AACR, RDA, ISBD, Novos Princípios e Web Semântica: introdução para um novo pensar ctalográfico

750 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada na Universidade Federal de Santa Catarina apresentando um panôrama das mudanças no processo catalográfico.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
750
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 1.1F5. Se uma única declaração de nomes de responsabilidade mais de três pessoas ou organismos corporativos executando a mesma função, ou com o mesmo grau de responsabilidade, omitir todos, mas o primeiro de cada grupo de pessoas ou organismos.Indicar a omissão da marca de omissão (...) e adicionar et al. (Ou seu equivalente em um script nonroman) entre colchetes. Na RDA não existe essa limitação: 2.4.1.5. Record uma declaração de responsabilidade nomear mais de uma pessoa, etc, como uma única declaração, independentemente de as pessoas, famílias ou pessoas jurídicas nele mencionadas desempenham a mesma função ou funções diferentes. Nota: na RDA, a regra de três já não se aplica à nomeação de obras. Na RDA, este trabalho seria nomeado usando o ponto de acesso para o criador do primeiro nome seguido do título propriamente dito do trabalho, porque não há nenhuma indicação de responsabilidade principal.Em vez de uma entrada para 700 acrescentado Markey em AACR2, Markey ponto de acesso seria dado em um campo de 100 em RDA, uma vez que ele é o criador do primeiro nomeado e nenhuma responsabilidade principal é indicada na declaração de responsabilidade.
  • 2.4.1.5. Record uma declaração de responsabilidade nomear mais de uma pessoa, etc, como uma única declaração, independentemente de as pessoas, famílias ou pessoas jurídicas nele mencionadas desempenham a mesma função ou funções diferentes. Opcional Omissão Se uma única declaração de nomes de responsabilidade mais de três pessoas, famílias ou pessoas colectivas realizando a mesma função, ou com o mesmo grau de responsabilidade, omitir todos, mas o primeiro de cada grupo de pessoas, famílias, órgãos ou organismos.Indicam a omissão por resumir o que foi omitido na língua e script preferido pela agência que preparou a descrição. Indicam que o resumo foi retirado de um fonte de recursos fora do próprio conforme instruído em 2.2.4. 2.2.4 Se a informação retirada de uma fonte fora do recurso em si é fornecido em qualquer um dos elementos listados abaixo, indicam que o fato seja por meio de uma nota ou por outros meios (por exemplo, através da codificação ou a utilização de parênteses rectos). Nota: a prática LC propostas para o Teste de RDA não é geralmente para aplicar a omissão opcional.
  • 1.1F7. Incluir títulos e abreviaturas de títulos de nobreza, endereço, honra e distinção, as iniciais das sociedades, títulos, data (s) da fundação, lemas, etc, nas declarações de responsabilidade se: a) dados que sejam necessários gramaticalmente ... / ...; Prólogo del Exmo. Sr. D. Manuel Fraga Iribarne b) a omissão deixaria nome dado apenas uma pessoa ou apelido ... / Por Miss Jane ... / By Miss Leia ... / Pelo Dr. Johnson ... / Pelo Orczy Baroness c) o título é necessário para identificar uma pessoa ... / Por Mrs. Charles H. Gibson d) o título é um título de nobreza, ou é um termo inglês de honra (Sir, Dame, Lord ou Lady). ... Finch / Anne, condessa de Winchilsea ... / Por Sir Richard Acland Caso contrário, omitir todos os dados das declarações de responsabilidade. Não use o sinal de omissão. RDA 2.4.1.4. Transcrever uma declaração de responsabilidade na forma em que ele aparece na fonte de informação. Aplicar as orientações gerais de transcrição dada em 1.7. Opcional Omissão Abridge uma declaração de responsabilidade somente se ele pode ser resumida, sem perda de informações essenciais. Não use uma marca de omissão (...) para indicar tal omissão. Anote sempre o primeiro nome que aparece na declaração. Ao omitir os nomes de uma declaração de responsabilidade nomear mais de uma pessoa, etc, aplicam-se as instruções dadas em 2.4.1.5. Nota: LC práticas propostas para o Teste RDA é geralmente não omitir informações ou nomes, etc
  • Na RDA, a declaração de edição é um elemento transcritas e sem abreviações são usadas a menos que eles aparecem na fonte utilizada para a declaração de edição. 1.2.B1 AACR2. Transcrever a declaração edição como encontrado no item. Usar as abreviaturas conforme as instruções no Apêndice B e os numerais como instruído no apêndice C. udg Ny. (Fonte de informação lê: udgave Ny) 2 ed. (Fonte de informação diz: Segunda edição) AACR2 B.5A1. Abreviar as palavras, ou substituir uma forma de abreviação com abreviatura fixado, na declaração de edição, de acordo com B.9-B.12, B.15-B.14. AACR2 C.2B1. algarismos arábicos para romanos Substituto nas seguintes áreas e elementos da descrição bibliográfica: a) em uma declaração edição AACR2 C.3B1. algarismos arábicos Substituto para os números expressos em palavras nas seguintes áreas e elementos da descrição bibliográfica: a) em uma declaração edição 2.5.1.4 RDA. Transcrever uma declaração de edição como aparece na fonte de informação.Aplicar as orientações gerais de transcrição dada em 1.7. RDA B.4. Para os elementos de transcrição, use apenas as abreviaturas encontradas nas fontes de informações para o elemento. RDA 1.8.1. Quando os números de gravação, expressa em números ou as palavras em um elemento transcrita, transcrevê-las na forma em que eles aparecem na fonte de informação.Aplicar as orientações gerais de transcrição (ver 1.7), conforme aplicável. Desde a declaração de edição não está listada em 1.8.1, nenhuma das regras especiais sobre os números de gravação em 1.8.2-1.8.5 aplicar, portanto, não serão feitas substituições nas declarações edição.
  • 1.4B4 AACR2 e 1.4C3 diz para usar abreviaturas encontradas no apêndice B. A RDA não há abreviações neste elemento a menos que eles são encontrados em fontes de informação para o elemento. 2.8.1.4 RDA. Transcreva locais de publicação e os nomes dos editores, na forma em que eles aparecem na fonte de informação. Aplicar as orientações gerais de transcrição dada em 1.7. Opcional Omissão Omitir níveis em uma hierarquia corporativa que não são obrigados a identificar a editora. Não use uma marca de omissão (...) para indicar tal omissão.
  • .
  • 1.4C6. Se não houver lugar ou provável local pode ser dada, dar sl (Sine loco), ou seu equivalente em um script nonroman. 1.4D6. Se o nome do editor, distribuidor, etc, é desconhecido, dá-sn (Sine nomine) ou seu equivalente em um script nonroman. 2.8.2.6. Se nem um conhecido, nem um lugar provável local ou país, estado, província, etc, de publicação pode ser determinada, registrar Local de publicação não identificada. 2.8.4.7. Para um recurso em um formulário publicado, em que nenhum editor é nomeado no recurso em si, ea editora não puderem ser identificados a partir de outras fontes, conforme especificado em 2.2.4, não editora discográfica identificados. Nota: no segundo exemplo, o lugar da publicação aparece no recurso com um espaço entre as iniciais da província: BC Nota: os exemplos mostrados neste slide não são completas nem exaustivas, se algum elemento não identificado publicação e distribuição de informação é conhecido, essa informação será dada assim. Os exemplos acima devem ser apresentadas sob a forma aparece apenas caso não haja informações sobre a distribuição ou fabricação estavam disponíveis.
  • AACR, RDA, ISBD, Novos Princípios e Web Semântica: introdução para um novo pensar ctalográfico

    1. 1. Introdução para um novo pensar catalográfico Prof. Fernando Modesto AACR, RDA, ISBD, Novos Princípios e Web Semântica São Paulo, 2015 http://www.eca.usp.br/fmodesto/ http://www.ofaj.com.br/
    2. 2. Nos tempos atuais....... CATALOGAÇÃO METADADOS REDES SEMÂNTICASLinguagens de marcação Linked data Ontologias URIs IA Conteúdo interpretado por máquinas Modelos de negócios de informação RDA Conhecer Entender AGLS, CQL, DDC, FRAD, FRBR, , GILS, ISBD, LCC, LCSH MARC, MARC Relator Codes,, MARC XML, MESH, MADS, METS. MIX, MODS, OAI-PMH, OAIS, OPENURL, PREMIS Sears List of Subject Headings, SRU, SWAP, TEI, TEXT MD, TEMI, TEMII, VRACore, XML, XML Schema, XOBIS, XPATHI, XLST, Z39.50 AES Core Audio, AES Process History, CanCore, CCO, DC, DCAM, DTD, FGDC/CSDGM, GEM, IEEE/LOM, MEI, MTS Right, OAI-ORE, PB-Core, QDC, RDF, SGML, TGN, XQUERY APPM, ATOM, CDWA, CDWALite, CIDOC/CRM, DACS, DWC, EAC-CPF, EAD, EML, FOAF, Indecs, ISAA (CPF), ISSO 19.115, MPEG-21,DIDL, ONIX, relax NG, RSS, SKOS, TOPIC MAPS, ULAN AACR Museus e Arquivos: Catalogação
    3. 3. Web Semântica e RDA WEB 1.0 WEB 2.0 WEB SEMÂNTICA Influência no desenvolvimento da Norma Catálogos precisam se adaptar ao ambiente digital, a fim de continuar a ser relevante. Estática; coisas publicadas e lidas. (2004) - Interativa. Somos criadores e editores de conteúdo. Pessoas conectadas entre si. (2010) – Computadores interagem entre si. Colocar significados por trás das estruturas e conteúdos dos websites. • Web Semântica = computador entendendo o significado da informação que compartilha. • Páginas web são codificadas. A máquina acessa uma página da web, os metadados indicam o que o site é e como pode se relacionar com outras páginas web. Fontes: http://goo.gl/Og4ovq
    4. 4. Informações: dados ligados, e texto de Tim Berners-Lee em: http://www.w3.org/DesignIssues/LinkedData.html Web Semântica e Dados Ligados (Linked Data) Tim Berners-Lee (WS) cunhou Tornar passíveis de ligação os dados para que Pessoas e/ou máquinas explorem a web para encontrar outras coisas relacionadas. Quatro princípios: 1. Usar URIs (Uniform Resource Identifier) como identificador de nomes para as coisas. 2. Usar URIs HTTP para que as pessoas procurem esses nomes. 3. Quando alguém procura uma URI, está fornece informações úteis. 4. Incluir links para outros URIs para que se possa descobrir mais coisas. Vídeo de Europeana sobre dados ligados http://goo.gl/0zzYvy
    5. 5. Agora! ... Isso deve esclarecer algumas coisas por aqui! Web Semântica e Dados Ligados
    6. 6. Conferência de Paris  1961  Funções do catálogo como instrumento eficaz para averiguar: O que a Biblioteca Contém especificado por  Autor ou título, ou  Sem autoria, somente seu título, ou  Autoria ou título inapropriados ou insuficiente para identificação, um termo criado para o título; e  Que obra de determinado autor, e que edição de uma obra em particular há em uma biblioteca Requer existência de pontos de acessos no catálogo. Cabeçalho  termo tradicional  catálogo em ficha.
    7. 7. PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO DECLARAÇÃO DOS PRINCIPIOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO. http://goo.gl/2yZIfx Encontrar um recurso. Encontrar conjuntos de recursos que representem todos os recursos: • pertencentes a mesma obra, • contenham a mesma expressão, • exemplifiquem a mesma manifestação, • associados a uma pessoa, familia ou entidade coletiva, • sobre um assunto, • definidos por outros critérios (lingua, lugar de publicação, data de publicação, tipo de conteúdo, tipo de suporte, etc.). identificar um recurso ou agente bibliográfico (confirmar que a entidade descrita corresponde a entidade que se busca). selecionar um recurso bibliográfico que se ajuste às necessidades do usuário. Objetivo e Função do Catálogo Instrumento eficaz e eficiente que permita ao usuario:
    8. 8. h t t p : / /g o o . g l / r h D 3 C b http://dedalus.usp.br/F
    9. 9. h tt p : / /g o o . g l / K 8 H C u 2 http://datos.bne.es/
    10. 10. Obra Expressão Manifestação Item é realizada por é incorporada em é exemplificada por Nível conceitual Nível físico FRBR – Entidades do Grupo 1 AACR2 ISBD Consolidada RDA Web Semântica e Dados Ligados, Resource Description Framework (RDF) FRBR, FRAD, OBRA, EXPRESSÃO, MANIFESTAÇÃO, ITEM.
    11. 11. REGISTRO BIBLIOGRÁFICO DADOS BIBLIOGRÁFICOS Linked Open Data Mudança Dado Vinculado Dado Vinculado
    12. 12. CASLIS | Hitchens | March 2011 17
    13. 13. Web Semântica e Dados Ligados, Resource Description Framework (RDF) Os elementos da RDA são definidos e incorporados a iniciativa dos Registros de Metadados Abertos (Open Metadata Registry) – conjunto de vocabulários controlados baseadas em RDF, e parte fundamental da infraestrutura técnica para a WS. Modelo para a rotulagem de dados de informação e as relações entre eles de uma forma estruturada, usando URI. Projetada para mover dados de biblioteca para WS, tornando compartilhaveis entre diferentes aplicações.
    14. 14. Web Semântica e Dados Ligados, Resource Description Framework (RDF) Chave de Cores: Também escreve como influenciada por / tem influenciado co-autora / publica com ver também relação Catalogação – transforma em um método de Modelar a informação bibliográfica para uma web de datos. BIG DATA. FRBR, FRAD, OBRA, EXPRESSÃO, MANIFESTAÇÃO, ITEM.
    15. 15. • Novo padrão de descrição para metadados que substitui a AACR2r. • Metadados melhores para melhor apoiar a descoberta de recursos. • Contexto dos catálogos em ficha • Inadequação das regras para descrever recursos eletrônicos • Ausência de um quadro teórico para servir como um ponto de referência quando se lida com situações novas Problemas
    16. 16. AACR2Relações entre as normas Construção com base nos alicerces da Preservar a compatibilidade com os dados herdados dos registros AACR2 Dados RDA podem ser codificados com a mesma norma MARC21 usada em registros AACR2 Preocupação com a necessidade de a norma servir de ponte entre ambientes (outrora e futuro), e que nem todas as bibliotecas marcharão no mesmo ritmo a caminho dos novos ambientes. OLIVER, C.(2011)
    17. 17. História da RDA é a história da AACR2 Britânicos e norte- americanos publicam os textos do código de catalogação anglo- americano AACR2 publicado por países de língua inglesa Revisão AACR2 IFLA desenvolve FRBR para reforçar os objetivos dos catálogos e a importância das relações Revisão AACR2 Conferência Internacional sobre os Princípios e o Futuro Desenvolvimento do AACR ocorrido em Toronto Projeto de revisão do AACR2 iniciado (AACR3) Preocupação com a necessidade de evoluir para o modelo do FRBR Esboço da RDA parte 1 disponibilizado para revisão Mais esboços dos capítulos RDA Preocupações apresentada por NLM & National Agricultural Library Projeto completo da RDA Período de teste RDA Liberação antecipada da RDA Lança Oficial da RDA Brasil AACR2r Brasil AACR2/78 O que é e Por que RDA?
    18. 18. RDA : com representantes das entidades: ■ American Library Association ■ Australian Committee on Cataloguing ■ British Library ■ Canadian Committee on Cataloguing ■ Chartered Institute of Library and Information Professionals (CILIP) ■ Library of Congress Committee of Principals (CoP) supervisiona o projeto como um todo. Membros do CoP: ■ American Library Association ■ Canadian Library Association ■ Chartered Institute of Library and Information Professionals (CILIP) ■ Library of Congress ■ Library and Archives Canada ■ British Library ■ National Library of Australia Entidades Co-Editoras fornecem suporte financeiro e de produção para o RDA. ■ American Library Association ■ Canadian Library Association ■ CILIP, whose publishing imprint is Facet Publishing (www.facetpublishing.co.uk) http://www.rda-jsc.org/docs/5rda-prospectusrev7.pdf
    19. 19. Estrutura do AACR2 Parte I - Descrição 1. Regras Gerais de Descrição 2. Livros, Folhetos e Folhas Impressas 3. Materiais Cartográficos 4. Manuscritos 5. Música 6. Gravações de sons 7. Filmes Cinematográficos e Gravações de Vídeos 8. Materiais Gráficos 9. Recursos Eletrônicos 10. Artefatos Tridimensionais e Realia 11. Microformas 12. Recursos Contínuos 13. Análise Part II – Pontos de Acesso, Títulos Uniformes, Remissivas 21. Escolha dos Pontos de Acesso 22. Cabeçalhos para Pessoas 23. Nomes Geográficos 24. Cabeçalhos para Entidades 25. Títulos Uniformes 26. Remissivas 1. Atributos de Manifestação e Item 2. Atributos do Obra e da Expressão 3. Atributos de Pessoa, Família e Entidade Coletiva 4. Atributos de Conceito, Objeto, Evento e Lugar Registro do Atributos (FRBR/FRAD) Registro do Relacionamentos (FRBR / FRAD) 5. Relacionamentos primários 6. Relacionamento com Pessoas, Famílias e Entidades Coletivas associados a um recurso 7. Relacionamentos de Assunto 8. As relações entre obras, expressões, manifestações e itens 9. As relacionamentos entre Pessoas, Famílias e Entidades 10. Relacionamentos entre Conceitos, Objetos, Eventos e Lugares Estrutura RDA Relaciona elementos de dados de forma próxima as entidades FRBR e as tarefas do usuário. RDA é composto de 10 seções, 37 capítulos e 13 apêndices que concentram os atributos de registros para as entidades FRBR. http://www.rda-jsc.org/rdafaq.html#4
    20. 20. Sumário da organização FRBR  RDA Entidade Atributo Relações Grupo1: Obra, expressão, manifestação, e Item Seção 1 Atributos de Manifestação Cap. 1- Registro de Atributos de Manifestação e Itens; Cap. 2 – Identificação de Manifestação e Item; Cap. 3- Descrição de Suporte; Cap. 4 – Prover Informação sobre Aquisição e Acervo Seção 2 Atributos de Obras e expressão Cap. 5 – Registro de Atributos de Obras e Expressão; Cap. 6 – Identificação Obras e Expressão; Cap. 7 – Descrição de Conteúdo Seção 5 Registro de Relações Principais entre Obras, Expressão, Manifestação e Item. Seção 8 Registro de Relações entre obras, expressões, manifestações e Itens. Grupo 2: Pessoas, famílias, entidades corporativas Seção 3 Atributos de Pessoas, Famílias e Entidades Coletivas Seção 6 Registro de Relações de Pessoas, Famílias e Entidades Coletivas. Seção 9 Registro de relações entre Pessoas, Famílias e Entidades Coletivas. Grupo 3: Conceitos, objetos, eventos, lugares Seção 4 Atributos de Conceito, Objeto, Evento e Lugar (Não desenvolvido no RDA) Seção 7 Registro de Relações de Conceitos, Objetos, Eventos e Lugares. Seção 10 Registro de relações entre Conceitos, Objetos, Eventos e Lugares (não completa)
    21. 21. Estrutura do RDA Apêndices Appendix A. Capitalization (Maiúscula) Appendix B. Abreviaturas Appendix C. Artigos iniciais Appendix D. Sintaxes de registros para dados descritivos Appendix E. Sintaxes do registro para controle de ponto de acesso Appendix F. Instruções adicionais para nome de pessoas Appendix G. Títulos de nobreza, termos hierárquicos [títulos honoríficos Appendix H. Datas no calendário cristão Appendix I. Designadores de relação: relações entre um recurso e pessoas, famílias e entidades coletivas associadas ao recurso Appendix J. Designadores de relação: relações entre obras, epressões, manifestações e itens Appendix K. Designadores de relação: relações entre pessoas, famílias e entidades coletivas Appendix L. Designadores de relação: relações entre conceitos, objetos, eventos e lugares [não elaborados]) Appendix M. Exemplos completos – registros bibliográficos http://www.rda-jsc.org/rdaprospectus.html
    22. 22. Assinatura US$195 (individual) / Institucional / US$325 / Grupos 5 usuários US$435
    23. 23. Dublin Core e outras comunidades da web semântica: comparar os modelos conceituais e padrões usados por cada uma delas. Library of Congress Network Development Office e o MARC Standards Office : garantir a compatibilidade da RDA com o MARC 21. IFLA Meeting of Experts on an International Cataloguing Code, (IME ICC), responsável por revisar e atualizar os ‘Princípios de Paris’ – sobre os quais o AACR é baseado – tornando-os novos princípios para o século 21. Comunidade produtora de publicações: desenvolve lista terminológica, baseada no padrão ONIX, para uso por comunidades das áreas bibliográfica e da publicação. Esforço Colaborativo
    24. 24. Obra Expressão Manifestação Item é realizada por é incorporada em é exemplificada por Nível conceitual Nível físico FRBR – Grupo 1 É percebida por meio da Ganha existência na No contexto de “quem escreveu o livro”, significa alto nível de abstração, o conteúdo conceitual implícito a todas as versões lingüísticas, a história contada no livro, as idéias na cabeça do autor para o livro. FRBR chama isso de Obra. Livro no contexto de quem traduziu (texto em uma língua específica). FRBR chama de expressão. Ao comprar o livro, sabemos ISBN, mas uma cópia particular não está em cogitação se não estiver em boas condições ou faltar páginas. FRBR chama de manifestação Diz Livro para descrever objeto físico que tem página e encadernação, os FRBR chamam objeto de item Forma de pensar e relacionar os registros
    25. 25. Faz a diferença entre o antigo e a nova norma catalográfica. Foco no usuário, e não nas regras em si. Embora procure aproveitar o que se considera como positivo na AACR2, a proposta constitui uma abordagem radicalmente distinta no que se refere à descrição de recursos. Enfoque do RDA OLIVER, Chris. Changing to RDA. Feliciter, n.5, 2007. p.250-253. (Canadian Library Association – www.cla.ca) (...) os FRBR iluminaram as entranhas do registro bibliográfico e destacaram o caráter central das necessidades dos usuários. Mudaram a perspectiva da catalogação, de um catalogador ocupado isoladamente com um determinado registro, para a do usuário buscando um registro no contexto de uma grande base de dados ou catálogo. Como documento orientador para essa abordagem, ele se refere ao relatório intitulado Requisitos Funcionais para registros Bibliográficos. IFLA-Cataloguing Section. Functional Requirements for Bibliographic Records: Final Report. 2007. Ultima revisão em 10 de março de 2008. Disponível em: http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/ . Acesso em 10 mai 2008.
    26. 26. • Continua a registrar o título. • Continua a registrar a edição. • Continua a registrar a data da publicação. Mas … • Novo vocabulário. • Nova maneira de pensar e realizar a representação. Cabeçalho  Ponto de acesso Descrição física  Descrição de suporte Entrada principal  Ponto de acesso preferido representando a obra e expressão (Título preferido, Criador se for apropriado) Ver  Variante de ponto de acesso Ver também  Ponto de acesso autorizado para entrada relacionada autor, compositor, etc.  Criador título uniforme  1) título preferido (+ outra informação para diferenciar); 2) Título coletivo convencional
    27. 27. RDA não prescreve nenhum tipo de apresentação (entende-se que a maioria das bibliotecas continuará a usar as ISBDs). RDA  Apêndice D estabelece diretrizes da ISBD. ISBD – pontuação AACR2 prescreve o uso de pontuação da ISBD.
    28. 28. Catalogadores podem incluir qualquer elemento adicional que seja necessário (em certos casos) para diferenciar recursos identificados com suportes e/ou informações semelhantes. Também podem incluir outros elementos que, em sua opinião sejam necessários. Elementos essenciais http://www.rdatoolkit.org/constituencyreviewfiles/Phase1Chp0_10_22_08.pdf Estrutura RDA 0.6.1
    29. 29. Recomendações do FRBR e RDA aparentemente sugerem que catalogadores busquem especificidade e diferenciação ao invés de generalização ao descrever um recurso. RDA e a Estrutura Descritiva Em conformidade com FRBR, a regra da RDA 0.6.1 estipula: No mínimo, um registro que descreva um recurso deve incluir todos os elementos essenciais aplicáveis para esse recurso. A descrição também deve incluir elementos adicionais necessários para diferenciar o recurso de qualquer outro semelhante. 0.6.2 Seção 1: Registrando Atributos da Manifestação e o Item Título Indicação de Responsabilidade. Indicação da Edição: Numeração da Série Indicação de Produção Indicação de Publicação Indicação de Distribuição Indicação de Manufatura Data de Copyright Indicação de Série Identificador para manifestação Tipo de Suporte
    30. 30. Responsabilidade • AACR2 1.1F5 245 00 $a Second growth : $b community economic development in rural British Columbia / $c Sean Markey ... [et al.]. • RDA 2.4.1.5 245 10 $a Second growth : $b community economic development in rural British Columbia / $c Sean Markey, John T. Pierce, Kelly Vodden, and Mark Roseland.
    31. 31. Responsabilidade • RDA 2.4.1.5 245 10 $a Second growth : $b community economic development in rural British Columbia / $c Sean Markey, John T. Pierce, Kelly Vodden, and Mark Roseland. • RDA 2.4.1.5 omissão opcional 245 10 $a Second growth : $b community economic development in rural British Columbia / $c Sean Markey [e outros três]. 2.4.1.5 Registrar a indicação de responsabilidade para mais de uma pessoa, etc., como uma única indicação, independente de as pessoas, famílias ou entidades corporativas mencionadas desempenharem a mesma função ou funções diferentes. Se uma única indicação de nomes de responsabilidade para mais de três pessoas, famílias ou entidades coletivas realizando a mesma função, ou com o mesmo grau de responsabilidade, omitir todos, mas manter o primeiro nome de cada grupo de pessoas, famílias, entidades coletivas. Indicar a omissão resumindo o que foi omitido no idioma da agência que preparou a descrição.
    32. 32. Responsabilidade • AACR2 1.1F7 – indicar os títulos e abreviaturas de título de nobrezas, honra, destinção etc..se necessários gramaticalmente 245 00 $a Lasers in medicine / $c edited by Ronald W. Waynant ; foreword by Leon Goldman. 245 10 $a Gold fever : $b a narrative of the great Klondike Gold Rush, 1897- 1899 / $c by R.M. Dickey ; edited by Art Petersen. •RDA 2.4.1.4 – Transcrever indicação de responsabilidade na forma como aparece na fonte. 245 00 $a Lasers in medicine / $c edited by Ronald W. Waynant ; foreword by the late Dr. Leon Goldman. 245 10 $a Gold fever : $b a narrative of the great Klondike Gold Rush, 1897- 1899 / $c by the Reverend R.M. Dickey ; edited by Art Petersen.
    33. 33. Edição AACR2 1.2B1, B.5A, C.2B1, C.3B1 250 $a 2nd ed. Fonte de informação lida: segunda edição 250 $a Nouv. éd. Fonte de informação: Nouvelle édition 250 $a Version 4. Fonte de informação: Version IV 250 $a 6. Aufl. Fonte de informação: 6. Aufl. • RDA 2.5.1.4, B.4, 1.8.1 250 $a Second edition. Fonte de informação lida: segunda edição 250 $a Nouvelle édition. Fonte de informação: Nouvelle édition 250 $a Version IV. Fonte de informação: Version IV 250 $a 6. Aufl. Fonte de informação: 6. Aufl. RDA – Edição é elemento transcrito e sem abreviações, a menos que elas apareçam na fonte utilizada para a indicação.
    34. 34. Publicação, Distribuição, Etc. • AACR2 1.4B4 260 $a Vancouver, B.C. : $b Vancouver Historical Society, $c 1970. Fonte de informacão Vancouver, British Columbia • RDA 2.8.1.4 260 $a Vancouver, British Columbia : $b Vancouver Historical Society, $c 1970.
    35. 35. Publicação, Distribuição, Etc. • AACR2 1.4B4 260 $a Victoria, B.C. : $b Dept. of Geography, University of Victoria, $c 1979. • RDA 2.8.1.4 260 $a Victoria, British Columbia, Canada : $b Department of Geography, University of Victoria, $c 1979. 1.4B4 e 1.4C3: usar abreviaturas encontradas no apêndice B. o 2.8.1.4 Transcreva locais de publicação e os nomes dos editores, na forma em que eles aparecem na fonte de informação. Aplicar as orientações gerais de transcrição dada em 1.7.
    36. 36. Lugar ou Editor Desconhecido • AACR2 1.4C6, 1.4D6 260 $a [S.l.] : $b Poote Press, $c 1987. 260 $a Vancouver, B.C. : $b [s.n.], $c 1951. 260 $a [Seattle? : $b s.n., $c 1966] 260 $a [S.l. : $b s.n.], $c 1962. • RDA 2.8.2.6, 2.8.4.7 260 $a [lugar de publicação não identificado] : $b Poote Press, $c 1987. 260 $a Vancouver, B. C., Canada : $b [Editor não identificado], $c 1951. 260 $a [Seattle?] : $b [Editor não identificado], $c [1966] 260 $a [Lugar de publicação não identificado] : $b [Editor não identificado], $c 1962.Sine loco ou sine nomine)
    37. 37. 300$a v, 199 páginas : $b ilustrações (algumas coloridas), mapas, retratos em cores; $c 30 cm 300 $a 86 páginas, 21 páginas sem numeração : $b ilustrações, 1 mapa anexado ; $c 24 cm + $e 1 manual (5 páginas ; 20 cm). 300 $a volumes : $b ilustrações ; $c 26 cm 300 $a 1 CD-ROM ; $c 4 3/4 pol 300 $a 1 recurso em linha Descrição do Suporte Exemplo: A descrição do suporte para sites da web que se atualizam: pode-se optar por omitir elementos referentes ao tipo de arquivo, formato de codificação e tamanho do arquivo, devido as frequentes mudanças do recurso integrado ao longo do tempo.
    38. 38. http://www.loc.gov/marc/
    39. 39. Novos campos MARC substitui o DGM (Designação Geral de Material) 245 $h Meio Físico (NR) AACR2  1.1C1 Escolha de uma lista de designadores gerais do material recomendada abaixo e use o termos da lista escolhida em todas as descrições para as quais as designações gerais do material forem consideradas necessárias. 245 10 $a Panorama da catalogação no Brasil $h [recurso eletrônico] : da década de 1930 aos primeiros anos do Século XXI / $c Fernando Modesto. 300 $a 1 recurso em linha
    40. 40. Diferenciar informação sobre: expressão e manifestação Estrutura em Três elementos 336 – Content type /Tipo de conteúdo (RDA 6.9) MARC A forma de comunicação através de uma Obra que se expressa. Exemplos: música executada; texto; movimento bidimensional da imagem. 337 - Media Type / Tipo de Mídia (RDA 3.2) O tipo geral de um dispositivo de intermediação necessário para ver, operar, rodar, etc, o conteúdo de um recurso. Exemplos: computador, áudio; microforma; vídeo 338 - Carrier Type / Tipo de Suporte (RDA 3.3) O formato do suporte de armazenamento. Exemplos: disco de áudio; recurso on-line; microfichas, videocassete, volume
    41. 41. • Conjunto de dados cartográficos • Conjunto de dados informáticos • Formato cartográfico tátil • Formato cartográfico tridimensional • Formato cartográfico tridimensional • Formato tátil tridimensional • Formato tridimensional • Imagem cartográfica • Imagem cartográfica em movimento • Imagem cartográfica tátil • Imagem em movimento bidimensional • Imagem em movimento tridimensional • Imagem fixa • Imagem tátil • Movimento notado • Movimento notado tátil • Música executada • Música notada • Música notada tátil • Palavra falada • Programa de computador • Sons • Texto • Texto tátil • Outro • Não-especificado/sem mediação 336 – Tipo de Conteúdo (R)  termos usados http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdacontent.html
    42. 42. • Áudio • Computador • Estereográfico • Microforma • Microscópico • Não-mediado • Projetado • Vídeo • Outro • Não-especificado • sem mediação 337  vocabulário empregado http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdamedia.html 337 - Media Type (R) / Tipo de Mídia (RDA 3.2)
    43. 43. 338  lista de termos segundo tipo de mídia Suporte de áudio Audiocassete Carretel de fita de áudio Carretel de trilha sonora Cartucho de áudio Cilindro de áudio Disco de áudio Rolo de áudio Suporte de dados Cartão de memória Cartucho de memória Disco de computador Carretel de fita de computador Cartucho de disco de computador Cartucho de fita de computador Cassete de fita de computador Recurso em linha Suportes de imagens projetadas Carretel de filme Cartucho de diafilme Cartucho de filme Cassete de filme Diafilme Diapositivo Rolo de filme Tira de filme Transparência de retroprojetor Suportes de Microforma Cartão-janela Microficha Carretel de microfilme Cartucho de microfilme Cassete de microficha Microopacos Rolo de microfilme Tira de microfilme Suportes de microscopia Lâmina microscópica Suportes de vídeo Carretel de fita de vídeo Videocartucho Videocassete Videodisco Suportes estereográficos Cartão estereográfico Disco estereográfico Suportes não-mediados Álbum seriado Ficha Objeto Rolo Folha Volume Outro Não-especificado http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdacarrier.html 338 - Carrier Type (R)/ Tipo de Suporte (RDA 3.3)
    44. 44. 245 10 $a Panorama da catalogação no Brasil $h [recurso eletrônico] : da década de 1930 aos primeiros anos do Século XXI / $c Fernando Modesto. 300 $a 1 recurso em linha AACR -- MARC 245 10 $a Panorama da catalogação no Brasil / $c Fernando Modesto. 300 $a 1 recurso em linha 336 $a Texto $2 rdacontent 337 $a Computador $2 rdamedia 338 $a Recurso em linha $2 rdacarrier RDA -- MARC http://www.eca.usp.br/prof/fmodesto/textos/2007PanoramaCatalogacao.pdf MARC
    45. 45. Exemplos de 336-338 300 $a 238 páginas : $b … 336 $a texto $2 rdaccontent 337 $a unmediated $2 rdamedia 338 $a volume $2 rdacarrier Livro: 300 $a volumes : $b … 336 $a texto $2 rdacontent 337 $a unmediated $2 rdamedia 338 $a volume $2 rdacarrier Seriado impresso 300 $a 1 recurso em linha (39 páginas): $b… 336 $a texto $2 rdacontent 337 $a computador $2 rdamedia 338 $a recurso em linha $2 rdacarrier Arquivo PDF em linha 300 $a 1 recurso em linha 336 $a texto $2 rdacontent 336 $a imagem cartográfica $2 rdacontent 336 $a imagem fixa $2 rdacontent 337 $a computador $2 rdamedia 338 $a recurso em linha $2 rdacarrier Site web (com mapas, texto e fotografias):
    46. 46. Fundamento do RDA Construído sobre dois modelos conceituais, desenvolvidos pela Federação Internacional de Associações de Bibliotecas e Instituições, IFLA: Princípios Internacionais de Catalogação (ICP – 2009) Requisitos Funcionais para Dados Bibliográficos (Functional Requirements for Bibliographic Data – FRBR - 1998), e Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade (Functional Requirements for Authority Data – FRAD - 2009). FRBR e FRAD identificam as relações que uma obra pode ter com seu criador, assim como suas relações com quaisquer traduções, interpretações, adaptações ou formatos físicos dessa mesma obra.
    47. 47. FRAD – Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Modelo de entidade relacionamento Centrado no usuário Modelo identifica 4 tarefas do usuário Encontrar - o mesmo que FRBR Identificar - mesmo como FRBR Contextualizar - para colocar em contexto, para clarificar as relações Justificar - Documentar por que o nome foi escolhido como um ponto de acesso
    48. 48. Criador: Amado, Jorge, 1912 – 2001 Obra: Gabriela cravo e canela Versão Português Publicação: Companhia das Letras, 2012 Publicação: Record, 1987 Publicação: Martins Fontes, 1961 Versão Inglês Publicação: Knopf, 1962 Versão Espanhol Publicação: Cochrane Planeta, 1985 FRBR/FRAD  Dados Bibliográficos FRAD Pontos de acesso e de relacionamentos
    49. 49. FRAD – Grupo 2 Entidades bibliográficas são conhecidas por nomes e recebem identificadores. A base dos pontos de acesso controlado. FRBR – parte comum dos dados bibliográficos Nome da pessoa física, Título da pessoa física, Datas da pessoa física, Outras designações relativas às pessoas físicas FRAD – dados necessários para o controle da autoridade Datas relativas à pessoa, Título da pessoa, Gênero, Lugar de nascimento, Lugar de morte, País, Lugar de residência, Afiliação, Endereço, Língua da pessoa, Campo de atividade, Profissão/ocupação, Biografia/história, Outras informações relativas à pessoa.
    50. 50. www.bn.br
    51. 51. Pessoa Amado, Jorge Data associada à Pessoa 1912-2001 Título da Pessoa -- Gênero. Masculino Lugar de Nascimento. Fazenda Auricídia, em Ferradas, distrito de Itabuna, Bahia Lugar de Falecimento Salvador, Bahia País Bahia, Brasil Lugar de Residência Salvador, Bahia, Brasil Afiliação Grupo Literário Academia dos Rebeldes; Partido Comunista Brasileiro Endereço Rua Alagoinha, n. 33, Rio Vermelho, CEP: 41940-620, Salvador, Bahia, Brasil. http://goo.gl/ESQ2xp ; http://goo.gl/uUDeIH Língua da Pessoa Português Campo de Atividade Literatura Profissão Escritor; Jornalista, Político Bibliografia http://www.releituras.com/jorgeamado_bio.asp Outras informações associada com a pessoa Autor entre outras obras de: Capitães da areia, romance (1937) Gabriela, cravo e canela, romance (1958) Dona Flor e Seus Dois Maridos, romance (1966) Tieta do Agreste, romance (1977) Atributos Pessoa, controle de autoridade mais trabalhoso e detalhista.
    52. 52. LC control no.: n 50024126 LCCN permalink: http://lccn.loc.gov/n50024126 HEADING: Amado, Jorge, 1912-2001 010 __ |a n 50024126 053 _0 |a PQ9697.A647 100 1_ |a Amado, Jorge, |d 1912-2001 370 __ |a Itabuna (Brazil) |b Salvador (Brazil) 374 __ |a Authors |2 lcsh 375 __ |a male 377 __ |a por 400 1_ |a Amadu, Zhorzhi, |d 1912-2001 400 1_ |a Amadô, Gioocgi, |d 1912-2001 400 1_ |a Емаду, Жоржи, |d 1912-2001 667 __ |a Machine-derived non-Latin script reference project. 667 __ |a Non-Latin script reference not evaluated. 670 __ |a Cacá•u, 1936. 670 __ |a Têréda, 1993: |b t.p. (Gioocgi Amadô) 670 __ |a Washington Post, Aug. 8, 2001 |b (Jorge Amado, age 88, Brazil’s all-time best-selling author, d. Aug. 6, 2001, Salvador, Bahia, Brazil, of heart attack) 670 __ |a Hora da guerra , 2008: |b back flap (born 1912 in Itabuna, died 2001; among the most important Brazilian writers of the twentieth century) 670 __ |a Wikipedia, Nov. 12, 2013 |b (Jorge Leal Amado de Faria; born 10 August 1912 in Itabuna, Brazil; died 6 August 2001 in Salvador; Brazilian writer of the modernist school. His work have been translated into some 49 languages and popularized in film, notably Dona Flor and Her Two Husbands in 1978. His work depicted a cheerful and optimistic country beset with deep social and economic differences. He occupied the 23rd chair of the Brazilian Academy of Letters from 1961 until his death in 2001) |u http://en.wikipedia.org/wiki/Jorge_Amado
    53. 53. VIAF – Arquivo Internacional Para Controle de Autoridade Base Bibliográfica internacional para controle de autoridade. http://www.viaf.org/
    54. 54. Características Especifica os elementos que caracterizam a descrição bibliográfica e prescreve a ordem com que os mesmos devem ser apresentados; Determina a pontuação de separação dos registros; Aplicável em qualquer tipo recurso e catálogo; Procedimentos específicos que abrangem todo suporte de informação; Pincipal ferramenta da IFLA para manter o controle bibliográfico.
    55. 55. Esquema da ISBD Consolidada 0 Área da Forma do Conteúdo e Tipo de Mídia Forma do Conteúdo  O  ( ) Qualificação do Conteúdo  OA  : Tipo de Mídia  O 1 Área do Título e Responsabilidade  Título principal  OA  / Primeira indicação de responsabilidade  OA 2 Área da Edição  Indicação da Edição  OA  Indicação de Responsabilidade / Primeira indicação  OA 3 Área Específica do Material ou Tipo de Recurso  Todos os elementos  OA 4 Área da Publicação, Produção, Distribuição, etc.  Lugar de Publicação Primeiro lugar  O  : Nome do Editor  O R  , Data de Publicação  O 5 Área da Descrição do Material  Elementos não obrigatórios  R 6 Área da Série e Recurso Monográfico Multipartes ( )  R  Título da Série, Subsérie ou Recurso Monográfico  OA  Número Internacional Normalizado  OA  Número dentro da Série, Subsérie, Recurso Monográfico  OA 7 Área das Notas  R  Não é obrigatório 8 Área do número normaizado, Identificador do Recurso e Condições de Disponibilidade  Identificador do Recurso  OA  Título chave (recurso continuado)  OA Obrigatório  O / Obrigatório se Disponível e Aplicável  OA / Repetitivo  R
    56. 56. Área 0  ISBD Forma do conteúdo: Reflete a forma ou formas no qual o conteúdo de um recurso é expressado, e para o qual podem agregar-se uma ou mais Qualificações do conteúdo: especifica o tipo, a natureza sensorial, dimensão e/a presença ou ausência de movimento no recurso descrito. Tipo de mídia: indica o tipo ou tipos de suportes utilizados para transmitir o conteúdo do recurso.
    57. 57. Conjunto de dados Imagem Movimento Múltiplas formas do conteúdo Música Objeto Palavra falada Programa Som Texto Outras formas do conteúdo Forma do Conteúdo Cartográfico Anotado Interpretado Tipo de Qualificação do Conteúdo Especificação do movimento Em movimento Fixa: Especificação da Dimensão Bidimensional Tridimensional Especificação Sensorial Auditivo Gustativo Olfativo Tátil VisualTipos de Mídia Áudio Eletrônico Estereográfico Microforma Microscópico Múltiplas mídias Projetado Vídeo Outras mídias Sem mediação
    58. 58. Área 0: Área de forma de conteúdo e tipo de mídia Aprovada em 2009. ISBD Consolidada Substitui o DGM, Não altera a estrutura tradicional, Ocupa lugar de destaque, Primeira chamada de atenção do usuário, Meio inicial de seleção de recurso. ISBD Material Designations Study Group (MDSG) Localização da DGM, na continuação do título interrompe a ordem lógica e sequência da informação do título. Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo) : tipo de mídia Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo ; qualificador do conteúdo) : tipo de mídia Forma do conteúdo . Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo) : tipo de mídia Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo). Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo) : tipo de mídia Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo) : tipo de mídia + Forma do conteúdo (qualificador do conteúdo) : tipo de mídia Modelos de Pontuação Área 0
    59. 59. 020 __ |a 9788501059543 041 1_ |a por |h eng 082 04 |a 823 |2 22 100 1_ |a Kinsella, Sophie |d 1969- 240 04 |a The secret dreamworld of a shopaholic 245 13 |a Os delírios de consumo de Becky Bloom / |c Sophie Kinsella ; tradução de Eliane Fraga |h [texto] 250 __ |a 12. ed 260 __ |a Rio de Janeiro : |b Record, |c 2008 300 __ |a 425p. ;|c 21 cm. 500 __ |a Tradução de: The secret dreamworld of a shopaholic 650 04 |a Ficção inglesa 700 1_ |a Fraga, Eliane |d 1947- AACR
    60. 60. 020 __ |a 9788501059543 041 1_ |a por |h eng 082 04 |a 823 |2 22 100 1_ |a Kinsella, Sophie |d 1969- 240 04 |a The secret dreamworld of a shopaholic 245 13 |a Os delírios de consumo de Becky Bloom / |c Sophie Kinsella ; tradução de Eliane Fraga 250 __ |a 12 ed. 260 __ |a Rio de Janeiro : |b Record, |c 2008 300 __ |a 425 p. ; |c 21 cm. 336 __|a texto (visual) |2 isbd 337 __|a não mediado |2 isbd 500 __ |a Tradução de: The secret dreamworld of a shopaholic 650 04 |a Ficção inglesa 700 1_ |a Fraga, Eliane |d 1947 ISBD
    61. 61. 020 __ |a 9788501059543 (brochura) 041 1_ |a por |h eng 082 04 |a 823 |2 22 100 1_ |a Kinsella, Sophie |d 1969- |e autor 240 04 |a The secret dreamworld of a shopaholic |l Português 245 13 |a Os delírios de consumo de Becky Bloom |c Sophie Kinsella ; tradução de Eliane Fraga 250 __ |a 12 edição 260 __ |a Rio de Janeiro |b Record |c 2008 300 __ |a 425 páginas |c 21 cm 336 __|a texto |2 rdacontent 337 __|a não mediado |2 rdamedia 338 ---|a volume |2 rdacarrier 500 __ |a Tradução de: The secret dreamworld of a shopaholic 650 04 |a Ficção inglesa 700 1_ |a Fraga, Eliane |d 1947- |e tradutora RDA
    62. 62. 020 $a 0521361834 Identificador de manifestação 100 1# $a Montesquieu, Charles-Louis de Secondat, $c Baron de La Brède et de, $d 1689-1755 Pessoa física ‘criado por’ relação com a obra 240 10 $a De l’esprit des lois. $l English $a = Obra $l = Expressão 245 14 $a The spirit of the laws / $c Montesquieu ; translated and edited by Anne M. Cohler, Basia Carolyn Miller, Harold Samuel Stone Manifestação 260 ## $a Cambridge ; $a New York : $b Cambridge University Press, $c 1989 Manifestação 300 ## $a xlvii, 757 paginas : $b ilustrado ; $c 22 cm 336 ## $a texto $2 rdacontent 337 ## $a não mediado $2 rdamedia 338 ## $a volume $2 rdacarrier Manifestação 500 ## $a Tradução de: De l’espirit des lois. Expressão 650 0# $a Ciência política 650 0# $a Direito $x Filosofia Conceito Relação “de assunto’ com a obra 700 1# $a Cohler, Anne M. 700 1# $a Miller, Basia Carolyn 700 1# $a Stone, Harold Samuel, $d 1949- Pessoa física Relação de ‘realizado por’ com esta expressão OLIVER, C.(2011)Relação FRBR/FRAD Registro estruturado
    63. 63. Tipos de conteúdo na tabela RDA 6.1 (RDA seção 6.9) para formas de conteúdo (0.1) da ISBD na área 0. ISBD tipos de mídia (0.2) estão incluídos somente quando são inequívocas. RDA (3.2). RDA  ISBD Tipo de conteúdo RDA Formas de Conteúdo ISBD Conjunto de dados cartográficos Imagem cartográfica Imagem cartográfica tátil Conjunto de dados de computador Programa de computador Sons Palavra falada Texto Conjunto de dados (cartográficos) : eletrônico Imagem (cartográfico; ainda, 2-dimensional; visual) Imagem (cartográfico; ainda, 2 dimensional; tátil) Conjuntos de dados : eletrônico Programa : eletrônico Sons : áudio Palavra falada : áudio Texto (visual) Marc 336 ## $a programa de computador $2 rdacontent 336 ## $a programa $2 isbdcontent 336 ## $a texto (visual) $2 isbdcontent
    64. 64. Reflexão Cabe às bibliotecas organizarem os recursos de acordo com as demandas de sua clientela, a catalogação assume, em seu sentido mais amplo, a característica de organização da informação. Nesse contexto, a biblioteca deixa de ser uma instituição puramente física para se converter em um elo na cadeia produtiva da informação, sendo que, para isso, precisa necessariamente incorporar novas práticas e compartilhar conhecimentos com outros setores. E é nessa perspectiva, que a AACR2 parece insuficiente, não só por conta de sua tradicional aplicação ao universo da documentação convencional, como também das novas demandas de um usuário cada vez mais exigente. Dulce Baptista. Catalogação: uma revolução em curso. IX ENANCIB, 2008.
    65. 65. Referências • Moreno, F. P. FRBR - Requisitos funcionais para registros bibliográficos: um estudo no catálogo da Rede Bibliodata. Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília, Brasília, 2006. • IFLA (International Federation of Library Associations and Institutions) - Study Group on the Functional Requirements for Bibliographic Records. Functional Requirements for Bibliographic Records. 144p. 1998. Disponível em: http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/frbr.pdf. Acesso em abril/2006 • Tillett, B. B. Bibliographic Relationships in Relationships. In. Bean, C. A.; Green R. (eds) The Organization of Knowledge. Boston: Kluwer Academic Publishers, 2001. • Tillett, B. O que é FRBR?: um modelo conceitual para o universo bibliográfico. Biblioteca do Congresso. Disponível em: http://www.loc.gov/cds/FRBR.html • Chen, P. P. The Entity-Relationship Model - Toward a Unified View of Data. Transaction on Database Systems, v.1, n.1, p.9-36. 1976. • Oliver, C. Introdução à RDA: um guia básico. Brasília : Briquet de Lemos, 2011. • IFLA. Study Group on the Functional Requirements for Bibliographic Records. Requisitos Funcionais dos Registros Bibliográficos: Relatório Final. Lisboa : Biblioteca Nacional, 2008. (Publicações Técnicas) • Mey, E.S.R.; Silveira, N.C. Catalogação no plural. Brasília : Briquet de Lemos/Livros, 2009. • Modesto, F. Tagarelices tecárias sobre tags MARC21 atualizadas. INFOHOME, fev. 2010. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=498 • Modesto, F. O divórcio do catalogador AACR2 ou RDA. INFOHOME, nov. 2010. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=559 • Thornbury, D. FRBR – Functional Requirements for Bibliographic Record. RBSC Techinical Services, april, 2005. Arquivo PowerPoint, 149kb. • Chachra, V,; Espley, J. FRBR implementatition. VTLS, 2001. Arquivo PowerPoint, 536Kb.
    66. 66. Muito Obrigado ! Fernando Modesto CRB-8/3191 fmodesto@usp.br www.eca.usp.br/fmodesto O mundo hoje é: www.ofaj.com.br Outros textos e trabalhos DEPTO. DE INFORMAÇÃO E CULTURA
    67. 67. 74 Nascido em Campinas/SP. Bacharel e Mestre em Biblioteconomia e Documentação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUCCamp. Doutor em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP. Pós-Doutorado pela Universidade Carlos III de Madrid, Espanha. Professor de Biblioteconomia na USP. Mais textos interessantes: http://www.ofaj.com.br José Fernando Modesto da Silva http://www.eca.usp.br/prof/fmodesto

    ×