FRBR, RDA, AACR, Formato MARC: breve introdução

14.289 visualizações

Publicada em

Introdução aos padrões de representação descritiva.

Publicada em: Educação

FRBR, RDA, AACR, Formato MARC: breve introdução

  1. 1. Disciplina de Representação Descritiva II – CBD0216 Material didáticoFRBR, RDA, AACR, Formato MARC Breve introdução e comentários Fernando Modesto fmodesto@usp.br São Paulo, 2011 http://www.eca.usp.br/prof/fmodesto http://www.ofaj.com.br/colunistas.php?cod=2
  2. 2. Rumos da Catalogação – Século 19, 20 e 21• Panizzi (1841)• Cutter (1876)• ALA rules, 1883-1941• Príncipios de Paris (1961)• AACR (1967)• RIEC (1969) – Reunião Internacional de Especialistas em Catalogação (Uniformizar deliberações da Conferência de Paris – códigos)• ISBD (1971- )• AACR2 (1978- )• FRBR (1998)• IME ICC – IFLA MEETING OF EXPERTS ON NA INTERNATIONAL CATALOGUING CODE• RDA (2012?) 2
  3. 3. Iniciativas da IFLA Requisitos Funcionais Para Registros Bibliográficos – FRBR (Functional Requirements for Bibliographic Records)1992 – 1997 – Grupo de Estudos sobre FRBR:Modelo do tipo entidade-relacionamento, como visão geral do universobibliográfico independente de qualquer código de catalogação – É ummodelo conceitualOferece perspectiva sobre a estrutura e relacionamento dos registrosbibliográficos e de autoridade;vocabulário mais preciso para construção de regras de catalogação,desenvolvimento de sistema e atendimento das necessidades dos usuários.http://www.ifla.org/VII/s13/wgfrbr/wgfrbr.htmTextos, ferramentas de treinamento, bibliografia e links http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/frbr.htm http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/frbr.pdf 3
  4. 4. Motivações  FRBR• Realidades econômicas das bibliotecas e necessidade de reduzir os custos de catalogação;• Responder às necessidades do usuário;• Abordar os tipos de materiais e os vários contextos em que são usados registros bibliográficos.• Produzir um quadro claro, preciso, e compreensível das informações fornecidas em um registro bibliográfico• Publicação 1998 • http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/frbr.htm 4
  5. 5. FRBR – Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (Functional Requirements for Bibliographic Records)• Modelo Entidade Relacionamento • Entidades: Grupos 1, 2, 3 • Relacionamentos • Atributos• Tarefas do Usuário • Encontrar • Identificar • Selecionar • ObterIdentificam as tarefas que os usuários devem empregar no processo de descobrimento dosrecursos. 5
  6. 6. FRBR Em 2001, JSC – Joint Steering Committee (Comitê Misto de Direção) Terminologia FRBR devem ser incorporados AACR. Revisões regra têm sido propostos para assegurar que os termos FRBR possam ser utilizados na AACR. Introdução de novos termos, bem como redefinição de uso existentes.Tarefas de Usuários – dados bibliográficos Entidades que correspondem aos critérios de busca formulados (umaENCONTRAR única entidade ou conjunto). Uma entidade (confirmar que a entidade descrita corresponde à entidadeIDENTIFICAR procurada ou distinguir entre entidades com características comuns). Entidade apropriada às necessidades do usuário (no que se refere aSELECIONAR conteúdo, formato físico, etc., ou recursar inadequadas). Acesso à entidade descrita (adquirir uma entidade por meio de compra, OBTER empréstimo, etc. ou ter acesso eletronicamente a um entidade por meio de conexão com um computador remoto). 6
  7. 7. Entidades FRBR Objetos de interesse para os usuários Os produtos da criação intelectual ou artística; As pessoas físicas ou pessoas jurídicas responsáveisDados bibliográficos por algum papel em relação a esses produtos; Os assuntos desses produtos da criação intelectual e artística. Modelo FRBR identifica três grupos de entidades Produtos do trabalho intelectual ou artísticoEntidade do grupo 1 Entidade: obra, expressão, manifestação, item Responsáveis pelo conteúdo intelectual ou artístico, a produçãoEntidade do grupo 2 física e a disseminação das entidades do grupo 1 AssuntosEntidade do grupo 3 Entidades: conceito, objeto, acontecimento, lugar + todas as entidades dos grupos 1 e 2 7
  8. 8. Entidades FRBR Entidades do grupo 1 significadoNão existem como objetos isolados, tangíveis.São aspectos que correspondem aos interesses do usuário pelos produtos de criação intelectuale artística • Uma criação intelectual ou artística definida. Conteúdo intelectual independente do seu suporte ou forma. Obra • A realização intelectual ou artística de uma obra na forma como se expressa. texto, musical ou coreográfica, som, imagem, objeto, movimento, etc., ou qualquer Expressão combinação destas formas. Compreende tradução, interpretação. • Materialização em termos físicos da expressão de uma obra. Representação de todos os objetos físicos que possuam mesma característica (conteúdo e forma) Manifestação • Um exemplar individual de uma manifestação. Objeto físico que permite ao usuário acessar o conteúdo intelectual ou artístico. Compreende objeto existente em Item um lugar (mesmo ciberespaço) e pode constituir-se de vários volumes. 8 MEY; SILVEIRA (2009) OLIVER, C.(2011)
  9. 9. Creator / Criador• Criador: pessoa, família ou entidade responsável pela a criação de uma obra.• Criadores incluem pessoas, famílias ou entidade responsáveis pela criação de uma obra• podem desempenhar o mesmo papel (por exemplo, como na colaboração entre dois escritores), ou• podem desempenhar papéis diferentes (por exemplo, como na colaboração entre um compositor musical e letrista). Criador é elemento essencial. Se houver mais de um criador, só o primeiro criador mencionado é necessário. http://www.rdatoolkit.org/constituencyreviewfiles/Phase1Chp9_11_12_08.pdf http://www.rdatoolkit.org/constituencyreviewfiles/Phase1Chp0_10_22_08.pdf 9
  10. 10. FRBR – Entidades do Grupo 1 No contexto de “quem escreveu o livro”, significa alto nível de abstração, o O b ra conteúdo conceitual implícito a todas as versões linguísticas, a história contada no livro, as ideias na cabeça do autor para o livro. FRBR chama isso de Obra. É percebida por meio da é re a liza d a p o r Livro no contexto idioma original como o autor o escreveu ou no contexto de quem traduziu (texto em E x p re s s ã o uma língua específica). FRBR chama de expressão.N íve l co n ce itu a lN íve l físico é in c o rp o ra d a e m Ganha existência na M a nife s ta ç ã o Ao comprar o livro, sabemos ISBN, quem editou e data, se está em boas condições ou faltar páginas. FRBR chama de manifestação é ex e m p lific a d a p o r Ite m Livro descrito como objeto físico de posse da biblioteca, os FRBR chamam objeto de item 10
  11. 11. FRBR – Entidades do Grupo 1 A ideia plenamente desenvolvida do romance de Robinson O b ra Crusoe (na cabeça de Daniel Defoe) é re a liza d a p o r O texto no original em inglês como Defoe o escreveu E x p re s s ã oN íve l co n ce itu a lN íve l físico é in c o rp o ra d a e m Livro publicado em Oxford University Press em 2007 M a nife s ta ç ã o é ex e m p lific a d a p o r Ite m O exemplar possuído pela Biblioteca da USP 11
  12. 12. FRBR – Atributos Conjuntos de características importantes para encontrar, identificar, selecionar e obter um recurso. Descobertos no exame direto da própria entidade, como:Intrínsecos dimensões, título na página de rosto, tipo de conteúdo, data de publicação, etc. Origem fora da entidade. Necessita, de uma fonte de referênciaExtrínsecos externa, por exemplo consulta de um índice temático para atribuição ao recurso.Alguns atributos têm ampla aplicabilidade, como é o caso do título e data.Outros atributos aplicam-se apenas a certos tipos de recursos, caso daescala e projeção, que se destinam a recursos cartográficos. OLIVER, C.(2011) 12
  13. 13. FRBR – Atributos Identificador do item (p. ex., número do códigoAtributos de um item de barras); Procedência do item; marcas/inscrições etc. Editora/distribuidora;Atributos de uma Data de publicação/distribuição;manifestação Forma de suporte; dimensões do suporte etc. Forma de expressão;Atributos de uma Idioma da expressão;expressão Tipo de partitura (notação musical); Escala (imagem/objeto cartográfico) etc. Forma da obraAtributos de uma obra Meio de execução (obra musical) Coordenadas (obra cartográfica) etc. 13
  14. 14. FRBR – Níveis das EntidadesObra Novela FilmeExpressão Texto Tradução Edição Versão Original Crítica OriginalManifestação Papel PDF HTML Item Copia 1 Copia 2 14
  15. 15. • Bottom-up – Catalogador – Mais fácil entender o processo de organização O b ra é re a liza d a p o r E x p re s s ã o N íve l co n ce itu a l N íve l físico é in c o rp o ra d a e m M a nife s ta ç ã o é ex e m p lific a d a p o r Ite m• Top-Down – Usuário – Mais fácil de apresentar as informações 15
  16. 16. Grupo 2 - FRBR Entidades (pessoas e organizações) Obra relacionadas às entidades do Grupo 1. Refletem o papel do Grupo 2 com o Expressão Grupo 1 Destaca a importância dos termos Manifestação relacionados (relator terms) Item é propriedade de Pessoa é produzida por é percebida por meio da Organizaçãoé criada por Responsáveis por 16
  17. 17. Grupo 3 - FRBR Obra Obra Expressão São os assuntos da obra. tem como assunto Manifestação Podem ser conceitos, objetos, eventos, lugares e qualquer Item entidade do Grupo 1 ou 2. Ex. pode se ter uma obra tem como assunto Pessoa sobre outra obra ou uma obra sobre pessoa ou organização. Entidade Coletiva Conceito Relacionamentos bibliográficos Objeto Relacionamentos: de conteúdo tem como assunto Evento todo/parte parte/parte LugarObra x Assunto 17
  18. 18. Família de Obras Ponto de corte dasMesma Nova Expressão Regras de catalogação Nova ObraExpressão 18 Disponível no endereço: http://www.loc.gov/cds/FRBR.html
  19. 19. FRBR Display Tool v. 2.0 (Adaptação) 19Moreno (2006)
  20. 20. manifestação manifestação 20Moreno (2006, p.106)
  21. 21. 21Moreno (2006)
  22. 22. ExemploObra 1: Emma, de Jane Austen Expressão 1: tradução desta obra para o português de Ivo Barroso Manifestação 1: livro publicado pela Nova Fronteira, 1996 Item 1: exemplar existente na Biblioteca Nacional do Brasil Item 2: exemplar existente na Biblioteca Mario de Andrade (São Paulo, SP) Expressão 2: edição de Richard Cronin e Dorothy McMillan Manifestação 1: Cambridge University Press, 2005 Item 1: exemplar existente na biblioteca pública de Nova York Item 2: exemplar da Library of Congress (Estados Unidos) MEY; SILVEIRA (2009) 22
  23. 23. Entidande Relacionamentos: Obra/Work … Item Homērou Odysseia ... Algumas expressões da Obra... Tradução do Inglês por Tradução do Inglês por Tradução do Grego Rodney Merrill: The John Ogilby: Homer his Moderno por I. Polylas: odyssey Odysses Homērou Odysseia Três manifestações de expressãoVersão eletrônica: EEBO, Impressa: London, 1669 Microforma: UMI, 1982 1999- (Wing H2555, 358 p.) (positive, b&w)(http://wwwlib.umi.com/ee bo/image/43589) Item Item (Ex) 2681.333.669f; (Filme) 0419.922 1334:1 Encadernado com Homer, his Iliads. 1669Thornbury, 2005 23
  24. 24. FRBR e MARC?Por que isso é interessante?Catálogos bibliográficos são baseados em formatos MARC,Qualquer mudança importante no mundo da informação bibliográficatem que considerar essa informação legado ,MARC pode ser antiquado, mas em torno dele seguirá muitos mais anos.Questões importantes:São os formatos MARC existentes capazes de expressar FRBR?O que é necessário para tornar o modelo FRBR mais explícito em registrosMARC?Como podemos melhorar os formatos?Uma abordagem evolutiva para FRBR é mais provável de ter sucesso doque uma abordagem revolucionária 24
  25. 25. MARC000 cam a001 2465968008 821108 s 1912 gw 0 0 0 0 ger d035 $a (OCoLC)ocm08935092035040 $a ZIH $c ZIH $d PUL041 $a ger ‚ $h eng100 $a Shakespeare, William, $d 1564-1616.240 10 $a Hamlet. $l German245 10 $a Hamlet, Prinz von Dèanemark / $c von William Shakespeare ;èubersezt von Heinrich Voss.260 $a [Dèusseldorf : $b E. Ohle, $c 1912]300 $a 145 p. ; $ c 28 cm.500 $a Number 141 of an edition of 200 copies. $5 NjP563 $a Bound by Carl Sonntag jun. in 25 Leipzig. $5 NjP
  26. 26. MARC: FRBR mapping000 cam a001 2465968008 821108 s 1912 gw 0 0 0 0 ger d035 $a (OCoLC)ocm08935092035040 $a ZIH $c ZIH $d PUL041 1 $a ger $h eng100 1 $a Shakespeare, William, $d 1564-1616.240 10 $a Hamlet. $l German245 10 $a Hamlet, Prinz von Dèanemark / $c von William Shakespeare ;èubersezt von Heinrich Voss.260 $a [Dèusseldorf : $b E. Ohle, $c 1912]300 $a 145 p. ; $c 28 cm.500 $a Number 141 of an edition of 200 copies. $5 NjP563 $a Bound by Carl Sonntag jun. in Leipzig. $5 NjP700 1 $a Voss, Heinrich, $d 1779-1822.852 8 $b ex $h 3925.342.11 26876 $a 32101037428800
  27. 27. 020 $a 0521361834 Identificador de manifestação100 1# $a Montesquieu, Charles-Louis de Pessoa física „criado por‟ Secondat, $c Baron de La Brède et de, relação com a obra $d 1689-1755240 10 $a De l‟esprit des lois. $l English $a = Obra $l = Expressão245 14 $a The spirit of the laws / $c Montesquieu ; Manifestação translated and edited by Anne M. Cohler, Basia Carolyn Miller, Harold Samuel Stone260 ## $a Cambridge ; $a New York : $b Manifestação Cambridge University Press, $c 1989300 ## $a xlvii, 757 p. : $b ill, ; $c 22 cm. Manifestação500 ## $a Tradução de: De l‟espirit des lois. Expressão650 0# $a Ciência política Conceito650 0# $a Direito $x Filosofia Relação “de assunto‟ com a obra700 1# $a Cohler, Anne M. Pessoa física700 1# $a Miller, Basia Carolyn Relação de „realizado por‟ com700 1# $a Stone, Harold Samuel, $d 1949 esta expressão 27 OLIVER, C.(2011)
  28. 28. Nível da Obra / Work : Definir nível de obra em: autor e títuloAutor:Combinações: Na seguinte ordem de campos:100 $a $d110 $a $d111 $a $dIgnorar: espaços extras em branco, caixas, sinalização de caracteres, colchetes,parênteses e toda a pontuação.Ordenar: Classificar alfabeticamente pelo primeiro caractere na fraseMostrar Autor:100 $a $b $c $d $q110 $a $b $c $d111 $a $c $d $q 28
  29. 29. Nível da Obra / Work : Definir nível de obra em: autor e títuloTítulo:Combinações na ordem de campos:240 $a $d $m $n $p $r243 $a $d $m $n $p $r245 $a $n $pIgnorar: espaços extras em branco, sinalização de caracteres, colchetes,parênteses e toda a pontuação.Ordenar: Classificar alfabeticamente pelo primeiro caractere na frase (abaixo oconteúdo do campo 1XX)Mostrar Obra:240 $a $d $m $n $p $r243 $a $d $m $n $p $r245 $a $n $p 29
  30. 30. Nível da Obra / Work : Definir nível de obra em: autor e títuloDefinir obra, somente o título (quando não existe nos campos: 100,110,111)Combinações na ordem de campos:130 $a $d $m $n $p $r240 $a $d $m $n $p $r243 $a $d $m $n $p $r245 $a $n $pOrdenar: Classificar alfabeticamente pelo primeiro carácter na frase.Colocar as obras que não contenham os campos 100, 110, 111 após aquelas queos contenham.Mostrar Obra:130 $a $d $m $n $p $r240 $a $d $m $n $p $r243 $a $d $m $n $p $r245 $a $n $p 30
  31. 31. Nível de Expressão / ExpressionExpressãoCombinação:Líder (Leader)/06 (tipo de registro)Campo 008/35-37 (campos fixos de dados – todos os materiais:Idioma)Ordenar: Alfabeticamente pelo código Leader/06.Classificar em ordem alfabética: código de idioma do campo008/35-37Mostrar na Forma:Leader/06 - 008/35-37 31
  32. 32. Nível de Manifestação / ManifestationCombinação não há ao nível da manifestaçãoOrdenar: Cronologicamente pela data usando o valor do campo 008/07-10 (Data 1/Data inicial da publicação)Mostrar:Edição: 250 $a $bTítulo da Edição: 245 $a $b $n $p (subcampo $b começar com um parênteses ou colchete, nãomostrar)Indicação de responsabilidade: 245 $cImprenta: 260 $b $c $gDescrição Física: 300 (todos os subcampos exceto: $6, $8)ISBD: 020 $a $c $zISSN: 022 $a $y $zNúmero do Editor para música: 028 $a $bIdentificador Título de Periódicos: 030 $a $zReprodução: 533 (todos os subcampos exceto $6, $7, $8) 32
  33. 33. Beethoven Example Pesquisar Beethoven Chachra; Espley, 20013 3
  34. 34. Exemplo  Beethoven Selecionar 6th Symphony / Sinfornia. (Pode também selecionar 5 Beethoven e a 6th Symphony) Chachra; Espley, 20014 3
  35. 35. Exemplo  Beethoven Resultado é um Trabalho em registro FRBR . (Expansível ao click sobre O sinal) Chachra; Espley, 20015 3
  36. 36. Exemplo  Beethoven Opção é Expandida para mostrar a Expressão FRBR. A tag 004 É o 001 da Obra. Chachra; Espley, 20016 3
  37. 37. Exemplo  Beethoven Expandindo A opção novamente É mostrada a Manifestação FRBR . Chachra; Espley, 20017 3
  38. 38. Exemplo de Catálogo - FRBRhttp://webapp1.dlib.indiana.edu/scherzo/ 38
  39. 39. 39http://bit.ly / QEdYWG
  40. 40. http://www.espm.br/ConhecaAESPM/Biblioteca/Pages/default.aspx 40
  41. 41. FRBR Resultados das iniciativas da IFLA Mudança de enfoque. Desloca-se do material bibliográfico para o usuário (encontrar, identificar, selecionar e obter acesso ao material). Mudanças na compreensão do registro. Surge de encontros internacionais de especialistas em catalogação. Estabelecem padrões de descrição, denominados: Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR).É uma ferramenta conceitual útil na avaliação e questionamento da maneira decatalogar.As distinções entre o que é físico e o que é abstrado nas “coisas” quedescrevemos, e os níveis desta identificação no conteúdo das “publicações,”sendo útil para nos lembrar de pensar em como melhorar os catálogos ecomo melhorar os serviços fornecidos aos usuários.Essas distinções devem ser refletidas em nosso futuro código de catalogaçãoInternacional. 41
  42. 42. Novo Código - AACR2 Recursos: Descrição e Acesso Resource Description and Access • 1997: International Conference on the Principles and Future Development of AACR, Toronto – Especialistas – Revisão dos principios – Conteúdo vs. suporte – Estrutura lógica das regras – Universalização Metadados (informação bibliográfica) criado por uma ampla variedade de pessoal dentro e fora das bibliotecas; alguns usando esquemas de metadados Dublin Core.• AACR2 • Um novo padrão para descrição de recurso e acesso – 1978 • Projetado para o ambiente digital – 1988 • Produtos baseados na Web – 1998 – também para texto disponível – 2002 • Descrição e acesso para todos os recursos digitais e analógicos IME ICC – IFLA Meeting of Experts on• Resultando registros utilizável no ambiente digital an International Cataloguing Code (Internet, Web OPACs, etc.) 42 Modesto, 2010
  43. 43. Desenvolvido pelo JSC (Comitê Misto de Direção ),com representantes das entidades:■ American Library Association■ Australian Committee on Cataloguing■ British Library■ Canadian Committee on Cataloguing■ Chartered Institute of Library and Information Professionals (CILIP)■ Library of CongressCommittee of Principals (CoP) supervisiona o projeto como um todo. Membrosdo CoP:■ American Library Association■ Canadian Library Association■ Chartered Institute of Library and Information Professionals (CILIP)■ Library of Congress■ Library and Archives Canada■ British Library■ National Library of AustraliaEntidades Co-Editoras fornecem suporte financeiro e de produção para oRDA.■ American Library Association■ Canadian Library Association■ CILIP, whose publishing imprint is Facet Publishing (www.facetpublishing.co.uk) 43
  44. 44. Resultados das iniciativas da IFLA Exemplos Princípios de Paris (1961) Ambiente digital Entrada principalFunções e estrutura do catálogo e secundária de autoridade nemEntrada principal sempre explícita.Uso de Entradas MúltiplasEscolha de Título Uniforme Regra de três – herança do passado descontextualizado nos OPACsAtualização dos Princípios de Paris O conceito de catálogo não tem o mesmo sentido em um catálogoAutor pessoal único automatizado, em rede e deEntrada de Entidade Corporativa bases de dados bibliográficasAutoridades múltiplas especializadas.Entrada para títulos, cabeçalhosuniformes para textos AACR2; formato MARC21 e asEntradas de nomes pessoais dificuldades com os vínculos hipertextuais ainda insuficientes 44
  45. 45. Recursos: Descrição e AcessoNova norma de catalogação que irá substituir o Código de CatalogaçãoAnglo-Americano 2ª edição.Apesar de manter uma forte relação com a AACR2, a RDA apresenta diferenças: FRBR – Requisitos Funcionais para Registros BibliográficosBaseada numa estrutura teórica FRAD – Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade (modelo é extensão do FRBR)Projetada para ambiente digital. Norma de conteúdo. Não se destina apenas a bibliotecas.Escopo mais abrangente do que a AACR2. OLIVER, C.(2011) 45
  46. 46. Objetivos e princípios funcionais Dados registrados Atributos de uma obra ou expressãoEncontrar obras e expressões que correspondam aos critérios de buscainformados pelo usuário.Identificar a obra ou expressão representada pelos dados (é aquelaprocurada ou distinguir entre duas ou mais que possuam o mesmotítulo ou título semelhante)Compreender a relação entre o título usado para representar a obra e outrotítulo pelo qual aquela obra seja conhecida (ex. título em outro idioma)Compreender por que determinado título foi registrado como título preferido ouuma variante do título.Selecionar uma obra ou expressão que seja adequada às necessidades dousuário no que se refere a formato, público pretendido, língua etc. 46 OLIVER, C.(2011)
  47. 47. Relações entre as normas AACR2 Construção com base nos alicerces da Preservar a compatibilidade com os dados herdados dos registros AACR2 Dados RDA podem ser codificados com a mesma norma MARC21 usada em registros AACR2Preocupação com a necessidade de a norma servir de ponte entre ambientes (outrora efuturo), e que nem todas as bibliotecas ~marcharão no mesmo ritmo a caminho dosnovos ambientes. 47 OLIVER, C.(2011)
  48. 48. Estrutura do AACR2 Estrutura RDA Parte I - Descrição Atributos do FRBR/FRAD1. Regras Gerais de Descrição2. Livros, Folhetos e Folhas Impressas 1. Atributos de Manifestação e Item3. Materiais Cartográficos 2. Atributos do Trabalho e da Expressão4. Manuscritos 3. Atributos de Pessoa, Família e Entidade Coletiva5. Música 4. Atributos de Conceito, Objeto, Evento e Lugar6. Gravações de sons7. Filmes Cinematográficos e Gravações de Vídeos8. Materiais Gráficos9. Recursos Eletrônicos Relacionamentos do FRBR / FRAD10. Artefatos Tridimensionais e Realia11. Microformas 5. Relacionamentos primários12. Recursos Contínuos 6. Relacionamento com Pessoas, Famílias e Entidades13. Análise Coletivas associados a um recurso 7. Relacionamentos de AssuntoPart II – Pontos de Acesso, 8. As relações entre obras, expressões, manifestações eTítulos Uniformes, Remissivas itens 9. As relacionamentos entre Pessoas, Famílias e Entidades21. Escolha dos Pontos de Acesso 10. Relacionamentos entre Conceitos, Objetos, Eventos22. Cabeçalhos para Pessoas e Lugares23. Nomes Geográficos24. Cabeçalhos para Entidades25. Títulos Uniformes 4826. Remissivas Modesto, 2010
  49. 49. Estrutura do RDA ApêndicesAppendix A. Capitalization (Maiúscula)Appendix B. Abbreviations (Abreviaturas)Appendix C. Initial articles (Artigos iniciais)Appendix D. Record syntaxes for descriptive data (Sintaxes de registros para dados descritivos)Appendix E. Record syntaxes for access point control data (Sintaxes do registro para controle de ponto de acesso)Appendix F. Additional instructions on names of persons (Instruções adicionais para nome de pessoas)Appendix G. Titles of nobility, terms of rank, etc. (Títulos de nobreza, termos hierárquicos [títulos honoríficos] )Appendix H. Dates in the Christian calendar (Datas no calendário cristão)Appendix I. Relationship designators: Relationships between a resource and persons, families, and corporate bodies associated with the resource (Designadores de relação: relações entre um recurso e pessoas, famílias e entidades coletivas associadas ao recurso)Appendix J. Relationship designators: Relationships between works, expressions, manifestations, and items (Designadores de relação: relações entre obras, expressões, manifestações e itens)Appendix K. Relationship designators: Relationships between persons, families, and corporate bodies (Designadores de relação: relações entre pessoas, famílias e entidades coletivas)Appendix L. Relationship designators: Relationships between concepts, objects, events, and places (Designadores de relação: relações entre conceitos, objetos, eventos e lugares [não elaborados])Appendix M. Exemplos completos – registros bibliográficos http://www.rda-jsc.org/rdaprospectus.html 49
  50. 50. ISBD – pontuação AACR2 prescreve o uso de pontuação da ISBD.RDA não prescreve nenhum tipo de apresentação (entende-se que amaioria das bibliotecas continuará a usar as ISBDs).RDA  Apêndice D estabelece diretrizes da ISBD. 50
  51. 51. ISBD – pontuaçãoTítulo principal [designação geral do material] = Título equivalente : outrasinformações sobre o título / Primeira indicação de responsabilidade ; cadauma das indicações subsequentes de responsabilidade. – Indicação deEdição / Primeira indicação de responsabilidade relativa à Edição. –Detalhe específicos do material. – Primeiro Lugar de publicação etc. :Primeiro Editor etc., Data Publicação etc.. – Extensão do item : Outrosdetalhes físicos ; Dimensão. – (Título principal da Série / Indicação deresponsabilidade relativa à Série, ISSN da Série ; Numeração dentro dasérie. Título da Subsérie, ISSN da Sub série ; Numeração dentro daSubsérie ). – Notas. – Número normalizado. 51
  52. 52. http://www.loc.gov/marc/ 52
  53. 53. Novos campos MARC substitui o DGM (Designação Geral de Material) 245 $h Meio Físico (NR) AACR2  1.1C1 Escolha de uma lista de designadores gerais do material recomendada abaixo e use o termos da lista escolhida em todas as descrições para as quais as designações gerais do material forem consideradas necessárias.245 10 $a Panorama da catalogação no Brasil $h [recurso eletrônico] : da década de 1930 aos primeiros anos do Século XXI / $c Fernando Modesto.300 $a 1 recurso online 53
  54. 54. 336 – Content type /Tipo de conteúdo (RDA 6.9) A forma de comunicação através de uma Obra que seDiferenciar informação sobre: expressa. Exemplos: música executada; texto;expressão e manifestação movimento bidimensional da imagem. 337 - Media Type / Tipo de Mídia (RDA 3.2) O tipo geral de um dispositivo de intermediação Estrutura em Três necessário para ver, operar, rodar, etc, o conteúdo de elementos um recurso. Exemplos: computador, áudio; microforma; vídeo 338 - Carrier Type / Tipo de Suporte (RDA 3.3) O formato do suporte de armazenamento. Exemplos: disco de áudio; recurso on-line; microfichas, videocassete, volume MARC 54
  55. 55. 336 – Tipo de Conteúdo (R) MARC Categorização que reflete a forma fundamental de comunicação em que o conteúdo é expresso, bem como o sentido humano por meio do qual se pretende que ele seja aprendido.Códigos de Subcampo$ a - tipo de conteúdo (R)$ b - código do tipo de Conteúdo (R)$ 2 – Fonte do código (NR): Gênero / Forma.$ 3 - Materiais especificados (NR)$ 6 - Ligação (NR): descrição no Apêndice A: Subcampos de Controle .$ 8 - Campo de ligação e número de sequência: descrição no Apêndice A: Subcampos deControle . http://www.loc.gov/marc/bibliographic/concise/bd336.html http://www.loc.gov/standards/sourcelist/genre-form.html http://www.loc.gov/marc/bibliographic/ecbdcntf.htmlExemplo 336# # $ a música executada $ 2 rdacontent 336# # $ a imagem bidimensional em movimento $ b tdi $ 2 rdacontent two-dimensional moving image 55
  56. 56. 336 – Tipo de Conteúdo (R)  termos usados• Conjunto de dados cartográficos • Imagem em movimento tridimensional• Conjunto de dados informáticos • Imagem fixa• Formato cartográfico tátil • Imagem tátil• Formato cartográfico tridimensional • Movimento notado• Formato cartográfico • Movimento notado tátil tridimensional • Música executada• Formato tátil tridimensional • Música notada• Formato tridimensional • Música notada tátil• Imagem cartográfica • Palavra falada• Imagem cartográfica em • Programa de computador movimento • Sons• Imagem cartográfica tátil • Texto• Imagem em movimento • Texto tátil bidimensional • Outro http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdacontent.html • Não-especificado 56
  57. 57. 337 - Tipo de Mídia (R) MARCUma categorização que reflete o tipo geral de dispositivo de intermediação necessário paraver, tocar, exibir, etc. o conteúdo de um recurso.Atributo do suporte e que diferencia as manifestações. Códigos de Subcampo $ a – Tipo de mídia (R) $ b – Código do tipo de mídia (R) $ 2 – Código da Fonte (NR): Gênero / Forma . $ 3 - Materiais especificados (NR) $ 6 - Ligação (NR): descrição no Apêndice A: Subcampos de Controle . $ 8 - Ligação e número de sequência (R): descrição no Apêndice A: Subcampos de Controle . http://www.loc.gov/marc/bibliographic/concise/bd337.html http://www.loc.gov/standards/sourcelist/genre-form.html http://www.loc.gov/marc/bibliographic/ecbdcntf.html 337# # $ a áudio $ 2 rdamedia 337# # $ a vídeo $ b v $ 2 rdamedia http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdamedia.html v - videorecording 57
  58. 58. 337 - Tipo de Mídia (R)  vocabulário empregado• Áudio • Não-mediado• Computador • Projetado• Estereográfico • Vídeo• Microforma • Outro• Microscópico • Não-especificado http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdamedia.html 58
  59. 59. 338 - Tipo de Suporte (R) MARCCategorização que reflete o formato do meio de armazenamento e invólucro de umsuporte em relação com o tipo de dispositivo de intermediação necessário para ver, tocar,exibir, etc., o conteúdo do recurso.Códigos deSubcampo$ a – Tipo de Suporte (R) (categoria de suporte usada para a transmissão do conteúdo do recurso)$ b - código do tipo de suporte (R)$ 2 – Código da Fonte (NR): Gênero / Forma.$ 3 - Materiais especificados (NR)$ 6 - Ligação (NR): descrição no Apêndice A: Subcampos de Controle$ 8 - Campo de ligação e número de sequência (R): descrição no Apêndice A: Subcampos de controle http://www.loc.gov/marc/bibliographic/concise/bd338.html http://www.loc.gov/standards/sourcelist/genre-form.html http://www.loc.gov/marc/bibliographic/ecbdcntf.html http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdacarrier.html exemplos 338# # $ a disco de áudio $ 2 rdacarrier 338# # $ a videodisco $ b vd $ 2 rdacarrier 59
  60. 60. 338 - Tipo de Suporte (R)  lista de termos segundo tipo de mídiaSuporte de áudio Suportes de Microforma Suportes estereográficosAudiocassete Cartão-janela Cartão estereográficoCarretel de fita de áudio Microficha Disco estereográficoCarretel de trilha sonora Carretel de microfilmeCartucho de áudio Cartucho de microfilmeCilindro de áudio Cassete de microfichaDisco de áudio MicroopacosRolo de áudio Rolo de microfilme Tira de microfilmeSuporte de dados Suportes de microscopia Suportes não-mediadosCartão de memória Lâmina microscópica Álbum seriadoCartucho de memória FichaDisco de computador ObjetoCarretel de fita de computador Suportes de vídeo RoloCartucho de disco de computador Folha Carretel de fita de vídeoCartucho de fita de computador Volume VideocartuchoCassete de fita de computador VideocasseteRecurso em linha VideodiscoSuportes de imagens projetadas OutroCarretel de filme Não-especificadoCartucho de diafilmeCartucho de filmeCassete de filmeDiafilmeDiapositivoRolo de filme http://www.loc.gov/standards/valuelist/rdacarrier.htmlTira de filme 60Transparência de retroprojetor
  61. 61. AACR -- MARC MARC245 10 $a Panorama da catalogação no Brasil $h [recurso eletrônico] : da década de 1930 aos primeiros anos do Século XXI / $c Fernando Modesto.300 $a 1 recurso online RDA -- MARC245 10 $a Panorama da catalogação no Brasil / $c Fernando Modesto.300 $a 1 recurso online336 $a Texto $2 marccontent337 $a Computador $2 marcmedia338 $a Recurso em linha $2 marccarrier http://www.eca.usp.br/prof/fmodesto/textos/2007PanoramaCatalogacao.pdf 61
  62. 62. Outras temáticas Dublin Core Metadata Initiative Linguagens de Marca: http://dublincore.org/ SGML, HTML, XML DOI (Digital Object Identifier) Identificar conteúdos científicos no ambiente online. http://www.crossref.org/02publishers/doi-guidelines.pdf UNIMARC XML Padrão UNIMARChttp://www.bookmarc.pt/unimarc/ http://www.unimarc.net/ Padrão MARC, MARCXMLZ39.50 http://www.loc.gov/z3950/agency/ http://www.loc.gov/marc/Informações de esquemas de OAI-PMHmetadados (Protocolo da Iniciativa de Arquivos Abertoshttp://www.loc.gov/standards/mods/ para Coletas de Metadados)http://www.loc.gov/standards/mads/ padrões de interoperabilidade que facilitem a disseminação de conteúdo digital na comunidadehttp://www.loc.gov/standards/mets/ científica. http://www.openarchives.org/OAI/openhttp://www.loc.gov/standards/mix/ archivesprotocol.htmlhttp://www.loc.gov/standards/premis/ 62
  63. 63. Comunicação da Divisão IV• Revista trimestral International Cataloguing and Bibliographic Control – Conteúdos e assinatura: http://www.ifla.org/VI/3/admin/content.htm• Newsletters da Seção• IFLANET: http://www.ifla.org/VII/d4/dbc.htm• Relatório 1997 do Grupo de Estudos sobre FRBR: http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/frbr.pdf• Atividades do Grupo de Revisão do FRBR http://www.ifla.org/VII/s13/wgfrbr/wgfrbr.htm Fontes mínimas para atualização sobre catalogação 63
  64. 64. http://www.rda-jsc.org/rda.html 64
  65. 65. Biblioteca do Congresso (Library of Congress),Biblioteca Nacional de Agricultura (National Agricultural Library),Biblioteca Nacional de Medicina (National Library of Medicine).Emitir: declaração conjunta sobre:Relatório e Recomendações do Comitê Coordenador dos Testes da RDA(Report and Recommendations of the U.S. RDA Test Coordinating Committee onthe implementation of RDA — Resource Description & Access).Aplicação da RDA.A declaração está sendo emitida antes da próxima Annual Conference of theAmerican Library Association, New Orleans, 23-28 de junho.Relatório completo e recomendações estarão disponíveis antes da ConferênciaAnual:http://www.loc.gov/bibliographic-future/rda/ http://www.nlm.nih.gov/tsd/cataloging/RDA_report_executive_summary.pdf 65
  66. 66. Comentários• Representação Descritiva: renovação teórica e prática – efeito das tecnologias.• Nova dimensão: como meio para gestão e organização do conhecimento circulante na Internet.• Padrões de normalização, e formatos• Efeitos sobre o acesso e recuperação da informação.• Com a sociedade em mudança, impactadas pelas tecnologias, as bibliotecas e a atividade de catalogação se renovam, se universalizam. 66
  67. 67. Referências• Moreno, F. P. FRBR - Requisitos funcionais para registros bibliográficos: um estudo no catálogo da Rede Bibliodata. Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.• IFLA (International Federation of Library Associations and Institutions) - Study Group on the Functional Requirements for Bibliographic Records. Functional Requirements for Bibliographic Records. 144p. 1998. Disponível em: http://www.ifla.org/VII/s13/frbr/frbr.pdf. Acesso em abril/2006• Tillett, B. B. Bibliographic Relationships in Relationships. In. Bean, C. A.; Green R. (eds) The Organization of Knowledge. Boston: Kluwer Academic Publishers, 2001.• Tillett, B. O que é FRBR?: um modelo conceitual para o universo bibliográfico. Biblioteca do Congresso. Disponível em: http://www.loc.gov/cds/FRBR.html• Chen, P. P. The Entity-Relationship Model - Toward a Unified View of Data. Transaction on Database Systems, v.1, n.1, p.9-36. 1976.• Oliver, C. Introdução à RDA: um guia básico. Brasília : Briquet de Lemos, 2011.• IFLA. Study Group on the Functional Requirements for Bibliographic Records. Requisitos Funcionais dos Registros Bibliográficos: Relatório Final. Lisboa : Biblioteca Nacional, 2008. (Publicações Técnicas)• Mey, E.S.R.; Silveira, N.C. Catalogação no plural. Brasília : Briquet de Lemos/Livros, 2009.• Modesto, F. Tagarelices tecárias sobre tags MARC21 atualizadas. INFOHOME, fev. 2010. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=498• Modesto, F. O divórcio do catalogador AACR2 ou RDA. INFOHOME, nov. 2010. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=559• Thornbury, D. FRBR – Functional Requirements for Bibliographic Record. RBSC Techinical Services, april, 2005. Arquivo PowerPoint, 149kb.• Chachra, V,; Espley, J. FRBR implementatition. VTLS, 2001. Arquivo PowerPoint, 536Kb. 67
  68. 68. José Fernando Modesto da Silva http://www.eca.usp.br/prof/fmodestoNascido em Campinas/SP. Bacharel e Mestre emBiblioteconomia e Documentação pela PontifíciaUniversidade Católica de Campinas – PUCCamp.Doutor em Comunicação pela Escola deComunicações e Artes da Universidade de São Paulo– ECA/USP. Pós-Doutorado pela Universidade CarlosIII de Madrid, Espanha. Professor de Biblioteconomiana USP. Mais textos interessantes:http://www.ofaj.com.br 68

×