União Europeia 11ºano

209 visualizações

Publicada em

Geografia 11ºano- União europeia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

União Europeia 11ºano

  1. 1. Escola Básica e Secundária da Povoação União Europeia
  2. 2. Como nasceu e expandiu a União Europeia?
  3. 3. As raízes históricas da União Europeia residem após a segunda guerra Mundial. Com o objectivo de colocar fim ás guerras no continente Europeu, reconstruir a economia e combater à fome e à pobreza, foi criado o Plano de Marshall, a 1947, pelo o secretário George Marshall dos Estados Unidos. A 1948 foi criado a Organização Europeia de Cooperação Económica (OECE), com intuito de promover a cooperação entre os países. A ideia de criar uma união permanente dos estados europeus foi avançada pelo ministro dos negócios estrangeiros Francês, Robert Schuman, que, a 9 de maio de 1950, tornou pública a intenção de criar a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA).
  4. 4. História da União Europeia
  5. 5. -Tratado de Paris; -Tratado de Roma; -Entrada da França, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Itália, e República Federal da Alemanha; -Politica Agrícola Comum (PAC); -União Aduaneira; -Entrada da Dinamarca, Irlanda e Reino Unido; -Entrada da Grécia; -Reunificação da Alemanha; -Tratado de Maastricht; -Entrada da Suécia, Finlândia e Áustria; -Entrada da Estónia, Eslováquia, Eslovénia, Letónia, Lituânia, Malta, Chipre, Republica Checa, Hungria e Polónia ; -Entrada da Bulgária e Roménia; -Entrada da Croácia; -Entrada de Portugal e Espanha; -Ato Único Europeu; -Euro; -Critérios de Copenhaga;
  6. 6. Os Impactos dos Alargamentos
  7. 7. Aspetos Positivos: • Prosperidade económica; • Prospriedade social e ambiental; • Expansão do Mercado Único; • O reforço da posição da União no contexto político internacional e no mercado mundial; • Aumento de trocas; • Redução de conflitos; • Reforço da cidadania; • Aumento da possibilidade de emprego; • Vantagens para os consumidores;
  8. 8. Aspetos Negativos • Superfície e população total aumentaram significativamente; • Maior heterogeneidade; • Ao nível das políticas e dos fundos comunitários; • Ao nivel das suas instituições;
  9. 9. Os diferentes alargamentos na EU, tiveram impactos distintos na Europa, no Mundo, e em Portugal. Na primeira fase de adesão de Portugal, foi um período de grande propriedade económica, onde levou Portugal para o grupo dos países mais desenvolvidos. Porém com os mais recentes alargamentos a leste, coloca Portugal numa posição mais periférica.
  10. 10. Aspetos Positivos • Maior possibilidade de internacionalização da economia portuguesa e alargamento do potencial mercado consumidor de produtos portugueses; • Participação no maior mercado comum do mundo; Aspetos Negativos • Portugal tornou-se mais periférico; • Viu reduzidos os fundos estruturais; • Maior concorrência para as exportações portuguesas; • Maior concorrência na captação de investimento estrangeiro;
  11. 11. Candidatos à Adesão
  12. 12. Montenegro; Sérvia; República da Macedónia; Turquia; Islândia; Albânia; Bósnia-Herzegovina; Kosovo;
  13. 13. As Instituições da UE
  14. 14. Conselho Europeu Parlamento Europeu Concelho de Ministros Comissão Europeia Tribunal de Justiça Tribunal de Conta Comité Económico e Social Comité das Regiões O Banco Europeu de Investimento Banco Central Europeu
  15. 15. O Conselho Europeu Bruxelas Parlamento Europeu Estrasburgo/ Bruxelas Concelho de Ministros Estrasburgo/Bruxelas Comissão Europeia Bruxelas Tribunal de Justiça Luxemburgo Tribunal de Conta Luxemburgo Comité Económico e Social Bruxelas Comité das Regiões Bruxelas O Banco Europeu de Investimento Luxemburgo Banco Central Europeu Frankfurt
  16. 16. A Distribuição dos Fundos
  17. 17. Os fundos europeus são distribuídos de forma desigual, consoante a situação económica de cada país. Assim, cada país contribui com uma parcela para os fundos e orçamento da EU, em função da sua riqueza.
  18. 18. Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER); Instrumento Financeiro de Orientação da Pesca (IFOP); Fundo Social Europeu (FSE); Fundo Europeu de Orientação e Garantia Agrícola (FEOGA);
  19. 19. Politica Ambiental Comunitária
  20. 20. A política ambiental da UE baseia-se nos princípios da precaução, da prevenção e da correção da poluição na fonte, e no princípio do «poluidor-pagador». Na EU, atualmente está em vigor o 7º Programa Geral de Ação. Tem como lema, «Viver bem, dentro das limitações do nosso planeta».
  21. 21. Os seus principais objetivos são: • Proteger, conservar e reforçar o capital natural da União. • Proteger os cidadãos da União contra pressões de caráter ambiental e riscos para a saúde e o bem-estar. • Assegurar investimentos para a política relativa ao ambiente e ao clima e determinar corretamente os preços. • Aumentar a sustentabilidade das cidades da União. • Melhorar a eficácia da União na confrontação dos desafios ambientais à escala regional e mundial.
  22. 22. O desenvolvimento sustentável é um desenvolvimento com base não em recursos que destruam o meio ambiente, mas sim que seja preservado a pensar nas gerações futuras. (Logo se deveria promover um desenvolvimento sustentável) O desenvolvimento sustentável visa proteger não só o planeta, como também o conforto e o bem-estar físico dos seres humanos a longo prazo. Esta forma de desenvolvimento equilibrada visa, essencialmente o futuro do planeta, pretende evitar a proliferação de agressões ao ambiente como:  A desflorestação  A poluição e destruição dos recursos hídricos  A destruição da camada de ozono e o efeito de estufa
  23. 23. Portugal tem de acompanhar e dar concretização às grandes opções comunitárias no âmbito da politica ambiental. Para isso: oFoi elaborado um Quadro legislativo, em matéria de ambiente, que respeita o Direito Internacional e fez-se a transposição das directivas e normas comunitárias; oCriou-se, em 1990, o Ministério do Ambiente, mais tarde associado também ao Ordenamento do Território e ao Desenvolvimento Regional; oForam criadas as Direcções Regionais do Ambiente e Ordenamento do Território; oCanalizaram-se maiores recursos financeiros para o ambiente, em parte no âmbito de programas comunitários.

×