Mestrado de Comunicação Educacional e Multimédia  Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em EducaçãoMÉTODOS DE RE...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosÍndice1.   INTRODUÇÃO..........................
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dados1. Introdução   No âmbito da unidade curricu...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosentrevista tendo a mesma se disponibilizado ...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dados3. Transcrição da EntrevistaMaria Lisete Lap...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosEntrevistada: Sim.Maria Lisete Lapa: Como av...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosEntrevistada: Sim. Falo delas frequentemente...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosMaria Lisete Lapa: Perante o que me disse e ...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosMaria Lisete Lapa: Não é a primeira vez que ...
Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosNão tenho mais perguntas em termos da entrev...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entrevista de investigação

1.521 visualizações

Publicada em

Entrevista realizada no âmbito da unidade curricular MIE

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.521
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista de investigação

  1. 1. Mestrado de Comunicação Educacional e Multimédia Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em EducaçãoMÉTODOS DE RECOLHA DE DADOS DOCENTE: J. ANTÓNIO MOREIRA MESTRANDA: MARIA LISETE VICENTE LAPA Janeiro de 2012
  2. 2. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosÍndice1. INTRODUÇÃO........................................................................................................................................... 32. PREPARAÇÃO DA ENTREVISTA ................................................................................................................. 33. TRANSCRIÇÃO DA ENTREVISTA ................................................................................................................ 5 Página 2
  3. 3. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dados1. Introdução No âmbito da unidade curricular de Metodologias de Investigação em Educação foiproposto a realização individual de uma entrevista semi-estruturada a partir de um guiãoelaborado em grupo e apresentado à unidade curricular para discussão. O objetivo daatividade foi recolher informações junto de professores do ensino básico e/ou secundáriocom base em três questões de investigação: 1. O que pensam esses professores sobre as redes sociais a exemplo do Facebook, Myspace, Twitter, etc? 2. Como é que veem a sua (hipotética/real) participação numa rede social? 3. Que expectativas têm sobre o seu uso no ensino? Ao ter sido proposto uma entrevista semi-estruturada concedeu-me algumasvantagens, pois a entrevista assentou num guião de orientação permitindo-me gerir aentrevista de forma flexível, aprofundando ou redefinindo questões que surjam nodecurso da entrevista, e dessa forma, aprofundar alguns aspetos muito úteis à atividade.2. Preparação da entrevista A preparação desta entrevista começou pela leitura de alguma bibliografia sobre aeste método de recolha de dados e pela análise do guião elaborado em grupo. Estaanálise da documentação visou encontrar informação de orientação à realização daentrevista e para identificar aspetos que a poderia colocar em causa. A entrevista foi preparada para ser realizada em contexto presencial para num períodode trinta minutos e considerando as seguintes dimensões: 1. Perfil do entrevistado - Pessoal e profissional 2. Identificação das competências TIC 3. Avaliação crítica das redes sociais 4. Participação/Expetativas de utilização da rede social no contexto educativo. Para a realização desta entrevista convidei alguns professores de diferentes áreas quelecionam em escolas do concelho onde sou docente e de acordo com o perfil proposto;isto é, professores do ensino básico/secundário. Destes convites obtive da parte de todosum feedback muito positivo para participarem no estudo pois tratam-se de docentes quepossuem algumas afinidades com as redes sociais e com as tecnologias da informação eda comunicação. Decidi selecionar uma professora do ensino básico e secundáriopossuidora de um excelente currículo na área das tecnologias da informação e dacomunicação, sendo reconhecida pelo comunidade escolar onde trabalha como alguémmuito disponível a novos desafios e onde as redes sociais fazem parte da prática do seutrabalho. Desse modo, agendei com a mesma uma data e hora para a realização da Página 3
  4. 4. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosentrevista tendo a mesma se disponibilizado a realizar a entrevista na escola ondelecciona. O guião foi disponibilizado antecipadamente à entrevistada com o objetivo deprepararmos a entrevista, permitindo-me avaliar os aspetos que poderiam criar situaçõesdesviantes à entrevista; eventuais necessidades de reformular questões ou da ordem dasmesmas. Para além disso, concedeu a oportunidade do estabelecimento de algumaconfiança entre entrevistadora-entrevistada. Foi solicitada a gravação da entrevista – o que foi aceite - e garantido que a referidaentrevista se iria realizar respeitando a confidencialidade dos dados. Até à concretizaçãoda entrevista foram estabelecidos alguns contatos presenciais e por e-mail de preparaçãoda entrevista e de esclarecimento de dúvidas. Página 4
  5. 5. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dados3. Transcrição da EntrevistaMaria Lisete Lapa: Boa tarde. Desde já agradeço a sua disponibilidade em conceder-meesta entrevista.Entrevistada: Boa tarde. Não é preciso agradecer é de bom agrado que participo no seuestudo.Maria Lisete Lapa: Tal como lhe disse anteriormente esta entrevista visa obterrespostas para três questões de investigação proposto pela Unidade curricularMetodologias de Investigação do Mestrado que me encontro a realizar e vou tentar nãolhe ocupar mais de 30 minutos. Uma vez que já tem conhecimento dos objectivos e datemática relativos a esta entrevista julgo que poderemos dar início à entrevista?Entrevistada: Sim, podemos.Maria Lisete Lapa: Muito bem. Começo por lhe realizar algumas questões de caraterpessoal e profissional. Se houver algum aspeto que não pretenda responder agradeciaque me informasse.Entrevistada: Ok, obrigada.Maria Lisete Lapa: Começo por lhe perguntar a sua idade?Entrevistada: 31 anos.Maria Lisete Lapa: Qual a sua formação académica?Entrevistada: Sou licenciada.Maria Lisete Lapa: Em que área?Entrevistada: Em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro.Maria Lisete Lapa: Em que escola lecciona atualmente? E a que grupo pertence?Entrevistada: Lecciono na Escola Secundária Santa Maria do Olival de Tomar no grupode informática. Estou nesta escola à três anos.Maria Lisete Lapa: Em termos profissionais, qual é a sua situação? Quero com istosaber se é professora contratada ou de nomeação definitiva?Entrevistada: Percebi. Sou professora de nomeação definitiva no grupo de informáticaà quatro anos. Mas estou no ensino à sete anos.Maria Lisete Lapa: Muito bem. Ia perguntar-lhe isso mesmo de seguida.Maria Lisete Lapa: Regressando à sua formação e dado que pertence ao grupo deinformática parto do princípio que possui competências TIC? Página 5
  6. 6. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosEntrevistada: Sim.Maria Lisete Lapa: Como avalia as suas competências nesta área, numa escala defraco, suficiente, bom e muito bom?Entrevistada: Considero que tenho muito boas competências nesta área.Maria Lisete Lapa: Como tem desenvolvido essas competências?Entrevistada: Numa primeira fase através da minha formação inicial. Também realizeiuma pós-graduação em Tecnologias da Informação e da Comunicação que me concedeuimportantes conhecimentos e competências nesta área. Após iniciar a minha atividadeprofissional tenho realizado ações de formação, mas tem sido através da auto-aprendizagem que ultimamente tenho atualizado as minhas competências e desenvolvidoconhecimentos.Maria Lisete Lapa: Percebi que tem realizado ações de formação nesta área. Que tipode ações desenvolveu?Entrevistada: Como referi realizei uma pós-graduação em Tecnologias da Informação eda Comunicação. Em termos de formação contínua realizei entre outras, uma ação deformação dos quadros interativos, do desenvolvimento de conteúdos para e-learning e daprodução em flash.Maria Lisete Lapa: Estou esclarecida. Queria que falássemos agora das redes sociais.Sendo uma professora de informática e perante o crescimento das redes sociais calculoque estas deverão fazer parte da sua vida pessoal e profissional? Se sim que redessociais conhece?Entrevistada: Sim, utilizo algumas quer em termos pessoais quer já em termosprofissionais. Costumo utilizar o Facebook; o MySpace; o Twitter e o Orkut. Trabalheitambém com o hI5 durante o tempo que existiu.Maria Lisete Lapa: Pelo que percebi encontra-se inscrita e utiliza várias redes sociais,deste modo, gostaria de perceber qual a frequência que acede às mesmas?Entrevistada: Ao Facebook acedo diariamente. Às restantes vou lá com frequência masnão sei precisar, tenho semanas que vou lá duas ou três vezes por dia, no entanto,também tenho outras semanas que não as utilizo.Maria Lisete Lapa: Teremos de encarar que o Facebook encontra-se numa fase degrande expansão e nos dias de hoje até como educadores não podemos descurar aintrodução das mesmas nas nossas aulas. Que opinião tem desta rede social e das outrasque conhece? Página 6
  7. 7. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosEntrevistada: Sim. Falo delas frequentemente nas minhas aulas, nomeadamente,questões associadas a comportamentos de riscos. Também as utilizo em algumasatividades até para perceberem que as redes sociais e outras ferramentas existentes naInternet podem ser utilizadas com utilidade. Sobre o que considero sobre as redessociais, entendo, que as mesmas são muito importantes para o contato entre pessoasamigas e familiares que se encontram distantes sendo as mesmas propicias para oestabelecimento de contatos com outras pessoas desconhecidas.Maria Lisete Lapa: Pelo que percebi as redes sociais fazem já parte das suas práticasprofissionais e reflete uma perspetiva muito positiva sobre as mesmas. Deste modo, selhe pedisse dois aspetos positivos e dois negativos sobre as mesmas o que me indicaria?Entrevistada: Apesar das utilizar na sala de aula não tenho uma perspetiva tão positivada utilização das redes sociais, no entanto, encontro-lhe aspetos positivos e negativos,tudo depende do tipo de utilização que fazemos das mesmas. Para além disso, comoprofessora desta área considero que tenho um papel determinante em termos daformação e da educação dos meus alunos. Entendo que a rede Internet e as ferramentasque nela surgirem vieram para ficar competindo também aos professores acompanhar osseus alunos ao longo do seu percurso e ensiná-los a trabalhar e a participarem online deforma segura para que possamos ter cidadãos e trabalhadores responsáveis.Maria Lisete Lapa: Percebi. De fato o papel do professor é hoje muito mais vasto que osimples papel de transmissão de conhecimentos. Mas disse-me, encontrar aspetospositivos e negativos nestas redes; poderia indicar-me alguns?Entrevistada: Em termos positivos indicaria as possibilidades de contatos entre aspessoas e as possibilidades de partilha de informação. Em termos negativos indicaria ademasiada exposição a que as redes nos colocam.Maria Lisete Lapa: Anteriormente referiu-me utilizar várias redes sociais, jádesenvolveu alguma atividade educativa com recurso às mesmas? Se sim, que tipo deatividade?Entrevistada: Sim, utilizo com frequência o facebook como suporte de extensão da aulapara esclarecer os meus alunos de dúvidas.Maria Lisete Lapa: Deste modo, depreendo que considera que as redes sociais poderãoser utilizadas no ensino ou como suporte do processo ensino-aprendizagem?Entrevistada: Sim, com os devidos cuidados é muito fácil utilizar o chat das redessociais para esclarecer os alunos de dúvidas. Também se poderá aproveitar aspotencialidades destas redes para a divulgação de um projeto, para a partilha detrabalhos, de conteúdos produzidos, para a realização de atividades de pesquisa. Página 7
  8. 8. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosMaria Lisete Lapa: Perante o que me disse e uma vez que possui alguma experiênciade trabalho nas redes sociais, como vê em termos do contexto educativo a interação dosalunos com o próprio professor e entre si nas redes sociais?Entrevistada: Apenas me posso referir ao facebook, porque apenas tenho utilizado estaem termos escolares. Esta rede aproxima o professor do aluno e vice-versa havendo umamaior abertura ao diálogo até em questões mais complexas das vidas privadas dosalunos. No entanto, também cria alguns constrangimentos pois os envolvidos ficam maisexpostos o que exige alguns limites do que é colocado online. Para além disso, tenho-meapercebido, que o papel de professor nas redes sociais é mais de orientador pois osalunos envolvem-se mais e assumem um papel de maior destaque no processo da suaaprendizagem.Maria Lisete Lapa: É visível nas suas respostas que o professor desempenha um papelum pouco diferente quando integra as redes sociais nas suas aulas. O professor assumeassim um papel de moderador, de orientador e de vigilante. Para si quais são osprincipais problemas e benefícios que identifica quando utiliza uma rede social nocontexto escolar?Entrevistada: Em termos de problemas identifico a perda da privacidade e uma maiorexposição das pessoas envolvidas; por vezes a dificuldade em separar a parte pessoal daprofissional o que leva a alguns alunos a confundirem os papéis.Em termos das vantagens identifico a possibilidade de realização de um trabalho paraalém do espaço da sala de aula; o espaço e o tempo deixou de ser um problema. Osalunos apresentam uma maior facilidade em exprimirem as suas opiniões pela sensaçãoaparente de proteção da rede. As própria possibilidade de partilha de informação é paramim uma grande vantagem.Maria Lisete Lapa: Perante esta sua resposta identifiquei alguns aspetos queevidenciam que a redes sociais promovem o desenvolvimento de competências nosalunos, concorda com a minha análise?Entrevistada: Sim. Os alunos ao assumirem um papel determinante no processoaprendizagem assumem um papel mais critico e seletivo da informação e doconhecimento. Deste modo, desenvolvem o espírito critico, a autonomia em termos detrabalho e de decisões. Em termos de trabalho, o fato dos alunos trabalharem numa redesocial estarão a interagir com outros, obriga-os a terem um maior domínio sobre agestão do seu tempo e a auto-dominarem os seus comportamentos. Para além disso,desenvolvem competências em termos de utilização das tecnologias da informação e dacomunicação e do trabalho em rede mas orientado para o cumprimento das regras desegurança. Página 8
  9. 9. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosMaria Lisete Lapa: Não é a primeira vez que aborda a questão da segurança online oque considero interessante, nomeadamente, quando a insere numa competência adesenvolver pelos alunos. A possibilidade da realização de atividades nas redes sociaisconcede aos alunos a oportunidade da realização de um trabalho que sobe a vigilância eorientação de um professor os leve a assumir comportamentos preventivos contra osriscos online - que são uma realidade - e deste modo a desenvolverem comportamentoséticos e de cidadania online.Maria Lisete Lapa: Uma vez que tem uma visão positiva da utilização das redes sociais- ainda que considerando os devidos cuidados - no contexto educativo e que acautela osriscos de um trabalho numa rede social vou lançar-lhe o seguinte desafio: Admiteinspirar-se em práticas que conheça nas redes sociais e utilizá-las nas suas aulas? Sesim, quais?Entrevistada: Que desafio! Sim e acho que coloquei em prática algumas nas minhasaulas. Na realização de concursos de som, imagem ou vídeos com recurso a votação como tipo gosto/não gosto. Criação de grupos de discussão de temáticas e realizá-la de umaforma mais aberta e para o exterior da sala de aula, realizar atividades de edição epartilha de documentos online. Criar intercâmbios entre alunos de outras escolasutilizando temáticas de discussão, partilhas de informação e de conteúdos ou narealização de projetos comuns. As redes sociais possuem imensas potencialidades para oensino. O seu limite quanto a mim é um pouco o limite da criatividade e da exploraçãodas possibilidades.Maria Lisete Lapa: Só tenho uma coisa a dizer. Desafio ultrapassado!Sem querer acabou por introduzir e refletir sobre uma questão que estaria relacionadacom a identificação de potenciais melhorias e/ou inovação ao processo de ensino deaprendizagem, contundo, acabou por me apresentar um conjunto de possibilidades daintegração de práticas ou mesmo da utilização das redes sociais nas suas disciplinas quesão bem reveladoras que conhece as potencialidades oferecidas pelas das redes sociais.De fato estas ferramentas são poderosas nas potencialidades que criam ao sistema deensino e a sua introdução apenas depende da abertura do sistema educativo e dosprofessores. Ainda bem que faz parte dos docentes que reconhecem o valor destaferramenta.Entrevistada: O que disse é verdade, mas encontramo-nos ainda numa fase que aescola, por receio, pelos riscos, pelo desconhecimento, não aceita a utilização da mesmacomo prática ou ferramenta de trabalho. julgo que teremos de dar tempo ao tempo. Osespaços online terão no futuro o seu espaço.Maria Lisete Lapa: Partilho da mesma opinião. Página 9
  10. 10. Unidade Curricular Metodologias de Investigação em Educação | Recolha de dadosNão tenho mais perguntas em termos da entrevista, mas não sei, se gostaria deacrescentar algum aspeto ou fazer-me alguma questão acerca da entrevista?Entrevistada: Da minha parte, não tenho perguntas. Também não me lembro de algumaspeto que não tenha falado.Maria Lisete Lapa: Tudo bem. Agradeço a oportunidade que me deu em partilharcomigo e posteriormente com os meus colegas de mestrado da sua excelenteexperiência, partilha de ideias sobre as redes sociais, assim como, a sua visão eperspetiva de abertura ao uso destas ferramentas em contexto educativo. De fato oensino necessita de docentes arrojados e que procurem novas perspectivas e que nãotenham receio de experimentar, ainda que para isso tenham de correr alguns riscos.Entrevistada: Desde já agradeço os seus elogios sublinhando apenas que procurodesenvolver o meu trabalho e nesse sentido tenho a obrigação de me apresentardisponível a novos desafios de formação e de educação dos meus alunos.Maria Lisete Lapa: Mais uma vez agradeço-lhe a sua disponibilidade. Desejando-lhesucessos e já agora um bom Natal e um excelente Ano.Entrevistada: Obrigada. E um bom Natal e um bom ano também para si. Página 10

×