CRÉDITO: MANU DIAS | SECOM BA                                                                                             ...
Editorial                                                                                                                 ...
DO FUTEBOL À CIÊNCIA                                                                                                      ...
A CIÊNCIA COM OLHAR PARA OFUTURO, POR ISAAC ROITMAN                                                                       ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PERGAMINHO CIENTÍFICO Nº 2

1.716 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.716
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.386
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PERGAMINHO CIENTÍFICO Nº 2

  1. 1. CRÉDITO: MANU DIAS | SECOM BA EDIÇÃO ESPECIAL PARA O 3º ENCONTRO DE JOVENS CIENTISTAS DA BAHIA 28 DE NOVEMBRO DE 2012 - Nº 2 - SALVADOR - BA Entrevista com o Alexander Kellnerde Pág. 3 É - -os. OS DESAFIOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICAo- NO BRASIL E NA BAHIA Na Bahia, estado com 417 municípios para jovens estudantes do ensino médio 1, em Salvador. Igor foi um dos candida- e mais de 14 milhões de habitantes, da rede pública que desenvolvam tos aprovados pela Internacional Associa- ainda é pequeno o número de estudantes pesquisa dentro de universidades e outras tion of Engineers para realizar, em Hong do ensino médio que têm ou já tiveram a instituições públicas de ensino e/ou Kong, no próximo ano, o Curso der oportunidade de realizar um trabalho de pesquisa. Especialização em Física Nuclear Iniciação Científica Júnior (IC Jr.). Este tipo BAHIA – Ainda não existem dados Aplicada. Depois da oportunidade des de atividade é mais amplamente realiza- mapeados que demonstrem quantitativa- realizar um trabalho de pesquisa ainda do por estudantes de graduação das mente as contribuições da Iniciação como estudante do ensino médio, Igor universidades. Após adentrar em um Científica Júnior para a juventude baiana, relata como foi beneficiado: “Passei a ter grupo de pesquisa que estude áreas do mas isso pode ser percebido pelo uma visão mais direcionada do que quero, seu interesse, estudantes trabalham junto discurso de quem já teve a experiência. É pois foram a partir das experiências dasgi- com professores universitários na resolu- o caso de Igor Gomes, 19 anos, pesquisas de iniciação científica júnior ção de um chamado “problema de ex-aluno do Colégio Estadual Odorico que descobri que queria estudar temasar pesquisa”e, para isso, seguem uma Tavares e, atualmente, estudante de relacionados à física nuclear”, conta. metodologia, respeitam um cronograma engenharia elétrica da Faculdade Área e precisam apresentar contribuições significativas ao final do processo. O programa de Iniciação Científica Júnior do Brasil foi idealizado pelo microbiologista Isaac Roitman, apaixona- do pela educação científica na juventude e autor do livro “Educação Científica: quanto mais cedo, melhor”, publicado pela editora Ritla. Hoje, órgãos que fomentam a pesquisa no País, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e as fundações de amparo à pesquisa, Igor Gomes foi bolsista de IC Jr. no Projeto Ciência, Arte & Magia da Ufba. Ele irá para concedem uma bolsa mensal no valor de Hong Kong, na China, para aprofundar os estudos sobre física nuclear aplicada R$ 100 com duração de doze meses 4
  2. 2. Editorial QUE TIPO DE JOVEMAtualmente estamos vivendo um choque CIENTISTA VOCÊ É? Dtecnológico, onde nossas crianças e adolescen-tes estão sempre precisando do que é mais S CRÉDITO: DIVULGAÇÃOnovo, mais de ponta, mais atual, mais completo, demais na moda. Será que precisaremos tambémnos adequar ao mesmo modelo, pois nossos reestudantes já estão pensando no MP100? Será Auque precisamos? Ou apenas queremos? Novos suctempos de coisas descartáveis, onde poucos Onpensam em consertar, reformar e reutilizar. A Muestes, o ambiente agradece. Como sobreviver espaos novos modelos (im) postos? BaConsidero a educação como ponto de partida dopara tudo e todas as respostas dessa sociedade Marco Vinícius é amante da natureza e tecnologia. Como aluno do Colégio Estadual Thales de Riocomplexa e intensa. Buscar no estudante o ler, o Azevedo, irá apresentar o experimento “Você precisa de protetor solar? O escorpião, não!” Uninterpretar, o refletir. Expor ideias é o nosso dedesafio, pois a tecnologia e todos os seus fós Olá! Meu nome é Marco Vinícius dos astrônomo. Este é um desejo recente! Seibenefícios trouxeram também um problema: fós Santos, tenho 15 anos e estudo no que penso alto, mas sempre sabendo donovas notícias e informações a cada segundo, cro Colégio Estadual Thales de Azevedo, no meu potencial. Gosto de ler algo que meantes mesmo de termos lido e interpretado as div Costa Azul. Faço o 1º ano ainda. Adoro desperte interesse. Meus estilos preferidosanteriores. E passamos a nos desligar das mu a natureza e a tecnologia. Desde são aventura, romance e ficção. Adoro ocoisas que realmente importam, pois em um Mo pequeno tenho interesse em exercer livro Um Amor Para Recordar. Acho lindo.segundo teremos uma nova enxurrada de Arg alguma função dentro da Biologia. Um filme que eu gosto é À Espera de Uminformações para “digerir”. Co Quando eu era menor falava para meus Milagre. Sempre tento me atualizar oUma das melhores formas de resgatar esses pais: “Um dia vou ser um cientista!”. E máximo possível sobre o mundo daestudantes está na iniciação científica desde os ainda continuo falando! Conto sempre ciência. Se eu fosse um animal gostaria de Emprimeiros anos escolares. Ser um jovem cientista com o apoio deles e sei que vou conse- ser uma águia, porque ela consegue ver intee produzir trabalhos para divulgação em guir alcançar este objetivo de vida! Sou seu objetivo de longe. Estou determinado a queventos e em outras instituições de ensino, Tal uma pessoa que gosta de inovação, de ser um Cientista!melhora a autoestima desses jovens e estimula en astronomia. Também penso em seroutros estudantes a caminhar na mesma nadireção. umO 3º Encontro Jovens Cientistas da Bahia é uma DR. BERINJELA EXPLICA! numoportunidade de socialização de conhecimentose integração de estudantes de várias escolas POR QUE MUITAS PESSOAS co oFpúblicas e particulares, desde o ensinofundamental ao universitário, o que demonstra POSSUEM MAU HÁLITO? ho moclaramente essa ação como democrática. Os Quais as causas desta doença? uniresultados alcançados e os frutos colhidos desse do O primeiro a se saber sobre halitose ou 90%) e origens metabólicas (extrabucais,trabalho estão para além do que conseguimos ef mau hálito é que não se trata de uma cerca de 10%). A halitose crônica, entretan-imaginar e ter consciência. Todos os nossos doença e sim de um sintoma de que to, não pode ser causada pelo estômago, forestudantes são brilhantes, o que estão algo não vai bem no organismo. O embora possa acontecer em casos pontu- heprecisando é de incentivo verdadeira, com desafio é detectar a causa do desequilí- ais, quando o gás oriundo do estômago Enações afirmativas. brio e tratá-lo. Com isso, a halitose através de arrotos ou refluxo tem mau çã desaparece. Os portadores desse cheiro, normalmente após alimentação ma sintoma geralmente não o percebem, pesada. Nesses casos, a halitose tem uma falo pois o olfato, depois de exposto constan- característica ácida, bem diferente do me temente a um determinado odor, tradicional cheiro de enxofre que a halitose Ee acostuma-se a ele, num mecanismo crônica possui. A principal causa de sob biológico que lhe permite detectar novos halitose é a chamada saburra lingual, uma inte Bárbara Rosemar Nascimento de Araújo fica odores. Esse mecanismo é conhecido camada esbranquiçada ou amarelada que Comissão Organizadora do 3º Encontro de Jovens Cientistas da Bahia como fadiga olfatória, e é o que faz se forma sobre a língua e se caracteriza falo com que pessoas que possuem mau pelo odor fétido. Nesses casos, a melhoria hálito comumente não saibam que o na higiene oral com a remoção física dessa Co possuem. Um sintoma comumente saburra resolve. Problemas comumente Ca associado à halitose é a boca seca ou a associados à halitose crônica são as Vo sensação de sabor amargo. Ela pode doenças periodontais, estas resolvidas com aq decorrer de problemas bucais (cerca de a visita regular ao odontologista. pa pe ma PERGAMINHO CIENTÍFICO – Informativo oficial do 3º Encontro de Jovens Cientistas da Bahia. TIRAGEM: 300 exemplares/edição. ENDEREÇO: Rua Barão de Geremoabo, 147, Campus de Ondina, Instituto de Biologia. Cep.: 40.170-290 – ma Salvador/BA. TEL.: (71) 3283-6564. E-MAIL: imprensajovenscientistas@gmail.com. BLOG: jovenscientistasdabahia.wordpress.com FOTO CAPA: Divulgação COMISSÃO ORGANIZADORA: Rejâne Maria Lira-da-Silva (Coordenadora); Rosely Cristina Lira Eu, da Silva; Josefa Rosimere Lira da Silva; Jorge Lúcio Rodrigues das Dores; Yukari Figueroa Mise; Bárbara Rosemar Nascimento Araújo; Maria Dulcinéia Sales dos Santos. ASSESSORIA DO EVENTO: Anne Evelyn Cerqueira Gomes. ASSESSORIA DE qu IMPRENSA E WEBDESIGN: Mariana Alcântara – Jornalista (DRT BA 2962) e Mariana Sebastião – Jornalista (DRT BA 4260). IDENTIDADE VISUAL: David Marques. PROJETO GRÁFICO/PAGINAÇÃO: Thais Mota e Daniel Pita. fun 2
  3. 3. DO FUTEBOL À CIÊNCIA CRÉDITO: DIVULGAÇÃO Saiba como o paleontólogo Alexander Kellner despertou sua vocação para a ciência e como recebeu o apelido “Caçador de Dinossauros” Autor da coluna Caçadores de Fósseis, que eu faço do ponto de vista de retribuição sucesso de público na revista Ciência Hoje social. E eu confesso que a minha profissão é Online, Alexander Kellner, paleontólogo do fazer pesquisa, orientar, formar novos Museu Nacional da UFRJ, é o convidado pesquisadores e isso eu faço bem. Só que especial do 3º Encontro de Jovens Cientistas da quando a gente vai devolver para a socieda- Bahia para esta terça-feira (27/11). Gradua- de, francamente, eu não fazia tanta coisa do em Geologia pela Universidade Federal do assim e foi daí que surgiu a ideia da coluna, Rio de Janeiro, com doutorado na Columbia com o objetivo de divulgar a pesquisa University, Kellner já participou da descoberta e científica de uma forma bastante simples. descrição de 17 novas espécies de vertebrados fósseis, tendo com especialidade os répteis Como surgiu o apelido “Caçador de Dinos- fósseis, tais como pterossauros, dinossauros e sauros” que hoje lhe é conferido? crocodilomorfos. O pesquisador já organizou Pois é, eu tenho a impressão de que muito diversas expedições em distintas partes do mais pessoas tem esse apelido. Quando as mundo como o deserto do Atacama, no Chile, pessoas vão fazer a atividade que eu faço, Montana, nos Estados Unidos, Patagônia, na que é ir para regiões remotas, de difícil Argentina, e a região de Kerman, no Irã. acesso, passando até um pouquinho de Eu confesso que a minha Confira abaixo a entrevista! privação, você está sempre com aquela visão profissão é fazer pesquisa, romântica da descoberta de toda atividade orientar, formar novos pes-e Em que momento da sua vida você percebeu o de um paleontólogo e, se não me engano, foi quisadores e isso eu faço interesse pelo conhecimento sobre fósseis e um jornalista que colocou esse apelido e eu bem. Só que quando a gentea quando foi que decidiu tornar-se paleontólogo? acabei aceitando. vai devolver para a sociedade, Talvez a maioria das pessoas que lerem esta francamente, eu não fazia entrevista não vai acreditar. Mas o meu ingresso Sobre a extensão do território brasileiro, ainda tanta coisa assim e foi daí que na paleontologia está intimamente ligado a existem muitos fósseis a serem descobertos? surgiu a ideia da coluna um jogo de futebol. Resumindo, eu estudava Existem muitos fósseis mesmo! Sabe uma das ALEXANDER KELLNER numa escola que teve a oportunidade de jogar regiões que eu acho que vai nos oferecer PALEONTÓLOGO contra um time juvenil aqui do Rio de Janeiro, gratas surpresas do ponto de vista de novas o Flamengo. E isso pra gente era uma grande descobertas? É exatamente aí na Bahia, um pesquisador hoje em dia fazer bons trabalhos. honra. E o que é que a gente fez? Além de dos maiores estados do nosso País e que, em É claro que isto é o principal, mas ele tem que montarmos um time, chamamos pessoas da termos de fósseis, pouquíssima pesquisa foi dialogar com a sociedade. E como a gente universidade. Eu tinha a pior posição que é a feita. E você pode escrever se, em alguns faz com o tema paleontologia? Tanto mostran- do goleiro. Mas neste dia eu tive bastante sorte anos, houver investimento tanto de outros do o que foi descoberto para a imprensa, quen- e foi aquela história. Quando se tem um time grupos de pesquisa como também reforçando possui uma relação especial em relação à forte contra um time fraco, ou goleiro sai como os próprios pesquisadores baianos, você vai difusão do conhecimento científico, quanto herói ou como vilão. E nesse dia eu tive sorte. fazer várias descobertas importantes. tentar fazer exposições, palestras e mostrar um Então, quando nós saímos para a comemora- pouquinho daquilo que o próprio público está ção eu comecei a conversar com os alunos Qual a região na Bahia que o senhor se refere? pagando por meio de impostos. mais velhos e teve um que olhou pra mim e Região do recôncavo. Basicamente o interior falou que ele fazia Geologia. Eu não tinha a da Bahia. Tem muitas áreas que as pessoas Gostaríamos que o senhor deixasse um breve menor ideia do que era e falei: “Geo o quê?”. não conhecem bem. Todas as áreas que tem recado aos jovens cientistas da Bahia quee E ele me falou que era a ciência que estudava sedimentos do período Mesozoico, que é aguardam a chegada do evento para assistir sobre superfície e quando eu falei que me onde viveram os dinossauros, são áreas de à sua conferência.a interessava por estudar aqueles animais que grande potencial. Então, pode ter certeza, Primeiro recado, como não podia deixar dee ficavam preservados nas rochas, ele virou e região do recôncavo, Tucano e Jatobá são ser, é que vejam a conferência, aproveitem, falou: “Olha, Alex, isso é Paleontologia”. áreas muito promissoras para descobertas conversem comigo durante e depois daa científicas. Até mesmo Itaparica tem muitos apresentação. Usufruir ao máximo essa breve a Como surgiu a proposta da criação da coluna fósseis. estadia minha aí. Em segundo lugar, que não Caçadores de Fósseis? deixem de visitar os museus e se informem um Vou ser bem franco. A motivação básica é O senhor costuma afirmar que é necessário pouquinho mais sobre este mundo maravilhosom aquela história do que a gente está fazendo que o pesquisador dialogue com a sociedade. que é a pesquisa científica. para ajudar os outros. Quem paga a minha Que não adianta se encastelar com os pesquisa? Quem paga são desde as pessoas jargões científicos e não repassar esse leia e ouça a entrevista na íntegra em: mais simples até as ricas, que financiam a conhecimento. Nos tempos atuais, qual deve jovenscientistasdabahia.wordpress.com maioria das pesquisas realizadas no nosso País. ser a postura dos cientistas?a Eu, por exemplo, trabalho no Museu Nacional Realmente, estou convencido - não só eu, mas que pertence à UFRJ, ou seja, eu sou um vários colegas tanto nacionalmente e funcionário público. E eu sempre penso sobre o internacionalmente -, de que não basta o 2 3
  4. 4. A CIÊNCIA COM OLHAR PARA OFUTURO, POR ISAAC ROITMAN CRÉDITO: CLÁUDIO REIS | UNB AGÊNCIA CRÉDITO: MANU DIAS | SECOM BA A ficção científica é uma dimen-são literária desenvolvida no séculoXIX que reúne a imaginação e oimpacto da ciência na extrapola-ção sobre fatos e princípioscientíficos. Os primeiros clássicosnos primórdios da ficção científicaforam: Frankenstein de MaryShelley (1818) e a obra de RobertLouis Stevenson: "O médico e omonstro" (1886). Julio Verner que éconhecido como o pai dessegênero literário em suas famosashistórias de aventura, descreviadescobertas científicas muito antes Isaac Roitman implantou, na década de 80, em seu laboratório na UnB, um arrojadodelas se tornarem realidades programa de iniciação científica para estudantes do ensino médio. Esta iniciativa é conside-descrevendo viagens espaciais rada o embrião do que viria a ser o Programa de Iniciação Científica Júnior do CNPq(Viagem ao redor da lua - 1869) eo mundo submarino (Vinte mil Ao contrário das previsões ciência e tecnologia não se cognitivos para a resolução deléguas submarinas - 1870). Mais dos escritores ficcionistas, a preocupem somente com os novos problemas e desafios. Érecentemente esse gênero literário prospecção hoje utiliza metodo- resultados a curto prazo, que importante identificar e desen-tem sido representado por escrito- logias apropriadas sendo hoje podem render dividendos volver o talento de jovensres notáveis como Herbert G. uma atividade coletiva. Ela políticos, mas sim implantar estudantes com altas habilida-Wells, Isaac Asimov e Artur Clarckque anteciparam inventos edescobertas que indicam que não ganhou força a partir da década de 80 do século passado, face às profundas projetos e ações que podem impactar a qualidade de vida das futuras gerações. des, através de programas educacionais bem estruturados. Os programas de iniciação Oestamos muito longe de um mundocheios de robôs imaginados poresses escritores. mudanças políticas, econômi- cas e tecnológicas. Em 1993 o Reino Unido criou o Programa Inspirado no pensamento de John Dewey: "Todo grande progresso da ciência resultou científica do Conselho Nacio- nal de Desenvolvimento Científico e Tecnológico N O conhecimento científico se de Prospecção Tecnológica de uma nova audácia da (CNPq) para estudantes de etornou o valor mais importante para com o objetivo de reunir imaginação", devemos colocar ensino médio e universitário ao desenvolvimento social, econômi- cientistas, tecnólogos, empresas a formação de recursos deverão ser ampliados e dco e político do século XXI e as e consumidores para discutir o humanos como eixo central aperfeiçoados para alimentar opolíticas na área devem ser futuro. para o desenvolvimento os cursos de Pós-Graduação Iplanejadas a curto, médio e longo Entre nós a iniciativa mais científico e tecnológico. com estudantes familiarizados dprazo. O desenho do futuro é marcante foi à criação em Independentemente das com o pensamento científico. destudado hoje através da prospec- 2001 do Centro de Gestão de reflexões sobre as áreas Por sua vez esses cursos ução que se caracteriza como o Estudos Estratégicos (CGEE) estratégicas prioritárias a devem ser planejados para gprocesso que se ocupa de procu- que vem desenvolvendo estudos formação correta dos futuros formar recursos humanos srar, sistematicamente o exame do com visão prospectiva, avalia- pesquisadores deve ser adequados nas áreas estratégi- cfuturo da ciência e da sociedade, ção estratégica, informação em moldada pela excelência e cas priorizadas. çcom o objetivo de identificar as ciência, tecnologia e inovação. iniciada na educação infantil, Planejar a ciência com o olhar páreas de pesquisas estratégicas e Nos exercícios de prospecção principalmente entre zero a para o futuro é colocar em mas tecnologias emergentes que são identificadas áreas prioritá- seis anos de idade, onde a prática o pensamento de epodem gerar benefícios econômi- rias que devem ser acompanha- curiosidade, a imaginação e o Mahatma Gandhi que dizia: scos e sociais. Nesse processo se das de avaliações dos impac- exercício do pensar deverão "O futuro dependerá daquiloprocura entender as forças que tos das tecnologias em várias ser estimulados. que fazemos no presente". Jorientam o futuro, antecipar e dimensões como educação, O objetivo do ensino funda- mentender o percurso das mudanças, saúde, meio ambiente, ética e mental e médio deverá ser o *Isaac Roitman é decano de Pesquisa e dsubsidiar o processo de tomada de as questões sociais. É absoluta- de dar competência ao Pós-Graduação da Universidade de Brasília. Artigo publicado no Correio edecisões e priorizar as ações em mente fundamental que os estudante para que possa Braziliense em 8 de outubro de 2012 qciência, tecnologia e inovação. gestores públicos das áreas de mobilizar os seus recursos p fREALIZAÇÃO PATROCÍNIO APOIO C C f cPARCEIROS CEP- Nilton Sucupira R 4

×