O treino intervalado consiste em alternar o exercício entre intensidades muito altas
(até 90% da frequência cardíaca máxim...
O músculo é o tecido que necessita de mais energia para manter-se ativo. Logo, quanto
mais tecido muscular, maior será o g...
O que diminui a barriga é a perda de gordura. Exercícios localizados, como o
abdominal, não fazem isso. “O exercício local...
O índice glicêmico (IG) diz respeito à velocidade pela qual o carboidrato é transformado em
glicose pelo organismo. Ou sej...
O organismo precisa de carboidratos, proteínas e gorduras para se manter ativo e
saudável. Segundo a nutricionista Carla C...
Quando ficamos estressados, o corpo excreta grandes quantidades de cortisol, o
hormônio do stress. “Concentrações elevadas...
Seis maneiras de perder a barriga
Seis maneiras de perder a barriga
Seis maneiras de perder a barriga
Seis maneiras de perder a barriga
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seis maneiras de perder a barriga

402 visualizações

Publicada em

Nada melhor do que cuidar da saúde e, por extensão, da barriga.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
402
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
221
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seis maneiras de perder a barriga

  1. 1. O treino intervalado consiste em alternar o exercício entre intensidades muito altas (até 90% da frequência cardíaca máxima) e baixas a médias (não ultrapassando 70% da frequência cardíaca máxima), por, no máximo, 30 minutos. “Esse método eleva o gasto energético da pessoa por até 48 horas após o exercício”, explica Rodrigo Minoru, biomédico e professor do Centro de Metabolismo em Exercício Físico e Nutrição da Universidade Estadual Paulista (Unesp). O metabolismo acelerado favorece a queima de gordura.
  2. 2. O músculo é o tecido que necessita de mais energia para manter-se ativo. Logo, quanto mais tecido muscular, maior será o gasto energético em repouso. Além disso, uma pesquisa recente de Harvard comprovou que a musculação é mais eficiente do que o treinamento aeróbico para perder barriga. Os participantes que faziam 20 minutos de treinamento com peso por dia tinham menos circunferência abdominal do que os que faziam 20 minutos de atividade aeróbica em intensidade moderada ou intensa. A combinação dos dois tipos de exercício surtia resultados ainda melhores.
  3. 3. O que diminui a barriga é a perda de gordura. Exercícios localizados, como o abdominal, não fazem isso. “O exercício localizado simplesmente fortalece a musculatura abdominal”, diz Henrique Suplicy, endocrinologista e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
  4. 4. O índice glicêmico (IG) diz respeito à velocidade pela qual o carboidrato é transformado em glicose pelo organismo. Ou seja, alimentos de alto IG são aqueles digeridos rapidamente pelo corpo. “Esse tipo de comida faz com que o nível de insulina suba de maneira rápida no sangue. Já se comprovou que essa condição é a principal causa de acúmulo de gordura visceral”, diz Izidoro Flumignan, endocrinologista do centro de tratamento da obesidade do hospital Quinta d’Orla, no Rio de Janeiro. Exemplos de alimentos de alto índice glicêmico são pães brancos e sucos industrializados.
  5. 5. O organismo precisa de carboidratos, proteínas e gorduras para se manter ativo e saudável. Segundo a nutricionista Carla Cotta, do Equilibrium SPA da Mente, no Rio de Janeiro, uma alimentação balanceada favorece a queima de gordura. "Por um mecanismo de sobrevivência, o corpo pouco nutrido acumula mais gordura", diz Carla.
  6. 6. Quando ficamos estressados, o corpo excreta grandes quantidades de cortisol, o hormônio do stress. “Concentrações elevadas desse hormônio favorecem o acúmulo de gordura abdominal. Além disso, por um fator psicológico, quando passamos por momentos estressantes, tendemos a comer mais”, diz Henrique Suplicy.

×