IDENTIDADE

126 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
126
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IDENTIDADE

  1. 1. AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE ARTIGO, POR QUALQUER MEIO CNVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADAA FONTE. (...) IDENTIDADETudo isto em nome da ideologia da educação centrada no indivíduo e da autonomiaindividual. (Boaventura de Sousa Santos)
  2. 2. IDENTIDADEO pressuposto epistemológico em “Identidade” é pessoal.Porém, vale lembrar queautores que tratam do tema foram consultados, e reforçam a ideia de IdentidadeIndividual. Transformações, Mudanças, Atitudes, Habilidades e Sintonias; tudo paralidar com a crise individual crítica em torno da Educação Ambiental, aberta acontestação. (HALL et al 2006).Crise de Identidade: “... é vista como parte de um processo mais amplo de mudança, que está deslocando as estruturas e processos centrais das sociedades modernas e abalando os quadros de referência que davam aos indivíduos uma ancoragem estável no mundo social.” (Hall, 2006, pag.7).“Desconstruir as Certezas” Trabalhar com dúvidas1. Os temas são... Mais do mesmo...Entretanto, a proposta é:- Educador Ambiental o que me motiva? Quais meus anseios?O que eu preciso descontruir em um sistema que rege a música oculta e conservadora?Padrões que ditam as regras, mais eu me reconheço como Educador em tal Filosofia?(REIGOTA et. al. 2010). “... a identidade somente se torna uma questão quando está em crise, quando algo que se supõe como fixo, coerente e estável é deslocado pela experiência da dúvida e da incerteza" (apud; HALL.Mercer2, 1990, p.43).Existe uma mudança estrutural, concisa, que merece atenção (Hall, 2006). Ao colocarem pauta tais argumentos introduzo a ideia que Identidade (Ambiental) epistemológicarequer desconstruir as certezas absolutas. (REIGOTA, 2010). EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMAGENS E CARÁTER “... a vida humana depara-se agora com uma variedade de novas situações- escassez generalizada, catástrofes ecológicas e genocídio- que originam vítimas que não dispõe de relações sociais capazes de se mobilizarem para a sua salvação e que, consequentemente, transforma a ética da obrigação moral1 Tradução nossa aula do Reigota em São Carlos, texto para aula.2 Crítico cultural KobenaMercer.
  3. 3. universal por parte de estranhos em uma necessidade para a vida futura no planeta.” Michael ignatief, The Warrior’s Honnor, 1999.3A Educação Ambiental vigente desconhece muitos Educadores. Correndo o risco de serrepetitivo e contundente na análise, reforço que a crítica é pessoal e intransferível. Éminha opinião, “Milton Educador Ambiental4”, e o titulo não é o mais importante. Oque realmente importa é o compromisso com sua historicidade e não vender seusvalores por títulos e trocas de moedas. “... Um simples sonho já virou realidade, acreditar em princípios foi base do sonho realizado. No entanto, me calar diante das experiências vividas na educação ambiental, seria ocioso e covarde neste caminho o qual escolhi.” (autor do texto).Um amigo em conversa informal me disse: - A academia não me vislumbra comoantigamente. E o papo continuou e logo se fez ouvir: - Decepção... Não quero mais issopra mim. Entre relatos, histórias, papos, e até descontentamentos surge o caráterimaginário, e aquele de sonhar. Imagem créditos: Raquel Angelon.3 Reconhecer para Libertar citação na página 515.4 Pós Graduando Educação Ambiental e Recursos Hídricos.- Escola de Engenharia de São Carlos.- Universidade de São Paulo.
  4. 4. O princípio do prazer... Trecho Da Música dos cantores (Elba Ramalho, GeraldoAzevedo, Zé Ramalho). “Deixe entrar o Sol da manhã. O meu coração me dizfundamental é ser feliz.”É ser FELIZ... A Raquel, eu cito com enorme prazer e admiração, adora fotografar5 eapesar de não pedir permissão faço questão de relacioná-la neste contexto. Onde amúsica, que somada à imagem só me traz na mente, o casal Gu e Ana, carinhosos umcom o outro, e ambos para com todos, passando felicidade e, a música diz: -Fundamental é ser Feliz. Outrora, seguindo o compasso, e não perdendo o propósitocréditos para o Gu, pois, me presenteou com o CD encontro dos músicos citados. E aimagem é o meu referencial em Identidade. O princípio é ser feliz... Vamos juntos esquecer, porque fundamental é ser feliz... Faz a tua luz brilhar para iluminar a nossa paz... O meu Coração me diz: Fundamental é ser feliz. Meu coração me diz: Fundamental é ser feliz. (Música o Princípio já mencionada no texto) Fonte: Idem5 Imagens Raquel, em São Carlos na avenida: São Carlesense, Universidade de São Paulo.- Segue os créditos para Carolina e Douglas, que por eventual descuido posso ter esquecido citá-los.- Também registraram imagens com a câmera da Raquel, então se sintam contemplados pelos créditos.
  5. 5. Rever o tempo que ficamos sós... Fundamental é ser feliz. Meu coração me diz... Com oprincípio do prazer sonho que o tempo não se desfaz... O meu coração me diz...(FUNDAMENTAL É SER FELIZ). “... abraço coletivo6, precisamos concentrar forças, energias e paz. A paz do princípio do prazer... Que o tempo não desfaz o sonho. O meu coração me diz: Identidade assim como uma árvorena busca de água, com suas raízes cravadas na terra, os elementos cíclicos são imaginários para o homem que preza pelas suas raízes.” (autor do texto). COMBINAÇÃO HEGEMÔNICA RUMO A RUPTURAAs identidades homogeneizadas estão sendo questionadas. Hall(2006). Apontandooutras possibilidades e rompendo barreiras (REIGOTA, 2009). É a partir dessasobservações contrárias ao comodismo que a Educação Ambiental, tem nostransformados em sujeitos (Pesquisadores de Educação Ambiental) contestadores denossa própria história. (REIGOTA, HALL, et. al. 2009, 2006).O Estado crítico endossado em uma desorientação Universitária alimenta e instigaindiretamente uma definição de ser político (SANTOS 2011). A incapacitação políticado Estado repercutiu-se numa certa incapacitação epistemológica da universidade,sobretudo nas suas funções sociais. (Santos, 2011, pag.48). Segundo (SANTOS, 2011,pag.48) A crise de identidade instalou-se no próprio pensamento crítico e no espaçopúblico universitário – que ele alimentara e de que se alimentara. INSPIRAÇÃO E CONSIDERAÇÕES FINAISEste texto começou em São Carlos, e me perguntava ao começar: Qual minhaIdentidade? Então me voltava às raízes, cheguei até aqui por este caminho: Seriedade,Humildade e Simplicidade. Identidade agora como Educador Ambiental? Informação...Minha Inspiração começava pelos caminhos que gostaria de seguir. Estabeleci metascheguei a São Carlos. Alguns creditam como sorte, outros como merecimento e eucomo um sonho realizado. Queria ser Educador Ambiental, então volto à questãoinformação, e ai chego a pensar em minha Identidade.6 Abraço Coletivo, Energizando antes de sair em São Carlos. Momento Único Inesquecível.
  6. 6. Educação Ambiental... Existe ainda quem me inspire, no entanto, me vejo no direito dereconstruir, reinventar, reciclar meus próprios anseios. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASHALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós- Modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro:Dp&a, 2006. 102 p. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro.Disponível em: <http://scholar.googleusercontent.com/scholar?q=cache:-e9C1oDARSEJ:scholar.google.com/+identidade&hl=pt-BR&as_sdt=0,5>. Acesso em:02 fev. 2013.SANTOS, Boaventura de Sousa. A Universidade no Século XXI: para uma reformademocrática e emancipatória da Universidade. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011. 116 p.SANTOS, Boaventura de Sousa. Reconhecer para Libertar: os caminhos docomospolitismo multicultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. 614 p..- (Reiventar a Emancipação Social: Para Novos Manifestos; v.3).REIGOTA, Marcos. A Educação Ambiental frente aos desafios: apresentados pelosdiscursos contemporâneos sobre a natureza. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n.02, p.539-553, 03 maio 2010. Semestral. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a08v36n2.pdf>. Acesso em: 04 fev. 2013.

×