Separando as Escovas de Dentes

651 visualizações

Publicada em

Juntar as escovas de dente, como popularmente se diz, é um processo complicado, mas entremeado de entusiasmo e excitação. Já separá-las pode não ser tão simples....

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
651
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Separando as Escovas de Dentes

  1. 1. SEPARANDO AS ESCOVAS DE DENTES Mônica de Pinho Pinaud Autora de “ E Nós Não Fomos Felizes Para Sempre ” (Em breve, nas livrarias)
  2. 2. Um dia vocês dois decidiram viver juntos. E, em outro dia, por decisão conjunta ou unilateral, se separaram. Ambos sofreram, mesmo quem decidiu partir, pois, às vezes, não o fez por mero querer, mas por necessidade, não era feliz. Sofrem os dois e outras pessoas também: os pais sonhadores, os amigos do casal e, principalmente, os filhos.
  3. 3. Lembro de um amigo comentando com que tristeza discutia com sua ex-esposa com quem ficaria cada objeto que ele se lembrava de terem comprado juntos e escolhido o lugar da casa em que os colocariam. Ele dizia “como é triste, é cruel”.
  4. 4. <ul><li>Quantos jovens noivos estão, neste minuto, comprando felizes um faqueiro que - nem sonham - amanhã ficará com apenas um deles. Ou aquelas duas canequinhas tipo ele-e-ela que se completam e que também irão se despedir e ocupar prateleiras diversas... </li></ul><ul><li>Mas se for necessário, há que se feito. E é importante ter maturidade e respeito mútuo para que ninguém se magoe mais do que a dose inevitável. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O tempo será o melhor conselheiro e todas as dores se atenuarão. Poderá não ser uma separação definitiva, mas é melhor encará-la como se fosse, para não haver cultivo de ilusão, que é uma erva daninha e psicotrópica, difícil de arrancar quando se enraíza. </li></ul>
  6. 6. Para aquele que fica na casa onde vivia o casal é mais complicado, pois em todos os cantos há memórias. Mesmo que os objetos pessoais do outro tenham sido levados, há sempre os de uso comum, como o sofá e a cama, testemunhas de cenas boas e ruins. Por isso, é interessante reformar a casa, pois isso ajuda o cérebro a se descondicionar.
  7. 7. <ul><li>Não é preciso gastar muito dinheiro,ou talvez até nenhum. Basta trocar móveis, quadros e enfeites de lugar, forrar poltronas e almofadas com capas de cores bem diferentes das que estavam. Ponha também objetos bem marcantes como espelhos e flores, espalhe aromas que lhe agradem. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Se não tiver coragem, idéias ou ânimo para fazer a mudança pense em um amigo de confiança (e bom gosto) e façam isso juntos, será divertido. Ou, tire a tarde para dar um passeio e peça que mudem tudo de surpresa e, na volta, delicie-se com a novidade. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Vamos tocar a vida da melhor forma possível, pois as escovas se separaram e agora cada um tem que cuidar de seus próprios dentes para que estes apareçam numa gostosa gargalhada! </li></ul>
  10. 11. Contatos: http://www.monicaescritora.com orkut: Mônica Pinho Escritora facebook: Mônica Pinho [email_address]
  11. 12. <ul><li>Créditos: </li></ul><ul><li>Texto – Mônica de Pinho Pinaud </li></ul><ul><li>Música – Resposta ao Tempo, Aldir Blanc, na voz de Nana Caymmi </li></ul>

×