Autismo e hiperatividade

202 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
202
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autismo e hiperatividade

  1. 1. CENTRO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE TERESINAFACULDADE TECNOLÓGICA DE TERESINA – CETCURSO: BACHARELADO EM ENFERMAGEM / TARDEDISCIPLINA: SAÚDE DA CRIANÇAPROFESSOR (A): FERNANDO GUEDESAUTISMO E TRANTORNO DO DÉFICIT DEATENÇÃO COM PSICOMOTRICIDADETERESINA(PI)MAIO/2013
  2. 2. COMPONENTES:• ARIANE DA COSTA SANTOS• IVONETE BELMIRO• KELY CRISTINA E SILVA• MARIA TERESA DA SILVA FERREIRA• ROSA SILVANA DE LIMA• SOLANGE MARIA LEITE DE SÁ
  3. 3. AUTISMO• O autismo é um transtorno de desenvolvimento,manifestado antes dos três anos de idade;• É caracterizado por um comprometimento detodo desenvolvimento psiconeurológico;• Afeta a comunicação e o convívio social;• Compromete áreas de cognição (CARNIEL;SALDANHA; FENSTERSEIFER, 2010).
  4. 4. EPIDEMIOLOGIA• A síndrome é quatro vezes mais comum nosexo masculino ;• estima-se quatro sujeitos com autismo paracada 10.000 nascimentos.• A Associação Brasileira de Autismo calculaque existam em torno de 600.000 pessoascom autismo no Brasil (CARNIEL; SALDANHA;FENSTERSEIFER, 2010).
  5. 5. CAUSAS• Influência Genética• Vírus• Toxinas e poluição.• desordens metabólicas• Intolerância imunológica• Infecções virais e grandes doses deantibióticos nos primeiros 3 anos.• Metais pesados
  6. 6. SINTOMAS Sintomas específicos observáveis no diagnóstico para Síndrome doAutismo, são eles:• Não se misturam com outras crianças;• Age como se fosse surdo;• Resiste ao aprendizado;• Não demonstra medo a perigos reais;• Resiste a mudanças de rotina;• Usa pessoas como ferramentas;• Risos e movimentos não apropriados;• Durante a amamentação,a criança comcom autismo não interage com a mãe;
  7. 7. SINTOMAS• Resiste ao contato físico;• Acentuada hiperatividade física;• Não mantém contato visual;• Apego não apropriado a objetos;• Gira objetos de maneira bizarra e peculiar;• Ás vezes agressivo e destrutivo; modo decomportamento indiferente e arredio.
  8. 8. TRATAMENTOS• Visa ajudá-los a alcançar independência paraatividades diárias, como vestir-se e sehigienizar (MONTEIRO et al, 2008).• Usa-se a hipoterapia, a musicoterapia, aterapia da fala,a natação, o contato comanimais, o apóio em casa e com especialistase muitas outras abordagens.
  9. 9. CUIDADOS DE ENFERMAGEMO enfermeiro tem como principal papel:• Ser um agente educador (CARNIEL;SALDANHA; FENSTERSEIFER, 2010).• Diagnóstico das alterações, apóio à família,tratamento e acompanhamento da criança;• Pesquisas e estudos sobre as causas dadoença.
  10. 10. Transtorno do Déficit deAtenção com HiperatividadeÉ um transtorno neurobiológico, caracterizando-se como uma síndrome de conduta,tendo comosintoma primordial a atividade motora excessivae o déficit de atenção.
  11. 11. EPIDEMIOLOGIA• Há um grande número de crianças com adoença,(OMS).• Cerca de 3% a 5% das crianças brasileirassofrem de TDAH, 60% a 85% permanecemcom o transtorno na adolescência, (ABDA).
  12. 12. ETIOLOGIA• Abrange alterações neurológicas facilmenteconfundidas com distúrbios emocionaisespecíficos e autismo.
  13. 13. CAUSAS• Hereditariedade;• Problemas durante a gravidez ou no parto;• Exposição a determinadas substâncias(chumbo);• Problemas familiares como: umfuncionamento familiar caótico, alto grau dediscórdia conjugal; baixa instrução, baixo nívelsócio – econômico e famílias com apenas umdos pais.
  14. 14. TIPOS• Predomínio de sintomas de atenção;• Predomínio de sintomas de hiperatividade /impulsividade;• Misto.
  15. 15. SINTOMAS• Agitação ;• dificuldades para manter atenção ematividades muito longas, repetitivas;• Age com impulsividade;• Dificuldade em pensar e se organizar;• Menina x menino.
  16. 16. LIÇÃO ESCOLAR
  17. 17. MOVIMENTAÇÃO CONSTANTE(HIPERATIVIDADE)
  18. 18. DESATENÇÃO
  19. 19. PERDA DO FOCO DAS ATIVIDADES
  20. 20. PERDA DE OBJETOS
  21. 21. PASSEIOS E BRINCADEIRAS
  22. 22. IMPULSIVIDADE
  23. 23. IMPACIÊNCIA
  24. 24. TRATAMENTO FARMACOLOGIA PARA O TDAH:• Lis – dexanfetamina;• Metilfenidato (ação curta).• Metilfenidato (ação prolongada).• Atomexetina;• Imipramina;• Nortriptilina;• Bupropiona;• Clonidina;• Modafilina.
  25. 25. CUIDADOS DE ENFERMAGEM• Administração de medicamentos;• Monitorar a eficácia das doses dosmedicamentos;• Avaliar a resposta da criança à droga.
  26. 26. LEMBRAR QUE...As crianças hiperativas necessitarão de muitoapoio, compreensão, carinho, e, sobretudomuita paciência para que pouco a poucoconsigam desenvolver seu dia-a-dia comnormalidade.
  27. 27. REFERÊNCIASCARNIEL, E. L.; SALDANHA, L. B.; FENSTERSEIFER, L. M. A atuação do enfermeiro frente à criança autista.Pediatria (São Paulo) 2010;32(4):255-60.GONÇALVES, Adriana Garcia. Transtorno do déficit de atenção/hiperatividade: influência dos Padrões motores e deequilíbrio. Revista Científica Eletrônica de Pedagogia, Editora FAEF, Garça/SP, 2008.MONTEIRO, C. F. S. et al. Vivências maternas na realidade de ter um filho autista: uma compreensão pelaenfermagem. Rev. bras. enfermagem. vol.61 no.3 Brasília Mai/Jun. 2008.www.fonoaudiologia.4mg.com/artigo2.html.>Acesso em 02/05/2013 às 14:00h.

×