Aline

200 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aline

  1. 1. Trabalho de Matemática <br />Gráficos<br />
  2. 2. A tendência secular da prevalência da desnutrição infantil nas várias regiões brasileiras conforme estimativas provenientes de inquéritos realizados no país em 1974-1975 (Estudo Nacional da Despesa Familiar – Endef), 1989 (Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição – PNSN) e 1996 (PNDS). Tendências declinantes, ainda que não uniformes, são observadas ao longo dos inquéritos em todas as partes do país. A evolução da desnutrição entre 1974-1975 e 1989 indica taxas anuais de declínio mais intensas nas áreas urbanas e rurais do Centro-Sul do país (7,4% e 6,5%, respectivamente) do que nas áreas urbanas e rurais da região Nordeste (4,1% e 4,0%, respectivamente) ou nas áreas urbanas da região Norte (4,0%). Como resultado, expandem-se ainda mais as desvantagens das regiões Norte e Nordeste diante do Centro-Sul do país. No período mais recente – 1989-1996 – observa-se manutenção ou intensificação da velocidade de declínio da desnutrição em todas áreas urbanas do país e desaceleração nas áreas rurais. O Nordeste urbano é o local do país onde é maior a intensificação do declínio da desnutrição: de 4,1% ao ano no período 1974/75-1989 para 9,6% ao ano no período 1989-1996 (contra 7,4% para 7,8% nas áreas urbanas do Centro-Sul e 4,0% para 5,3% nas áreas urbanas da região Norte). Nos dois períodos, as menores taxas anuais de declínio da desnutrição são observadas no Nordeste rural (4,0% e 3,3%, respectivamente) embora seja essa a região do país mais afetada pelo problema. As taxas anuais de declínio da desnutrição infantil no período 1989-1996 projetam o virtual controle do problema (ou seja, 2,3% de crianças de baixa estatura) no Centro-Sul urbano para o ano de 2003, no Nordeste urbano para 2013, no Norte urbano para 2031, no Centro-Sul rural para 2035 e no Nordeste rural para 2065!<br />
  3. 3.
  4. 4. Um detalhado trabalho de investigação sobre as possíveis causas do declínio da desnutrição no país no período 1989-1996 indica que, mais do que mudanças na renda familiar, mínimas no período, foram mudanças positivas e formidáveis quanto à cobertura dos serviços básicos de saúde, escolaridade das mães e abastecimento de água as que determinaram a redução da desnutrição<br />
  5. 5.
  6. 6. O gráfico 1 permite comparar, por estado, a cobertura da população urbana atendida por abastecimento de água e por esgotamento sanitário adequado, em 2002. À exceção dos estados de Rondônia, Pará, Acre e Amapá, mais de 70% da população dispõem de rede geral de água. Com relação ao esgotamento sanitário, esse mesmo nível de cobertura é atingido em apenas nove estados, situando-se em menos de 50% em Rondônia, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Alagoas, Goiás e Pernambuco.<br />
  7. 7.
  8. 8. O gráfico 2 mostra que a cobertura da população total brasileira servida por esgotamento sanitário adequado aumentou cerca de 18% entre 1993 e 2002, enquanto a proporção de óbitos por doença diarréica em menores de 5 anos de idade reduziu-se a menos da metade, durante o mesmo período, o que possivelmente reflete a expansão de atividades de atenção básica à saúde.<br />
  9. 9.
  10. 10.
  11. 11. Os solventes são utilizados pelo menos uma vez na vida por cerca de 6% da população brasileira. É a quarta substância mais consumida no país, atrás do álcool, tabaco e maconha. Comparativamente, esse índice é de 7,5% nos EUA, 4% na Espanha e 1,4% na Colômbia. No estado de São Paulo, o uso na vida de solventes é de 3%<br />Os adolescentes são identificados como o grupo mais prevalente. Normalmente, o início do consumo acontece entre os 12 e 15, tornando-se menos improvável daí por diante. A maioria destes experimenta poucas vezes os inalantes e logo o abandona. Outra porção utiliza-os em grupos de amigos com alguma regularidade, para abandona-los no início da idade adulta. Uma pequena quantidade de usuários, no entanto, consome inalantes por longos períodos, sente-se mal a respeito de seu uso, porém com a sensação de incapacidade para abandona-lo. <br />

×