Território populaçao

401 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
401
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Território populaçao

  1. 1. Se esta Rua fosse Minha! TERRITÓRIO E POPULAÇÃO Ordenamento do Território Isabel Breia
  2. 2. Se esta Rua fosse Minha! Introdução A Rua dos Bons Amigos surgiu de uma operação de loteamento de iniciativa privada, a Sudoeste do centro urbano de Mêda, tendo início na EN 331, constituindo-se como um, dos dois acessos ao novo tecido urbano. O loteamento é constituído por lotes destinados a edifício de comércio/serviços ehabitação colectiva na frente Norte, moradias unifamiliares de dois pisos com anexo e um lote destinado a Hotel situado no extremo Sul. Isabel Breia
  3. 3. Se esta Rua fosse Minha! Insuficiências “A cidade e o automóvel convivem cada vez mais e cada vez pior”. A Rua dos Bons Amigos inicialmente projectada como via local, passou por força dascircunstâncias a ter acesso à via principal a Norte. Por força dessa ligação passou a ser uma viade passagem, sem características para tal. A sua plataforma com 9 metros de largura, a que correspondem 6 metros de faixa derodagem e passeios em ambos os lados com 1.5 metros cada. No passeio pedonal a Nascenteforam plantadas árvores em toda a sua extensão. Este local não está servido por baias deestacionamento, o que leva a que o estacionamento seja feito junto do passeio ao longo da viaque permite circulação nos dois sentidos. As construções implantadas nesta urbanização são todas relativamente recentes,maioritariamente unifamiliares, verificando-se ainda alguns vazios em lotes que ainda nãoforam construídos, o deficiente tratamento dos espaços públicos. A sua situação periférica levou a que se localizasse junto ao loteamento industrial,paredes meias com oficinas e armazéns. Muito embora a presença de indústria dita pesadaseja praticamente inexistente, a verdade é que a transição não foi devidamente acautelada deforma garantir condições de isolamento salubridade que se exigiam. A população é maioritariamente jovem, com predominância de habitantes ligados aosector terciário. Verifica-se ainda a presença de um grande número de jovens em idadeescolar, que na falta de equipamentos desportivos e de lazer desenvolvem as suas actividadesno arruamento ou nos lotes não construídos. Os lotes que ladeiam a estrada 331 a Norte, permitem o uso comercial ao nível dor/chão e habitação multifamiliar ao nível do 1.º e 2.ºs andares marcando a frente edificada,quer através da sua volumetria, quer pela oferta de serviços de restauração e bebidas e loja deprodutos alimentares. O espaço público é algo impessoal e embora permita uma relação de proximidade dosseus habitantes, não proporciona a vivência do exterior pela ausência de espaços ajardinadose equipamentos de utilização colectiva adequados, levando-o a transformar-se num bairrodormitório. Isabel Breia De salientar ainda, a débil ligação ao centro da cidade que não convida à deslocaçãopedonal sobretudo, pela ausência de caminhos para o efeito, mas também pela distância apercorrer o que leva inevitavelmente à utilização do automóvel.
  4. 4. Se esta Rua fosse Minha! Oportunidades “A cidade pode ser redescoberta”. O local deve ser visto e pensado no conjunto da estrutura urbana da cidade,valorizando a paisagem urbana e requalificação de espaço público. Aquilo que são debilidades, devem ser transformadas em oportunidades, comredefinição da lógica de mobilidade e dos espaços para circulação de peões. Uma mais valianeste aspecto poderia ser o aumento da largura dos passeios e a transformação das vias emtrânsito de sentido único desincentivando o seu uso e reduzindo os conflitos passando a ser aspessoas o actor principal - o cidadão, a pessoa, o peão. A proximidade à zona industrial pode ser uma mais valia, desde que garantida aqualidade ambiental e criando uma verdadeira barreira verde através da efectivação da cortinaarbórea prevista no plano da mesma. Esta proximidade permite que quem ali trabalha possahabitar no bairro, evitando assim o uso do automóvel para se deslocar para o emprego. A criação de um contínuo verde, uma ciclo via ou o reforço das comunicações pedonaispoderia atenuar a distância e permitir um melhor diálogo com o centro cívico onde seconcentram os principais equipamentos públicos. Transformar este novo espaço de habitar num local com identidade, de espaços deconvívio, de vegetação e de lazer é um grande desafio. Não basta estar num local mais oumenos calmo, longe da confusão, são necessárias novas dinâmicas! Isabel Breia
  5. 5. Se esta Rua fosse Minha! Visão “A nossa cidade é diariamente o nosso cenário”. Crente que o espaço nos condiciona e nos molda, o local onde vivemos é fundamentalpara a nossa qualidade de vida. Não basta a casa ser confortável, o jardim ser bonito, énecessário que tudo o que nos rodeia esteja adaptado à nossa vivência. O automóvel é importante mas acaba por não ser essencial! Em cada caminhada, em cada passeio de bicicleta, podemos vislumbrar novoshorizontes sobre a nossa cidade. Longe do volante; a pé, de autocarro, de comboio ou até deelevador abre-se o campo de visão sobre o espaço que habitamos. A cidade parece quecresce... A intervenção teria que começar na rua, no bairro e chegar à escala da cidade. Os objectivos essenciais para a qualificação do espaço seriam:  Reordenamento da rede viária e do estacionamento;  Novos planos de circulação pedonal;  Criação de espaços verdes e equipamentos de lazer;  Efectivar a cortina arbórea com a zona industrial;  Construção de uma ciclo via até ao centro;  Reforço do comércio/serviços de proximidade;  Conclusão das obras na urbanização. Isabel Breia

×