Educação	  Audiovisual	  Popular	  	  Entidades que realizam ou realizaramatividades gratuitas de ensino audiovisualentre ...
OBJETIVO AMPLO DA EAP:Promover nos alunos uma nova forma de estar, de seexpressar e interagir no mundo, a partir de umafor...
Distribuição das Entidades por Regiões            120            100              80              60              40Número...
Porcentagem de Entidades                                     por EstadoTO1%     GO             AL     2%             1%DF ...
Perfis Institucionais                                   Privada, com fins          Pública (Órgãos       lucrativos. (Empr...
Evolução no Tempo10 9 8 7 6 5 4                                Entidades por ano de surgimento 3                          ...
Objetivo Geral do Projeto de Ensino Audiovisual                               Não respondeu                               ...
Outras	  Respostas	  /	  Não	                                                                  Respondeu	                 ...
Quantos ex-alunos, dentre os formandos, você estima que entrem no mercado de trabalho em atividades envolvendo audiovisual...
Possui estratégias de inserção profissional? Extremos das respostas                                Não       Não Respondeu...
EXEMPLO DE CIRCUITO PEDAGÓGICO DA EAPPrimeiros dias de uma oficina -> atividades extremamente lúdicas, queestabelecem desa...
Exercícios/Jogos	                                                 com	  ferramentas	                                      ...
Expressão livre                                                                                                           ...
Curiosidade Ingênua, experimentação                                   livre                                               ...
RESULTADOS DECISIVOS DAS PRÁTICAS DA EAPDesenvolvimento de habilidades intelectuais:ampliar o repertório, aprender a obser...
EM SUMA:Em ONGs, como em escolas e projetos promovidos pelo estado, o ensino do audiovisual:    -­‐ Estimula diferentes ti...
A VISÃO DOS ALUNOS“Como seu envolvimento com o audiovisual interferiu no seu projetode vida? Algo mudou?”)34,95%: decidira...
DESAFIOS EM 2012Secretarias e ministério da cultura de pequeníssimo orçamento perante oimenso impacto educativo e transfor...
CONCLUSÃO: SOMOS UMA LIDERANÇA MUNDIAL      EM TECNOLOGIAS E PEDAGOGIAS DE ENSINO AUDIOVISUAL          PARA JOVENS DE COMU...
por Moira Toledo D. G. Cirello, 2010-12Autorizo a reprodução apenas para usos sem finslucrativos, e a menção às ideias com...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Educacao Audiovisual popular no Brasil - Panorama

364 visualizações

Publicada em

Apresentação que dá suporte à palestra em que apresento os resultados da minha tese de doutorado e minha experiência na área da educação audiovisual popular.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Educacao Audiovisual popular no Brasil - Panorama

  1. 1. Educação  Audiovisual  Popular    Entidades que realizam ou realizaramatividades gratuitas de ensino audiovisualentre 1995 e 2009:•  132 Entidades no território nacional•  17 estados + DF•  38 diferentes cidades•  68,1% Ativas, 28% inativas•  25665 alunos atendidos•  3233 vídeos produzidos
  2. 2. OBJETIVO AMPLO DA EAP:Promover nos alunos uma nova forma de estar, de seexpressar e interagir no mundo, a partir de umaformação audiovisual que, se promove a inserção laboral, ofaz como a um “efeito colateral” positivo.
  3. 3. Distribuição das Entidades por Regiões 120 100 80 60 40Números absolutos 20 0 Sudeste Norte Centro-Oeste + DF Nordeste Sul Sudeste Norte Centro-Oeste + DF Nordeste Sul Series1 101 3 4 17 7
  4. 4. Porcentagem de Entidades por EstadoTO1% GO AL 2% 1%DF MA BA PR SC RS1% 1% 3% RN PE 3% 1% 2% 1% CE 6% PA 2% 1% AM SP 2% 39% RJ MG 27% 8% ES 4% SP RJ ES MG AM PA DF GO TO CE MA BA AL PE RN PR SC RS
  5. 5. Perfis Institucionais Privada, com fins Pública (Órgãos lucrativos. (Empresas, Governamentais, Produtoras de Cinema, etc) Secretarias, etc) 6% 9%Iniciativa Informal 10% Privada, de interesse civil, sem fins-lucrativos (ONGs, Associações, etc) 75%
  6. 6. Evolução no Tempo10 9 8 7 6 5 4 Entidades por ano de surgimento 3 Projetos por ano de Surgimento 2 Encerramento de Projetos 1 0 Entidades por ano de surgimento
  7. 7. Objetivo Geral do Projeto de Ensino Audiovisual Não respondeu 6% Outros 11% Sensibilização Audiovisual 31% Todos os anteriores 3% Cidadania 2%Empreendedorismo 9% Profissionalização 13% Formação Artística/ Linguagem 25%
  8. 8. Outras  Respostas  /  Não   Respondeu   Entre  4h  e  1  semana   8%   6%   2  anos  /  Con@nua   6%   Entre  2  semanas  e  1  mês   13%   Entre  4h  e  1  semana   Entre  6  meses  e  1  ano   Entre  2  semanas  e  1  mês   24%   Entre  2  e  6  meses   Entre  6  meses  e  1  ano   2  anos  /  Con@nua   Outras  Respostas  /  Não  Respondeu   Entre  2  e  6  meses   43%  Duração  dos  Ciclos  de  Formação  
  9. 9. Quantos ex-alunos, dentre os formandos, você estima que entrem no mercado de trabalho em atividades envolvendo audiovisual após o término do ciclo de formação do Projeto? (Extremos) Não Respondeu 6% Metade+Muitos 17% Nenhum+Poucos 77%
  10. 10. Possui estratégias de inserção profissional? Extremos das respostas Não Não Respondeu 41% 1%Sim (em diferentes medidas)Não Sim (em diferentesNão Respondeu medidas) 58%
  11. 11. EXEMPLO DE CIRCUITO PEDAGÓGICO DA EAPPrimeiros dias de uma oficina -> atividades extremamente lúdicas, queestabelecem desafios.Circuito que vai se autoalimentando:A partir da curiosidade ingênua inicial, são estimulados a partir para apesquisaBuscam referências, assistem filmes e, especialmente, experimentamcientificamente – por exemplo, gravam livremente, mudando parâmetros, edepois comparando os resultados e realizando uma síntese crítica.Aos poucos, ao realizar novas e mais aprofundadas críticas sobre o própriotrabalho e o dos demais, surge a necessidade de criar signos queestabeleçam sentidos para aspectos que eles mesmos detectam.E, naturalmente, se vê a transição para um pensamento crítico-analítico, emque a mediação do mundo por conceitos começa a se tornar uma ferramentanatural.
  12. 12. Exercícios/Jogos   com  ferramentas   técnicas   Avaliação  do   exercício   (erro)   Aula  ou   Aula   exibição   Linguagem  e  Ponto  de   inicial   História  do  entrada  e   Audiovisual  reentrada   Exibição   Criação  e   Pública  ou   integração   interna   dos  roteiros   individuais   em  coleQvos   Análise  e   avaliação  dos   Aulas  lúdicas  de   vídeos   produção  (ou   (Myiagi)   entendendo  cada   Realização   etapa  e  cada   dos  vídeos   processo)   (Gravação  e   edição)  
  13. 13. Expressão livre Análise e experimentação da crítica sobre o próprio trabalho Exercícios/Jogos   com  ferramentas  Situação inicial: estranhamento, técnicas  descoberta, desmistificação Avaliação  do   Diversificação de exercício   Repertório (erro)   Aula  ou   Aula   exibição   Linguagem  e   Ponto  de   inicial   História  do   entrada  e   Audiovisual   reentrada   Autoria Exibição   Criação  e   Pública  ou   integração   interna   dos  roteiros   individuais   Aprofundamento da em  coleQvos   dimensão crítica Emancipação Técnica, Análise  e   crítica avaliação  dos   Aulas  lúdicas  de   e expressiva vídeos   produção  (ou   (Myigi)   entendendo  cada   Identificação de demandas Realização   etapa  e  cada   dos  vídeos   processo)   (Gravação  e   edição)   Autocrítica e sistematização Pesquisa e Sevirismo dos resultados Experimentação rigorosa
  14. 14. Curiosidade Ingênua, experimentação livre Expressão livre Análise e experimentação da crítica sobre o próprio trabalho Exercícios/Jogos   com  ferramentas   Situação inicial: estranhamento, técnicas   Avaliação  do   Pesquisa descoberta, desmistificação Diversificação de exercício   Repertório (erro)   Aula  ou   Aula   exibição   Linguagem  e   Ponto  de   inicial   História  do   entrada  e   Audiovisual   reentrada   Autoria Desafios Exibição   Criação  e  Emancipação Pública  ou   integração  crítica interna   dos  roteiros   individuais   Aprofundamento da em  coleQvos   dimensão crítica Emancipação Técnica, Análise  e   crítica avaliação  dos   Aulas  lúdicas  de   e expressiva vídeos   produção  (ou   (Myigi)   entendendo  cada   Identificação de demandas Realização   etapa  e  cada   dos  vídeos   processo)   (Gravação  e   edição)   Autocrítica e sistematização Pesquisa e Sevirismo dos resultados Experimentação rigorosa Curiosidade Crítica Descobertas Experimentação científica
  15. 15. RESULTADOS DECISIVOS DAS PRÁTICAS DA EAPDesenvolvimento de habilidades intelectuais:ampliar o repertório, aprender a observar, pesquisar, organizar, sintetizar,criticar, analisar e se expressar. Habilidades que os alunos adquirem através daprática audiovisual, e que tem amplo potencial para serem replicadas em outroâmbito de suas vidas - facilitando o aprendizado constante, e de saberesdiversos.Desenvolvimento de habilidades e aprendizados emocionais, sociais eintelectuaisimplicando na formação de pessoas capazes de aprender de maneira constante,em convívio respeitoso e profissional – como queria Neill em Sumerhill –, o queresulta, naturalmente, em uma nova relação com o mundo e uma maiorcompetitividade no mercado de trabalho.
  16. 16. EM SUMA:Em ONGs, como em escolas e projetos promovidos pelo estado, o ensino do audiovisual: -­‐ Estimula diferentes tipos de inteligência (Viso-espacial, matemática, musical, de linguagem, corporal, inter e intrapessoal) -­‐ Incorpora os mais diversos perfis de aluno. (i.e. é inclusiva). -­‐ Promove o desenvolvimento de habilidades emocionais e intelectuais que constituem desafios crônicos para as escolas formais: o  pesquisar além da superfície, o  ouvir e fazer críticas, o  mediar o mundo através de conceitos, o  entender o método científico como ferramenta fundamental para experimentar no mundo, o  participar e interagir em uma sociedade democrática, dentre outras.
  17. 17. A VISÃO DOS ALUNOS“Como seu envolvimento com o audiovisual interferiu no seu projetode vida? Algo mudou?”)34,95%: decidiram se dedicar profissionalmente ao audiovisual ou definiramesse interesse em detrimento de outras atividades.29,13%: mudaram a forma de pensar, de engajamento ou concepção demundo.11,65%: ampliaram os próprios interesses para outras áreas deconhecimento ou atuação.8,74%: mudou diretamente o cotidiano.4,85%: o envolvimento promoveu o convívio com pessoas ou experiênciasemocionais importantes.4,85%: o projeto de vida se manteve, sempre teve envolvimento com atemática ou foi uma continuidade.5,83%: nada mudou, não houve interferência.
  18. 18. DESAFIOS EM 2012Secretarias e ministério da cultura de pequeníssimo orçamento perante oimenso impacto educativo e transformador que suas ações geram nascomunidades onde chegam.Incomunicabilidade política que leva a tantos equívocos na realização depolíticas públicas: desperdiça-se a experiência das ONGs, dos movimentossociais, e "inventa-se a roda" reiteradamente, comentendo erros nainstância pública que em outros ambientes já foram superados.O maior desafio é, sem dúvida, que as experiências do terceiro setor sejamsistematizadas e tornem-se ponto de partida para o desenvolvimento depolíticas já testadas.E que seus integrantes tornem-se conselheiros destes que escrevem as leise projetos públicos, de modo que experiência popular se materialize empolítica, sem efeito ex-machina.
  19. 19. CONCLUSÃO: SOMOS UMA LIDERANÇA MUNDIAL EM TECNOLOGIAS E PEDAGOGIAS DE ENSINO AUDIOVISUAL PARA JOVENS DE COMUNIDADES DE BAIXA RENDAOs benefícios concretos do ensino audiovisual e seu potencial de transformaçãopositiva… o posicionam como assunto estratégico… e sugerem o desenvolvimento de uma política pública integrando o audiovisual ao currículo escolar. Como?  Combatendo o desperdício da experiência, i.e.:consultando profissionais (gestores, coordenadores, educadores) e tambémalunos e ex-alunos.pesquisandosistematizandoe aperfeiçoando as melhores práticas já existentes.
  20. 20. por Moira Toledo D. G. Cirello, 2010-12Autorizo a reprodução apenas para usos sem finslucrativos, e a menção às ideias com citação da fonte.Agradeço também a gentileza de entrar em contato pracompartilhar se essa apresentação lhe for útil!Muito obrigada!Moira Toledotoledo.moira@gmail.com@moiratoledodesenhos por Helena Musa

×