Lei de ação e reação talidomida

677 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
677
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lei de ação e reação talidomida

  1. 1. Na tela cinematográfica, o professor do Plano Espiritualexibiu dois pequenos documentários sobre oassunto que nos fora motivo a longo debate.1939-1943Surgiu à cena, agitada metrópole européia. Em tudo, oclima de guerra. De súbito, vimo-nos mentalmentejungidos a dilatado recinto, onde centenas de policiais ecivis cochichavam.Articulam-se avisos. Ramifica-se a trama. Camionetasdeslizam dentro da noite. Magotes de transeuntes seagregam num ponto só, formando vasta legião popularem operoso bairro de ascendência israelita. Sãopaisanos decididos à rapinagem. Madrugada adiante,ei-los que invadem as residências judias.
  2. 2. Mãos que retivessem anéis, pulsos queostentassem adornos, orelhas ornamentadas debrincos e bustos revestidos de jóias sofriamgolpes rápidos, muitos deles tombandodecepados em torrentes sangüíneas. Alguémque aparecesse com bastante coragem deinvestir contra os malfeitores, caía logo depernas mutiladas, para que nãoavançasse em socorro das vítimas. E os quadrosvivos se repetiam em outros lugares e em outrasnoites,com personagens diversas, nos mesmosdelírios de violência.
  3. 3. 1949–1953A tela passa a mostrar escuro vale no espaço. Milhares de sereshumanos em condições deploráveis arrastam-se emdesgoverno. Há quem chore a ausência dos braços, quemlastime a perda dos pés. Possível, no entanto, identificar muitosdeles. São os mesmos infelizes de 1939 a 1943, participantesdas empresas de furto e morte, à margem da guerra.Desencarnados, supliciam-se no remorso que se lhes incrustanas consciências. Carregando a mente vincada pelasatrocidades de que foram autores, plasmaram em si, nosórgãos e membros, profundamente sensíveis do corpoespiritual, as deformidades que infligiram aos irmãosisraelitas indefesos. Para que se refaçam, é preciso quereencarnem de novo. Necessário retomem a organizaçãocarnal, à maneira de doentes complicados, que exigem regimecarcerário para tratamento preciso.
  4. 4.  A maioria dos implicados renasce no país em que severificou o assombroso delito, e muitos deles, em váriospontos outros do mundo, ressurgem alentados porfamílias hospitaleiras ou famílias endividadas, que osaconchegam para a benemerência do reajuste. Certamente, - comentou o instrutor, ao término dapelícula - certamente que nem todos os casos demalformação congênita podem ser debitados àinfluência da talidomida sobre a vida fetal. Em todos ostempos, consoante os princípios de causa e efeito,despontam crianças desfiguradas nos berços terrestres.O estudo, porém, que realizamos pela imagem,esclarece, com segurança, o fenômeno das ocorrênciasde má-formação, que repontaram em massa, entre oshomens, nos últimos tempos.
  5. 5. Achávamo-nos suficientemente elucidados; no entanto, meuvelho amigo, LuisVillas, indagou:- Isso quer dizer então, professor, que a talidomida foi aplicada,de acordo com a lei da reencarnação?- Bem, bem - falou o mentor, retratando a benevolência nosemblante calmo -, a talidomida e a provação funcionaram emobediência à justiça, mas não será lícito esquecer que o lar e aciência vigilante dos homens também funcionaram emobediência à Misericórdia Divina, que a tudo previu, a fim deque a administração daquele medicamento não ultrapassasseos limites justos.Compreenderam?Sim, recebêramos a chave para entender o assunto queenvolvia dolorosa disciplina expiatória, e, à face da emoção quenos impunha silêncio, a lição foi encerrada.

×