Tudo+sobre+a+psicologia+forense 1

19.245 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
18 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Hoje é o começo para uma nova vida! Tudo só depende de você! Não sabe como recomeçar?
    EU TE ENSINO! Baixe este livro agora mesmo! R$ 2.99

    http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/7003798/chamam-me-lene-estou-vivendo-um-grande/?PAC_ID=122866

    Desejar.
    Querer.
    sonhar não vai mudar em nada a sua vida, mas uma determinação é o começo para uma vida prospera! Não sabe como? Ensino-te. Baixe este livro R$ 2.99

    Determinação o pensamento positivo/lançamento mundial
    http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/6985578/determinacao-o-pensamento-positivo/?PAC_ID=125981
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.245
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
563
Comentários
1
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tudo+sobre+a+psicologia+forense 1

  1. 1. • O QUE É?• PSICÓLOGO FORENSE• PSICOLOGIA JURÍDICA• PSICOLOGIA CRIMINAL
  2. 2. A Psicologia forense consiste na aplicação dos conhecimentos psicológicosao serviço do direito. Dedica-se à protecção da sociedade e à defesa dos direitos docidadão, através da perspectiva psicológica.Dedica-se ao estudo do comportamento criminoso. Clinicamente, tenta construir opercurso de vida do indivíduo criminoso e todos os processos psicológicos que opossam ter conduzido à criminalidade, tentando descobrir a raiz do problema, umavez que só assim se pode partir à descoberta da solução. Descobrindo as causas dasdesordens tanto mentais como comportamentais (criminosas, neste caso), tambémse pode determinar uma pena justa, tendo em conta que estes casos são muitoparticulares e assim devem ser tratados em Tribunal. Esta ciência nasceu da necessidade de legislação apropriada para os casosdos indivíduos considerados doentes mentais e que tenham cometido actoscriminosos, pequenos ou graves delitos. A doença mental tem de ser encarada apartir de uma perspectiva clínica mas também do ponto de vista jurídico. A psicologia forense realiza estudos psicológicos de alguns dos tipos maiscomuns de delinquentes e dos criminosos em geral, como por exemplo, dospsicopatas que ficaram na história.
  3. 3. De facto, a investigação psicológica desta área da psicologiaapresenta, sobretudo, trabalhos sobre homicídios e crimes sexuais, talvezdevido à sua índole grave e fascinante. A Psicologia Forense tem se dividido em outros ramos de estudo, deacordo com as matérias a que se referirem.O primeiro ramo da psicologia Forense a surgir foi a psicologia criminal, poisrealiza estudos psicológicos de alguns dos tipos mais comuns de delinquentese criminosos em geral, como, por exemplo, os psicopatas. De facto, ainvestigação psicológica desta sub área apresenta, sobretudo, trabalhos sobrehomicídios e crimes sexuais, talvez devido à sua índole grave.Um dos ramos principiais que posteriormente surgiu foi a psicologia jurídica.Este ramo da Psicologia dedica-se às situações que se apresentam sobretudonos tribunais e que envolvem o contexto das leis.
  4. 4. Um psicólogo formado nesta área tem quedominar os conhecimentos que dizem respeito àpsicologia em si, mas também tem que dominar osconhecimentos referentes às leis civis e às leis criminais. Deve ser um bom clínico e possuir umconhecimento pormenorizado da psicopatologia. Podem-se encontrar peritos nesta área em instituiçõeshospitalares, especialmente do tipo psiquiátrico.
  5. 5. A psicologia jurídica, é uma vertente de estudo da Psicologia,consistente na aplicação dos conhecimentos psicológicos aos assuntosrelacionados ao Direito, principalmente quanto à saúde mental, quanto aosestudos sócio-jurídicos dos crimes e quanto a personalidade da Pessoa Naturale seus embates subjectivos. Este ramo da Psicologia dedica-se às situações que se apresentamsobretudo nos tribunais e que envolvem o contexto das leis. Desse modo, naPsicologia Jurídica, são tratados todos os casos psicológicos que podem surgirem contexto de tribunal. Dedica-se, por exemplo, ao estudo docomportamento criminoso, ao estudo das doenças envolventes de situaçõesfamiliares e de separação civil. Clinicamente, tenta construir o percurso de vidados indivíduos no dia-a-dia na sociedade em constantes relações jurídicas etodos os processos psicológicos que possam conduzido à doenças doConsumidor, de estrutura familiar e do Trabalho. O Psicólogo Forense, assim,tenta descobrir a raiz do problema, uma vez que só assim se pode partir àdescoberta da solução. Descobrindo as causas das desordens, sejam elasmentais e/ou comportamentais, também se pode determinar um processojusto, tendo em conta que estes casos são muito particulares e assim devemser tratados em tribunal.
  6. 6. > Avaliação de psicodiagnóstico> Assessoramento como perito a órgãos judiciais> Intervenção:planejamento e realização de programas deprevenção, tratamento, reabilitação e Integração ao meiosocial> Planejamento de campanhas de combate à criminalidade> Vitimologia:pesquisa e atendimento às vítimas de violência> Mediação:alternativas à via judicial
  7. 7. É um ramo da psicologia forense que trata deanalisar racionalmente e empiricamente o comportamentocriminoso. Para isso podem ser usados estudos psicológicosde personalidade, da estrutura mental e de outrascaracterísticas que podem vir a ser psicopatológicas e suasrelações com o direito penal. A psicologia criminal explora avariabilidade das condutas criminosas, variáveis preditoras,variáveis causais/funcionais e a correlação entre crimes,criminosos e as variáveis significativas envolvidas. Tambémestuda o desenvolvimento do criminoso do ponto de vistapsicodinâmico, social e sistêmico.
  8. 8. Uma de suas áreas de estudo são sobre desejos, pensamentos,intenções e reações dos criminosos. Ela está relacionada com a área daantropologia criminal. O estudo penetra profundamente na pergunta"o quê faz alguém cometer um crime", mas também nas reações pós-crime, na fuga ou no tribunal. Esta ciência tem relações com apsicanálise, em especial a psicanálise forense e com a sexologiaforense, traçando as causas psíquicas que levam certos indíduos àsexualidade doentia. Psicólogos criminalistas são frequentementechamados como testemunhas em processos judiciais para ajudar o júria compreender a mente do criminoso. Alguns tipos de psiquiatriatambém lidam com os aspectos do comportamento criminoso.
  9. 9. Um criminoso é um indivíduo que viola uma norma penal,sem justificação e de forma reprovável.Aos criminosos condenados esubmetidos a um devido processo legal aplica-se uma sançãocriminal, uma pena (privativa de liberdade, restritiva de direitos,multa).A punição aplicada a um criminoso pode ser de carátercorretivo, com a intenção de reeducar o indivíduo para que não voltea cometer delito, ou de caráter exemplar, com a intenção dedesincentivar outras pessoas a cometerem atos semelhantes.Aqueleque ajuda um criminoso a cometer um crime é considerado tambémum criminoso, partícipe ou co-autor, enquanto aquele que poromissão permite que um crime aconteça quando poderia ou deveriater impedido geralmente é considerado cúmplice.
  10. 10. Criminosos impetuosos - são aqueles que cometem crimes movidos porimpulso emotivo, por exemplo os crimes passionais ou crimes que ocorremem uma discussão de trânsito. O criminoso impetuoso costuma searrepender em seguida.Criminosos ocasionais - são aqueles que decorrem da influência do meio,isto é, são pessoas que acabam caindo em "tentação" devido a algumacircunstância facilitadora. Neste caso aplica-se o ditado "a ocasião faz oladrão". Os delitos mais comuns são furto e estelionato. O criminosoocasional tem chances de se redimir.Criminosos habituais - são os profissionais do crime. Normalmente seiniciam no crime durante a adolescência e progressivamente adquiremhabilidades mais sofisticadas. Praticam todo tipo de crime. A violência temo intuito de intimidar a vítima.
  11. 11. Criminosos fronteiriços - são criminosos que enquadram-se emzona fronteiriça entre a doença mental e os indivíduos normais.São pessoas que delinquem devido a distúrbios de personalidade,por exemplo, transtorno de personalidade anti-social (psicopatia);transtornos sexuais etc. Em geral, são pessoas frias, sem valoreséticos e morais, que cometem crimes com extrema violênciadesmotivada.Criminosos com deficiência mental - são pessoas que possuemdoença mental, isto é, alteração qualitativa das funções psíquicasque compromentem o entendimento e a auto-determinação doindivíduo. Por exemplo: esquizofrênicos, paranóicos, psicóticos,toxicômacos graves etc. Em geral agem sozinhos, impusivamente,sem premeditação e remorso.
  12. 12. Psicopatia é um construto psicológico que descreve um padrão decomportamento anti-social crónico. A expressão é muitas vezes utilizada semdistinção com o termo sociopatia.A psicopatia tem sido a perturbação de personalidade mas atualmente o termopode legitimamente ser utilizado no sentido jurídico, “transtorno depersonalidade psicopática” no âmbito da saúde mental.. Pode também sevir comoum descritor de transtorno de personalidade anti-social definido pela PsychopathyChecklist-Revised. A psicopatia é frequentemente co-mórbida com outros distúrbiospsicológicos (especialmente transtorno de personalidade narcísico).A psicopatia é diferente da sociopatia. Embora quase todos os psicopatas tenhamtranstorno de personalidade anti-social, apenas alguns indivíduos com transtornode personalidade anti-social são psicopatas. Muitos psicólogos acreditam que apsicopatia recaia sobre um espectro de narcisismo patológico.
  13. 13. A Psicopatia é frequentemente confundida com outrosdistúrbios de personalidade, tais como transtorno de personalidadedissocial, narcísica e esquizóide (bem como outros).Também é importante notar que “psicopatia” é uma síndrome ou umconstruto psicológico, enquanto o transtorno de personalidade anti-social é um diagnóstico. O interesse em características de índole psicopática remontaa Teofrasto, um estudante de Aristóteles, cuja descrição dos homensinescrupulosos personifica as características do transtorno depersonalidade anti-social. O interesse em características psicopáticas remonta à épocacolonial. Nesses tempos, uma pessoa com esta doença mental seriaconsiderada como algo relacionado com posse demoníaca.
  14. 14. Pessoas manipuladoras, sem nenhuma consideração pelo próximo, seminclusive reconhecer seus semelhantes como seres humanos. Essas e outras tantascaracterísticas descrevem o psicopata.O psicopata define-se por uma procura contínua de gratificação psicológica, sexual,ou impulsos agressivos e da incapacidade de aprender com os erros do passado. Usando terminologia freudiana, a personalidade psicopática ocorrequando o ego não pode mediar entre o id e o super-ego, permitindo assim o id de sereger pelo princípio do prazer, e o super-ego não tem nenhum controle sobre asacções do ego. Em outras palavras, os indivíduos com esta desordem ganhariamsatisfação através dos seus comportamentos anti-sociais, associados a uma faltauma consciência. Dentre tantas peculiaridades do psicopata a que mais chama a atenção é aausência de culpa. O psicopata usa as pessoas para obter o que deseja, seja usandoa crueldade para obter prazer, ou através da usura e exploração. Tem para si queseus atos não são maléficos e não causam nenhum dano a outrem, assim como nãoreconhecem suas atitudes como erradas.
  15. 15. Ele não entende porque as pessoas ficam aterrorizadas perantesuas atitudes. Isso se deve ao fato dele não reconhecer os sentimentoshumanos, não podendo, assim, ter uma empatia com o outro. Além disso,diferentemente do que se pensa essa patologia não causa delírios oualucinações. A psicopatia muitas vezes se manifesta ainda na infância egeralmente é confundida com agressividade. Crianças que manifestamcrueldade gratuita, principalmente com animais, devem ser bemobservadas. Nas situações em que o psicopata não pratica atos passíveis depunição judicial, pode ter uma ascensão profissional digna de nota.Prejudicando os colegas e sendo desprovido de escrúpulos para obterbenefícios próprios, o psicopata consegue, por exemplo, subir de cargo emuma empresa, ou manter-se no poder usando subterfúgios imorais aindaque sem cometer atos ilícitos. Quem não conhece alguém assim? Estudos avaliam as diferenças entre os psicopatas não criminosos eos psicopatas criminosos. Tais estudos não chegam a uma opinião conclusivapara a questão: os psicopatas não criminosos não cometeram crimes ouapenas conseguiram ludibriar a polícia?
  16. 16. As avaliações feitas nesses dois grupos de psicopatia mostraramsemelhanças no comportamento de ambos, quase indistinguíveis. Os estudosrevelam também que a personalidade e a propensão para atitudes imorais sãosemelhantes entre os grupos. O que os diferencia basicamente seria o meioonde o indivíduo está inserido, se beneficiado com educação e segurançafamiliar, a faceta criminosa não seria instalada.Esses estudos visam principalmente desmistificar algumas idéias acerca dospsicopatas que normalmente são associados a maníacos criminosos comdisfunções neurológicas. Ao contrário do que se pensa a maioria dospsicopatas não são violentos e a maioria das pessoas violentas não é psicopata. Especialistas dizem que os psicopatas em sua grande maioria sãohomens. Os motivos para esta desproporção entre os gêneros ainda édesconhecido. A frequência entre as populações é praticamente a mesma, nãohavendo alterações estatísticas entre ocidentais e orientais e nem entrepopulações que tem ou não acesso a culturas modernas.
  17. 17. Recentes resultados de pesquisas em neurociências começam a lançaralgumas luzes no que se refere à psicopatia. A falta de empatia, a falta da culpa,as emoções superficiais, a mentira compulsória e manipuladora, a crueldade e osangue frio são características de todos os psicopatas.Em alguns estudos os psicopatas, diferente das pessoas que não têm esseTranstorno de Personalidade, respondiam à estímulos carregadosemocionalmente da mesma forma que respondiam a estímulos neutros. Issodemonstra que os psicopatas são destituídos de afetos, em várias áreas. Emoutros estudos, se observou que os psicopatas não reagem com alteraçõesfisiológicas a mudanças surpreendentes no ambiente. Pessoas normais reagemfisiologicamente diante de um fato surpreendente podendo piscar, por exemplo. Tais resultados podem sugerir que os psicopatas causam dor semsentirem-se incômodos ou constrangidos, ao contrário, parecem fazê-lo de boavontade e até mesmo com certo prazer. Geralmente eles sabem que estãoferindo por causa de um sentimento intelectual abstrato (intenção), já que lhesfalta a empatia para compreender o efeito do que causam naqueles a quemagridem.
  18. 18. Um exemplo bem claro desse comportamento sádico, pode serobservado no caso Jason, publicado no ano de 2000 (veja seçãoArquivo/Narcisismo). Recentes estudos feitos com imagens do cérebro,através de aparelhos modernos como Ressonância Magnética, sugerem,segundo Hare, uma possível base neurofisiológica para o fracasso dasignificação emocional nos indivíduos com esse tipo de transtorno. Nocérebro dos psicopatas, os mecanismos que normalmente afetam osprocessos cognitivos podem ser ineficientes ou inoperantes. A neurociência tem demonstrado que a relação emocional damãe com o bebê, podem causar danos neurológicos importantes etalvez, a psicopatia, seja um desses danos. Da mesma forma que umaalteração física causa modificações no comportamento, umamodificação de comportamento, pode causar alterações fisiológicasimportantes. Esse é outro aspecto sob observação e parece muitopromissor.
  19. 19. O Psicopata Social Dentre as variações da Psicopatia, o Psicopata Social é aquele quecausa sofrimento a um grupo de pessoa, uma comunidade ou até mesmo asociedade como um todo, sem esboçar qualquer arrependimento. Nada deixaesses indivíduos com peso na consciência. Não existe ramo de atuação humanaonde se encontra mais esse tipo do que na política(com honradas exceções éclaro). Estes manipuladores sociais roubam, mentem, trapaceiam, caluniam, enunca acham que faz alguma coisa de errado; não estão nem aí para osofrimento alheio. Geralmente possuem uma esperteza superior, umainteligência acima da média e habilidade para manipular quem está a sua volta. Não são Sábios, são inteligentes, porque o sábio usa o seu raciocínio eo seu saber para a resolução dos problemas dele e de todos, pensando sempreno crescimento e na felicidade coletiva.
  20. 20. Justamente por achar que não faz nada de errado, o Psicopata Socialrepete seus erros e não conhece emoções e sentimentos nobres tais como oarrependimento, a solidariedade, o amor ao próximo e a compaixão. O país que sedane, a cidade que se dane, o povo que se dane! É assim que ele pensa no seuíntimo. A habilidade de mentir e manipular despudoradamente, muitas vezes semlevantar suspeitas, de hipinotizar platéias com sua lábia, seu dom de oratória, fazcom que ele se saia bem na política e na liderança de grupos. Vide: Mussolini,Hitler, Nero, Átila, Collor, etc. são tecnicamente incapazes de frear seus impulsossacanas e se munem de desculpas para justificar seu comportamento quandonecessário, com a destreza e o talento de um brilhante ator. Os Psiquiatras defendem que, apesar desta mentalidade doentia, elesdevem ser responsabilizados pelos seus erros, porque possuem plena consciênciade que seus atos não são corretos. E se cometem crimes, devem ir para cadeiacomo os outros criminosos por ameaçar a convivência sadia, justa e harmônica dasociedade.
  21. 21. O Psicopata Carente de Princípios Este tipo de psicopata se apresenta freqüentemente associado àspersonalidades narcisistas e histéricas. Podem até conseguir manter-se comêxito nos limites do legal. Estes psicopatas exibem com arrogância um fortesentimento de autovalorização, indiferença para com o bem estar dos outros eum estilo social continuamente fraudulento. Existe neles sempre a expectativade explorar os demais (esse traço pode corresponder ao estilo dominante dosPsicopatas Primário e Secundário de Blackburn). Há neles uma consciência social bastante deficiente e se faz notóriauma grande inclinação para a violação das regras, sem se importarem com osdireitos alheios. A irresponsabilidade social se percebe através de fantasiasexpansivas e de grosseiras, contumazes e persistentes mentiras. Falta, nesses Psicopatas Carentes de Princípios, o Superego. Essa falta éresponsável pelos seus relacionamentos inescrupulosos, amorais, desleais eexploradores. Podem estar presentes entre sociedades de artistas e decharlatões, muitos dos quais são vingativos e desdenhosos com suas vítimas.O psicopata sem princípios mostra sempre um desejo de correr riscos, semexperimentar temor de enfrentar ameaças ou ações punitivas.
  22. 22. São buscadores de novas sensações. Suas tendências maliciosasresultam em freqüentes dificuldades pessoais e familiares, assim comocomplicações legais. Estes psicopatas narcisistas funcionam como se não tivessem outroobjetivo na vida, senão explorar os demais para obter benefícios pessoais.Eles são completamente carentes de sentimentos de culpa e de consciênciasocial. Normalmente sua relação com os demais dura tempo suficiente emque acredita ter algo a ganhar. Os Psicopatas Carentes de Princípios exibem uma total indiferençapela verdade, e se são descobertos ou desmascarados, podem continuardemonstrando total indiferença. Uma de suas maiores habilidades é afacilidade que têm em influenciar pessoas, ora adotando um ar de inocência,ora de vítima, de líder, enfim, assumindo um papel social mais indicado paraa circunstância. Podem enganar a outros com encanto e eloqüência. Quandocastigados por seus erros, ao invés de corrigirem-se, podem avaliar asituação e melhorar suas técnicas em continuar a conduta exploradora. Carentes de qualquer sentimento de lealdade, juntamente comuma extrema competência em desempenhar papéis, os psicopatasnormalmente ocultam suas intenções debaixo de uma aparência deamabilidade e cortesia.
  23. 23. O Psicopata Malévolo Os Psicopatas Malévolos são particularmente vingativos e hostis. Seusimpulsos são descarregados num desafio maligno e destrutivo da vida socialconvencional. Eles têm algo de paranóico na medida em que desconfiamexageradamente dos outros e, antecipando traições e castigos, exercem umacrueldade fria e um intenso desejo de vingança. Além desses psicopatas repudiarem emoções ternas, há neles umaprofunda suspeita de que os bons sentimentos dos demais são sempredestinados a enganá-los. Adotam uma atitude de ressentimento e de propensãoa buscar revanche em tudo, tendendo a dirigir a todos seus impulsos vingativos. Alguns traços desses psicopatas se parecem com os sádicos e/ouparanóides, com características beligerantes, mordazes, rancorosos, viciosos,malignos, frios, brutais, truculentos e vingativos, fazendo, dessa forma, com quemuitos deles se revelem assassinos e assassinos seriais. Quando os Psicopatas Malévolos enfrentam à lei e sofrem sançõesjudiciais, ao invés de se corrigirem, aumentam ainda mais seu desejo devingança. Quando se situam em alguma posição de poder, eles atuambrutalmente para confirmar sua imagem de força.
  24. 24. Irritados pelo freqüente repúdio social que despertam, esses PsicopatasMalévolos estão continuamente experimentando uma necessidade de retribuiçãoagressiva, a qual pode, eventualmente, expressar-se abertamente em atentadoscoletivos ou atitudes anti-sociais (a luta sociedade versus eu). De qualquer forma,nunca demonstram o mínimo sentimento de culpa ou arrependimento por seusatos violentos. Ao invés disso, mostram uma arrogante depreciação pelos direitosdos outros. É curioso o fato de esses psicopatas serem capazes de dar umaexplicação racional aos conceitos éticos, capazes de conhecerem a diferença entreo que é certo e errado, mas, não obstante, são incapazes de experimentar taissentimentos. A noção ética faz com que o Psicopata Malévolo defina melhor os limitesde seus próprios interesses e não perca o controle de suas ações. Esse tipo depsicopata se encontra entre os mais ameaçadores e cruéis. Ele é invariavelmentedestrutivo, sem misericórdia e desumano. A noção de certo-errado faz com que esses psicopatas sejamoportunistas e dissimulem suas atitudes ao sabor das circunstâncias, ou seja,diante da autoridade jamais atuam sociopaticamente. Portanto, eles são seletivosna eleição de suas vítimas, identificando sujeitos mais vulneráveis a sua sociopatiaou que mais provavelmente se submetam aos seus caprichos. Mais que qualqueroutro bandido, este psicopata desfruta prazer em proporcionar sofrimento e verseus efeitos danosos em suas vítimas.
  25. 25. O Psicopata Dissimulado Seu comportamento se caracteriza por um forte disfarce de amizade esociabilidade. Apesar dessa agradável aparência, ele oculta falta deconfiabilidade, tendências impulsivas e profundo ressentimento e mau humorpara com os membros de sua família e pessoas próximas.Na realidade, poderíamos comparar o Psicopata Dissimulado como uma misturabastante piorada dos transtornos Borderline e Histérico da Personalidade. Issosignifica que ele pleiteia um estilo de vida socialmente teatral, com persistentebusca de atenção e excitação, permeada por um comportamento muito sedutor. O Psicopata Dissimulado é considerado como uma variante daPersonalidade Histriônica, continuamente tentando satisfazer sua fortenecessidade de atenção e aprovação. Essas características não estão presentes noPsicopata Carente de Princípios ou no Malévolo, os quais centram em si mesmosua preocupação e são indiferentes às atitudes e reações dos outros.Esse subtipo dissimulado costuma exibir entusiasmo de curta duração pelascoisas da vida, comportamentos imaturos de contínua busca de sensações.
  26. 26. Seguindo as características básicas e comuns a todos os psicopatas, odissimulado também tende a conspirar, mentir, a ter um enfoque astuto paracom a vida social, a ser calculista, insincero e falso. Muito provavelmente ele nãoadmite a existência de qualquer dificuldade pessoal ou familiar, e exibe umengenhoso sistema de negações. As dificuldades interpessoais são racionalizadase a culpa é sempre projetada sobre terceiros. A contundente falsidade é a característica principal deste subtipo. OPsicopata Dissimulado age com premeditação e falsidade em todas suasrelações, fazendo tudo o que for necessário para obter exatamente o que querdos outros. Por outro lado, diferentemente do Psicopata Carente de Princípiosou do Psicopata Malévolo, parece desfrutar prazerosamente do jogo da sedução,obtendo excitação nas conquistas. Mesmo aparentando intenções de proteger certas pessoas, o PsicopataDissimulado é frio, calculista e falso, caracterizando mais ainda um estilofortemente manipulador. Essa característica pode ser conseqüência da convicçãoíntima de que ninguém poderá amá-lo ou protegê-lo, a menos que consigamanipular a todos. Apesar de reconhecer que está manipulando seu entornosocial, tenta convencer aos outros de que suas intenções são boas e que suasatitudes são, no mínimo, bem intencionadas.
  27. 27. Quando as pessoas com esse tipo de psicopatia são pressionadas ouconfrontadas, sentem-se muito encabuladas e suas reações oscilam entre aexplosão agressiva e vingança calculista. A característica afabilidade dosPsicopatas Dissimulados é superficial e extremamente precária, estando semprepredispostos a depreciarem imediatamente a qualquer um que representealguma ameaça à sua hegemonia, chegando mesmo a perderem o controle eexplodirem em cólera.O Psicopata Ambicioso Persegue avidamente seus engrandecimentos. Os PsicopatasAmbiciosos sentem que a vida não lhes tem dado tudo o que merecem que têmsido privados de seus direitos ao amor, ao apoio, ou às gratificações materiais.Normalmente acham que os outros têm recebido mais que eles, e que nuncativeram oportunidades de uma vida boa. Portanto, estão motivados por um desejo de retribuição, decompensar-se pelo que tem sido despojado pelo destino. Através de atos deroubo ou destruição, se compensam a si mesmos pelo vazio de suas vidas, semimportar-lhes as violações que cometam à ordem social. Seus atos sãoracionalizados através da idéia de que nada fazem senão restaurar um equilíbrioalterado.
  28. 28. Para os Psicopatas Ambiciosos que estão somente ressentidos, masque ainda têm controle minimamente crítico de seus atos, pequenastransgressões e algumas aquisições são suficientes para aplacar essasmotivações. Mas para aqueles que têm estas características psicopáticas maisdesenvolvidas, somente a usurpação de bens e coisas alheias podem satisfazê-los. O prazer psicopático nos ambiciosos está baseado mais em tomar doque em ter. Como a fome que os animais experimentam em relação à presa, osPsicopatas Ambiciosos têm um enorme impulso para a rapinagem, e tratam osdemais como se fossem peões num tabuleiro de xadrez de poder. Além de terem pouca consideração pelos efeitos de sua conduta,sentindo pouca ou nenhuma culpa pelos efeitos de suas ações, como osdemais psicopatas, os ambiciosos nunca chegam a sentir que tem adquirido obastante para compensar suas privações. Independentemente de suasconquistas, permanecem sempre ciumentos e invejosos, agressivos eambiciosos, exibindo todas as vezes que podem posses e consumo ostentoso. A maioria deles é totalmente centrada em si mesma, contribuindoisso para sua comum atitude libertina e em busca de sensações.
  29. 29. Esses psicopatas nunca experimentam um estado de completasatisfação, sentindo-se não realizados, vazios, desolados,independentemente do êxito que possam ter obtido. Insaciáveis, estãosempre convencidos de que serão despojados de seus direitos e desejos. Ainda que o subtipo ambicioso seja parecido, em alguns aspectos,ao Psicopata Carente de Princípios, ele exerce uma exploração mais ativa esua motivação central é manifestada através da inveja e apropriaçãoindevida das posses alheias. O Psicopata Ambicioso experimenta não só umsentimento profundo de vazio, senão também uma avidez poderosa deamor e reconhecimento que, segundo ele, não lhe ofereceram na infância.O Psicopata Explosivo Diferencia-se das outras variantes pela emergência súbita eimprevista de hostilidade. Estes psicopatas são caracterizados por fúriaincontrolável e ataque a outros, furor este freqüentemente descarregadosobre membros da própria família. A explosão agressiva se precipitaabruptamente, sem dar tempo de prevenir ou conter.
  30. 30. Sentindo-se frustrados e ameaçados, estes Psicopatas Explosivosrespondem de uma maneira volátil, daninha e mórbida, fascinando aosdemais pela brusca forma com que os surpreende.Desgostosos e frustrados na vida, estas pessoas perdem o controle ebuscam vingança pelos alegados maus tratos a que foram precocementesubmetidos. Em contraste com outros psicopatas, esses não se movem demaneira sutil e afável. Pelo contrário, seus ataques explodemincontrolavelmente, quase sempre, sem nenhuma provocação aparente. Esta qualidade de beligerância súbita, tanto quanto sua fúriadesenfreada distingue estes psicopatas dos outros subtipos. Muitos sãohipersensíveis aos sentimentos de traição, a ponto de fantasiaremdeslealdades o tempo todo.
  31. 31. Ausência de Culpa: Nunca sente arrependimento, nem remorsos. Os outros éque são os culpados de tudo o que acontece de mal e vive com a certezaabsoluta que nunca erra, nem errou. Não teme a punição por ter a certeza quetudo o que faz tem um propósito benéfico, (para ele, claro!), embora tenha anoção de que os seus actos são anti-sociais.Quando é denunciado, recusa a reabilitação ou qualquer tratamento e naimpossibilidade de fugir, simula uma mudança de carácter, para mais tardevoltar aos padrões comportamentais que lhe são característicos e até, vingar-sede quem o tentou ajudar.Mestres da Mentira: Para eles a realidade e a ilusão fundem-se num sóconceito pelo qual regem o seu mundo. São capazes de contar uma mentiracomo se estivessem a descrever detalhadamente uma situação real. Nãomentem apenas para fugirem de uma situação constrangedora, mas pura esimplesmente porque não sabem viver sem mentir.
  32. 32. Manipulação e Egoísmo: Não tem a noção de bem comum. Desde que eleesteja bem, o resto do mundo não lhe interessa. O psicopata é um indivíduoextremamente manipulador que usa o seu encanto para atingir os seusobjectivos, nunca pensando nas emoções alheias. Não reconhece a dor queprovoca nos outros e por isso, usa as pessoas como peões, objectos que podepôr e dispor conforme lhe convêm. Manifesta facilidade em lidar com aspalavras e convencer as pessoas mais vulneráveis a entrarem no “jogo” dele.Querem controlar todos os relacionamentos, impedindo que familiares eamigos confraternizem paralelamente, sem a sua presença. Para tal recorrem asesquemas, intrigas e claro, ao seu charme para se fingir amigo.Inteligência: O QI costuma ser acima da média. Há casos de psicopatas queconseguem passar por médicos, advogados, professores, etc, sem nunca teremfrequentado uma universidade! São peritos no disfarce, excelentes auto-didactas e fazem-no na perfeição.
  33. 33. Ausência de Afecto: Não são pessoas afectuosas com o próximo e enquanto pais,não são do género de “dar colo” aos filhos. Usam os filhos como “marionetas”,em função dos seus próprios interesses, não respeitando as suas escolhas, quer anível pessoal, quer profissional! Baseia os seus “métodos educativos” nahumilhação e chega a ser totalmente negligente para com os seus.Impulsivo: Devido ao défice do superego, não consegue conter os seus impulsos,podendo cometer toda a espécie de crimes, friamente e sem noção de culpa.Costuma fintar até o teste do polígrafo, porque o seu ritmo cardíaco não se alteraquando profere mentiras e nem quando comete crimes.Isolamento: Gostam de viver sós e quando vivem com outros, querem liderar ogrupo, mesmo que para isso destrua uma família inteira.
  34. 34. Psicopata comunitário ou de grau leveA maioria dos psicopatas corresponde àqueles de grau leve, por isso, geralmentenão satisfazem totalmente todos os critérios do DSM do transtorno depersonalidade antissocial. Eles são os psicopatas mais comuns, tendem a exibirpoucos critérios e são aqueles que dificilmente matam; entretanto, são os maisdifíceis de serem diagnosticados porque tendem a se passar despercebidos noambiente social, caracterizando o "psicopata comunitário". Geralmente, possueminteligência média ou até mesmo maior que a média, mas são frios, racionais,mentirosos, não se importam com os sentimentos alheios e são os psicopatasditos dissimulados: escondem tais características de forma que pouquíssimaspessoas consigam perceber, são muito manipuladores. Muitas vezes estão aolado de todos e ninguém consegue perceber isto. Eles podem ser desde um falsocolega oportunista que vive se fazendo de vítima, até trapaceiros, parasitassociais, políticos, empresários e religiosos.
  35. 35. Esse psicopata raramente vai para a cadeia, mas quando essesindivíduos - por algum motivo ilícito - vão para a prisão, são tidos como presos"exemplares" pelo seu bom comportamento: são muito bem vistos,comportados, não arranjam confusões e dissimulam uma aparência deinocentes coitadinhos, a ponto que outros presos e seguranças não consigamacreditar que aquela pessoa tão calma pôde cometer alguma atrocidade. Exatamente por isso, são os que mais facilmente conseguem enganara todos, fazendo com que diminuam o tempo de pena na cadeia. Do ponto devista infantil, esses indivíduos podem ou não ter traumas significantes quepossam ter sido considerados agravantes do transtorno mas, de forma geral,tiveram uma educação aparentemente normal. Comumente foram criançascom grande charme superficial, encantavam facilmente adultos pela suaaparência de docilidade, entretanto, já apresentavam traços de frieza,insensibilidade, e intolerância à frustração - que podem ser evidentes emcondutas como maltratar coleguinhas, animais, mentir etc. a maioria dospsicopatas,acaba ficando só em sua velhice,por ser pessoas dificeis de serelaciona,cheios de manias,e costumes que desagradam as pessoas normais.
  36. 36. Psicopata antissocial ou de grau moderado a grave Já o psicopata de grau moderado a grave corresponde àqueles quesatisfazem quase ou todos os critérios do DSM do transtorno de personalidadeantissocial e são os psicopatas deliberamente antissociais. Esses psicopatas têmuma alta tendência a se enquadrarem por exemplo, na categoria serial killers. Amaioria apresenta as mesmas características do psicopata comunitário,entretanto apresentam condutas que os colocam contra à sociedade em geralfazendo com que sejam mais facilmente inseridos no meio carcerário. Sãomenos frequentes, entretanto, uma vez que satisfazem quase ou todos oscritérios para a personalidade antissocial, eles são aqueles que estão maisfacilmente vulneráveis a delitos graves e chocantes. Eles geralmente sãoagressivos, impulsivos, frios, sádicos, mentirosos, não possuem empatia e sãomais facilmente associados a psicopatas autores de grandes golpes ouassassinos e serial killers, entretanto, escondem tais características de formaque socialmente são vistos como pessoas normalíssimas, cujos verdadeirosinstintos ninguém é capaz de desconfiar. Os de grau moderado geralmenteestão mais infiltrados no meio das drogas, álcool, jogo compulsivo, direçãoimprudente, vadiagem e promiscuidade e vandalismo, além de grandes golpese graves estelionatos.
  37. 37. Os que apresentam um grau muito grave, frequentemente sãoassassinos sádicos, ou seja, obtêm prazer (principalmente sexual) ao ver osofrimento de outra pessoa e são indivíduos excessivamente problemáticos, doponto de vista emocional. Em contraste a essas características, de modosemelhante ao psicopata comunitário, podem apresentar-se como uma pessoanormal perante os outros e a sociedade, contudo, escondem umapersonalidade muito mais sombria - esta ocasionalmente visível para familiares,por exemplo, onde o ambiente é marcado por discussões frequentes. Totalmente frios, sem remorso e ausentes de sentimentos carinhosospara com outros seres humanos, esses indivíduos não conseguem conter pormuito tempo seus impulsos sádicos - embora saibam perfeitamente que seucomportamento é inapto e totalmente repudiado pela sociedade. É comumnessas pessoas, um histórico de doenças neuropsiquiátricas como depressão,déficit de atenção, transtornos de ansiedade ou outros distúrbios depersonalidade, além de um persistente sentimento de vazio existencial e tédio,o que os faz buscarem constantes estímulos - inconstantes, enjoam de tudofacilmente, por isso sempre procuram algo novo e diferente para fazerem; maspossuem dificuldade em terminar o que começam. Na infância, esses indivíduosgeralmente sofreram algum tipo de trauma significante o que pode serconsiderado agravante da psicopatia. Normalmente foram crianças maisreservadas ou introvertidas, mas que, por vezes, apresentavam traços detranstorno de conduta.
  38. 38. A maioria das mulheres psicopatas tendem a apresentar um grau leveou moderado da psicopatia, sendo que mulheres psicopatas com um alto grauda doença são raras. Porém, existem e são as denominadas serial killers, taiscomo grandes assassinas da história mundial, como Elizabeth Bathory, AileenWuornos e Marie Noe. As psicopatas com um nível moderado a grave de psicopatia podem,no início da adolêscencia, ter um acentuado crescimento dos sintomas dodistúrbio nessa fase, além de sintomas como um humor deprimido e irritadiço,abusar do álcool e/ou drogas, obter comportamentos autodestrutivos comoauto mutilação, tentativas de suicídio fracassadas, abusos de medicamentos,ambiente familiar conturbado, instabilidade emocional e, não raro,aparecimento de sintomas histéricos (conversivos). Aliás, é muito maisfrequente nas mulheres psicopatas ocorrer a psicopatia juntamente comcaracterísticas conversivas, como por exemplo, paralisias, dores de cabeçaconstantes, náuseas, vômitos, afonia, dores constantes pelo corpo sem motivosplausíveis etc. o que mostra que essas mulheres além da psicopatia, possuemtraços histéricos em sua personalidade, o que as faz reprimir seus problemaspsicológicos e transformando-os em problema físico.
  39. 39. Na melhor das hipóteses, as mulheres psicopatas geralmente foramcrianças introvertidas e tinham um profundo sentimento de isolamento. Emboranão seja regra, a maioria das mulheres psicopatas possuem um histórico cujainfância foi permeada por algum tipo de conflito familiar (abusos, negligência,divórcio dos pais, alcoolismo parental, etc.), além de constantes conturbaçõesescolares, tal como deboches por coleguinhas de escola, seja pela timidez ou porapresentarem algum tipo de transtorno de conduta: ao tempo que foramcrianças que sofriam deboches, entretanto, também cometiam algum tipo decrueldade - embora nem sempre os adultos conseguissem perceber, pois, via deregra, psicopatas desde tenra idade manipulam todos ao redor de forma queraramente são descobertos. Mulheres psicopatas não gostam de ser contrariadas e, assim como oshomens sociopatas, elas podem demonstrar frieza, agressividade ouinsensibilidade sem que isso acarrete em culpa, arrependimento ou remorso.Elas têm necessidade em demonstrar grande poder ou controle sob certaspessoas ou situações. São controladoras, persuasivas, influenciadoras e muitosedutoras. Elas podem exibir além de um comportamento sedutor,comportamentos sexuais perversos, tais como sadomasoquismo, e fetichesperversos. Podem ter um histórico de relacionamentos breves, que duram muitopouco, numerosos casos superficiais ou então vários parceiros do outro sexo ounão, ao mesmo tempo.
  40. 40. Elas podem ser mulheres infiéis, que facilmente traem o cônjuge, ouentão enamorar-se por puro interesse material, tais como homens ricos epoderosos. Para o psicopata, o sexo e a orientação sexual são apenas mais umaforma de manipulação, um de seus utensílios para conseguir seus objetivos. Nas mulheres com traços psicopáticos, parece haver predominância desintomas do subtipo de psicopatia denominado por Millon de "psicopatadissimulado". Segundo Millon, tais psicopatas possuem características de falta deconfiança nos outros, impulsividade, simpatia superficial e sociabilidade para comos outros mas constante mau humor, agressividade e ressentimento para com afamília e pessoas próximas. Esse tipo de psicopatia pode ser relativamenteparecido como uma mistura do transtorno de personalidade borderline e otranstorno de personalidade histriônica. São pessoas que aparentam tendências a chamar atenção para si e comum comportamento significantemente sedutor ou sensual. Neste caso, essaspsicopatas são socialmente sedutoras mas ocultam por trás da sedução esociabilidade um péssimo comportamento com pessoas mais próximas.
  41. 41. A busca pela excitação, aventura e estímulo é variavelmente alto, comtendências a sentir-se facilmente entediada, com grande intolerância àmonotonia, regras e rotina. Exatamente por isso, essas pessoas costumam exibirentusiasmo de curta duração pelas coisas da vida, tais como relacionamentos,empregos, objetivos e gostos. Elas se entediam e enjoam facilmente das coisas,começam um projeto mas nunca terminam. Pessoas assim têm comportamentos imaturos de contínua busca desensações e perigo, e fazem de tudo o que for necessário nas suas relações paraconseguirem o que querem dos outros. São incapazes de demonstrar gratidão. Quando não conseguem o que querem ou são contrariados oupressionados, podem balancear entre uma explosão agressiva ou uma vingançacalculista. De modo geral, as mulheres psicopatas apresentam praticamente osmesmos sintomas do homem psicopata, entretanto, praticam suas crueldades deforma menos impulsiva que o homem, o que as faz serem pouco descobertas.
  42. 42. Pelo fato de gostarem da sensação de poder, serem muitopersuasivos e não medirem esforcos para atingir seus objetivos, ospsicopatas ascedem muito rápido em suas profissões; por isso é comum queesses indivíduos ocupem importantes cargos ligados a mídia e a política. Nãoé raro encontrar esses indivíduos em capas de grandes revistas e, também,no editorial dessas mesmas revistas. Eles, geralmente, gostam de estar em destaque e ajudardeterminadas pessoas ou grupos econômicos, apenas por benefício próprio.Por outro lado, os psicopatas denigrem e aniquilam aqueles que tentamdesmascará-los. Por não sentirem remorso, nem compaixão, os indivíduos compersonalidade antissocial não se importam se seus atos irão prejudicar umdeterminado grupo de pessoas ou até mesmo uma nação.
  43. 43. Mentiras frequentes, crueldade com coleguinhas e irmãos, baixíssimatolerância à frustração, ausência de culpa ou remorso e falta de constrangimentoquando pegos mentindo ou em flagrante. Os pais podem ligar o sinal de alertacaso essas características comportamentais (somadas a uma série de outras, quepodem ser vistas em lista abaixo) ocorram de maneira repetitiva e persistente emcrianças e adolescentes. É possível que os filhos tenham "Transtorno de Conduta"e sejam candidatos à psicopatia quando tornarem-se adultos. "Podemos observar características de psicopatia desde a infância até avida adulta. Vale ressaltar que o diagnóstico exato só pode ser firmado porespecialistas no assunto", afirma a médica psiquiatra Ana Beatriz B. Silva, autorado livro "Mentes Perigosas - O Psicopata Mora ao Lado" (Fontanar, 2008). "Alémdo mais, deve se atentar para a frequência e a intensidade com as quais estascaracterísticas se manifestam", explica.
  44. 44. Abaixo, um trecho do livro "Mentes Perigosas" no qual a médicapsiquiatra lista as características que podem indicar tendência à psicopatia nainfância e adolescência e aponta as posturas que devem ser assumidas pelos pais.O que os pais podem fazer?Como já foi dito anteriormente, podemos observar características de psicopatiadesde a infância até a vida adulta. Antes dos 18 anos, por uma questão denomenclatura, o problema é chamado de Transtorno da Conduta. Crianças ouadolescentes que são francos candidatos à psicopatia possuem um padrãorepetitivo e persistente que podem ser sintetizados pelas característicascomportamentais descritas abaixo:- Mentiras frequentes (às vezes o tempo todo);- Crueldade com animais, coleguinhas, irmãos etc.;- Condutas desafiadoras às figuras de autoridade (pais, professores etc.);- Impulsividade e irresponsabilidade;
  45. 45. - Baixíssima tolerância à frustração com acessos de irritabilidade ou fúriaquando são contrariados;- Tendência a culpar os outros por seus erros cometidos;- Preocupação excessiva com seus próprios interesses;- Insensibilidade ou frieza emocional;- Ausência de culpa ou remorso;- Falta de empatia ou preocupação pelos sentimentos alheios;- Falta de constrangimento ou vergonha quando pegos mentindo ou emflagrante;- Dificuldades em manter amizades;- Permanência fora de casa até tarde da noite, mesmo com a proibição dospais. Muitas vezes podem fugir e levar dias sem aparecer em casa;
  46. 46. - Faltas constantes na escola sem justificativas ou no trabalho (quando maisvelhos);- Violação às regras sociais que se constituem em atos de vandalismo comodestruição de propriedades alheias ou danos ao patrimônio público;- Participação em fraudes (falsificação de documentos), roubos ou assaltos;Sexualidade exacerbada, muitas vezes levando outras crianças ao sexo forçado;Introdução precoce no mundo das drogas ou do álcool;- Nos casos mais graves, podem cometer homicídio. Vale ressaltar que as características acima são apenas genéricas e que odiagnóstico exato só pode ser firmado por especialistas no assunto. Além do mais,o leitor deve se atentar para a freqüência e a intensidade com as quais estascaracterísticas se manifestam. É muito comum e até compreensível que os pais de jovens comcaracterísticas psicopáticas se perguntem quase sempre em um tom dedesespero: "O que nós fizemos de errado para que nosso filho seja assim?".
  47. 47. Os pais se sentem culpados por acharem que falharam na educação dosseus filhos e que não souberam impor limites. Isso é um grande equívoco! Nãoresta dúvida de que a educação, a estrutura familiar e o ambiente socialinfluenciam na formação da personalidade de um indivíduo e na maneira como elese relaciona com o mundo. No entanto, esses fatores por si só não são capazes detransformar ninguém em um psicopata. Não obstante, é muito importante que os pais tenham conhecimentopleno sobre o assunto e que passem a reconhecer a disfunção em seus filhos,dispensando o devido valor que o problema merece. Quando em grau leve edetectada ainda precocemente, a psicopatia pode, em alguns casos, ser moduladaatravés de uma educação mais rigorosa. Um ambiente familiar mais estruturado ecom a vigilância constante de filhos "problemáticos" certamente não evita apsicopatia, mas pode inibir uma manifestação mais grave. E aí, fazer toda adiferença. É lógico que estas medidas estão longe de serem ideais, são apenaspaliativas e demandam muito esforço e empenho por parte dos envolvidos nacriação. No entanto, não podemos desprezá-las para salvaguardar a estruturafamiliar e a sociedade como um todo.
  48. 48. As posturas que devem ser assumidas são as seguintes:- Procure conhecer bem o seu filho. A maioria dos pais não sabe como ele secomporta longe dos seus olhos. Estabeleça contato com todas as pessoas doconvívio dele (professores, amigos, pais dos amigos etc.). Quanto maisprecocemente você identificar o problema maiores serão as chances de que ele semolde a um estilo de vida minimamente produtivo e socialmente aceito.- Busque ajuda profissional. Isto é válido tanto para se certificar do diagnósticodessa criança quanto para que os pais recebam orientações de como devem agir.- Não permita que seu filho controle a situação. Estabeleça um programa deobjetivos mínimos para obter alguns resultados positivos. Regras e limites clarossão necessários para evitar as condutas de manipulação, enganos e falta derespeito com os demais. Lembre-se que uma criança com perfil psicopáticoapresenta um talento extraordinário em distorcer as regras estabelecidas e virar ojogo a seu favor. Por isso NÃO CEDA! Se você fraquejar, certamente ela ocuparátodos os "espaços" deixados pela sua desistência.
  49. 49. Não pretendo ser pessimista, no entanto não seria honesto da minhaparte afirmar que a psicopatia infanto-juvenil atualmente tenha uma soluçãosatisfatória. O máximo que podemos fazer é adotar posturas no trato com essascrianças no sentido de melhorar a forma como a psicopatia vai se manifestar nofuturo. A psicopatia não tem cura, é um transtorno da personalidade e não umafase de alterações comportamentais momentâneas. Porém, temos que ter sempre em mente que tal transtorno apresentaformas e graus diversos de se manifestar e que somente os casos mais gravesapresentam barreiras de convivência intransponíveis. Segundo o DSM-IV-TR apsicopatia tem um curso crônico, no entanto pode tornar-se menos evidente àmedida que o indivíduo envelhece, particularmente a partir dos 40 anos deidade.
  50. 50. Charmosos e simpáticos; mentirosos e manipuladores. Os psicopatas não seimportam de passar por cima de tudo e de todos para alcançar seus objetivos.Egocêntricos e narcisistas, eles não sentem remorso, muito menos culpa. Se algo oualguém ameaça seus planos, tornam-se agressivos. São mestres em inverter o jogo,colocando-se no papel de vítimas. E estão sempre conscientes de todos os seus atos,pois, diferentemente do que ocorre em outras doenças mentais, os psicopatas nãoentram em delírio. A psicopatia atinge cerca de 4% da população (3% de homens e 1% demulheres), segundo a classificação americana de transtornos mentais. Sendo assim,um em cada 25 brasileiros enquadra-se nesse perfil. Mas isso não significa, é claro, quetodos são assassinos em potencial. Estudos coordenados por diversos pesquisadores, entre eles o psicólogoamericano Randall T. Salekin, da Universidade do Alabama, indicam que, de fato, écomum que os psicopatas recorram à violência física e sexual. No entanto, a maioriados psicopatas não é violenta. Alguns pesquisadores acreditam até que muitos sejambem-sucedidos profissionalmente e ocupem posições de destaque na política, nosnegócios ou nas artes.
  51. 51. O psicólogo Leonardo Fd Araujo, especialista em psicologia clínica pelaUniversidade Tuiuti do Paraná, concedeu entrevista ao Comunicação On-line e falamais sobre a psicopatia e os psicopatas.Comunicação On-line: O que caracteriza a psicopatia?Araújo: O egocentrismo, a ausência de culpa e remorso, o excesso de razão einexistência de emoção são as principais características. Os psicopatas fingem ementem muito bem, e forjam o afeto. Além disso, há os prejuízos sociais causadospor esse tipo de transtorno mental, tais como agressões, estupros e assassinatos. Épreciso ressaltar que o psicopata sente prazer em cometer o mal, em conseguirconcretizar o que ele almeja. O falsário sente um extremo prazer ao conseguirenganar alguém, assim como o estuprador sente o mesmo ao cometer um estupro.Quando o mal está feito, ele não se culpa e ainda procura cometer outros crimescontra outras vítimas.Comunicação On-line: O psicopata é pintado geralmente como um assassino. Masesse é o único perfil de um psicopata?
  52. 52. Araujo: O psicopata apresenta vários perfis. A grosso modo, existe o psicopataleve, moderado e grave. O psicopata leve é o conhecido “171”, aplicapequenos golpes e engana pessoas de bem. O moderado já se envolve demaneira mais contundente com as vítimas dos golpes, que quase sempreenvolvem muitas pessoas e grandes somas em dinheiro. Já o psicopata grave,esse sim é o mais conhecido pelo público leigo. É o indivíduo que cometeassassinatos a sangue frio, sejam em série ou não. Nos noticiários,infelizmente, volta e meia aparecem casos de assassinos e estupradoresseriais, muitas vezes crimes com requintes de crueldade. O que os diferencia éa forma de agir. Uns sentem prazer no estupro, em torturar, outros emtorturar e matar.Comunicação On-line: O que pode levar um indivíduo a cometer atitudes depsicopatas?Araujo: A psicopatia tem causa multifatorial. Há estudos que demonstram quepsicopatas que tiveram uma infância repleta de violência e com uma famíliadesestruturada, podem chegar a cometer crimes graves contra a vida. Ou seja,podem se tornar verdadeiros predadores sociais, causando sérios prejuízos àsociedade. Há também fatores genéticos, fatores próprios de cada indivíduo efatores de ordem social que quando somados, podem levar à psicopatia.
  53. 53. Comunicação On-line: Existe uma maneira de perceber que uma pessoa é umpsicopata?Araujo: Isso é bem complicado. É sempre bom desconfiar de pessoas que seapresentam de forma sedutora, com idéias mirabolantes, sempre muito agradáveis.A mídia já retratou diversos casos de impostores. Eles se aproveitam de mulheresquase sempre muito bem colocadas profissionalmente, prometem mundos efundos, enfim, ganham a confiança da vítima. Quando menos se espera, o impostorpede um dinheiro para completar a compra de um imóvel ou de um carro, epromete pagar assim que possível, ou assim que fechar outro negócio. A partir daí,já é tarde para reagir. Geralmente esses impostores somem no dia seguinte semdeixar nenhum vestígio. Coisa parecida acontece nos casos de estupradores eassassinos seriais. O psicopata vem com uma conversa agradável, dizendo que amoça é muito bonita, que quer tirar umas fotos dela para a agência de modelos.Pronto, a armadilha foi colocada, dificilmente a vítima terá escapatória. Esse tipo deabordagem foi usada, por exemplo, pelo Maníaco do Parque em São Paulo.
  54. 54. Comunicação On-line: Uma pessoa que possui um perfil de psicopata nasce comessas características, ou pode adquiri-las?Araujo: O psicopata já o é desde o nascimento. Mais cedo ou mais tarde, otranstorno pode ser deflagrado, em maior ou menor grau. Estudos demonstramque filhos de psicopatas têm cinco vezes mais chances de desenvolver o mesmotranstorno. Sabemos que todo transtorno mental tem causas biológicas, psíquicase sociais. Uma criança filha de psicopata, que sofreu abuso e violência, tem aindamais chances de desenvolver o transtorno. Um jovem pode desde cedo começar ademonstrar os primeiros sinais de que há algo errado. Por volta dos 15 anos podeapresentar os primeiros sinais de transtorno de conduta e se não tratado, podeevoluir para a psicopatia.Comunicação On-line: Como é o relacionamento social do psicopata? Eleconsegue ter uma vida social, com amigos, trabalho e estrutura como outrapessoa qualquer?Araujo: O relacionamento social de um psicopata é movido por interesses. Oproblema é que na maioria das vezes é uma via de mão única: as vantagens sãoalmejadas apenas para benefício próprio. Nem que para isso seja necessáriopassar por cima de quem estiver em seu caminho, causando sérios problemaspara quem o cerca.
  55. 55. É importante ressaltar que os prejuízos monetários, morais, físicos e psíquicos queas vítimas do psicopata sofrem são incalculáveis. No trabalho, o processo é omesmo. A vida laboral do psicopata é repleta de desmandos, crises com superiorese intrigas. Para os que convivem com um psicopata, principalmente familiares, arelação é sempre difícil e conturbada. Os familiares percebem que algo estáerrado, mas para o psicopata está tudo na mais perfeita ordem.Comunicação On-line: Aos olhos da maioria da população, as atitudes dessaspessoas são reprováveis. O psicopata tem consciência de que aquilo que ele faz éerrado?Araujo: Esse é um ponto importante. O psicopata sabe exatamente o que fazinclusive que tais atos são ilegais ou imorais. Ele tem ciência de que pode ser pegopela polícia e levado à justiça. Sendo assim, o psicopata calcula meticulosamenteos seus passos. Um estelionatário ardiloso, por exemplo, planeja cada passo, cadadetalhe para que seu plano tenha êxito e para que nada seja descoberto antes dotempo. Tudo o que o psicopata faz é normal e natural, para ele mesmo, é claro. Pornão sofrer de remorso ou culpa, comete os piores crimes e atrocidades sempestanejar.
  56. 56. Comunicação On-line: Assim como outros distúrbios da mente, a psicopatiatem algum tratamento?Araujo: Para praticamente todos os casos, o tratamento tem pouco ou nenhumefeito. É preciso entender que a maneira de ser do psicopata é algo ruim paranós, mas para eles é algo perfeitamente normal e aceitável. Ainda não soubede nenhum caso de um psicopata estelionatário que passe por uma criseexistencial e procure um tratamento. No psicopata grave então, nem se fala. Astentativas de intervenção, para estes casos graves, se dão no meio carcerário.Infelizmente, tais intervenções, são complicadas e conturbadas. Adoraria dizero contrario, mas ainda não há cura para a psicopatia, e o tratamento se dávisando a redução de danos. Ou seja, é uma tentativa de tratamento que temcomo objetivo diminuir os efeitos e os prejuízos sociais causados pelopsicopata.
  57. 57. O alarde com que a mídia trata os casos de delitos, crimes e atrocidadescometidos por pessoas intensamente perturbadas demonstra o quanto todos nóssomos suscetíveis a tal tipo de estímulos que passa centralizar a preocupação daspessoas em geral. Em 2008 tivemos vários personagens, com transtorno de personalidadeanti-social, envolvidos com a mídia nacional, entre os quais se destacaram pelaintensa cobertura jornalística o auxiliar de enfermagem Edson, que segundo apolícia do Rio de Janeiro teria matado mais de 100 doentes terminais em umhospital público do Rio, e o autodenominado "motoboy do sul", responsável pelamorte de cerca de 7 pessoas na praia do Cassino, RS. Ambos fazem parte de um grupo de pessoas severamente transtornadasque atingem a cerca de 2 a 3% da população adulta predominantementemasculina, sendo que são mais comumente encontradas em áreas metropolitanaspobres e com baixa escolaridade por abandono precoce da escola. Há umatendência para uma mobilidade social descendente na vida dos indivíduos anti-sociais, que tendem a ganhar e perder dinheiro de maneira cada vez mais cíclica,até finalmente estarem "exauridos" na meia-idade, o que muitas vezes é agregadoa alcoolismo e droga com a conseqüente debilitação severa.
  58. 58. A cada vez que surge uma situação como a destes personagens, há umquestionamento intenso se poderia ser considerado "gente" alguém que atuassedessa forma. O que se observa é que nos personagens envolvidos há uma repetiçãode funcionamento com as particularidades próprias individuais. Os "psicopatas", "sociopatas", "transtornados de caráter" ou"personalidade anti-social", ou o nome que se busque para identificar umfuncionamento pessoal extremamente perturbado, caracterizam-se por serempessoas que mentem, trapaceiam, roubam, ameaçam, matam e atuam de váriasformas enganosas e irresponsáveis. São de muito difícil manejo familiar, social,ocupacional e, quando chegam a profissionais da área de saúde mental, igualmenterepetem-se as dificuldades de tratamento, tanto é que alguns desses profissionaispreferem simplesmente encará-los como criminosos e não incluí-los na jurisdição dapsiquiatria. Ou seja, seriam intratáveis. Por outro lado, trabalhos clínicos apontamque a rubrica anti-social aplica-se a um amplo espectro de pacientes, o que indicariaque alguns diante de certas condições poderiam beneficiar-se de tratamento. Os instrumentos diagnósticos em psiquiatria buscam uma série decaracterísticas e sintomas dos indivíduos para se estabelecer a diagnose dostranstornos mentais, entre os quais o de transtorno anti-social. Se tem uma série deelementos para definir o diagnóstico, entretanto salientarei os quesitos básicos quesão: a ausência de culpa e o fraco juízo crítico bem, como a incapacidade de aprendera partir da experiência.
  59. 59. No caso do auxiliar de enfermagem Edson, por exemplo, isto fica bempalpável quando ele diz: "não me arrependo, não". A maioria das pessoas ficahorrorizada da frieza da expressão e comunicação dessas, porque na psique damaioria gera fenômenos psicológicos como o da culpa, que diante de um ato destaordem poderia nos "matar" de remorsos. Todos nós carregamos "culpas" de maiorou menor intensidade no transcorrer de nossas vidas , e passamos buscandoestratégias de reparação para alívio deste peso emocional. Já os sociopatas nãoapresentam tal dialética interna e portanto passam agindo. É o caso do "motoboydo sul" que chegou a manifestar que o seu objetivo era superar, em números demortes, o "maníaco do parque" (referindo-se a outro personagem da mesmaestirpe). O questionamento básico é quanto a notoriedade passageira eassegurada pelas capas de revista, pelas matérias extensas nos diversos veículos decomunicação possa vir a estimular pessoas despreparadas para o convívio social, aponto de se sintirem invadidas por uma compulsão incontrolável e serem levadas arepetir ou superar "proezas" de sociopatas da vez.
  60. 60. Fazendo-se uma analogia breve, colocaria que, assim como temosídolos saudáveis ( como o nosso tenista Gustavo Kürten), que estimula os jovensa buscarem aprimoramentos para ter uma notoriedade e reconhecimento, hápessoas perturbadas e portanto frágeis no seu funcionamento mental globalque podem sentir-se influenciadas por tal explosão de estímulos vinculados aobombardeio massivo a que nos vemos invadidos quando da descoberta de taiscrimes. Evidentemente que os sociopatas estão presentes em nossasociedade, quer tenham divulgação na mídia ou não. Mas há uma tendência decomplicações e repetições mais seguidas destes distúrbios comportamentaisquando do estímulo mídia.
  61. 61. Um assassino em série (também conhecido pelo nome em inglês,serial killer) é um tipo de criminoso de perfil psicopatológico que comete crimescom uma certa frequência, geralmente seguindo um modus operandi e às vezesdeixando sua "assinatura", como por exemplo coleta da pele das vítimas - nocaso de Ed Gein. Curiosamente, os Estados Unidos, com menos de 5% dapopulação mundial, produziu 84% de todos os casos conhecidos de serial killersdesde 1980. Muitos dos que foram capturados aparentavam ser cidadãosrespeitáveis - atraentes, bem sucedidos, membros ativos da comunidade - atéque seus crimes foram descobertos. Geralmente os serial killers demonstramtrês comportamentos durante a infância, conhecidos como a "TríadeMacDonald": fazem xixi na cama, causam incêndios, e são cruéis com animais. A melhor definição de assassinato serial foi publicada pelo InstitutoNacional de Justiça em 1988: "Uma série de dois ou mais assassinatoscometidos como eventos separados, normalmente, mas nem sempre, por uminfrator atuando isolado. Os crimes podem ocorrer durante um período detempo que varia desde horas até anos.
  62. 62. Quase sempre o motivo é psicológico, e o comportamento doinfrator e a evidência física observada nas cenas dos crimes refletiramnuanças sádicas e sexuais". Existem basicamente dois tipos de serial killers: os do "tipoorganizado", sujeitos que normalmente exibem inteligência normal econseguem se inserir bem à sociedade, são muito mais difíceis de serempegos, visto que planejam seus crimes, não costumam deixar provas e podemter uma vida aparentemente normal com esposa/marido, filhos e emprego,muitas vezes de alto nível, podem chegar mesmo a concluir nível superior. Jáos "tipo desorganizados", são impulsivos, não planejam seus atos, costumamusar objetos que encontram no local do crime e muitas vezes os deixam paratrás deixando muitas provas. Outra classificação é a proposta por Blackburn (1998) quedesenvolveu uma tipologia para os subtipos de psicopatas, inclusiveconsiderando o aspecto Anti-social como se tratasse de um dos sintomaspossíveis de estar presente em certos casos. Inicialmente ele fez umadistinção entre dois tipos de psicopatas e ambos compartilhando um altograu de impulsividade: um Tipo Primário, caracterizado por uma adequadasocialização e uma total falta de perturbações emocionais, e um TipoSecundário, caracterizado pelo isolamento social e traços neuróticos.
  63. 63. Matador de Massa: Mata quatro ou mais vítimas em um só local, num só evento.Em geral, sua explosão de violência é dirigida para o grupo que supostamente ooprimiu, ameaçou ou rejeitou.Serial killer: são indivíduos que cometem uma série de homicídios com um intervaloentre eles, durante meses ou anos, até que seja preso ou morto. As vítimas têm omesmo perfil (prostitutas, mochileiros, crianças, idosos) e mesma faixa etária, sexo,raça etc. As vítimas são escolhidas ao acaso dentro deste perfil e mortas sem razãoaparente; ela é objeto da fantasia do serial killer.Spree Killer: (Matador Impulsivo) As vítimas dele estão no lugar errado, na horaerrada. O criminoso mata várias pessoas num período de horas, dias ou semanas, enão passa por fases e se acalma até precisar matar novamente. Ele pode parar dematar tão rápido quanto começou.
  64. 64. - Os EUA têm 76% dos serial killers, entre mundo todo.- Europa em segundo lugar, tem 17%. Inglaterra produziu 28% do total Europeu,a Alemanha produz 27%, e a França produz 13%.- Califórnia lidera os EUA com mais casos de homicídios em série que ocorreram.- Texas, Nova York, Illinois e Flórida seguem logo atrás.- Maine tem a menor ocorrência de assassinatos em série – nenhum.- Havaí, Montana, Dakota do Norte, Delaware, e Vermont cada um tem apenasum caso de assassinatos em série.- 84% dos assassinos americanos são caucasianos (brancos).- 16% são negros.- 93% dos serial killers são homens.- 65% das vítimas são do sexo feminino.- 89% das vítimas são caucasianas (brancos).- 44% de todos os assassinos começam na casa dos vinte.- 26% no início da adolescência.- 90% dos serial killers têm idade entre 18 e 39 anos- 24% começam na casa dos trinta.- De todos os assassinos, 86% são heterossexuais.
  65. 65. A polícia precisou de 14 anos para resolver os misteriosos assassinatos que oúltimo maníaco da Rússia tramava em sua cabeça enferma. Quando policiais invadiramo apartamento deteriorado em que Alexander Pichushkin vivia com a mãe, emMoscou, no ano passado, as coisas logo se tornaram claras. A polícia encontrou umtabuleiro de xadrez no qual Pichushkin, 33 anos, havia inscrito um número para cadavítima. Esta semana, teve início o julgamento no qual ele é acusado de 49assassinatos, ainda que o total que lhe é atribuído seja de 62. Ao que parece, o últimomaníaco da Rússia tinha dois objetivos. O primeiro era tirar a vida de 64 pessoas,tantas quanto as casas de um tabuleiro de xadrez, como ele mesmo disse. O segundoera competir com o assassino serial mais famoso do país, Andrei Chikatilo, que em 12anos matou 52 crianças e mulheres jovens. A polícia presume que Pichushkin tenha matado a maioria de suas vítimascom golpes de martelo ou garrafas de vodca contra a cabeça. Esta última técnica foiutilizada contra os moradores de rua que ele atraía ao parque Bittsa sob o pretexto delhes oferecer um trago. "Para mim, uma vida sem assassinato é como uma vida semcomida", ele declarou em confissão diante de câmeras de TV.
  66. 66. "Sinto-me como um pai para essas pessoas, pois fui eu quem lhes abriu asportas para o outro mundo". Na saída do primeiro dia de julgamento, segunda-feira,os jornalistas perguntaram por que ele havia cometido os crimes, e a resposta foilacônica, sem emoção; "Era assim que eu me sentia". Pichushkin não foi capaz de concluir seu plano macabro porque a últimade suas vítimas intuiu a cilada. O assassinato do tabuleiro trabalhava como vendedorem uma loja de alimentos, e um dia convidou uma colega de trabalho para umpasseio no parque. Foi em 5 de junho de 2006. Ela deixou um bilhete ao filhoexplicando aonde pretendia ir, e em companhia de quem. A polícia encontrou opapel e, 10 dias mais tarde, deteve Pichushkin. Ainda que inicialmente ele negasse os indícios, terminou confessandodepois que policiais mostraram uma gravação de câmeras de segurança do metrôque o mostrava em companhia da mais recente vítima. Alexander Pichushkin nãoparece humano, e sim um maníaco de cinema. Não lhe custou muito começar arevelar todos os seus crimes, e até vangloriar-se deles. Em 2005, quando a cidadeviveu um pânico devido às suas numerosas ações, a polícia deteve um homemerroneamente.
  67. 67. Pichushkin assassinou duas pessoas na mesma semana, parademonstrar que não haviam conseguido detê-lo. Acompanhava com atenção oque a imprensa publicava sobre seus crimes, e se irritava muito quando detalhesque considerava essenciais estavam ausentes dos relatos. De acordo com osuposto maníaco, seu truculento torneio de xadrez começou em 1992, com oassassinato de um colega da escola onde estudava. A polícia o interrogou, então, mas não foram movidas acusações contraele. Aquele foi exatamente o ano em que Chikatilo foi condenado. Depois dessaprimeira experiência, Pichushkin só voltou a atuar uma década mais tarde. Em2005 e 2006, seus ataques se tornaram mais freqüentes, e talvez por isso tenhasaído derrotado.
  68. 68. Janeiro de 1977, este serial killer grego foi condenado por estuprare assassinar prostitutas e cortá-las com uma serra elétrica. Por seus crimesfoi condenado a 13 sentenças de perpétua. Também foi condenado por tentar matar outras 6 mulheres. Foichamado pela mídia de O ESTRIPADOR DE ATENAS, estuprava eestrangulava suas vítimas, depois as cortava em pedaços e jogava suaspartes ao longo da estrada. Uma das testemunhas escapou depois de convencê-lo que nãoera prostituta. Toda a Grécia acompanhou seu julgamento pela TV.
  69. 69. Enfermeira que sofre da Síndrome de Munchausen Modificada(desejo de matar ou machucar para conseguir atenção), recebeu 13penas de perpétua em 1993, depois de matar uma criança e atacaroutras 9. A investigação constatou vários incidentes de pacientes comrespiração por ventilação ou recebendo medicamento por soro (defeitonas bombas) em vários hospitais em duas cidades. Está agora internada num hospital para doentes mentais dealta periculosidade. Não é nada provável que saia dali, mas se issoacontecer, pais das crianças juraram matá-la.
  70. 70. Um devoto mórmon, Bishop gostava de passar muito tempo comcrianças. Depois de ser processado por apropriação em Utah, mudou denome e desapareceu. Como Roger Downs, participou do Big BrotherAmérica e ia acampar com crianças. Molestava e matava. Quando a policia o levou para um interrogatório de rotina, eleconfessou seus crimes e admitiu ter molestado inúmeras crianças, eacariciava-as depois de mortas. A moda mórmon, ele declarou que estava feliz por ser pego,porque só assim não faria outra vez. Morreu por injeção letal em junho98.
  71. 71. Serial killer húngaro, suas façanhas foram imortalizadas pelo poetasurrealista Antonin Artaud. Em 1912, depois de mudar-se com sua esposa para avila de Czinkota, ela começou a ter um caso. Logo os amantes sumiram e Belacontou aos vizinhos que eles fugiram. Logo depois, adquiriu 55 barris de metal.Falou para a polícia local que iria estocar gasolina por causa da iminente guerra. Em 1914, foi recrutado pelo exército e mandado para o campo debatalha. Morreu na guerra. Quando soldados passaram pela cidade à procura degasolina, alguém lembrou dos barris de Bela. Ao abrirem na certeza de encontrargasolina, encontraram 24 corpos preservados em álcool. Aparentemente, Belachamava a si próprio de Hoffman, colocava anúncios em jornais locais descrevendoa si mesmo como solitário viúvo procurando companhia feminina. Garroteavaaquelas mulheres que respondiam ao anúncio, e as colocava nos barris. Os corposde sua mulher e do amante também foram encontrados ali. Ao investigarem sua morte, constataram no hospital que ele haviatrocado de identidade com algum soldado ferido gravemente, e escapara ileso daguerra. Nunca foi encontrado, apesar de falsos alarmes de que teria sido visto emBudapeste ou Nova Iorque.
  72. 72. Carl Panzram nasceu em 1891, nos Estados Unidos. Era filho de umimigrante e tinha 6 irmãos. Quando tinha 7 anos, seu pai abandonou sua mãe.Um ano depois, Carl Panzram entrou na vida criminal: aos 8 anos, já cometiapequenos delitos. Aos 11 anos, Carl foi enviado para um reformatório, onde passou doisanos, na companhia de cerca de outros 300 jovens. Lá, apanhou e foisodomizado várias vezes, inclusive por líderes religiosos. “Então eu comecei apensar que eu deveria ter a minha vingança tão logo e tão frequentemente euconseguisse machucar qualquer um”, disse Panzram, tempos depois. “Fuiensinado pelos Cristãos a ser um hipócrita, e aprendi mais sobre roubar, mentir,odiar, queimar e matar. E que um reto pode servir para outros propósitos.” Ao sair da instituição, com cerca de 14 anos, Panzram deixou umdispositivo armado para incendiar o prédio. Já na rua, desenvolveu um comportamento piromaníaco (incendiário)e fantasiava promover homicídios em massa. Sua relação com sua mãe foi sedeteriorando.Na escola, um professor o agredia. Um dia, isso ainda aos 14 anos, Panzramlevou uma arma para a escola e queria matá-lo, mas começaram a brigar ePanzram, dominado, acabou perdendo a arma. Poucos dias depois, Panzrampegou um trem e “caiu no mundo”.
  73. 73. Panzram roubava, mendigava, dormia em qualquer lugar. Acabou sendoviolentado por quatro homens. Após outro crime, foi novamente para umreformatório. Panzram tinha o linguajar de um criminoso nato e um policialimplicava com ele. Carl resolveu matá-lo. Cometeu o homicídio com um pedaçode madeira, atingindo a cabeça do policial, pelas costas. Passou então a ser aindamais vigiado na instituição e resolveu fugir.Comportamento incendiário Panzram fugiu com um colega. Adquiriram armas e “roubavam tudo oque podiam”, inclusive igrejas, as quais Carl queimava depois – um de seus crimesfavoritos. “Eu amo tanto Jesus que quero crucificá-lo novamente.”, dizia Panzram. Logo a dupla se separou e Panzram começou a usar outros nomes. Em 1907, com 16 anos, Panzram mentiu sua idade e entrou no Exército.Logo no primeiro dia, recebeu uma punição – a primeira de muitas que receberialá dentro. Acabou sendo pego roubando e foi condenado a três anos de serviçosforçados em uma penitenciária federal. Panzram tinha muita dificuldade em se adaptar a estes ambientes. Asregras na penitenciária eram rígidas e Carl vivia sendo punido. Tinha que carregaruma bola de ferro presa ao pé, mesmo quando trabalhava quebrando pedras, 10horas por dia, 7 dias por semana. Um dia, Panzram queimou uma parte da prisão,mas não foi descoberto. Saiu de lá em 1910.
  74. 74. Foi preso mais algumas vezes, em alguns outros locais, por diversoscrimes – mas conseguia fugir. E mantinha o seu comportamento incendiário…Ódio do mundo Sobre suas vítimas, Panzram disse que não era seletivo, “importavaapenas que fossem seres humanos”. Estuprou até mesmo um policial quetentou extorqui-lo. Nunca desenvolveu um interesse maior por mulheres. Nas prisões,por ter um porte avantajado e por suas características psíquicas dominadorase agressivas, acabava sodomizando os colegas. Em uma destas detenções, assim preencheu o campo “Profissão” nasua ficha de admissão: “ladrão”. Apesar de punições cada vez maiores, seucomportamento não mudava. Em uma ocasião, roubou a casa de William H. Taft, ex-presidente dosEUA. Panzram arrecadou muito dinheiro com os objetos que vendeu ecomprou um iate. Entretanto, o revólver calibre 45 que achou na casa, este elenão vendeu, passou a carregá-lo. E, como não poderia deixar de ser, enquanto andava com seu iate,invadia alguns outros, vazios, e roubava o que lá encontrava.Teve também a idéia de atrair marinheiros, oferecendo trabalho. Então, osviolentava, matava e jogava no mar. Ladrão, estuprador, sereal killer – esta eraa vida de Carl Panzram.
  75. 75. Em 1921, Panzram foi parar em Angola! Em 1922, já com 31 anos,estuprou e matou brutalmente um garoto de 12 anos – esmagou sua cabeçacom uma pedra. “Eu não me arrependo. Minha consciência não me incomoda.Eu durmo tranquilamente e tenho sonhos doces.” Carl Panzram dizia odiar a humanidade. Em uma ocasião matou seispessoas de uma só vez, sem motivo, e jogou os corpos aos crocodilos. Teve quefugir porque muitas pessoas tinham visto ele com as vítimas. Panzram veio para Portugal, mas lá já era procurado. Voltou para osEUA. Continuou a roubar, matar, fugir etc. Roubou outra embarcação. De umcomissário da polícia. Repintou o barco e mudou o nome da embarcação. Usando a arma que lá achou, matou mais uma pessoa – além de tersodomizado outra, que o denunciou. Foi preso pouco depois. Arranjou um advogado, dizendo a este que no seu barco havia muitodinheiro e que lhe pagaria após sair da cadeia. Quando foi posto em liberdade,desapareceu. O advogado foi tentar registrar o barco e descobriu que eraroubado. Carl continuou sua vida criminosa e, numa dessas prisões, disse muitodo seu passado, mas foi desacreditado. Porém, investigou-se e descobriu queera verdade. Por sinal, Panzram ainda tentou receber uma recompensaoferecida em outra localidade por sua captura…
  76. 76. Foi transferido para outra prisão, muito rígida. Em uma fuga algunsmeses depois, quebrou as pernas e foi pego. Algum tempo depois foi submetido auma cirurgia, onde acabaram por retirar-lhe um testículo. Além disso, ficou nasolitária por meses. Passava o tempo pensando em como matar o maior númerode pessoas. Inteirados 5 anos nesta prisão, em 1928 voltou às ruas. Nas primeiras duas semanas, já tinha matado um. Foi preso, mais umavez.Carl Panzram conta sua história Na identificação criminal, notaram que Panzram tinha o peito tatuadocom um lema: “Liberdade e Justiça”. Pela primeira vez, Panzram deu seu nomeverdadeiro. Foi nesta prisão que teve contato com Henry Lesser, um guarda que seinteressaria por suas histórias. Lesser perguntou qual era o seu crime, e elerespondeu: “O que eu faço é reformar as pessoas.”. E então começou a falar deseu passado. Panzram aceitou escrever sua história para Henry Lesser. “Por que eusou o que sou? Eu te direi a razão. Eu não me fiz o que sou. Os outros é que mefizeram.”Nestes escritos, Panzram também dizia que o sistema penal só fazia piorar ascoisas. “A minha vida inteira eu tenho quebrado cada lei que já foi feita peloshomens ou por Deus.
  77. 77. E se tivessem feito mais, eu as quebraria também.” Os processos pelos crimes anteriores começaram a andar, com suasconfissões. Feitas sem nenhum remorso, diga-se de passagem. Cerca de 20homicídios. Um dos mais prolíficos assassinos em série já nascidos. Panzamdizia que se fosse solto mataria outro tanto. Em um julgamento, ameaçou uma vítima que depunha, fazendogestos de esganar um pescoço: “É isto que acontecerá com você.”. Foicondenado a vários anos de prisão e deveria voltar à prisão federal. Lá, avisou ao chegar: “Eu vou matar o primeiro homem que meincomodar.”. Um guarda denunciou uma infração sua e Panzram foi para asolitária. Ao sair, matou o guarda, na lavanderia da prisão. Outros presostentaram fugir da confusão, mas Panzram ainda quebrou o braço de um eaterrorizou os outros. Voltou para a solitária, enquanto aguardava outrojulgamento. Panzram continuou a se corresponder com Lesser. E disse que estavasurpreso, porque agora ninguém encostava nele. “Cheguei à conclusão que sedesde o começo tivesse sido tratado como agora, então tantas pessoas nãoteriam sido roubadas, estupradas e mortas.”O julgamento de Carl PanzramEm 1930, foi a julgamento pelo caso do guarda assassinado. Estava desafiadore pouco cooperativo.
  78. 78. “Você tem um advogado?”, perguntou o juiz. “Não, e eu não quero um.” Durante o julgamento, Panzram foi avaliado por um psicólogo, Dr.Menninger. “Eu quero ser enforcado e não quero nenhuma interferência sua ou detipos como você. Eu sei tudo sobre o mundo e sobre a natureza diabólica dohomem, e não quero bancar o hipócrita. Estou orgulhoso de ter matado alguns earrependo-me de não ter matado mais.” Menninger tentou fazer Carl falar sobresua vida, mas o assassino foi ficando furioso. “Estou dizendo que sou responsável eculpado, e quanto mais rápido me enforcarem melhor será e mais contente ficarei.Então não tente interferir nisso!” Menninger, em suas análises, culpou o reformatório e as prisões por tudoo que aconteceu. E relatou: “Eu nunca vi um indivíduo cujos impulsos destrutivoseram tão completamente aceitos pelo seu ego consciente como Panzram.”.Panzram foi condenado a morrer em setembro do mesmo ano. Ouviu a sentençacom um leve sorriso. “Eu certamente quero agradecê-lo, juiz, apenas me deixe colocar as mãosem volta do seu pescoço por 60 segundos e você nunca mais sentará como juiz emum tribunal.” Foi retirado da sala rindo.
  79. 79. Uma associação contra a pena de morte tentou reverter oquadro, mas isso enfureceu Panzram. “Eu não quero consertar a mimmesmo! Meu único desejo é consertar as pessoas que tentaram meconsertar, e eu acho que o único meio de reformar as pessoas ématando-as.” Panzram escreveu uma carta ao presidente dos estadosUnidos dizendo que não queria outro julgamento, e que estavaplenamente satisfeito com aquele e com a pena. “Eu me recusoabsolutamente a aceitar um perdão ou uma mudança na pena.” Panzram permaneceu acordado na noite anterior à execução,andando pela cela e cantando uma curta canção pornográfica que elemesmo compôs.
  80. 80. Em julho 99, um faz-tudo num motel recreacional nudista Staynerconfessou ter matado as três viajantes do parque Yosemite, Carole Sund, suafilha Juli e uma amiga Silvina Pelosso, cujos corpos foram encontrados esteano??? Stayner falou detalhes sobre o crime que só a policia conhecia. Stayner,que já confessou ter decapitado a naturalista Joie Ruth Armstriong, tinha sidoquestionado meses antes sobre a morte dos visitantes do parque,, mas não foiconsiderado suspeito. Também é suspeito de ter matado seu tio Jesse, quemorreu de um ferimento de tiro e as autoridades na época pensaram ter sidovitima de assalto. Ficou conhecido na mídia como o Serial Killer de Yosemite. Numaentrevista para a TV, diz que sonhou em matar mulheres durante 30 anos.Também revelou não ter abusado sexualmente de nenhuma de suas vítimas.Stayner disse que estrangulou Pelosso, 16, e Carole, 42, na sua cabine alugadano Albergue Cedar, em El Portal. Levou então Juli para o lago, onde matou agarota de 15 anos na manhã seguinte. Sua cabeça estava quase separada docorpo. Para encobrir seus rastros, Stayner molhou as toalhas do motel paraparecer que suas vítimas haviam tomado banho e saído pela manha semnenhum incidente. Stayner carregava um romance sobre um serial killerenlouquecido na mochila quando matou a naturalista Joie.
  81. 81. Também carregava uma harmônica, arma, cerveja. Dizendo queprecisava consertar uma goteira, conseguiu entrar no quarto das mulheres, queassistiam um vídeo. Saiu do banheiro carregando uma pistola .22 e ordenouque Carole e as duas meninas ficassem de bruços nas camas. Depois deamarrar suas mãos com fita isolante, amordaçou-as e ordenou que as garotasfossem para o banheiro. Estrangulou Carole com uma corda que trouxe comele. Colocou o corpo no porta malas do carro alugado por elas, voltou eordenou que as duas garotas fizessem uma performance para ele de atossexuais. Silvia resistiu, portanto foi estrangulada no banheiro, fora das vistas deJuli e então atacou Juli. Horas depois levou-a para o quarto ao lado e começoua se livrar de evidências. Colocou o corpo também no porta malas e saiu comJuli, deixando o quarto completamente arrumado. Mais tarde, enrolou Juli nuanuma manta do motel e saiu de carro com ela amarrada no banco dopassageiro. Dirigiu até o Lago Dom Pedro e levou Juli por uma antiga trilha atéuma clareira, onde ficou admirando a água. Depois, retalhou sua gargantainúmeras vezes enquanto ela implorava para que a matasse com um tiro, masnão havia mais balas. Depois de esconder seu corpo num bosque cerrado eleguiou o mais longe que pode dentro da floresta. Dois dias depois, voltou equeimou seu carro. Jogou a carteira de Carole o mais longe que pode, paradespistar a polícia, na cidade de Modesto. Em outubro 99 foi acusado de 3assassinatos em especial circunstância. Foi condenado à morte. O hotel noparque Yosemite também está sendo processado, por não prover segurançapara quem ali se hospeda.
  82. 82. Quando, em 1970, Charles Willis Manson apareceu, no início de umjulgamento, com um “x” na testa, feito à faca por ele mesmo, ele explicou ao grandenúmero de jornalistas presentes que estava se “xizando” do mundo, que estava“saindo fora”. Na verdade, naquele dia ele só estava oficializando isto. CharlesManson, desde criança, já vivia fora deste mundo de regras e leis. Charles Mansoncomeçou a ficar famoso no final do ano anterior, quando foi descoberto oenvolvimento de sua “Família” em brutais assassinatos, acontecidos poucos mesesantes. A Manson Family era formada por Charles Manson e um grupo deseguidores seus. Viviam, à época, em um rancho, nos Estados Unidos. Sobreviviamespecialmente de atividades criminosas, como furtos. Naquele tempo era comum aexistência de comunidades parecidas a esta. Lembremos que foi o ano do Festival deWoodstock. O Festival de Woodstock foi o auge do movimento “paz e amor”: sexolivre, lama (duas tempestades durante o evento), drogas (LSD e maconha,principalmente)… E, claro, muito rock and roll. Cerca de 500 mil pessoas viramperformances hoje históricas de Santana, The Who, Jimi Hendrix, Janis Joplin, entremuitos outros artistas.Um ano antes, o mundo havia sido sacudido pelas revoluções não-armadas,comandadas pelos jovens e por trabalhadores, ocorridas em vários países.
  83. 83. O chamado “Maio de 68″, em Paris, foi o ponto mais alto desta história.Pedia-se mais liberdade, menos leis, menos regras. “É proibido proibir” foi um dosslogans do movimento. Por tudo isto, a comunidade de Manson não chamava tanto a atenção. Defato, o seu envolvimento com as mortes foi descoberto um pouco por acaso. Em umabatida policial ao rancho, vários integrantes foram presos, por acusações de crimesmais leves. Mas, dentro da cadeia, uma das “garotas de Manson”, Susan Atkins,acabou por falar a uma colega de cela que ela mesma havia matado a atriz SharonTate, que estava grávida de oito meses quando morreu. Assustada com os detalhesque ouviu, esta colega de cela fez chegar às autoridades toda a história. E o novelocomeçou a ser desenrolado…Infância e adolescência de Charles Manson Charles Manson nasceu em 1943. Foi gerado por uma gravidez nãodesejada de uma garota de 16 anos, que havia saído de casa um ano antes, bebiamuito e era promíscua, apesar de (ou por causa de?) uma criação religiosa bastanterígida. Seu pai verdadeiro, Charles nunca conheceu. Herdou o sobrenome“Manson” de um homem com quem a mãe se juntou, relacionamento que duroupouco tempo.Às vezes sua mãe sumia por dias, e o pequeno Charles Manson ficava aos cuidadosda avó.
  84. 84. A mãe acabou sendo presa, com um irmão, por roubo armado a um postode gasolina, e Charles foi parar nas mãos de tios, também bastante conservadores. O tio reprimia Charles, dizia que ele era afeminado – e, para “consertá-lo”,enviou-o vestido de menina no primeiro dia de aula. Quando a mãe foi solta, continuou com sua vida anterior: casos amorososfugazes, pulando de casa em casa, de cama em cama – supostamente, envolvia-setambém com mulheres. Charles Manson conta que sua mãe chegou a vendê-lo emum bar, em troca de apenas uma caneca de cerveja, e teve de ser resgatado por umparente. Ainda criança, Charles Manson começou a furtar, continuamente. Foimandado para um reformatório, mas ao sair continuou com os delitos. Por volta dos12, procurou a mãe, que o rejeitou mais uma vez. Outras vezes preso, foi parar emoutras instituições. Muitas vezes fugia. Chegou a passar por avaliações psiquiátricas –numa destas, postulou-se que por trás de suas mentiras e frieza estava um garotoextremamente sensível que não havia recebido amor suficiente. Avaliou-se o seu QI,e era acima da média. Poucos dias antes de ser ouvido para receber uma condicional, em umadestas detenções, Charles Manson sodomizou um garoto, apontando uma faca contrao pescoço do rapaz. Tinha já 17 anos. Charles relata que, nestas instituições penaispelas quais passou, já tinha sido vítima anteriormente de abusos sexuais – sendo queem uma ocasião um guarda incitou os outros garotos a violentá-lo, enquantopermaneceu masturbando-se, ao lado da cena.
  85. 85. Charles Manson foi então mandado para uma instituição mais segura. Nãoadiantou muito: lá, abusou de outros homens.A vida na prisão Já em outra prisão, aparentemente mudou de comportamento,subitamente: dedicou-se mais a aprender (finalmente foi alfabetizado) e estava maiscolaborativo. Aos 19 pôde sair. No ano seguinte, casou e teve um filho, Manson Jr..Enquanto isto, trabalhava em serviços de baixa especialização, pelos quais recebiapouco. Então, para completar sua renda, roubava carros… Foi parar novamente na prisão. Nisto, sua esposa o largou. Três anos depois,ele saiu da cadeia. Virou “cafetão”, explorando prostitutas. E, claro, ainda era ladrão.Ano seguinte, pego novamente, mas escapou com a ajuda de uma mulher que mentiuestar grávida dele. Mas após dar um golpe financeiro em uma mulher e drogar eestuprar a colega de quarto desta, foi preso. Estava com 26 anos e foi condenado avários anos de prisão. Descreve-se que, nesta época, Charles tinha grande necessidade de chamara atenção para si mesmo. Era manipulador. Falava de filosofias pouco conhecidas naépoca, como o Budismo e a Cientologia. Outra obsessão era o quarteto de Liverpool, “The Beatles”. Charles Mansontinha um violão e acreditava que, tendo oportunidade, seria mais famoso que osBeatles. Passava boa parte do tempo na prisão escrevendo músicas.
  86. 86. Aos 32, podendo finalmente ser libertado, quis recusar. Tinha passadomais da metade da sua vida em instituições e disse que não saberia viver lá fora.Estávamos em 1966.Família Manson Charles Manson foi obrigado a sair da prisão. Na rua, teve contato comhippies e começou a arregimentar seguidores. Muitos eram meninas bem jovense emocionalmente perturbadas. Além disso, Manson usava de drogas como o LSDpara influenciá-las. Nascia a “Família Manson”. O já “guru” Charles Manson pregava o abandono das prisões mentaisengendradas pelo capitalismo. Consta que a Família acabou por se aproximar das“ciências ocultas”, como a “Ordem Circe do Cachorro Sanguinário” (!). O grupo acabou conhecendo Dennis Wilson, da banda Beach Boys,muito famosa à época. Tentaram explorá-lo, mas ele logo se livrou de Manson. Em 68, a Família Manson foi parar no rancho onde se estabeleceriamem definitivo, o “Rancho Spahn”. Eles sobreviviam não só de roubar, mas tambémde outras atitudes pouco convencionais, como procurar comida em restos derestaurantes. Charles Manson ainda tentava gravar um filme ou um disco. Umprodutor, chamado Melcher, recusou o que na cabeça de Manson seria um fatoconsumado: a gravação e lançamento de seu disco.
  87. 87. Helter Skelter Em suas teorizações, Charles dizia acreditar que em breve aconteceriauma grande guerra racial, onde os negros venceriam, mas ficariam desnorteados,porque eram incapazes de dominar. Neste ano, os Beatles lançaram o que ficouconhecido como “Álbum Branco”, onde uma música chamada “Helter-skelter” dizia“Olhe lá fora a ‘helter-skelter’, ela está chegando rapidamente”. Então, tudo ficouclaro na cabeça de Manson… A guerra, pensava Manson, deveria começar com o acontecimento decrimes que deixassem os brancos realmente enfurecidos contra os negros. Charlese sua Família escapariam escondendo-se no deserto. Charles havia entendido, aoler um livro religioso, que no deserto havia uma entrada para uma cidade de ouro.Após o fim da guerra racial, a Família Manson retornaria e assumiria o comando dasituação. Charles era o “quinto anjo”. Os outros quatro? John, Paul, George e Ringo:os Beatles… Como os negros não iniciaram a guerra na data que Charles achou quecomeçariam, ele percebeu que teria que ensinar a eles o que fazer…Sharon TateMadrugada de 9 de agosto de 69. Hollywood. A bela atriz Sharon Tate está grávidade 8 meses. Seu marido é o diretor de cinema Roman Polanski, que já eraconhecido e está em viagem na Europa.
  88. 88. Na casa do casal, Sharon Tate recebe três amigos – uma residência isoladada cidade, e com vizinhos distantes. Os quatro são assassinados esta noite, por integrantes da Família Manson(Charles não participou, só ordenou)– aliás, os cinco: o garoto na barriga de SharonTate também morreu. Também foi assassinada outra pessoa que não estava com elesna casa, estava por perto apenas procurando pelo caseiro. Tiros, golpes com objetos, enforcamentos e muitas facadas. Na parede,escreveram “PIG” (porco), com o sangue das vítimas.Sharon e seus amigos morreram, podemos dizer, “por azar”. Dias antes, CharlesManson havia ido a casa à procura daquele produtor musical, Melcher, mas ele haviase mudado. Foi então que viu Tate lá e pensou que seria uma ótima vítima. Na noite seguinte a este crime, o rico casal LaBianca foi assassinado quaseda mesma maneira. Charles entrou na casa, dominou o casal, amarrou-os e saiu,chamando os outros membros para terminarem o serviço. Segundo afirmou Charles“Tex” Watson, um dos criminosos, Charles havia ordenado: “Matem estas pessoas damaneira mais cruel possível!”. Na parede, com sangue, escreveram “WAR” (guerra). Na geladeira,“HEALTER SKELTER” (involuntariamente, a expressão foi escrita erroneamente). A guerra iria começar… O cartão de crédito roubado da senhora LaBianca foi deixado em umestabelecimento comercial – era para ser achado por um negro, que seria entãopreso e acusado dos assassinatos (o tal cartão nunca foi usado…).

×