Suporte Básico de Vida

26.787 visualizações

Publicada em

Actividade desenvolvida na turma CEF de Acção Educativa do Agrupamento de Escolas de Briteiros.

Publicada em: Educação
1 comentário
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.787
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
135
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
904
Comentários
1
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Suporte Básico de Vida

  1. 1. Actividade: Primeiros Socorros<br />Destinatários: alunos do CEF de Acção Educativa <br />Escola EB2,3 de Briteiros<br />Princípios de Primeiros Socorros<br />Enf. Paula Arantes<br />Centro de Saúde das Taipas<br />Março, 2010<br />
  2. 2. Princípios de Primeiros Socorros<br />Centro de Saúde dasTaipas<br />ACES Ave II Guimarães-Vizela<br />Março, 2010<br />
  3. 3. 1 - MALA DE EMERGÊNCIA<br />MATERIAL<br /> Soro fisiológico – 10 ml<br /> Álcool 90º<br /> Luvas Exame não Estéreis Tamanho M<br /> Compressas Esterilizadas Média (10*10cm) <br />Pacote 5<br /> Pensos rápidos<br /> Adesivo Seda (5*5cm)<br /> Tesoura<br /> Termómetro Digital<br />
  4. 4. 1 - MALA DE EMERGÊNCIA<br />MEDICAÇÃO<br />Paracetamol (Xarope – 40mg/ml)<br />Paracetamol (Comp. 500mg)<br />Fenistil Gel® (30gr.)<br />
  5. 5. 2 – SITUAÇÕES ESPECIAIS<br />FEBRE<br />ENTORSES<br />HEMORRAGIA NASAL<br />FERIDAS<br />QUEIMADURAS<br />DESMAIO<br />CONVULSÕES<br />CORPOS ESTRANHOS<br /> OLHOS<br /> OUVIDOS<br /> NARIZ<br /> VIA AÉREA<br />SUPORTE BÁSICO DE VIDA<br />
  6. 6. 2.1 - ACTUAÇÃO EM CASO DE FEBRE<br />Temperatura axilar ≥ 38º<br /><ul><li> Contactar a família
  7. 7. Administrar antipirético </li></ul>(com autorização dos pais/encarregado de educação)<br /><ul><li> Resguardar de correntes de ar</li></li></ul><li>2.2 – ACTUAÇÃO EM CASO DE ENTORSE<br />O QUE FAZER:<br />Evitar movimentar a articulação lesada.<br />Aplicar gelo ou deixar correr água fria sobra a articulação.<br />Consultar o médico.<br />O QUE NÃO FAZER:<br />Aplicar calor – aumenta a dor e o inchaço.<br />
  8. 8. 2.3 – ACTUAÇÃO EM CASO DE HEMORRAGIA NASAL<br />O QUE FAZER:<br />Calçar luvas descartáveis antes de qualquer procedimento;<br />Comprimir com o dedo a narina que sangra;<br />Aplicar gelo exteriormente;<br /> NOTA:Se a hemorragia persistir mais de 10 min. transportar a criança para o hospital.<br />O QUE NÃO FAZER:<br />Inclinar a cabeça para trás;<br />Deitar a vitima;<br />Colocar a água oxigenada ou qualquer outro desinfectante.<br />
  9. 9. O que fazer<br />O que não fazer<br />2.4 – ACTUAÇÃO EM CASO DE FERIDAS<br />Lavar as mãos e utilizar luvas descartáveis;<br />Deixar correr água, sem tocar;<br />Irrigar com SF 0,9%;<br />Proteger provisoriamente a ferida com uma <br />compressa esterilizada.<br /><ul><li>Tocar nas feridas sem luvas.
  10. 10. Reutilizar o material;
  11. 11. Soprar, tossir ou espirrar para a ferida;
  12. 12. Colocar água oxigenada ou qualquer desinfectante;
  13. 13. Deixar material utilizado exposto ao ar e superfícies sujas.</li></li></ul><li>2.4 – ACTUAÇÃO EM CASO DE FERIDAS<br />Feridas extensas/profunda;<br />Proteger com uma compressa esterilizada.<br />Ligar 112<br /><ul><li>Feridas com hemorragia activa;
  14. 14. Com suspeita de presença de corpos estranhos;</li></ul>Comprimir local de saída do sangue.<br />Se necessário tentar aproximar os bordos da ferida.<br />Não retirar objectos estranhos.<br />Ligar 112<br />
  15. 15. 2.4 – ACTUAÇÃO EM CASO DE FERIDAS<br />Feridas nos Olhos<br />Cobrir o olho com compressa esterilizadas<br />humedecidas com soro fisiológico.<br />Encaminhar para Hospital.<br />
  16. 16. O que fazer<br />2.5 – ACTUAÇÃO EM CASO DE QUEIMADURAS<br />Lavar a queimadura durante 20 min. com água corrente.<br />Proteger com compressa humedecida.<br />Enviar para os Serviços de saúde.<br />O que não fazer<br /> Colocar manteiga ou pasta de dentes.<br /> Tentar retirar vestígios de roupas ou corpos estranhos.<br />
  17. 17. 2.4 – ACTUAÇÃO EM CASO DE DESMAIO<br />Desmaio <br />(Lipotímia)<br />Perda temporária de consciência.<br />Dor ou emoção forte;<br />Ambientes abafados e quentes;<br />Descida de tensão arterial;<br />Descida de açúcar no sangue.<br />Deitar a pessoa confortavelmente;<br />Elevar os membros inferiores;<br />Avaliar A B C<br />O que fazer:<br />
  18. 18. 2.5 – ACTUAÇÃO EM CASO DE CONVULSÃO<br />Afastar tudo o que possa magoar.<br />Reduzir estímulos.<br />Quando acabar avaliar:<br />Se inconsciente PLS<br />Chamar 112<br />O que fazer:<br />A B C<br /><ul><li>Não restringir movimentos.
  19. 19. Não introduzir nada na boca.
  20. 20. Não estimular.</li></ul>O que não fazer:<br />
  21. 21. 2.5 – ACTUAÇÃO NO CASO DE PRESENÇA DE CORPOS ESTRANHOS<br />OLHO<br />Lavar as mãos, com água e sabão.<br />Abrir a pálpebra do olho. <br />Apertar a ampola de soro fisiológico sobre o olho<br />(dentro para fora). <br />Repetir duas ou três vezes, até a ampola acabar.<br />
  22. 22. 2.5 – ACTUAÇÃO NO CASO DE PRESENÇA DE CORPOS ESTRANHOS<br />OLHO<br />Se não obtiver resultado colocar compressa humedecida e enviar ao hospital;<br />Não esfregar o olho, nem utilizar papel, algodão ou outro material para o limpar.<br />
  23. 23. 2.5 – ACTUAÇÃO NO CASO DE PRESENÇA DE CORPOS ESTRANHOS<br />OUVIDO<br />Quer se trate de um insecto ou corpo estranho não tente remove-lo.<br /> Enviar ao hospital.<br />
  24. 24. 2.5 – ACTUAÇÃO NO CASO DE PRESENÇA DE CORPOS ESTRANHOS<br />NARIZ<br /> Pedir à criança para se assoar com força, comprimindo com o dedo a narina contrária.<br />Se não resultar<br />Encaminhar para o Hospital <br />
  25. 25. 2.5 – ACTUAÇÃO NO CASO DE PRESENÇA DE CORPOS ESTRANHOS<br />VIA AÉREA<br />A obstrução da via aérea por corpo estranho é uma causa rara, mas potencialmente tratável, de morte acidental.<br />
  26. 26. 3 – OBSTRUCÇÃO DA VIA AÉREA<br />A maioria das situações de obstrução da via aérea ocorrem durante a ingestão de alimentos e muitas vezes presenciadas.<br />OBSTRUÇÃO LIGEIRA<br />OBSTRUÇÃO GRAVE<br />
  27. 27. Manifestações clínicas<br />Obstrução ligeira<br />Responde às perguntas - “engasgou-se?<br />A vitima responde que sim.<br />Obstrução Grave<br />Não responde às perguntas - “engasgou-se?”<br />A vitima não consegue falar.<br />Só consegue acenar a cabeça.<br />
  28. 28. Desobstrução da via aérea no adulto e crianças de idade superior a 1 ano.<br />OBSTRUÇÃO LIGEIRA DA VIA AÉREA.<br />Incentivar a vitima a tossir.<br />Tentar acalmar a vitima.<br />
  29. 29. Desobstrução da via aérea no adulto e crianças ( > 1 ano)<br />Aplicar Cinco <br />Palmadas entre as Omoplatas <br />(inter-escapulares)<br />OBSTRUÇÃO<br />GRAVE<br />Se não resolver:<br />Aplicar Cinco<br />Compressões Abdominais<br />
  30. 30. Desobstrução da via aérea no adulto e crianças de idade superior a 1 ano.<br />Obstrução grave da via aérea<br />VITIMA INCONSCIENTE<br />Coloca-la cuidadosamente no chão.<br />Ligar 112 de imediato.<br />Iniciar SBV.<br />
  31. 31. Desobstrução da via aérea no adulto e crianças de idade superior a 1 ano.<br />Avaliar a gravidade<br />Obstrução grave<br />(Tosse ineficaz)<br />Obstrução ligeira<br />(Tosse eficaz)<br />Consciente<br />5 palmadas entre as omoplatas<br />5 compressões abdominais.<br />Inconsciente<br />Avaliar Respiração<br />SBV?<br />Incentivar a tosse<br />Vigiar se a tosse se torna ineficaz ou se a via aérea obstrui<br />
  32. 32. 4 – Posição Lateral de Segurança<br />Quando não há suspeita de trauma.<br />Vitima inconsciente mas ventila e respira eficazmente.<br />Libertar a Via Aérea e Promover a protecção da via aérea.<br />
  33. 33.
  34. 34. 5 – SUPORTE BÁSICO DE VIDA<br /> Cerca de 700.000 PCR por ano na Europa.<br /> Sobrevivência até alta Hospitalar 5%.<br /> Nos casos em que a vítima tem acesso a SBV precoce, <br />a sobrevivência aumenta 2 a 3 vezes.<br /> SBV imediato e Desfibrilhação precoce (1 a 2´) <br />resulta em taxas de sobrevivência superiores a 60%.<br />
  35. 35. Curso de Suporte Básico de Vida<br />
  36. 36. 5 – SUPORTE BÁSICO DE VIDA<br />OBJECTIVOS<br /> Conhecer os elos da Cadeia de Sobrevivência.<br /> Reconhecer uma vítima em paragem cárdio-respiratória.<br /> Aplicar as medidas universais de protecção e garantir <br />condições de segurança.<br /> Realizar correctamente Suporte Básico de Vida <br />reconhecendo a importância dos pedidos de ajuda.<br />
  37. 37. 5 – SUPORTE BÁSICO DE VIDA<br />CADEIA DE SOBREVIVÊNCIA<br />
  38. 38. ALGORITMO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA<br />Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  39. 39. Riscos Potenciais<br /><ul><li>Ambientais:
  40. 40. tráfego, incêndios, desmoronamentos…
  41. 41. Intoxicações:
  42. 42. cianetos, ácidos, organofosforados…
  43. 43. Infecções:
  44. 44. tuberculose, HIV, meningite…</li></ul>Avaliar condições de segurança<br />AVALIAR CONDIÇÕES DE SEGURANÇA<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  45. 45. Medidas de Protecção<br />Avaliar condições de segurança<br />Máscara<br />Luvas<br />Bata<br />Máscaras de reanimação,<br />com filtro e válvula unidireccional <br />AVALIAR CONDIÇÕES DE SEGURANÇA<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  46. 46. Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Abanar suavemente os<br />ombros e perguntar;<br />Está bem, sente-se bem?<br />AVALIAR A CONSCIÊNCIA<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  47. 47. Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Não responde; <br />Gritar por ajuda!<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  48. 48. Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />AExtensão do pescoço e elevação do queixo<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Permeabilizar a Via Aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  49. 49. BA respiração é normal?<br />Ver os movimentos do tórax<br />Ouvir os sons respiratórios<br />Sentir o ar exalado<br />Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />CPesquisar a existência de pulso<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Avaliar respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />Não demorar mais de 10 segundos<br />
  50. 50. Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Há sinais de vida?<br />Gritar por ajuda<br />SIM<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />NÃO<br />Avaliar respiração/pulso<br />Ligar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  51. 51. Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />112<br />Chamar 112<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  52. 52. Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />30 compressões<br />Porção média do esterno<br />Depressão de 4 – 5 cm<br />100 por min.<br />Massagem cardíaca: 30<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />
  53. 53. Fazer 2 insuflações com oxigénio<br />Avaliar condições de segurança<br />Avaliar a consciência<br />Gritar por ajuda<br />Permeabilizar a via aérea<br />Avaliar a respiração/pulso<br />Ligar 112<br />30 compressões<br />Porção média do esterno<br />Depressão de 4 – 5 cm<br />100 por min.<br />Massagem cardíaca: 30<br />Ventilação: 2<br />Ventilação: 2<br />
  54. 54.
  55. 55. 5.2 – SBV NA CRIANÇA<br />

×