Graça e ompromisso

297 visualizações

Publicada em

Fazendo o certo com as motivações certas.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Graça e ompromisso

  1. 1. 1 Caio Fábio A nossa salvação é Graça, mas foi pago o preço do Sangue do Cordeiro como sem defeito e sem mácula—o Sangue de Cristo. A Graça não é barata! Tomamos posse dela pela fé, e ela nos vem como favor imerecido. Está pago! Ora, saber disso nos coloca no caminho do equilíbrio entre Graça e Compromisso. Em relação a Deus não há barganhas a fazer. Está tudo feito e consumado.
  2. 2. 2 Em relação à vida, no entanto, ainda há tudo por seu feito. Portanto, a salvação gratuita nos conduz a uma vida de grato compromisso com a Causa da Graça de Deus na Terra e entre os homens. “Por isso nos esforçamos”—dizia Paulo. É esse entendimento aquilo que gera saúde no nosso crer e eficiência na nossa fé. Quando essa compreensão nos atinge celebramos a Graça, e nos esforçamos para que ela não seja vã em nossa vida. Ora, isso vai de nossa conduta que deve se expressar em dignidade e sobriedade, à nossa participação fiel no trabalho de divulgação da Palavra e de serviço ao próximo. A gratuidade da Graça deve gerar responsabilidade e compromisso. É uma tristeza observar que quase sempre somente os medos da lei é que geram “fobio-delidade” nos cristãos e não fidelidade por amor a Cristo. Eu fico me perguntando: Quando surgirá um geração que amará tanto a Jesus, e
  3. 3. 3 que a Ele será tão grata, que exercerá a justiça com mais compromisso do que os escribas e fariseus? De fato, os cristãos que dizem ter entendido o dom segundo a Graça, deveriam ser os mais generosos, hospitaleiros, bondosos, e aptos para contribuir em tudo. Será que nós não podemos nos oferecer a Deus e à vida como sendo essa geração? A geração que doou por amor, que contribuiu por puro privilégio, que se entregou com gratidão, e foi fiel apenas por amor? Ou será que precisamos de medos e ameaças a fim de nos mobilizarmos para aquilo que é bom? Não te deixes vencer do mal—e nem estimular pelo medo—, mas vence o mal e o medo com o bem e a gratidão! A Graça que não nos põe no caminho das boas obras que foram de ante-mão preparadas para que andássemos nelas, ainda não é Graça, mas apenas um alívio em relação à neurose da lei.
  4. 4. 4 A Graça genuína não se justifica por obras, mas mediante a fé; porém, produz obras assim como a vida produz vida. No dia que entendermos e praticarmos isso alegre e fielmente Deus gargalhará de alegria!

×