1 A importância da Administração
Administrar é um processo integrativo da atividade organizacional que
permeia a nossa vid...
As descobertas de Taylor representavam uma revolução, reforçadas
pelos trabalhos de outros dois grades percussores da admi...
Temos que buscar nossas próprias soluções, desenvolver nossas
próprias teorias. Os modelos de sucesso só poderiam ser util...
Os Interacionalistas consideram uma organização como um sistema
social existindo em um estado de estabilidade relativa no ...
tomadas de decisões. Por outro lado o chefe participativo encoraja a dividir
igualmente com ele as tomadas de decisões sob...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resumo introdução a TGA

280 visualizações

Publicada em

Introdução a administração

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
280
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo introdução a TGA

  1. 1. 1 A importância da Administração Administrar é um processo integrativo da atividade organizacional que permeia a nossa vida diária. Quanto maior o nível de complexidade de atividade definida pelo grupo formal, maior a necessidade de aplicar os conceitos da ciência administrativa. Há organizações temporais e outros permanentes, sem perder de vista a classificação por tamanho, representatividade no setor econômico, intensa tecnologia, capital humano etc. O arranjo formal de pessoas ou um indivíduo apenas podem, a partir de um objetivo e uma ideia, iniciar um negócio; com isso, está criada uma organização. 2.4 Princípios de Taylor Taylor entrou em contato com os problemas de administração em 1884, quando se tornou engenheiro chefe da MIDVALE STELL COMPANY. Ele reconheceu que eram essencialmente os trabalhadores quem moviam as fabricas. Foi então que formulou a primeira apresentação sistêmica da administração cientifica. Seu objetivo principal era resolver os problemas que resultam das relações entre os operários. Em 1911 Taylor listou quatro princípios fundamentais que diferenciam a administração cientifica das outras formas de administração industrial:  Princípio do planejamento: Ele desenvolveu uma teoria para cada elemento do trabalho humano e substituiu o velho método e velhas praticas.  Princípio da preparação dos trabalhadores: Eles selecionaram cientificamente e então treinavam, ensinavam e desenvolvia o trabalhador.  Princípio do controle: Eles Cooperavam com os homens entusiasticamente de forma a assegurar a concordância dos trabalhos realizados de acordo com o principio da ciência que estava sendo desenvolvida.  Princípio da execução: Há uma divisão bastante similar de tarefas e responsabilidades entre a administração e o trabalhador operacional.
  2. 2. As descobertas de Taylor representavam uma revolução, reforçadas pelos trabalhos de outros dois grades percussores da administração cientifica:  Henry Laurence Gantt (1861-1919) Preocupava-se com o aspecto psicológico e humanístico. Desenvolveu o Chamado Gráfico de Gantt.  Frank Buncker Gilbreth (1868-1924) Procurou dar um aspecto mais cientifico ao estudo dos tempos e movimentos. 2.8 Evolução Teórica As tentativas de erros e acertos são as atitudes mais frequentes para enfrenar problemas administrativos de varias ordens. Como o fracasso talvez tenha sido uma questão de erro no momento, e preciso sempre fazer novas tentativas. A visão tecnocrata e a humanística são os mais presentes na revisão de tudo o que foi visto ate agora em termos de teoria administrativa. As ideias mais frequentes hoje são as desenvolvidas pelos teóricos que podem ser classificados em quatro categorias:  Teóricos racionais: enfatizam objetivos organizacionais, papeis e tecnologia, e buscam formas de desenvolver estruturas organizacionais que melhor atendam as demandas ambientais.  Teóricos humanísticos: enfatizam a interdependência entre pessoas e organizações; estudam as formas de melhor atender as necessidades das pessoas, suas habilidades, valores e o relacionamento formal dentro de qualquer organização.  Teóricos políticos: Veem o poder, o conflito e a distribuição dos recursos escassos como os problemas centrais.  Teóricos simbólicos: enfocam o problema do significado. Estão mais interessados em investigar os desvios organizacionais e a limitada habilidade dos administradores de obter a coesão por meio de uma configuração racional do modelo organizacional.
  3. 3. Temos que buscar nossas próprias soluções, desenvolver nossas próprias teorias. Os modelos de sucesso só poderiam ser utilizados caso a sociedade se mantivesse estática. 3.1.4 Autonomia Significa grau de liberdade de que o trabalhador dispõe para executar sua tarefa. Nesse contexto, considera-se de grande importância a capacidade de tomada de decisões, dependendo da dinâmica de trabalho de cada individuo. 3.2.7 Teoria Y: a integração dos objetivos A outra teoria de McGregor baseia-se nas seguintes hipóteses:  O esforço físico e mental despendido no trabalho e tão natural como o despendido em relação de repouso;  O controle externo ou os regulamentos não são os únicos meios para dirigir os esforços, tendo em vista o alcance dos objetivos organizacionais. O homem exercera autocontrole e auto direção para alcança-los  O homem aprende, em condições apropriadas, a não aceitar, mas também procurar responsabilidades. O empenho em alcançar os objetivos e função das recompensas associadas a sua realização.  E característica das pessoas a capacidade de exercer imaginação, talento, espirito criados, na solução de problemas organizacionais. Essa característica é, apenas, parcialmente explorada. McGregor, nessas assertivas, afirma que, se o trabalho fosse estruturado de maneira a propiciar oportunidades para estimular a consciência da realização do desenvolvimento pessoal, essas atribuições produziriam motivação mais poderosa para criar um esforço, continuado do que qualquer estimulo externo. Isto vem ao encontro da teoria de Herzberg.
  4. 4. Os Interacionalistas consideram uma organização como um sistema social existindo em um estado de estabilidade relativa no ambiente. Dentro desse sistema existem três classes de variáveis- atividades, interação e sentimentos. Essas atividades podem ser observadas, descritas e medidas; porem, sentimentos, atitudes, normas e valores dos indivíduos são difíceis de descrever e especificar. No conceito de sentimento inclui a motivação. George C. Homans define que sentimentos são “parte do que e chamado interesse do individuo sobre ele mesmo”. De acordo com March e Simon, o equilíbrio reflete o sucesso organizacional em obter para seus membros pagamentos adequados a motivação de continuar pertencendo a ela. Essas teorias têm todas, um objetivo comum. Ou seja. Definir as condições que podem inibir ou facilitar a produtividade ou eficácia humana. Enquanto Maslow interessava-se pro desenvolver um esquema para explicar a intensidade de certas necessidades, Herzberg considerava que os resultados do estudo sobre o comportamento dos indivíduos no trabalho poderia aumentar a produtividade, diminuir o absenteísmo e melhorar as relações de trabalho. 4.5 Coesão do grupo Os grupos diferem em seu grau de coesão, isto e, no vigor das forças que unem os membros do grupo. 4.9.3 Estilo de Chefia Existem vários estudos sobre estilos de liderança, porem todos tende, a um mesmo resultado de que não há estilo puro: O estilo de chefia e a forma de influenciar o subordinado a aceitar as decisões do trabalho do dia a dia. A teoria desenvolvida por R. Tannenbaum e W. H. Schmidt, para a definição de um estilo de chefia, mostra que existe uma linha continua dentro de dois extremos (o diretivo e o participativo). A base dessa teoria e que o chefe diretivo não permite que o subordinado participe nas
  5. 5. tomadas de decisões. Por outro lado o chefe participativo encoraja a dividir igualmente com ele as tomadas de decisões sobre o trabalho. Todas as organizações necessitam de lideres competentes em todos os níveis. .

×