ECOLOGIA DAS MÍDIAS LOCATIVAS, FICÇAO TELEVISIVA E FRANQUIA TRANSMÍDIA De que ecossistema audiovisual estamos falando?
Mídias Locativas - definições <ul><li>O termo locative media/mídia locativa foi inicialmente proposto por Karlis Kalnins p...
Nomadismos Tecnológicos <ul><li>“ As mídias locativas, agregando conteúdo informacional a um local específico, criam novas...
Funções das Mídias Locativas <ul><li>Realidade móvel aumentada </li></ul><ul><li>Mapeamento e monitoramento  </li></ul><ul...
Realidade Móvel Aumentada <ul><li>“ As mídias locativas permitem que informações sobre uma determinada localidade sejam vi...
Mapeamento / Monitoramento de Movimento <ul><li>“ Aqui temos funções locativas  aplicadas a formas de mapeamento ( mapping...
Geotags <ul><li>“ Nesses tipos de mídia locativa, o objetivo é agregar informação digital em mapas, podendo ser acessadas ...
Anotações Urbanas <ul><li>“ As mídias locativas possibilitam formas de apropriação do espaço urbano a partir de escritas e...
Anotações de projetos espaciais <ul><li>“ Como o nome sugere, fornece informações sobre um espaço, quer na forma de texto,...
Anotações de projetos espaciais <ul><li>Yellow Arrow  (<http://yellowarrow.net/v3/>) – espaços etiquetados com mensagens d...
Yellow Arrow
Murmur
Nomadismo audiovisual  <ul><li>“ Os  wireless mobile games são jogos realizados nos espaços  urbanos que agregam várias fu...
Pervasive Games <ul><li>Botfighters  (2001 -2005) -  jogo pervasivo projetado pela empresa sueca It's Alive! e o grupo bri...
Games baseados em localização <ul><li>“ Oferece um foco, baseado em regras, e uma experiência objetiva orientada para o mu...
Ecologia das Mídias locativas  <ul><li>Manifesto ‘Headmap’ (1999) - Ben Russell:  “O que mais chama atenção, na leitura de...
Cidade transmídia - projeto <ul><li>1º Etapa : criação de (4 ou 5) personagem  </li></ul><ul><li>2º Etapa : exploração/map...
Holonovela <ul><li>“ Num ponto distante da galáxia, em algum momento do século XXIV, a jovial e competente Kathryn Janeway...
Site de design
Práticas de produção e consumo <ul><li>“ O Kia Soul Flex estará nas cenas da novela ‘Insensato Coração’, da Rede Globo. A ...
Cultura do consumo <ul><li>“ Slater (2002, p. 18) apresenta a cultura do consumo como “um sistema em que o consumo é domin...
Conteúdo gerado pelo usuário <ul><li>“ TV pelo espectador top news updates: divulgação pela ótica de interesse dos telespe...
Blog da personagem  Natalie Lamour <ul><li>“ Agora é oficial! Estou noiva! Eu sei que já corriam boatos que eu estaria ten...
Extensões  <ul><li>Linha da vida </li></ul><ul><li>(<http://linhadavida.insensatocoracao.globo.com/>) </li></ul><ul><li>Ba...
HQs como mídia central <ul><li>“ Uma história com baixo orçamento deve começar pelos quadrinhos. A partir do momento em qu...
ARG: The Dark Knight Rises <ul><li>“ O Cavaleiro das Trevas  é atualmente uma página em preto e branco sublinhada com uma ...
ARG: The Dark Knight Rises <ul><li>Tweeting a hashtag gerou uma resposta da conta do Twitter @ TheFireRises com um link pa...
Franquia Batman <ul><li>Warner Brothers Pictures: blockbusters e suas seqüelas;  </li></ul><ul><li>DC Comics: quadrinhos; ...
Franquia Batman - Filmes <ul><li>The Dark Knight (2008) </li></ul><ul><li>Batman Begins (2005) </li></ul><ul><li>Batman Be...
Franquia Batman <ul><li>19 jogos de videogame </li></ul><ul><li>Série humorística de TV de 1966 a 1968 </li></ul><ul><li>1...
Franquia de mídia / transmídia <ul><li>Franquia de mídia pode ser definida como a produção colaborativa de conteúdos em re...
Franquia de mídia - definições <ul><li>“ Pode-se tentar definir a franquia de mídia como uma propriedade intelectual, cuja...
Franquia transmídia <ul><li>“ Para Jenkins, a franquia de mídia é o meio pelo qual os produtores de mídia corporativa prod...
Franquia como rede de conteúdo <ul><li>“ A franquia de mídias nas últimas três décadas construiu uma esfera cultural compa...
Franquia de mídia: construção de mundo sequencial expandido <ul><li>Experiência ‘global e múltipla’ </li></ul><ul><li>Desi...
Mapeamento e overdesign <ul><li>Estratégia criativa que diferencia o produto da franquia de mídia é o mapeamento detalhado...
Conglomerado de funções <ul><li>Planejamento integrado  </li></ul><ul><li>Delegação da coordenação criativa </li></ul><ul>...
Executivos criativos <ul><li>Showrunner: “Termo desenvolvido na industria da televisão na década de 1990 como um meio de d...
Coordenação criativa  <ul><li>“ Como Caldwell e outros tem sugerido, entretanto, showrunners da televisão operam uma produ...
Design do mundo de história compartilhado <ul><li>Financiamento </li></ul><ul><li>Gênero: propriedades específicas </li></...
Design do mundo de história compartilhado <ul><li>Canonicidade / continuidade </li></ul><ul><li>Jurídico (direitos autorai...
Estudo de caso <ul><li>World Without Oil - http://www.worldwithoutoil.org/ </li></ul><ul><li>Find the Future - http://www....
Casos de estudo <ul><li>Castigo final </li></ul><ul><li>http://www.castigofinal.com.br/ </li></ul><ul><li>Diário de Sofia ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ecologia das Mídias Locativas e Transmídia

1.134 visualizações

Publicada em

De que ecossistema audiovisual estamos falando?

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.134
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecologia das Mídias Locativas e Transmídia

  1. 1. ECOLOGIA DAS MÍDIAS LOCATIVAS, FICÇAO TELEVISIVA E FRANQUIA TRANSMÍDIA De que ecossistema audiovisual estamos falando?
  2. 2. Mídias Locativas - definições <ul><li>O termo locative media/mídia locativa foi inicialmente proposto por Karlis Kalnins para descrever tecnologias relacionadas à localização (GALLOWAY, 2005). </li></ul><ul><li>Conteúdos dos dispositivos móveis articulados diretamente ao local. </li></ul>
  3. 3. Nomadismos Tecnológicos <ul><li>“ As mídias locativas, agregando conteúdo informacional a um local específico, criam novas formas do urbano. Vemos essas mudanças na agregação de pessoas em áreas Wi-Fi, na busca por zonas de acesso às redes de telefonia celular, nas trocas de SMS, fotos ou vídeos, nas conexões em redes bluetooth, na emissão de dados por etiquetas de rádio freqüência, RFID.” (Lemos -“ Mídia Locativa e Territórios Informacionais”) </li></ul>
  4. 4. Funções das Mídias Locativas <ul><li>Realidade móvel aumentada </li></ul><ul><li>Mapeamento e monitoramento </li></ul><ul><li>Geotags </li></ul><ul><li>Anotações urbanas </li></ul><ul><li>Mobile s games </li></ul>
  5. 5. Realidade Móvel Aumentada <ul><li>“ As mídias locativas permitem que informações sobre uma determinada localidade sejam visualizadas em um dispositivo móvel, “aumentando” a informação. Esse tipo de hiperlinkagem chama-se Mobile Augmented Reality Applications (MARA).” (Lemos) </li></ul>
  6. 6. Mapeamento / Monitoramento de Movimento <ul><li>“ Aqui temos funções locativas aplicadas a formas de mapeamento ( mapping) e de monitoramento do movimento ( tracing) do espaço urbano através de dispositivos moveis. O projeto Amsterdam tem como objetivo mapear os percursos dos usuários mostrando que uma cidade é feita de inúmeras cidades, e que o percurso constrói uma vivencia específica. Kevin Lynch mostrou essa relação no clássico A Imagem da Cidade (1999).” (Lemos) </li></ul>
  7. 7. Geotags <ul><li>“ Nesses tipos de mídia locativa, o objetivo é agregar informação digital em mapas, podendo ser acessadas por dispositivos móveis. No sistema de compartilhamento de fotos Flickr11, por exemplo, pode-se, a partir de geotags, agregar informação textuais a mapas de localidades específicas. Esse sistema permite o compartilhamento de tags através de localização de lugares em mapas mundiais.” (Lemos) </li></ul>
  8. 8. Anotações Urbanas <ul><li>“ As mídias locativas possibilitam formas de apropriação do espaço urbano a partir de escritas eletrônicas. Anotações físicas como cartazes, bilhetes, outdoors, grafites e pichações são práticas correntes nas grandes cidades. As mídias locativas permitem anotações eletrônicas utilizando celulares, palms, etiquetas RFID ou redes bluetooth para indexar mensagens (SMS, vídeo, foto) a lugares. Um dos projetos mais interessantes é o Yellow Arrow ” (Lemos) </li></ul>
  9. 9. Anotações de projetos espaciais <ul><li>“ Como o nome sugere, fornece informações sobre um espaço, quer na forma de texto, imagem, áudio ou vídeo, acessível através de assistente digital pessoal (PDA) ou celulares no espaço em questão.” (Ruston, p.103) </li></ul>
  10. 10. Anotações de projetos espaciais <ul><li>Yellow Arrow (<http://yellowarrow.net/v3/>) – espaços etiquetados com mensagens de texto </li></ul><ul><li>Murmur (http://murmurtoronto.ca/) – registro de histórias orais sobre as cidades. </li></ul>
  11. 11. Yellow Arrow
  12. 12. Murmur
  13. 13. Nomadismo audiovisual <ul><li>“ Os wireless mobile games são jogos realizados nos espaços urbanos que agregam várias funções das mídias locativas. O jogo Uncle Roy All Around You do grupo britânico Blast Theory, utiliza palms, celulares e rede internet. O objetivo é procurar pelo Tio Roy pela cidade e encontrá-lo em 60 minutos.” (Lemos) </li></ul>
  14. 14. Pervasive Games <ul><li>Botfighters (2001 -2005) - jogo pervasivo projetado pela empresa sueca It's Alive! e o grupo britânico Blast Theory: o jogador representa um robô num mundo futurista... </li></ul>
  15. 15. Games baseados em localização <ul><li>“ Oferece um foco, baseado em regras, e uma experiência objetiva orientada para o mundo real como um jogo de tabuleiro, usando elementos de histórias para facilitar o jogo.” (Ruston, p.103) </li></ul>
  16. 16. Ecologia das Mídias locativas <ul><li>Manifesto ‘Headmap’ (1999) - Ben Russell: “O que mais chama atenção, na leitura desse manifesto, quase dez anos transcorridos desde que foi escrito, é o intenso espírito comunitário que ele conclama como traço imprescindível para a realização das práticas locativas.” (Santaella) </li></ul><ul><li>(<http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/4795/3599>) </li></ul>
  17. 17. Cidade transmídia - projeto <ul><li>1º Etapa : criação de (4 ou 5) personagem </li></ul><ul><li>2º Etapa : exploração/mapeamento:2 lugares afetivos </li></ul><ul><li>3º Etapa : criação de caminhos/trajetórias para as personagens nos pontos pré-estabelecidos </li></ul><ul><li>4º Etapa : captações de imagens em vídeo dos lugares, espaços e trajetórias (em primeira pessoa) </li></ul><ul><li>5º Etapa : marcas e anotações na cidade ( QR Code) </li></ul><ul><li>6 º Etapa: um mapa digital no Google Maps    </li></ul><ul><li>(<http://ciudadtransmedia.wordpress.com/>) </li></ul>
  18. 18. Holonovela <ul><li>“ Num ponto distante da galáxia, em algum momento do século XXIV, a jovial e competente Kathryn Janeway, capitã da nave estelar Voyager , está desfrutando uma folga em suas obrigações com sua holonovela favorita.” (Murray, p.29) </li></ul>
  19. 19. Site de design
  20. 20. Práticas de produção e consumo <ul><li>“ O Kia Soul Flex estará nas cenas da novela ‘Insensato Coração’, da Rede Globo. A personagem Carol (a atriz Camila Pitanga), dona de um Kia Soul Flex vermelho, sai a passeio com seu filho Antonio e sua irmã, Alice (Paloma Bernardi), pela Lagoa, no Rio.”  </li></ul>
  21. 21. Cultura do consumo <ul><li>“ Slater (2002, p. 18) apresenta a cultura do consumo como “um sistema em que o consumo é dominado pelo consumo de mercadorias, e onde a reprodução cultural é geralmente compreendida como algo a ser realizado por meio de exercício do livre-arbítrio pessoal na esfera privada da vida cotidiana”. Esta “esfera privada da vida cotidiana” são as “ações e expressões carregadas de significados construídos pelos próprios indivíduos...” (Tondato) </li></ul>
  22. 22. Conteúdo gerado pelo usuário <ul><li>“ TV pelo espectador top news updates: divulgação pela ótica de interesse dos telespectadores e leitores em geral com relação a notícias .Tudo sobre novidades num só local. Um clipping sobre tudo de importante que rola na internet, jornais e veículos de comunicação.” </li></ul><ul><li>(<http://blogtvpeloespectador.blogspot.com/2011/01/insensato-coracao-acoes-de-comunicacao.html>) </li></ul>
  23. 23. Blog da personagem Natalie Lamour <ul><li>“ Agora é oficial! Estou noiva! Eu sei que já corriam boatos que eu estaria tendo um affair com Horácio Cortez, mas é muito mais que isso: Natalie Lamour vai se casar! E em breve serei conhecida pela alta sociedade como Sra Horácio Cortez. Coisa phyna, bee!” </li></ul><ul><li>(<http://insensatocoracao.globo.com/platb/natalielamour/>) </li></ul>
  24. 24. Extensões <ul><li>Linha da vida </li></ul><ul><li>(<http://linhadavida.insensatocoracao.globo.com/>) </li></ul><ul><li>Bar do Gabino </li></ul><ul><li>(<http://insensatocoracao.globo.com/platb/bardogabino/>) </li></ul><ul><li>Norma – aplicativo </li></ul><ul><li>(http://insensatocoracao.globo.com/Fiquepordentro/noticia/2011/05/capitulo-100-acompanhe-desgracas-e-o-plano-de-vinganca-de-norma.html) </li></ul><ul><li>Loja virtual </li></ul><ul><li>(http://www.globomarcas.com.br/globomarcas/pages/viewDepartment.jsf?VP=a3DGJuxzoTu17tRSVfF2iC4NZXzwOLV5&utm_source=globocom&utm_medium=box&utm_campaign=on_insensato) </li></ul>
  25. 25. HQs como mídia central <ul><li>“ Uma história com baixo orçamento deve começar pelos quadrinhos. A partir do momento em que a audiência é construída, ela deve se mover para uma mídia mais cara, como a televisão e os filmes.” ( Geoffrey Long)   </li></ul>
  26. 26. ARG: The Dark Knight Rises <ul><li>“ O Cavaleiro das Trevas é atualmente uma página em preto e branco sublinhada com uma gravação de homens cantando em algum tipo de linguagem não-Inglês. A análise espectrográfica do áudio conduzido por leitores de SuperheroHype  revelou uma mensagem escondida, &quot;# thefirerises,&quot; obviamente uma marca hash Twitter.” </li></ul><ul><li>(<http://www.comicsalliance.com/2011/05/20/dark-knight-rises-bane-photograph/>) </li></ul>
  27. 27. ARG: The Dark Knight Rises <ul><li>Tweeting a hashtag gerou uma resposta da conta do Twitter @ TheFireRises com um link para outra página no site de D ark Knight Rises   onde um mecanismo de plugs dos perfis dos usuários do Twitter formaram um mosaico numa questão de horas com a fotografia nítida de Bane ( Tom Hardy) . </li></ul><ul><li>Nas HQs, Bane é o vilão que destruiu o asilo Arkham e libertou os inimigos do Batman. </li></ul>
  28. 28. Franquia Batman <ul><li>Warner Brothers Pictures: blockbusters e suas seqüelas; </li></ul><ul><li>DC Comics: quadrinhos; </li></ul><ul><li>WB Television: animação e a série futurista Batman do Futuro; </li></ul><ul><li>Warner Brothers Records: trilhas sonoras, incluindo Prince (Burton, 1989); </li></ul><ul><li>Warner Home Vídeo: filme e produtos de animação em vídeo; </li></ul><ul><li>Time Warner Cable: histórias na TV a cabo </li></ul><ul><li>Warner online empreendimentos: contos de Gotham Girls </li></ul><ul><li>(série quadrinhos online: Batgirl, Catwoman, Poison Ivy e Harley Quinn) </li></ul><ul><li>Burger King Corporação: refeições em promoção com a DC Comics e Warner Brothers, incluiu oito brinquedos diferentes com base em personagens do Batman da série de televisão Future que aparece na WB Network Television. </li></ul>
  29. 29. Franquia Batman - Filmes <ul><li>The Dark Knight (2008) </li></ul><ul><li>Batman Begins (2005) </li></ul><ul><li>Batman Beyond (2000) </li></ul><ul><li>Batman & Robin (1997) </li></ul><ul><li>Batman Forever (1995) </li></ul><ul><li>Batman Returns (1992) </li></ul><ul><li>Batman (1989) </li></ul><ul><li>Batman, o Homem-Morcego (1966) </li></ul><ul><li>A Volta do Homem Morcego (Batman and Robin) (1949) </li></ul><ul><li>O Morcego (The Batman) (1943) </li></ul><ul><li>Catwoman (2004) </li></ul>
  30. 30. Franquia Batman <ul><li>19 jogos de videogame </li></ul><ul><li>Série humorística de TV de 1966 a 1968 </li></ul><ul><li>10 cartoons (2 dos anos 60, 2 dos 70, 1 </li></ul><ul><li>de 80, 1 de 90 e 4 dos anos 2000 - Batman Beyond, Liga da Justiça, The Batman e Batman:The Brave and the Bold), </li></ul><ul><li>6 animes de 2008, além das publicações antigas em HQ. </li></ul>
  31. 31. Franquia de mídia / transmídia <ul><li>Franquia de mídia pode ser definida como a produção colaborativa de conteúdos em rede, mas não necessariamente nas redes digitais, que seria uma característica especifica da franquia transmídia. </li></ul>
  32. 32. Franquia de mídia - definições <ul><li>“ Pode-se tentar definir a franquia de mídia como uma propriedade intelectual, cuja implantação de um mundo imaginário através de diferentes espaços de mídia através de uma série de linhas de produtos, estruturas criativas e / ou nós de distribuição é gerida ao longo do tempo.” (Derek, p. 25)  </li></ul>
  33. 33. Franquia transmídia <ul><li>“ Para Jenkins, a franquia de mídia é o meio pelo qual os produtores de mídia corporativa produzem sinergia e dessa estrutura surgem as estratégias narrativas da ‘narrativa transmídia’ que estendem as experiências em vários sites da experiência cultural. Posicionados como parte de uma mesma história, os vários componentes da narrativa transmídia tornam-se &quot;a arte de construir mundos...” (Derek, p. 7) </li></ul>
  34. 34. Franquia como rede de conteúdo <ul><li>“ A franquia de mídias nas últimas três décadas construiu uma esfera cultural compartilhada de interesses através de redes de conteúdos que tanto podem persistir quanto mudar com o tempo, em troca de colaboração entre os vários locais de produção (muitas vezes dispersos nas plataformas de mídia ou nos limites geográficos).” (Derek, p. 6) </li></ul>
  35. 35. Franquia de mídia: construção de mundo sequencial expandido <ul><li>Experiência ‘global e múltipla’ </li></ul><ul><li>Design do mundo de história compartilhado </li></ul><ul><li>Rede interligada de narrativas </li></ul><ul><li>Narrativas de mundos como marcas </li></ul><ul><li>Extensões: Sinergia e franchise </li></ul>
  36. 36. Mapeamento e overdesign <ul><li>Estratégia criativa que diferencia o produto da franquia de mídia é o mapeamento detalhado do universo que se destina a ser explorado para além das fronteiras da história. No overdesign é priorizado o trabalho da direção de arte e o estilo da mise-en-scêne , com o objetivo de “criar uma infra-estrutura para as redes de conteúdos que incentivem a exploração do potencial de toda a história sistemicamente projetada para o mundo.” (JOHNSON, 2009, p. 184) </li></ul><ul><li>Heróis fora de órbita (Galaxy Quest , 1999) de Dean Parisot. </li></ul>
  37. 37. Conglomerado de funções <ul><li>Planejamento integrado </li></ul><ul><li>Delegação da coordenação criativa </li></ul><ul><li>Transmidiação como processo </li></ul>
  38. 38. Executivos criativos <ul><li>Showrunner: “Termo desenvolvido na industria da televisão na década de 1990 como um meio de descrever o trabalho dos executivos criativos , que supervisionam o processo de produção e unificação de uma série de obras como produto de uma única voz.” (JOHNSON, pg. 174) </li></ul>
  39. 39. Coordenação criativa <ul><li>“ Como Caldwell e outros tem sugerido, entretanto, showrunners da televisão operam uma produção cada vez mais descentralizada e um ambiente no qual os desafios de trazer a unidade para a produção contínua da produção de televisão ter sido agravada por uma multiplicação da produção relacionada a HQs e videogames online.” (JOHNSON, p. 174) </li></ul>
  40. 40. Design do mundo de história compartilhado <ul><li>Financiamento </li></ul><ul><li>Gênero: propriedades específicas </li></ul><ul><li>Publico alvo versus público potencial </li></ul><ul><li>Mídia </li></ul><ul><li>Alcance da participação (personagens, histórias, geografias, mídias, etc) </li></ul><ul><li>Tecnologia (serviços / apps / plataformas) </li></ul><ul><li>Inscrições: critérios / orientações </li></ul><ul><li>Processos de inscrições </li></ul><ul><li>Processo de Edição </li></ul>
  41. 41. Design do mundo de história compartilhado <ul><li>Canonicidade / continuidade </li></ul><ul><li>Jurídico (direitos autorais, registro/marca, remix, etc) </li></ul><ul><li>Comercial (Produção criativa, merchandising, etc.) </li></ul><ul><li>Mundo da Bíblia / Wiki </li></ul><ul><li>Comunidade (interação, comunicação, funções) </li></ul><ul><li>Marketing (pré-lançamento) </li></ul><ul><li>Marketing (pós-lançamento) </li></ul><ul><li>Políticas de pirataria </li></ul><ul><li>Arranjos do mundo </li></ul><ul><li>(http://sharedstoryworlds.com/2011/03/shared-story-world-design-overview/) </li></ul>
  42. 42. Estudo de caso <ul><li>World Without Oil - http://www.worldwithoutoil.org/ </li></ul><ul><li>Find the Future - http://www.argn.com/2011/04/discover_history_at_nypl_and_find_the_future/ </li></ul><ul><li>Cruel To be Kind - http://www.cruelgame.com/ - http://www.youtube.com/watch?v=qrVZ5JxXfqQ </li></ul><ul><li>Manhattan Story Mashup - Nokia Research Center Projecthttp://www.youtube.com/watch?v=3ozUNUTNMT4&feature=related </li></ul><ul><li>ZouMa 101 http://www.youtube.com/watch?v=NM4AA9DOq0w&feature=related </li></ul>
  43. 43. Casos de estudo <ul><li>Castigo final </li></ul><ul><li>http://www.castigofinal.com.br/ </li></ul><ul><li>Diário de Sofia </li></ul><ul><li>http://www.diariodesofia.com.br/ </li></ul><ul><li>Julie e os Fantasmas </li></ul><ul><li>http://superconectadoss.blogspot.com/2011/03/quase-anjos-3-e-julie-e-os-fantasmas.html </li></ul><ul><li>Descolados </li></ul><ul><li>http://www.descolados.com/site/index.php </li></ul>

×