 34 navios na 2ª. Guerra Mundial, sendo que33 foram a pique após o rompimento de relações diplomáticascom os países do Eixo, em 28 de janeiro de 1942, e o início doestado de beligerância unilateral posto em prática por estespaíses. Dos nossos navios afundados, 3 eram vasos de guerra88e,86Batizados com os nomes de Bauru, Beberibe, Bertioga, Bracuí, Babitonga, Baependi, Benevente eBocaina.87Keith Campbell, op cit, página 23.88O navio-auxiliar, Vital de Oliveira, a corveta Camaquã, e o cruzador Bahia.
  34. 34. os demais, navios mercantes ou mistos pertencentes ao LloydBrasileiro, o Lloyd Nacional e a Costeira.Durante a 2ª Guerra Mundial, a marinha mercantebrasileira perdeu mais de um terço de sua tonelagem bruta, numtotal de 150.209 toneladas, das quais 73% pertencentes ao LloydBrasileiro. Por sua vez, os países aliados perderam o expressivonúmero de 49 navios no litoral brasileiro, no períodocorrespondente.Por outro lado, conforme levantamento do AlmiranteArthur Oscar Saldanha da Gama, realizado nos arquivos doComando Alemão de Submarinos, constatou que “ao todo foramregistrados 66 ataques da Marinha brasileira a submarinosalemães no Atlântico Sul, que resultaram em danos ou noafundamento de 18 submarinos no litoral brasileiro, dos quaisnove – o U-128, U-161, U-164, U-199, U-513, U-590, U-591, U-598 e o U-662 – foram oficialmente registrados pela Marinhaalemã como tendo sido afundados pela Marinha brasileira89”.6.- A CAMPANHA DA FEB NA ITÁLIA.Em 31 de agosto de 1942, quando da declaração de guerrabrasileira à Alemanha e à Itália, o Exército do Brasil tinha cercade 18 mil homens no nordeste do País, um contingente tãolimitado que escassa proteção poderia oferecer apenas às basesaéreas. No entanto, o Exército Brasileiro não tinha a menor89Revista Marítima Brasileira – Ano LXX1 – out./dez. de 1951. Rio de Janeiro, Imprensa Naval,Ministério da Marinha, 1952.
  35. 35. intenção de passar a guerra restrito ou limitado à defesadoméstica90.Com o acordo fechado entre Getúlio Vargas e FranklinDelano Roosevelt em janeiro de 1943 a respeito do envio detropas brasileiras ao teatro de guerra europeu, foi enviado aoBrasil, pelos EUA, o General Ord, com o fim de negociar osdetalhes da participação do Brasil. Ele chegou à conclusão de queo Brasil estava determinado para a luta e que as tropasbrasileiras teriam um bom desempenho, com um adestramentode quatro a oito meses91. Getúlio Vargas ainda acedeu emcolocar as tropas brasileiras sob a direção estratégica do Exércitodos EUA.Foi atingido um acordo com os EUA quanto a um númerode 60 mil combatentes brasileiros para o teatro de guerraeuropeu, um corpo de exército composto de 3 divisões. Esse eraum número muito ambicioso pois, em 1943, o Brasil possuía umtotal de apenas 90 mil homens em armas.Em 9 de agosto de 1943, foi criada a Força ExpedicionáriaBrasileira, denominada 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária(DIE), sendo estruturada por 3 regimentos de infantaria, oRegimento Sampaio, da Vila Militar do Rio de Janeiro; o 6º.Regimento, de Caçapava, São Paulo; e o 11º Regimento de SãoJoão d’el Rei, Minas Gerais. A artilharia vinha de regimentosbaseados nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. AEngenharia era composta do 9º Batalhão de Engenharia, deAquidauana, Mato Grosso92. Faltavam tanques de guerra à FEB.9090Keith Campbell, op cit, página 25.91Keith Campbell, op cit, págica 25.92J.B. Mascarenhas de Moraes, “A FEB PELO SEU COMANDANTE”, Biblioteca do Exército Editora, Rio deJaneiro, 2005, página26 et seq.
  36. 36. A Cavalaria da FEB era formada pelo 2º Esquadrão deReconhecimento, baseado no Rio de Janeiro. O 1º. Batalhão deSaúde foi organizado com as formações sanitárias de São Paulo edo Rio de Janeiro. A tropa especial foi composta de companhiasdo quartel-general, manutenção, intendência, transmissões,polícia, além da banda de música divisionária93.Em 7 de outubro de 1943, foi nomeado como chefe da FEBo General de Divisão João Batista Mascarenhas de Moraes, “umhomem tranqüilo, cuja falta de ambição política agradava aGetúlio94”. Como resultado dos entendimentos mantidos com osrepresentantes dos EUA, este país ficou de fornecer a metadedos equipamentos e adestramento para uma divisão deinfantaria e de prover a totalidade das necessidades no teatro deguerra.As dificuldades de adestramento foram muitas. Emprimeiro lugar, a doutrina militar brasileira, já obsoleta, tinhasidoinspirada há décadas por missões francesas. Umrecrutamento teve que ser feito. A adaptação ao sistemaamericano e à guerra de movimento representou um desafioconsiderável, principalmente na falta do equipamentopertinente. Manuais tiveram que ser traduzidos. Por outro lado,foi difícil reunir toda a tropa no Rio de Janeiro para treinamentoconjunto, o que só foi possível em março de 1944, sem levar emconsideração o terreno montanhoso do futuro teatro deoperações.Já em julho de 1943, um primeiro contingente de oficiaisbrasileiros, em número de 30, seguiu para os EUA com afinalidade de receber adestramento. Outros seguiram93J. B. Mascarenhas de Moraes, opcit, página 27.94Richard Bourne, op cit, página 161.
  37. 37. posteriormente. No final daquele ano, o General Mascarenhasde Moraes visitou os campos de batalha na África e da Itália,deixando um grupo de observadores junto ao quartel general doV Exército norte-americano95.Sob as ordens do General Mascarenhas de Moraes estavamo General Euclides Zenóbio da Costa, comandante da infantaria,o General Cordeiro de Farias, comandante da artilharia. O chefeda inteligência era o tenente-coronel Amaury Kruel e oresponsável pelas operações foi o tenente-coronel HumbertoCastelo Branco.Houve uma grande ocorrência de voluntários para integrara FEB. Esses eram submetidos a rigorosos exames de seleção.Muitos foram reprovados. Assim, a luta de massa antifascistagarantiu a ampliação dos espaços democráticos e possibilitou areorganização do movimento democrático e popular e do PartidoComunista do Brasil, que orientou seus militantes a seapresentarem como voluntários96.Devido ao alto número de componentes, a FEB não pôdeser enviada de uma só vez ao teatro de operações da Itália. Oprimeiro contingente, em número 5.075 soldados, composto do6º Regimento de Infantaria, unidades precursoras e de apoio,embarcou no Rio de Janeiro em 30 de junho de 1944. Dele fezparte o General Mascarenhas de Moraes. A viagem levou cercade 3 semanas, até o porto de Nápolis, na Campania, tendo sedirigido por terra até a região de Pisa e Livorno, na Toscana.O número de efetivos da FEB foi de 25.334 pessoas, dosquais 20 mulheres, servindo como enfermeiras, nas unidades de95J.B. Mascarenhas de Moraes, opcit, página 32.96Ruy e Buonicore, op cit, página 75.
  38. 38. saúde. O número de combatentes propriamente ditos foi de15.265.Foram eles transportados em navios americanos eescoltados pela Marinha do Brasil, pela FAB e por unidades daMarinha dos EUA.Os febianos tiveram seu batismo de fogo do dia 16 desetembro de 1944, quando entrou em ação a artilharia brasileira.As tropas brasileiras foram reforçadas por 3 companhias detanques alemães. No início, a FEB encontrou dificuldades demenor intensidade, pois as tropas alemães estavam a se retirarpara a posição defensiva fortificada chamada Linha Gótica.A primeira cidade italiana a ser liberada pela FEB foiMassarosa, em 16 de setembro de 1944. Em seguida, foramlibertadas as cidades de Bozzano e Quiesa, onde o GeneralZenóbio da Costa estabeleceu o seu quartel general97. Emseguida, a FEB passou a operar no vale do Serchio, num terrenoprogressivamente mais acidentado, que facilitava a defesa.Nessa operação, a FEB conquistou as vitórias de Camaiore,Monte Prano e Barga.Note-se que a Itália jamais havia sido conquistada nosentido sul-norte, mesmo Aníbal e Napoleão invadiram apenínsula no sentido oposto. Em seguida, a FEB passou ao valedo Rio Reno, dentro do raio de alcance da artilharia alemã. Onovo objetivo brasileiro foi o conjunto Belvedere, Torracia,Monte Castelo, posições montanhosas bastante elevadas quedominavam o acesso à importante cidade de Bologna.De novembro de 1944 a fevereiro de 1945, as tropasbrasileiras dominaram a defesa de Belvedere. Em seguida, osfebianos conquistaram Torracia e alcançarama crista de Monte97O quartel general da divisão ficou localizado perto de Pisa.
  39. 39. Castelo, com o apoio aéreo da FAB, uma campanha muito dura,realizada em pleno e rigoroso inverno, sem roupas adequadas,em terreno adverso e contra uma tropa de veteranosexperientes.Desde 16 de setembro de 1944, a FEB conquistou aoinimigo, “às vezes palmo a palmo, cerca de 400 quilômetros, deLucca a Alessandria, entre os vales dos riousSerchio, Reno ePanaro e na planícia de Pádova; libertou mais de 50 vilarejos ecidades. Dentre essas, Montese foi o primeiro município italianolibertado pela FEB, no 14 de abril de 1945, no curso de umabatalha que durou três dias e deixou a região em estado dedesolação e destruição98...’Segundo o MuseoStorico de Montese, “freqüentes epositivos foram também os relacionamentos com a populaçãocivil, marcados por um clima de amizade e calor humano: daparte brasileira os socorros e abastecimento aos civis foramfreqüentemente bem além dos limites estabelecidos pelosAliados99.”Em reconhecimento ao relacionamento fraternal que seestabeleceu com os soldados da FEB, Montese dedicou a eles,além da Sala 5 do Museu Histórico, dois monumentos100, umarua e uma praça101. Ademais, a FEB estabeleceu umrelacionamento de estreita colaboração com as forças italianasde resistência aos alemães, osheróicos“partigiani”, em especialcom as “BrigataGiustizia e Libertà” e com a “Divisione Garibaldi”.98WWW.MUSEO.COMUNE.MONTESE.MO.IT, La Força Expedicionária Brasileira – FEB.99La Força Expedicionária Brasileira – FEB. Op cit. V. nota 93.100Outros monumentos há, na Itália, em homenagem à FEB, inclusive um intitulado “Liberazione”, comMonte Castelo ao fundo.101La Força Expedicionária Brasileira – FEB. Op cit. V. nota 93.
  40. 40. No dia 26 de abril de 1945, a FEB entrou em contato com a148ª Divisão Alemã, que incluía a divisão fascistaBersaglieri,pressionando-a em Fornovo, cortando sua retiradapara o Norte e encurralando-a pela retaguarda, contra osApeninos, até a rendição incondicional102feita pelo General OttoFetterPizo. Acolhia a FEB um contingente de 20.573 combatentesalemães e fascistas italianos103, entre os quais dois generais e892 oficiais. Esse número equivalia ao do próprio contingente daFEB; um feito extraordinário!O emblema da FEB estilizava uma cobra a fumar, umaresposta tanto firme quanto bem humorada ao comentárioatribuído a Adolf Hitler quando da declaração de guerra do Brasilà Alemanha e Itália, segundo o qual seria mais fácil uma cobrafumar do que as tropas brasileiras fazerem uma diferença noscampos de batalha.As baixas da FEB no teatro de guerra da Itália foram de 465mortos, dos quais 13 oficiais e 444 praças; 2.722 feridos eacidentados; e 35 prisioneiros, dos quais 1 oficial e 34 praças.Em 10 de setembro de 1944 começou o deslocamento doGrupo de Caça da FAB para a Itália, terminando a 7 de outubrona base aérea de Tarquínea, próxima a Pisa. Ele foi equipadocom aviões americanos P-47 Thunderbolt, de excelentequalidade, e operaram como caça bombardeiros, cujos objetivosvisavam a três fins:a) Apoio às forças terrestres na frente de combate;b) Isolamento do campo de batalha pela interrupçãosistemática das vias de comunicação no vale do Pó; e102Legião Paranaense do Expedicionário, Roteiro da Força Expedicionária Brasileira na Campanha daItália, Imprensa Oficial, s/d.103Dentre os quais o General Fascista Mario Carloni.
  41. 41. c) Destruição da indústria e instalações militares ao norteda Itália104.No início de novembro, o Grupo de Caça da FAB passou aoperar com esquadrilhas completamente constituídas poroficiais brasileiros e recebendo os seus próprios objetivos aserem atacados. Em dezembro, o Grupo deslocou-se para a baseaérea de Pisa, próxima da região dos combates.A respeito da participação da FAB na conquista de MonteCastelo, o General Mascarenhas de Moraes observou que“aviões da FAB haviam arrasado a resistência germânica deMazzancana, numa arrojada participação no combate terrestre enum exemplo inesquecível de união dos expedicionários do ar eda terra105.”Entre os 48 pilotos do Grupo de Caça da FAB houve umtotal de 22 baixas. A Esquadrilha de Ligação e Observação daFAB, que trabalhou com a artilharia da FEB realizou 682 missõesde guerra106. O Grupo de Caça da FAB executou no teatro deguerra da Itália um total de 445 missões, com 2.546 saídas devôo. Destruiu 1304 viaturas motorizadas, 250 vagõesferroviários, 8 carros blindados, 25 pontes de estrada de ferro ede rodagem e 31 depósitos de combustível e de munição. Numaanálise comparativa, o Grupo de Caça da FAB teve o melhordesempenho entre as forças aliadas no referido teatro deoperações militares.Por exemplo, durante o período de 6 a 29 de abril de 1945,o Grupo de Caça da FAB voou 5% das saídas executadas pelo XXII104“O Brasil na II Guerra Mundial” in www.brasilinter.com.br105J.B; Mascarenhas de Moraes, op cit.106“A Participação da Força Aérea Brasileira na II Guerra Mundial”, opcit, página 21.
  42. 42. Comando, mas foi responsável por 15% dos veículos destruídos,28% das pontes destruídas, 36% dos depósitos de combustíveldanificados e 85% dos depósitos de munição danificados107.“Senta a Pua”, gíria da época para força total, tornou-se ogrito de guerra do Grupo de Caça. O símbolo mostrava umaavestruz, ave que tudo come, com uma metralhadora e umescudo com o Cruzeiro do Sul, sobre as nuvens e com molduraverde amarela. Ruy Moreira Lima, em sua obra clássica sobre aFAB na Itália, conta a história de sua criação108.Durante a campanha na Itália, a FAB perdeu cerca de trêspilotos por mês, incluindo aqueles pilotos abatidos e mortos,desaparecidos e capturados. A bravura dos componentes da 1ªDivisão de Caça da FAB, somada ao extraordinário sentido documprimento do dever, proporcionou ao grupo a incomumhonraria da citação presidencial americana.Benito Mussolini foi preso pelospartigiani italianos no dia27 de abril de 1945, quando tentava evadir-se para a Alemanha,em comboio alemão e vestido de soldado alemão,tendo sidofuzilado no dia seguinte109. Seu corpo, mutilado, foi exposto naPiazzale Loreto, em Milão. Acabou assim a infausta aventura dofascismo , que tantos sofrimentos trouxe ao povo italiano.Concluiu-se, igualmente, a ação da tanto artificial como bizarraRepública de Salò, governo fascistainstaurado pelos alemães naparte do país controlada por estes, após a rendição da Itália em28 de agosto de 1943.107“A Participação da Força Aérea Brasileira na II Guerra Mundial, opcit, página 20.108Ruy Moreira Lima, “Senta a Pua!, Editora Itatiaia Limitada, Belo Horizonte, segunda edição, 1989,página 40.109109CristopherHibbert, op cit, página 310 et seq.
  43. 43. Em meados de abril, o Exército Vermelho, sob o comandodo MarechalGeorgyZhukov atingiram Berlin110, a capital alemã,uma cidade cuja população de 4.5 milhões anteriormente àguerra, tinha caído para cerca de 3 milhões, dos quais 2 milhõeseram mulheres e 120 mil pessoas eram crianças. As tropassoviéticas tinham 77 divisões de infantaria apoiadas por 3.155tanques e cerca de 15 mil peças de artilharia.Adolf Hitler suicidou-se no seu abrigo em Berlin no dia 1ºde maio de 1945111. 625 mil alemães, incluindo 125 mil civis,morreram na Batalha de Berlin. Na mesma data do suicídio deHitler, Joseph Stalin, o ditador soviético, anunciou a queda deBerlin para o mundo112. As tropas alemães renderam-se às forçasaliadas no dia 8 de maio de 1945, em Berlin, terminando assim afase européia da II Guerra Mundial113.Por ocasião da rendição das tropas alemãs e fascistas aosAliados e a consequente cessação das hostilidades na penínsulaitaliana, o General João Baptista Mascarenhas de Moraes baixou,em 3 de maio de 1945, a ordem do dia que passaria para aHistória, na qual afirmou com grande sensibilidade: “hoje, équase toda a humanidade que se ajoelha contrita, espíritoreanimado pela esperança, coração redivivo pela fé epensamento voltado para a reconstrução do mundo e o bem dacoletividade... E, com orgulho sem jactância, e confiança semexageros, retornemos aos nossos lares, aos nossos quartéis e110Geoffrey Roberts, “Stalin’s General – The Life of GeorgyZhykov, Icon Books, London, 2012, página 224et seq.111Cornelius Ryan, “The Last Battle”, Popular Library, USA, 1966, página 507.112Geoffrey Roberts, op cit, página 230.113No teatro asiático, o Japão rendeu-se incondicionalmente em 2 de setembro de 1945, na baia deTóquio.
  44. 44. postos de trabalho, para prosseguirmos na faina sagrada de fazerum Brasil forte e respeitado, num mundo livre e feliz114.”7.- CONCLUSÕES.Os voluntários brasileiros integrantes da FEB deram-seconta imediatamente da dura contradição de estarem a lutar noteatro de guerra europeu contra as ditaduras e pela prevalênciados valores democráticos, enquanto que o regime político pátrioera assemelhado àquele dos inimigos do Brasil. Em 1944, GetúlioVargas recebera de seus serviços de informações a respeito daexistência de críticas dentre os oficiais brasileiros na Itália aodéficit democrático no País115.Dentre os defeitos de Getúlio Vargas não estavacertamente a falta de um senso político bastante sensível.Sabedor dos anseios democráticos do povo brasileiro e darepercussão desses sentimentos nas Forças Armadas do Brasil,tradicionalmente muito próxima dos valores nacionais expressospelas camadas populares, Getúlio já havia acenado com ademocratização do País.De fato, em 10 de novembro de 1943, ele já haviadeclarado, por ocasião das comemorações do 6º aniversário dogolpe de 1937 que “em ambiente próprio de paz e ordem, comas garantias máximas à liberdade de opinião, reajustaremos aestrutura política da nação, faremos de forma ampla e segura114J.B. Mascarenhas de Moraes, opcit, página 220 et seq.115Thomas E Skidmore, opcit, página 82.
  45. 45. asnecessárias consultas ao povo brasileiro116”. Seis meses depois,em 15 de abril de 1944, ele reiteraria a promessa.Contudo, Getúlio Vargas, confortável com o Estado Novo,procurou procrastinar ao máximo a liberalização da ordempolítica brasileira, mesmo sabendo que, quando foram enviadasas tropas brasileiras à Itália, a sorte do conflito estava selada eque sua conclusão seria apenas uma questão de tempo. Essaprocrastinação ocorreu apesar da posição expressa por OswaldoAranha, de aconselhar a realização de eleições gerais no maisbreve prazo possível117.“Em janeiro e fevereiro de 1945, com a guerra na Europaentrando na sua última fase, a estrutura do Estado Novorepentinamente desmoronou118.” Em 18 de abril daquele ano,Getúlio Vargas decretou uma anistia geral e libertou os presospolíticos, inclusive Luiz Carlos Prestes e seus companheiros doPartido Comunista, que passou a operar na legalidade.Os principais chefes militares, Eurico Dutra e GóisMonteiro, elementos reacionários com um passado de estreitaafinidade, admiração e cooperação com o fascismo europeu,apresentaram-se como democratas e exigiram a realização deeleições presidenciais livres, marcadas para o dia 2 de dezembrode 1945. A eleição para os governos e legislativos estaduaisrealizar-se-ia em 6 de maio do mesmo ano.Mesmo assim, em 29 de outubro de 1945, um golpe militarderrubou o governo, tendo Getúlio Vargas se retirado para suafazenda em São Borja, no Rio Grande do Sul. Segundo Basbaum,116Apud Thomas E Skidmore, op cit, página 82.117Stanley Hilton, op cit, página 389.118Richard Bourne, op cit, página 167.
  46. 46. Góis e Dutra procuravam impedir uma guinada de Getúlio, quetambém havia restabelecido relações com a URSS, à esquerda119.O novo presidente, José Linhares, que assumiuinterinamente o cargo após o golpe, sem evidentemente ummandato público, manteve as eleições nas datas aprazadas econvocou uma Assembleia Nacional Constituinte. A novaConstituição Brasileira foi promulgada em 18 de setembro de1946.Dutra e Góis Monteiro eram contra a permanência dastropas brasileiras na Europa, como força de ocupação, temerososdo efeito da exposição dos contingentes pátrios às novas ideiasdemocráticas que certamente emergiriam no pós-guerra. Foiuma decisão à altura do caráter de tais líderes, que inclusiveprejudicou a posição de influência do Brasil na reconstrução danova ordem internacional.Nos meses de julho e agosto de 1945, as tropas da FEBretornam ao Brasil, em transportes brasileiros, incluindo o PedroI, o Pedro II e o Duque de Caxias120. Conforme observa BorisFausto, “Dutra e Góis trataram de desmobilizar rapidamente osexpedicionários, e eles foram proibidos de dar declaraçõespúblicas e até mesmo de andar uniformizados pelas ruas,portando medalhas e condecorações. Na vida civil, asassociações de ex-combatentes lutaram para assegurar seusdireitos, mas muitos enfrentaram dificuldades de emprego esofreram as consequências traumáticas da guerra, entre elasdistúrbios mentais e alcoolismo.”119Leôncio Basbaum, op cit, página 132 et seq.120J.B. Mascarenhas de Moraes, opcit, páginas 256 e 257.
  47. 47. Como resultado imediato da guerra, surgiu uma novaordem jurídica internacional. Em abril de 1945, no final daconfrontação, representantes de 50 Estados, inclusive o Brasil,reuniram-se na Conferência das Nações Unidas sobre aOrganização Internacional, na cidade de São Francisco,Califórnia, EUA, para deliberar sobre a Carta das Nações Unidas,que foi assinada no dia 26 de junho de 1945. A ONU passou aexistir formalmente a partir do dia 24 de outubro de 1945, comsede na cidade de Nova Iorque, nos EUA121.A Carta da ONU é o tratado internacional da mais altahierarquia e oferece um mecanismo para o desenvolvimento dodireito internacional. Os propósitos da ONU são a manutençãoda paz e da segurança internacionais; o desenvolvimento derelações amistosas entre os Estados baseadas na isonomia eautodeterminação dos povos; a cooperação internacional; e acoordenação de ações comuns122.O poder efetivo da ONU está concentrado num Conselhode Segurança, composto por 15 membros da ONU, dos quais 5são permanentes: a China, a Rússia, a França, o Reino Unido e osEUA123. Durante as negociações de Yalta, de 4 a 18 de fevereirode 1945, Roosevelt propôs o nome do Brasil como membropermanente do Conselho de Segurança124, iniciativa que foivetada por Stalin.Diversas outras agências especializadas da ONU foramcriadas, incluindo o Banco Mundial, o Fundo MonetárioInternacional (FMI) e o Acordo Geral de Tarifas e Comércio121Durval de Noronha Goyos Jr., “O Novo Direito Internacional Público e o Embate contra a Tirania”,Observador Legal, São Paulo, 2005, página 31.122Durval de Noronha Goyos Jr., opcit, página 33.123Durval de Noronha Goyos jr., opcit, página 37.124S.M. Plokhy, “YALTA – The price of peace”, Penguin Books, London, 2010, página 120.
  48. 48. (GATT), hoje a Organização Mundial do Comércio (OMC). Aospoucos foi instituída uma ordem jurídica internacional que, aindaimperfeita, é um progresso considerável face à anomia anterior.O regime jurídico internacional criado a partir de 1945contribuiu decisivamente para que a chamada Guerra Fria,resultante da divisão do mundo em dois blocos com visõesbastante distintas, um liderado pelos EUA e outro pela URSS, nãoevoluísse para a 3ª Guerra Mundial. Da mesma forma, a ONUcontribuiu para o processo de descolonização que se seguiu e aela a consciência humanística internacional é muito grata por talação decisiva.A participação do Brasil da 2ª Guerra Mundial, além dacontribuição militar propriamente dita, e do fornecimento daschamadas mercadorias estratégicas, afinou os sentimentosdemocráticos e valores humanísticos do povo brasileiro com osdaqueles que se bateram por um mundo fundado numa ordemjurídica supranacional.É natural que a consciência popular brasileira desejasse omesmo para o País. Contudo, o Brasil ainda passaria por algumasdécadas de turbulência política e graves desafios, antes quenossas instituições se aperfeiçoassem para uma sólidademocracia.Por outro lado, é inegável que o Estado nacional brasileiro ebem assim o regime federalista pátrio saíram fortalecidos doconflito mundial, devido às experiências dialéticas havidas desdea Revolução de 30. Do ponto de vista da implantação de umaindústria de base do Brasil, a decisiva política governamental deVargas, com a cooperação recebida dos EUA como elemento denegociação com o País, o balanço foi altamente positivo.
  49. 49. Com a proibição das línguas estrangeiras no Brasil,reforçou-se o uso da língua portuguesa nos vastos contingentesde imigrantes existentes no País, que jamais foram confinados acampos de concentração como nacionais inimigos, apesar depressões recebidas dos EUA nesse sentido e resistidas porGetúlio Vargas. Da mesma forma, com a integração linguística,intensificou-se o processo benigno de miscigenação racial, quepromove a tolerância e marca a cultura nacional. O fechamentodas escolas estrangeiras trouxe ao Estado brasileiro a obrigaçãode preencher o vácuo, o que foi feito com crescente sucessoatravés dos anos.Nos anos seguintes, com a redemocratização do Brasil apartir de 1986, a contradição principal do País deixou de ser oesforço pela instalação de um regime democrático paraconsubstanciar a promoção do crescimento econômico edesenvolvimento social, marcado pela resistência a umimperialismo econômico dos EUA, no âmbito doméstico, e pelaoposição ao exercício arbitrário das próprias razões nas relaçõesinternacionais por parte daquele país.De sua vez, a Itália saiu da experiência fascista e da guerracom a economia destruída, com um território menor sem aVeneza Giulia, sem o império fascista125, mas com a esperançaque pudesse iniciar uma época de liberdade, de justiça social ede bem estar social. Toda a população se empenhou nareconstrução econômica do país, que levou nada menos de 10anos. Essas transformações não ocorreram sem conflitos sociaise sem crises no regime democrático que se instalou no país apartir de 1946126. A reconstrução política do país continua até125Arrigo Petacco, “LA NOSTRA GUERRA – 1940-1945”, Mondatori, Milano, 1995, páginas 296 e 297.126Laura Magni, “La Storia d’Italia”, AMZ Editrice, Milano, 1989, página 250.
  50. 50. nossos dias, da mesma forma que a luta contra a criminalidadeorganizada.A Alemanha saiu não apenas destroçada da 2ª GuerraMundial, com um território um quarto menor, mas também“dividida em dois Estados rivais e antagônicos127”. Sua populaçãopassava fome e frio e vivia ao relento nas ruínas. Em 23 de maiode 1949 foi fundada a República Federal da Alemanha (RFA),unificando as 3 zonas ocupadas pelas potências ocidentais.Na zona oriental, controlada pela URSS, foi organizada achamada República Democrática Alemã (RDA), fundada em 7 deoutubro de 1949128. Os dois Estados foram reunificados em 3 deoutubro de 1990 quando, mediante o Tratado de Unificação, “aRFA soberana incorporou, não a RDA, que se dissolvera, mas oscinco antigos Länder ... sobre cujo territórios ela se constituía129”.Da mesma forma que Alemanha e Itália, o Japão saiuigualmente arruinado da 2ª Guerra Mundial e ainda destruídopela desnecessária explosão de duas bombas atômicas emcentros urbanos, pelos EUA. O país reconstruiu sua economiaque, rapidamente, tornou-se uma das maiores do mundo. Foiinstalada a democracia parlamentar preservando-se a tradicionalmonarquia.Muitos brasileiros de origem japonesa foram acolhidoscomo trabalhadores no país de origem de seus ancestrais, semabandonar o domicílio no Brasil, e isso intensificou o intercâmbiohumano, cultural e linguístico entre os países.127LA Moniz Bandeira, “O milagre alemão e o desenvolvimento do Brasil 1949-2011, Editora UNESP, SãoPaulo, 2011, página 88.128LA Moniz Bandeira, opcit, página 85 et seq.129LA Moniz Bandeira, “A Reunificação da Alemanha”, Editora UNESP, São Paulo, 2009, página 204.
  51. 51. No pós-guerra, as relações econômicas, políticas e culturaisentre o Brasil, Alemanha, Itália e Japão, desenvolveram-se deforma admirável, com intensa cooperação nos mais diversosníveis. Nossos países hoje juntos defendem os mesmos valoreshumanísticos e os promovem interna e internacionalmente.Em boa parte, isso é resultado do esforço dos homens emulheres que compuseram a Força Expedicionária Brasileira, ebem assim ao notável esforço do povo brasileiro, a partir de umpaís em via de desenvolvimento, pelo que este capítulo daHistória não deve e não pode ser esquecido também por tudo omais que representa.

×