Poeciliidae ou poecilídeo
é uma família de peixes de
água
doce.
São
conhecidos principalmente
por serem ovovivíparos e
pel...
Fonte: The Encyclopedia of New Zealand

Os poecilídeos caracterizam-se por apresentar corpo comprido
lateralmente, cabeça ...
Fonte: McDowall, 1990

Os peixes da família Poeciliidae monstram elevado dimorfismo sexual; os machos são
menores que as f...
Essa espécie é a mais rara dentre as apresentadas nesse trabalho.
Fonte: Tom Bailey

A P. wingei (Poeser, Kempkes & Isbrüc...
Fonte: Elzio Leal

São peixes bem comuns e relativamente baratos nas lojas de aquariofilia. O nome Espada é devido aos rai...
Está espécie está entre as três mais populares em todo o mundo. Seu nome foi dado em homenagem a um de seus
primeiros cole...
P. velifera. Fonte: tsamisaquarium.gr

As principais espécies chamadas de Molinésia são a M. Negra (P. sphenops) (Valencie...
X. maculatus. Fonte: Claus Orche

Dentre as espécies citadas, os Platies são os peixes ornamentais mais comuns e com menor...
P. reticulata. Fonte: Paul Bentzen

Barbados poderia ser considerada um “paraíso” no que se refere à virtual ausência de m...
Distribuição global e origem da P. reticulata. Fonte: Adaptada de Deacon et al., 2011

MB

11 de 20
P. caudimaculatus. Fonte: Elke Weiand

A família Poeciliidae é um grupo diverso de Cyprinodontiformes, com 220 espécies
qu...
P. vivipara. Fonte: Fonte: Elke Weiand

Além do Guppy introduzido propositalmente no meio do século passado, ao longo dos ...
Fonte: cnas.ucr.edu/guppy

Os sistemas hídricos guardam uma ictiofauna diversa e rica em endemismos, quando há riachos de ...
Fonte: cnas.ucr.edu/guppy

Os poecilídeos são excelentes modelos para estudos sobre a divergência da história de vida entr...
Fonte: cnas.ucr.edu/guppy

As espécies invasoras são amplamente reconhecidas por representarem uma grande ameaça à diversi...
Fonte: Arquivo pessoal

Nas últimas décadas, a criação de peixes em aquários experimentou muitos avanços técnicos e ganhou...
Fonte: (Ling K. H. & Lim L. Y., 2006)

Cingapura é a líder mundial em exportações de peixes ornamentais. A Tailândia expor...
Fonte: Arquivo pessoal

A rentabilidade ao produzir peixes ornamentais é consideravelmente maior que outras produções conv...
michel.bruno@mail.com
www.michelbruno.com

"Se você está entediado com a criação dos
tipos mais fáceis de peixes como os d...
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)

2.775 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
119
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)

  1. 1. Poeciliidae ou poecilídeo é uma família de peixes de água doce. São conhecidos principalmente por serem ovovivíparos e pela facilidade de se reproduzirem. Esses peixes pertencem a ordem Cyprinodontiformes e seus principais integrantes são os Endlers, Espadas, Guppie s, Molinésias e Platies. X. hellerii MB 2 de 20
  2. 2. Fonte: The Encyclopedia of New Zealand Os poecilídeos caracterizam-se por apresentar corpo comprido lateralmente, cabeça quase inteiramente coberta por escamas, boca voltada para cima e linha lateral ausente ou vertigial (Santos et al., 2004). Em sua maioria são peixes pequenos, possuindo 2cm a 12cm de comprimento, porém os alevinos nascem grandes, proporcionalmente ao tamanho das fêmeas adultas; podendo variar de 3mm a 7mm. Geralmente vivem em microbacias hidrográficas e se alimentam preferencialmente de larvas de insetos, predominantemente dípteros - os que compreendem as moscas e os mosquitos. MB 3 de 20
  3. 3. Fonte: McDowall, 1990 Os peixes da família Poeciliidae monstram elevado dimorfismo sexual; os machos são menores que as fêmeas e possuem sua nadadeira anal transformada pela modificação do terceiro, quarto e quinto raios da nadadeira anal, formando o órgão reprodutor chamado Gonopódio. As fêmeas são maiores em tamanho, mais encorpadas e nota-se uma mancha escura em seu ventre, perto das nadadeiras ventrais e anal, chamada de Ponto Gravídico. A nadadeira dorsal e caudal geralmente são menores que as nadadeiras do macho. A sua reprodução é ovovivípara (Winge, 1922); o embrião se desenvolve dentro de um ovo alojado dentro do corpo da mãe. O ovo recebe assim proteção, mas desenvolve-se a partir do material nutritivo existente dentro do ovo. Os ovos eclodem no oviduto materno sem que exista ligação alguma entre a progenitora e o embrião. As fêmeas podem parir algumas unidades a dezenas de filhotes, mas existem casos de grandes fêmeas parirem mais de cem alevinos. MB 4 de 20
  4. 4. Essa espécie é a mais rara dentre as apresentadas nesse trabalho. Fonte: Tom Bailey A P. wingei (Poeser, Kempkes & Isbrücker, 2005) é muito próxima em aparência a algumas populações de Guppies selvagens. De acordo com Stan Shubel, autor de "Aquarium Care for Fancy Guppies", o Endler ou também conhecido por Guppy Endler é, em fato, não uma espécie separada; têm a mesma composição genética do Guppy e mesmo assim foi dado o seu próprio nome para fins de conservação. Entretanto, em 2009, S. Schories, M. K. Meyer e M. Schartl publicaram na base de dados moleculares que o Endler tem a taxonomia separada do Guppy e da P. obscura (Schories, Meyer & Schartl, 2009). Independente disso, as chances de encontrar Endlers puros são raras, pois alguns aquaristas procuram diferentes cores e formas de nadadeiras (Rundle, 2010). A maioria dos peixes encontrados no hobby são híbridos. Os primeiros exemplares desta espécie foram coletados na Lagoa de Patos, Venezuela, por Franklyn F. Bond, em 1937. Atingem até 3cm de comprimento, preferem pH ligeiramente alcalino (7 a 7,8) e temperatura de 21º a 28º C. MB 5 de 20
  5. 5. Fonte: Elzio Leal São peixes bem comuns e relativamente baratos nas lojas de aquariofilia. O nome Espada é devido aos raios inferiores da nadadeira caudal alongados e possuírem o formato de uma espada. Existem outras espécies, também chamadas de Espadas, mas a X. hellerii (Heckel, 1848) é a mais comum. Têm sua origem na América do Norte e América Central, do México ao norte de Honduras. Atingem até 12cm de comprimento, preferem pH alcalino (7 a 8) e temperatura de 22º a 28º C. MB 6 de 20
  6. 6. Está espécie está entre as três mais populares em todo o mundo. Seu nome foi dado em homenagem a um de seus primeiros coletores, o londrino, clérigo anglicano e reverendo Robert John Lechemere Guppy. O Guppies originalmente foram encontrados nas regiões costeiras da Venezuela e Guiana e nas ilhas do sul do Caribe: Antigua, Antilhas Holandesas, Trinidad-Tobago e Barbados. Os machos atingem aproximadamente 3cm e as fêmeas podem atingir quase 6cm de comprimento de corpo. Preferem pH ligeiramente alcalino (7 a 7,8) e temperatura de 24º a 28º C. MB 7 de 20
  7. 7. P. velifera. Fonte: tsamisaquarium.gr As principais espécies chamadas de Molinésia são a M. Negra (P. sphenops) (Valenciennes, 1846), latipinna) (Lesueur, 1821) e M. Velifera (P. velifera) (Regan, 1914). M. Latipina (P. As Molinésias são de origem mexicana e norte-americana, dependendo da espécie. Apesar de serem peixes de água doce, podem ser encontradas no litoral Atlântico dos Estados Unidos e áreas costeiras da Península de Yucatan. A M. Negra tem aproximadamente 6cm e a principal característica é de possuir a nadadeira dorsal pequena e manchas negras pelo corpo e nadadeiras. A M. Latipina tem em média 7cm e a nadadeira dorsal grande, possuindo de 12 a 16 raios. A M. Velifera é a maior e mais valorizada das três principais espécies, podendo atingir cerca de 9cm e possuir de 15 a 19 raios em sua nadadeira dorsal. Essas espécies preferem pH alcalino (7,5 a 8,2), água salobra e temperatura de 22º a 28º C. MB 8 de 20
  8. 8. X. maculatus. Fonte: Claus Orche Dentre as espécies citadas, os Platies são os peixes ornamentais mais comuns e com menor valor no mercado. Os principais representantes desses peixe são os P. Maculatus e P. Variatus. Os Platies têm origem em Belize e México. Atingem no máximo 7cm de comprimento, preferem pH alcalino (7 a 8) e temperatura de 22º a 28º C. MB 9 de 20
  9. 9. P. reticulata. Fonte: Paul Bentzen Barbados poderia ser considerada um “paraíso” no que se refere à virtual ausência de mosquitos transmissores de malária, em uma região onde esta doença é considerada endêmica. Este fato levou autoridades sanitárias de diversos países a introduzir Guppies selvagens em córregos, valas, várzeas, brejos e pauis, onde, devido à sua resistência e prolificidade, adaptou-se muito bem. No Brasil, o Guppy se espalhou rapidamente em diversos lagos, brejos, lagoas, rios e riachos, após a década de 50, para controlarem os mosquitos do gênero Anopheles, transmissores da malária. Esses mosquitos, bem como os mosquitos do gênero Aedes - transmissores da dengue - preferem águas paradas e límpidas, dando preferência para corpos d água menores e mais isolados. Hoje esses peixes podem ser encontrados em todos os estados, mesmo em regiões mais frias e em lugares poluídos. MB 10 de 20
  10. 10. Distribuição global e origem da P. reticulata. Fonte: Adaptada de Deacon et al., 2011 MB 11 de 20
  11. 11. P. caudimaculatus. Fonte: Elke Weiand A família Poeciliidae é um grupo diverso de Cyprinodontiformes, com 220 espécies que apresentam ampla distribuição nos continentes africano e americano (Bragnaça & Costa, 2011). Neste trabalho foram apresentadas apenas oito espécies de peixes pertencentes à família Poeciliidae e nenhuma destas são originárias do Brasil. Em pesquisa para esta apresentação, somente foram encontradas duas espécies nativas; a Poecilia waiapi (Bragança, Costa & Gama, 2012), encontrada na drenagem do rio Jari, na região Norte; e a Phalloceros caudimaculatus (Hensel, 1868), encontrada também na Argentina, Uruguai e Paraguai. MB 12 de 20
  12. 12. P. vivipara. Fonte: Fonte: Elke Weiand Além do Guppy introduzido propositalmente no meio do século passado, ao longo dos anos também foram introduzidas outras espécies de poecilídeos, mas desta vez por aquicultores. A liberação intencional e, em particular, acidental durante o manejo, ruptura e transbordamento dos tanques de criação e enchentes devido a chuvas de verão, são os mecanismos mais comuns de introduções de peixes ornamentais dentro de novos habitats (Pillay, 1996). O poecilídeos exóticos mais encontrados no Brasil são P. reticulata, X. helleri, X. maculatus, Poecilia vivipara (Bloch & J. G. Schneider, 1801) e Phalloceros harpagos (Lucinda, 2008). MB 13 de 20
  13. 13. Fonte: cnas.ucr.edu/guppy Os sistemas hídricos guardam uma ictiofauna diversa e rica em endemismos, quando há riachos de águas rasas, habitados principalmente por espécies de peixes de pequeno porte (Menezes et al., 1990; Buckup, 1998; Menezes, 1998). A ictiofauna brasileira tem sua diversidade impactada por processos naturais, como as alterações históricas do clima regional e por processos antrópicos diversos decorrentes da ocupação humana. Aliado a isso, soma-se a destruição das matas ciliares, a poluição dos corpos d’água por substâncias agrotóxicas e efluentes urbanos. MB 14 de 20
  14. 14. Fonte: cnas.ucr.edu/guppy Os poecilídeos são excelentes modelos para estudos sobre a divergência da história de vida entre populações devido às suas peculiaridades reprodutivas baseadas em diferentes graus de viviparidade (Thibault & Schultz, 1978; Trexler, 1985), respostas rápidas às condições ambientais, reprodução continuada e curto tempo de geração (Stearns, 1992; Reznick et al., 1997). MB 15 de 20
  15. 15. Fonte: cnas.ucr.edu/guppy As espécies invasoras são amplamente reconhecidas por representarem uma grande ameaça à diversidade biológica (Vitousek et al., 1997; Pimentel et al., 2001; Arim et al., 2006). Embora muitos impactos já tenham sido documentados nos ambientes terrestre e marinho, as assembleias de peixes de água doce parecem particularmente vulneráveis à presença das espécies exóticas (Deacon et al., 2011). MB 16 de 20
  16. 16. Fonte: Arquivo pessoal Nas últimas décadas, a criação de peixes em aquários experimentou muitos avanços técnicos e ganhou adeptos em todo o mundo. Estudos sobre essa atividade mostraram que a presença de aquários nos lares proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas. Alguns resultados positivos do aquarismo seriam: desenvolvimento do senso de responsabilidade, da iniciativa e da confiança em crianças; redução no nível de alergias/asma em jovens, estresse nos adultos; e melhoria do bem-estar físico e psicológico em idosos, inclusive benefícios como tratamento suplementar para as doenças de Parkinson e Alzheimer (Edwards & Beck, 2002; Reaser & Meyers, 2007). No Brasil, esse passatempo ainda está em crescimento; estima-se que pouco mais de 500 mil aquários residenciais e 8,5 milhões de peixes estejam espalhados por todo o território nacional (Magalhães et al., 2009, ANFALPET, 2010). MB 17 de 20
  17. 17. Fonte: (Ling K. H. & Lim L. Y., 2006) Cingapura é a líder mundial em exportações de peixes ornamentais. A Tailândia exportou US$ 110 milhões ano passado (Sukoyono, 2013) e a Indonésia ficou em terceiro lugar exportando US$ 58 milhões (Antara, 2013). Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o Brasil exporta cerca de US$ 5 milhões em peixes ornamentais, sendo a maioria representada por espécies de águas continentais. Mesmo com estes dados expressivos, a piscicultura ornamental ainda é pouco difundida no Brasil, onde a mesma favorece a geração de trabalho e renda para pequenos empreendedores. MB 18 de 20
  18. 18. Fonte: Arquivo pessoal A rentabilidade ao produzir peixes ornamentais é consideravelmente maior que outras produções convencionais. A viabilidade da atividade é comprovada, quando comparada à produção da pecuária nacional. Enquanto em um hectare de terra é possível produzir, em média, apenas 200 quilos (13,5 arrobas) de carne bovina por ano, essa mesma área com tanques ou estufas, a produção pode passar de 250 mil unidades de peixes. Diferente das “commodities", os preços dos peixes ornamentais também são definidos pelo produtor e variam conforme a qualidade da produção. A criação de peixes ornamentais, ou seja, pecuária não convencional, tem se mostrada dinâmica e com bom índice de crescimento. Por esse motivo, muitas universidades na Ásia e América do Norte fazem pesquisas na área para o conhecimento, melhoramento genético e de manejo das principais espécies comercializadas, aumentando a produção e diminuindo os custos. MB 19 de 20
  19. 19. michel.bruno@mail.com www.michelbruno.com "Se você está entediado com a criação dos tipos mais fáceis de peixes como os discos ou ciclídeos Africanos, mude para guppies e eu garanto que você nunca irá ficar entediado com o seu peixe novamente!" Stan Shubel

×