Universidade Federal de      PernambucoCentro de Artes e Comunicação   Departamento de LetrasAlunas: Daniella Duarte ; Mar...
Vinícius de Moraes
- Marcus Vinitius da Cruz e Mello Moraes- 1913 – 1980.- Rio de Janeiro.- “Poetinha”, diplomata, sambista e um dos cria...
Soneto de Fidelidade   De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto  Que mesmo em face do mai...
So/ne/to/ de/ Fi/de/li/DA/de        De/ tu/do ao/ meu/ a/mor/ se/rei /a/TEN/to  A 2-4-10   An/tes,/ e /com /tal/ ze/lo, e ...
Características estruturais - Soneto italiano ou petrarquiano = 2 quartetos e 2 tercetos. -    2º terceto = Chave de Our...
Rimas   - Rimas Externas: ocorre quando se repetem sons semelhantes no final de    diferentes versos   - Rimas Consoante...
Interpretação Na primeira estrofe: percebemos uma declaração explícita  de Amor, atenção total ao sentimento amoroso. Na...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teoria da literatura II

1.309 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria da literatura II

  1. 1. Universidade Federal de PernambucoCentro de Artes e Comunicação Departamento de LetrasAlunas: Daniella Duarte ; Maria Eduarda Gonçalves Disciplina: Teoria da Literatura 2 Professora: Michelle Valois 20 de abril de 2012
  2. 2. Vinícius de Moraes
  3. 3. - Marcus Vinitius da Cruz e Mello Moraes- 1913 – 1980.- Rio de Janeiro.- “Poetinha”, diplomata, sambista e um dos criadores da Bossa Nova.
  4. 4. Soneto de Fidelidade De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momentoE em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procureQuem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive):Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.
  5. 5. So/ne/to/ de/ Fi/de/li/DA/de De/ tu/do ao/ meu/ a/mor/ se/rei /a/TEN/to A 2-4-10 An/tes,/ e /com /tal/ ze/lo, e /sem/pre, e/ TAN/to B 1-6-8-10 Que /mes/mo em/ fa/ce/ do/ ma/ior /en/CAN/to B 4-10 De/le/ se en/can/te/ mais /meu/ pen/sa/MEN/to. A 1-6-10 Que/ro/ vi/vê-/lo em/ ca/da/ vão/ mo/MEN/to A 4-10 E em/ seu /lou/vor/ hei/ de es/pa/lhar/ meu/ CAN/to B 4-10 E/ rir/ meu/ ri/so e/ de/rra/mar/ meu/ PRAN/to B 4-10 Ao /seu/ pe/sar/ ou /seu/ con/ten/ta/MEN/to A 4-10 E a/ssim,/ quan/do/ mais/ tar/de/ me/ pro/CU/re C 2-6-10 Quem/ sa/be a/ mor/te, an/gús/tia/ de/ quem/ VI/ve D 4-6-10 Quem/ sa/be a/ so/li/dão,/ fim/ de/ quem/ A/ma E 6-7-10 Eu /po/ssa/ me/ di/zer/ do a/mor/ (que/ TI/ve): D 6-8-10Que/ não/ se/ ja i /mor/tal,/ pos/to/ que é/ CHA/ma E 6-10 (heroico) Mas/ que/ se/ja in/fi/ni/to en/quan/to/ DU/re. C 6-10 (heroico)
  6. 6. Características estruturais - Soneto italiano ou petrarquiano = 2 quartetos e 2 tercetos. - 2º terceto = Chave de Ouro: Decodifica o significado global do poema. - Versos decassílabos e graves (terminados com palavras paroxítonas). - Sinalefa: Quando se forma um ditongo pela fusão de duas vogais diferentes. - Elisão: se dá quando, no encontro de duas vogais de naturezas diferentes, uma prevalecer sobre a outra. - Crase: o encontro de duas vogais átonas iguais. - Anáfora: nome da figura que consiste na repetição da mesma palavra, na mesma posição, em vários versos (sempre no começo, meio ou final do verso). - Polissíndeto: é a figura que consiste em repetir os conectivos entre as orações dispostas em seqüência. - Hemistíquios : Metades de um verso dividido em 2. - Hipérbato: Inversão da ordem natural das palavras. - Aliteração: repetição da mesma consoante ao longo do poema para fazer efeito - > RI-RI-RA (risada) e EN-NA (sons nasais: lamentação, choro).
  7. 7. Rimas - Rimas Externas: ocorre quando se repetem sons semelhantes no final de diferentes versos - Rimas Consoantes: é aquela que apresenta semelhança de consoantes e vogais. 1ª estrofe: ABBA = Rima emparelhada 2ª estrofe: ABBA = Rima emparelhada 3ª estrofe: CDE 4ª estrofe: DEC Rima interpolada- Critério gramatical: a rima pobre ocorre entre palavras pertencentes à mesmacategoria gramatical e a rima rica, entre diferentes categorias. 1ª estrofe: Rimas ricas 2ª estrofe: Rimas pobres 3ª estrofe: Rimas pobres 4ª estrofe: Rimas pobres- Critério fônico: Na rima pobre, igualam-se as letras a partir da vogal tônica. Na rimarica, a identificação começa antes da vogal tônica. Rima pobre Todas as rimas são consoantes.
  8. 8. Interpretação Na primeira estrofe: percebemos uma declaração explícita de Amor, atenção total ao sentimento amoroso. Na segunda estrofe: temos um grande louvor ao Amor, ou seja, “vivê-lo em cada vão momento”, e em sua homenagem espalhar um riso solto, agradável. Na terceira estrofe: fala na morte, que é a angústia de quem vive. Na quarta estrofe: o autor procura concluir (chave de ouro) o seu raciocínio poético, contando de suas relações com o Amor, pedindo que não sejam imortais, uma vez que, são chamas, ou seja, quentes, ardentes, mas que podem acabar, mas que sejam infinitas.

×