O religioso e a graça de Deus.

209 visualizações

Publicada em

Tudo de graça.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O religioso e a graça de Deus.

  1. 1. 1 Não vem das obras, para que ninguém se glorie;” Efésios 2:8,9 O RELIGIOSO E A GRAÇA DE DEUS Mauro R. Silva – Batatais - SP 2014
  2. 2. 2 O desespero da pessoa religiosa, especialmente do cristão (seja este chamado de protestante - denominações, crente, evangélico) e do judeu praticantes, é o mais intenso e forte desespero que o coração humano já experimentou. Isso porque esses dois credos religiosos são aqueles que propõem a salvação da alma como obra de justiça própria, especialmente de natureza moral. (Achando que podem agradar a Deus...) “Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” Rm.8:8 O arcabouço doutrinário da Reforma Protestante postula uma salvação pela fé na Graça de Jesus. Todavia, na prática, isto nunca foi verdade para os crentes... Sim, porque prega-se essa salvação pela fé apenas como argumento alentador (isca) na chegada do “novo-crente”, adepto, porém, depois da “Decisão de ser Crente”, o indivíduo começa a ser doutrinado na salvação e na santificação moral e autônoma (tem que pagar), realidades essas que cada pessoa tem que conquistar a fim de se manter salvo pela via de sua irrepreensibilidade moral, em outras palavras, a pessoa perde totalmente a liberdade e a capacidade de pensar e falar. Assim, inicia-se falando o Evangelho como sedução (isca), e, uma vez feito o prosélito (adepto), logo ele é transformado num religioso fariseu, hipócrita, sem compaixão, cheio de inveja, competição, comparação, etc.
  3. 3. 3 O que segue são barganhas e mais barganhas com Deus, acrescidas de um estado terrível de inquietação, nervosismo e culpa — medo de cair... Até mesmo os de fora dizem: “agora que você é crente, não pode isso, não pode aquilo...” E no caso de o indivíduo estar se sentindo “bom” o suficiente para a agradar a Deus pelas suas próprias obras e pela sua própria moral, surge um ser arrogante e insuportável para a normalidade do convívio humano... É assim que nascem os crentes neuróticos pela culpa e pela barganha, como também o crente santarrão... Vive perdendo a salvação, e aterrorizado por isso não consegue ter paz no coração. Não há alma humana sensível e sincera que aceite tais coisas e não adoeça seriamente. Os vícios mentais incutidos pela religião são os mais difíceis de serem removidos e tratados. Isso porque quando você ensina às pessoas religiosas acerca da Graça de Deus, a questão que invariavelmente chega, é a mesma: “Mas como pode ser tão simples? Não há mais nada a fazer a não ser confiar que já está pago e viver apenas nesta fé?” — é o que perguntam.
  4. 4. 4 Parece que a pedra de tropeço dos crentes é o Evangelho simples da graça plena de Jesus, que paradoxo??? “Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé. Mas Israel, que buscava a lei da justiça, não chegou à lei da justiça. Por quê? Porque não foi pela fé, mas como que pelas obras da lei; tropeçaram na pedra de tropeço; Como está escrito: Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma rocha de escândalo; E todo aquele que crer nela não será confundido. IRMÃOS, o bom desejo do meu coração e a oração a Deus por Israel é para sua salvação. Porque lhes dou testemunho de que têm zelo de Deus, mas não com entendimento. Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de Deus. Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê.” Rm. 9:30-10:4 E são os crentes igrejados os que mais dificuldade têm de crer que é apenas crer. Por isso que Paulo escreve para um grupo de crentes em Éfeso dizendo: 2:8,9 Depois, no final do primeiro século, lá pelo ano 90 d. C., em Apocalipse 2, Jesus mesmo repreende a igreja de
  5. 5. 5 Éfeso, pois deixaram seu primeiro amor, ou seja, aquela nova geração de crentes de Éfeso achavam que agora eram bons o suficiente para agradarem a Deus e não precisavam mais de Jesus Cristo e nem da graça de Deus. No entanto, Jesus mesmo diz para eles se arrependerem e praticarem as primeiras obras, ou seja, crerem somente na graça de Deus. É tudo totalmente de graça!!! E é por causa disso (da graça) que nossa vida é transformada, pois a graça exerce Seu poder em nós de tal modo que nos liberta. Rm.6:14 “Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.” De modo que se faço algo de bom o faço por causa da graça de Deus, pois em mim não habita bem algum. Se não faço algo mal não o faço por causa da graça de Deus, como disse José à Faraó: (Isso não está em mim; Gn.41:16). E também Paulo declara em 1Coríntios 15:9,10 “Porque eu sou o menor dos apóstolos, que não sou digno de ser chamado apóstolo, pois que persegui a igreja de Deus. Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus, que está comigo.”
  6. 6. 6 A vida debaixo da graça é uma vida de total dependência de Deus, pois todos são pecadores, não há ninguém melhor ou pior. A maioria sofre da Síndrome de Naamã, o Sírio. Sendo general importante e sofrendo de lepra, foi- lhe recomendado a ir até a presença de Eliseu, o profeta de Samaria. Ao chegar lá, o profeta nem mesmo saiu de casa a fim de atender o general, mas apenas mandou que ele fosse até as águas do Jordão e se lavasse 7 vezes. Naamã não quis ir. Achou simples de-mais. Esperava que Eliseu viesse, lhe prestasse honras, dedicasse a ele um rito, movesse as mãos sobre as feridas dele, e, assim, feitos “os trabalhos”, Naamã fosse declarado curado. De fato, tão contrariado ficou o general, que já estava indo embora quando um de seus servos lhe disse: “Se o profeta tivesse recomendado algo difícil e complicado tu não o farias? Ora, por que não fazes o que ele manda apenas por que é simples?” O que prevalece entre os crentes é a mentalidade pagã de Naamã, e os mecanismos de cura pagã, sempre carregados de “correntes e campanhas”, todas baseadas em barganhas com a divindade, sendo que tal pratica é desavergonhadamente chamada de “sacrifício”. Para esses nunca haverá descanso, nem paz e nem a alegria que vem da segurança que se arrima na fé simples da Graça de Jesus.
  7. 7. 7 Enquanto os crentes obedecerem à mente de Naamã, o Evangelho não produzirá nenhum bem em suas almas! Quem não crê faz seu próprio caminho pelos infindáveis labirintos da religião... Essa vida religiosa (de barganhas) aqui nesse mundo é a ante-sala do inferno! A pessoa sofre o inferno na alma, na mente, na vida, antes de ir pra lá. É melhor crer de todo o coração no que Jesus já fez por você, perdoando todos os seus pecados, te justificando perante anjos, demônios e homens, te dando o privilégio de andar com tranquilidade e paz entre os homens, com o coração pacificado na confiança no amor de Deus, de cujas mãos ninguém e nem coisa alguma pode te arrebatar. João 5:24 “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.” “Quem crê tem...”— disse Jesus. Sim, quem crê tem tudo. Quem não crê, todavia, pode ter tudo — igreja, templo, prédio, patrimônio, bens, fama, moral, credo,
  8. 8. 8 dogma, sacrifícios, barganhas, etc...—, porém, não terá nem paz e nem descanso, visto que paz e descanso apenas habitam a fé simples que confia no “Está consumado.” A fé conforme o Evangelho sabe que a Graça não está longe e que a salvação já é nossa e já foi consumada e acabada por Jesus em favor de todo aquele que crê com simplicidade e confiança. Mas é essa simplicidade do Evangelho que acaba sendo a Pedra de Tropeço dos crentes. E, assim, deixando a Rocha da Salvação, se entregam às infindáveis barganhas de um coração religioso. Portanto, saibam todos: sem fé simples e pura, posta em Jesus, confiante no Evangelho da Graça, não há nem paz, nem alegria, nem espontaneidade diante de Deus, e, sobretudo, não há saúde de alma para viver a vida como Vida, senão como tormento sem fim. Por isso o convite de Deus continua sendo: Ap.22:17 “E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.” O mesmo para a vida enquanto aqui nesse mundo. É tudo totalmente de graça!!!

×