Daniel Ganilho
Maria Beatriz Almeida
Mariana Choairy Lima
2013/2014
Parte II
2
Undisclosed Content
Orçamento | Plano de Produção | Custos Associados
Custos
Custos
Receitas
Investimento
Financiamento
Projeções
Análise
Sensibilidade
3
Custos
Mensal Anual
CustoProdução
Custo Matéria-prima (€) 2179 26143
Custo Subsidiárias (€) 810,8 9729
Custo Subcontrataçã...
Custos e Receitas
Mensal Anual
Custo Total Variável (€) 4636 55625
Custo Total Fixo (€) 2880 35320
Custo Total (€) 7516 90...
Investimento e
Financiamento
Elaboração do Projeto (€) 400
Equipamento (€) 50 000
Marketing Inicial (€) 10 000
Formação In...
Projeções Financeiras
2015 2016 2017 2018 2019
Volume de Negócios (€) 129600 129600 129600 129600 129600
Matéria-prima (€)...
Projeções Financeiras
2015 2016 2017 2018 2019
Meios Libertos do Projecto
Resultados Operacionais EBIT*(1-IRC) (€) 15986,3...
Projeções Financeiras
2015 2016 2017 2018 2019
Ativo
Activo Não Corrente (€) 45 000 40 000 35 000 30 000 25 000
Activos Fi...
Indicadores
2015 - 2019
Volume de Negócios (€) 129600
Matéria-prima (€) 26143
Subsidiárias (€) 9729
Subcontratação Produçã...
Indicadores
2015 2016 2017 2018 2019
Free Cash-flow (€) -31356 29218 29218 29218 29218
WACC (%) 11,6
Cash-flow Atualizado ...
ROI – Rendibilidade do ativo
ROE – Rendibilidade dos capitais próprios
Indicadores
2015 2016 2017 2018 2019
Resultado Líqu...
Sensibilidade
Base + 50% Variação
Subcontratação (€/h) 0,98 1,47 50%
Ponto crítico (€) 92257 102861 11,5%
VAL (€) 58143 34...
Sensibilidade
Variação indicadores < 20%
Custo da Matéria-prima Vinho do Porto
MP constitui 41,4% e 56,3% do custo variáve...
Feedback semanal para monitorizar a evolução do
produto
Ajuste mensal da produção se necessário
Balanço das atividades
(de...
Elevado potencial de
aplicabilidade e sobrevivência do
projeto
Rápida resposta
mercado
Elevado
TVU
Flexibilidade
16
EBITDA previstode 39 415 €, indicando forte potencial de geração de capital
VAL de 58 143 €, da mesma ordem de grandeza do...
[1] International Dairy Food Association (IDFA) – consultado em 04/06/2013 em www.idfa.org;
[2] Mintel Global Market Resea...
19
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product

103 visualizações

Publicada em

Financial viability assessment as a part of the business plan of innovative product all around-development.

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
103
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Destacar que todos os custos são iguais, com exceção dos juros obtidos que são relativos ao capital não amortizado e portanto vão diminuindo com o passar dos 5 anos
  • Balanço – estado patrimonial
  • aqueles que têm maior influência nos custo variável suportado pela empresa e cujo valor é bastante suscetível a alterações reais.
  • aqueles que têm maior influência nos custo variável suportado pela empresa e cujo valor é bastante suscetível a alterações reais.
  • Financial Viability Assessment of Fine Port Ice Cream Product

    1. 1. Daniel Ganilho Maria Beatriz Almeida Mariana Choairy Lima 2013/2014 Parte II
    2. 2. 2 Undisclosed Content Orçamento | Plano de Produção | Custos Associados
    3. 3. Custos Custos Receitas Investimento Financiamento Projeções Análise Sensibilidade 3
    4. 4. Custos Mensal Anual CustoProdução Custo Matéria-prima (€) 2179 26143 Custo Subsidiárias (€) 810,8 9729 Custo Subcontratação Produção (€) 1271 15250 Custo Subcontratação Pessoal (€) 57,25 687,0 Custo Subcontratação Análise Microbiológica (€) 78,00 936,0 Custo Armazenamento (€) 90,00 1080 Custo Distribuição (€) 150 1800 Custo Variável Total Anual (€) 4636 55625 Mensal Anual Encargos com Salários (€) 1600 19200 Outros Encargos com Pessoal (€) 380 5320 Total Encargos com Pessoal (€) 1980 23760 Gastos com Marketing (€) 900 10800 Custo Total Fixo (€) 2880 35320 Tabela 14 – Custos fixos mensais e anuais suportados pela empresa. Tabela 15 – Custo variável total por ano relativo à produção, armazenamento distribuição mensal. Variáveis Fixos 4
    5. 5. Custos e Receitas Mensal Anual Custo Total Variável (€) 4636 55625 Custo Total Fixo (€) 2880 35320 Custo Total (€) 7516 90945 Tabela 16 – Custos variáveis e fixos, mensais e anuais, suportados pela empresa. Custos e Receitas Totais da Atividade Projeções financeiras Mensal Anual Take-home HORECA Take-home HORECA Vendas (unid.) 1500 120 18000 1440 Volume de Negócios (€) 7800 30000 93600 36000 Volume de Negócios Total (€) 10800 129600 Tabela 17 – Receitas mensais e anuais da empresa. Projeções financeiras 5
    6. 6. Investimento e Financiamento Elaboração do Projeto (€) 400 Equipamento (€) 50 000 Marketing Inicial (€) 10 000 Formação Inicial Operários (€) 24 Estudo Escala Piloto (€) 150 Total Investimento (€) 60574 NFM (€) 4868 Primeiro Batch de Produção (€) 4636 Margem de Segurança (€) 290 Total Financiamento (€) 65 500 Tabela 23 – Orçamento de capital para custos de arranque. Capital necessário p/ iniciar atividade Investimento: 65500€ Capitais Próprios TASR 1,6% Tempo de Vida Económica Projeto: 5 anos Amortização 20% 6
    7. 7. Projeções Financeiras 2015 2016 2017 2018 2019 Volume de Negócios (€) 129600 129600 129600 129600 129600 Matéria-prima (€) 26143 26143 26143 26143 26143 Subsidiárias (€) 9729 9729 9729 9729 9729 Subcontratação Produção (€) 15250 15250 15250 15250 15250 Subcontratação Pessoal (€) 687 687 687 687 687 Subcontratação Estudo Microbiológico (€) 936 936 936 936 936 Subcontratação Armazenamento (€) 1080 1080 1080 1080 1080 Subcontratação Distribuição (€) 1800 1800 1800 1800 1800 Margem Bruta (€) 73975 73975 73975 73975 73975 Marketing (€) 10800 10800 10800 10800 10800 Gastos com Pessoal (Administrativo) (€) 23760 23760 23760 23760 23760 EBITDA (Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos) (€) 39415 39415 39415 39415 39415 Amortização do Capital (€) 13100 13100 13100 13100 13100 Depreciação do Ativo (€) 5000 5000 5000 5000 5000 EBIT (Resultado Operacional) (€) 21315 21315 21315 21315 21315 Juros Obtidos Sobre o Capital (€) 838,4 628,8 419,2 209,6 0 RESULTADO ANTES DE IMPOSTOS (€) 20476 20686 20896 21105 21315 Imposto Sobre O Rendimento Do Período (25%) (€) 5119 5172 5224 5276 5329 RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO (€) 15358 15515 15672 15829 15986 Tabela 24 – Demonstração de resultados previsional da empresa. 7
    8. 8. Projeções Financeiras 2015 2016 2017 2018 2019 Meios Libertos do Projecto Resultados Operacionais EBIT*(1-IRC) (€) 15986,3 15986,3 15986,3 15986,3 15986,3 Depreciação (€) 5000 5000 5000 5000 5000 Amortização (€) 13100 13100 13100 13100 13100 Investimento em Fundo Maneio Fundo de Maneio (€) -4868 -4868 -4868 -4868 -4868 CASH FLOW de Exploração (€) 29218,3 29218,3 29218,3 29218,3 29218,3 Investim./Desinvest. em Capital Fixo Capital Fixo (€) -60574 Free Cash-flow (€) -31355,8 29218,25 29218,25 29218,25 29218,25 CASH-FLOW Acumulado (€) -31355,75 -2137,5 27080,75 56299 85517,25 Tabela 25 – Fluxo de caixa (cash-flow) previsional. 8
    9. 9. Projeções Financeiras 2015 2016 2017 2018 2019 Ativo Activo Não Corrente (€) 45 000 40 000 35 000 30 000 25 000 Activos Fixos Tangíveis (€) 45 000 40 000 35 000 30 000 25 000 Activo Corrente (€) 13 789 13 789 13 789 13 789 13 789 Inventários de Produto Final (€) 2 989 2 989 2 989 2 989 2 989 Clientes (€) 10 800 10 800 10 800 10 800 10 800 Total Activo (€) 58 789 53 789 48 789 43 789 38 789 Capital Próprio Capital Realizado (€) 65 500 65 500 65 500 65 500 65 500 Reservas (€) 15 357 30 872 46 544 62 373 Resultado Líquido do Período (€) 15 357 15 515 15 672 15 829 15 986 Total Capital Próprio (€) 80 857 96 372 112 044 127 873 143 859 Passivo Passivo Corrente (€) 55 625 55 625 55 625 55 625 55 625 Fornecedores (€) 55 625 55 625 55 625 55 625 55 625 Total Passivo (€) 55 625 55 625 55 625 55 625 55 625 Total Passivo + Capitais Próprios (€) 136 482 151 997 167 669 183 498 199 484 Tabela 26 – Balanço previsional. 9
    10. 10. Indicadores 2015 - 2019 Volume de Negócios (€) 129600 Matéria-prima (€) 26143 Subsidiárias (€) 9729 Subcontratação Produção (€) 15250 Subcontratação Pessoal (€) 687 Subcontratação Estudo Microbiológico (€) 936 Subcontratação Armazenamento (€) 1080 Subcontratação Distribuição (€) 1800 Margem Bruta (€) 73975 Margem Bruta (%) 57 Ponto Crítico (€) 92257 Volume de Negócios Mensal (€) 10800 Ponto Crítico (Meses) 9 Tabela 27 – Determinação do ponto crítico da empresa em euros e em meses. Ponto Crítico • Ignora custo financiamento; • Só contabiliza custos e receitas operacionais; • Indica (anualmente) VN para atingir Resultado Operacional = 0 Constante durante o tempo de vida económica do projeto 10
    11. 11. Indicadores 2015 2016 2017 2018 2019 Free Cash-flow (€) -31356 29218 29218 29218 29218 WACC (%) 11,6 Cash-flow Atualizado (€) -31356 26181 23460 21021 18836 Cash-flow Atualizado Acumulado (€) -31356 -5175 18285 39307 58143 VAL (€) 58143 Payback Time (anos) 2 TIR % 85,3% Tabela 28 – Valor Atualizado Líquido, Taxa Interna de Rentabilidade e Pay Back Time. WACC = Prémio de risco (10%) + Taxa de Juro do Ativo s/ Risco (1,6%) Método Discounted Cash-FlowVAL TIR PBT 11
    12. 12. ROI – Rendibilidade do ativo ROE – Rendibilidade dos capitais próprios Indicadores 2015 2016 2017 2018 2019 Resultado Líquido do Período (€) 15357 15515 15672 15829 15986 Total Activo (€) 58 789 53 789 48 789 43 789 38 789 Total Capital Próprio (€) 80 857 96 372 112 044 127 873 143 859 ROI(%) 26,1% 28,8% 32,1% 36,1% 41,2% ROE(%) 19,0% 16,1% 14,0% 12,4% 11,1% Tabela 29 – Return on Investment (ROI) e do Return on Equity (ROE). Avaliam como a empresa utiliza os seus recursos (ativos e capitais próprios) para criar valor ROI ROE 12
    13. 13. Sensibilidade Base + 50% Variação Subcontratação (€/h) 0,98 1,47 50% Ponto crítico (€) 92257 102861 11,5% VAL (€) 58143 34905 -40,0% Payback time (anos) 2 2 0 TIR (%) 85,3 51,3 -39,9% Tabela 30 – Indicadores base e relativos a um incremento de 50% na tarifa de subcontratação da produção. Variação indicadores < 50% Custo Subcontratação Produção 25,3% e 31% custo variável total mensal de take-home e HORECA Alguma vulnerabilidade… MAS 13
    14. 14. Sensibilidade Variação indicadores < 20% Custo da Matéria-prima Vinho do Porto MP constitui 41,4% e 56,3% do custo variável total mensal de take-home e HORECA e VP 37,3% do custo mensal de ambos. Procurar fornecedor alternativo… MAS Base + 20% Variação - 20% Variação Preço Vinho do Porto (€/kg) 8,5 10,20 20% 6,8 -10% Ponto crítico (€/h) 92257 94735 2,69% 89866,0 -2,6% VAL (€) 58143 52247 -10,14% 64142 10,3% Payback time (anos) 2 2 0 2 0 TIR % 85,3 75,8 -11,1% 95,7 12,3% Tabela 31 – Indicadores de viabilidade base e relativos a um aumento e uma diminuição de 20% no custo de Vinho do Porto. 14
    15. 15. Feedback semanal para monitorizar a evolução do produto Ajuste mensal da produção se necessário Balanço das atividades (desperdícios, devoluções, reclamações de clientes e fornecedores, volume de venda) Construção de um histórico detalhado da empresa 15
    16. 16. Elevado potencial de aplicabilidade e sobrevivência do projeto Rápida resposta mercado Elevado TVU Flexibilidade 16
    17. 17. EBITDA previstode 39 415 €, indicando forte potencial de geração de capital VAL de 58 143 €, da mesma ordem de grandeza do capital investido, logo há criação de valor sustentável Payback time de dois anos, menos de metade do período de vida económica do projeto TIR de 85,3%, muitíssimo superior à taxa de custo de oportunidade de capital de 1,6% Ponto crítico anual é atingido aos 9 meses de atividade/volume de negócios de 92 257 € ROI inicial de 26,1% e crescente nos quatro anos seguintes ROE assume o valor de 19% e sofre uma diminuição no decorrer dos anos 17
    18. 18. [1] International Dairy Food Association (IDFA) – consultado em 04/06/2013 em www.idfa.org; [2] Mintel Global Market Research & Market Insight Navigator, consultado em 04/06/2012 em http://www.mintel.com/; [3] Euromonitor International - consultado a 04/06/2013 em http://www.euromonitor.com/ [4] Associação Nacional dos Industriais de Gelados Alimentares, Óleos, Margarinas e Derivados (ANIGOM) – consultado em 04/06/2013 em http:/www.anigom.pt/; [5] Agri-Food Trade Service, Consumer Trends of Ice Cream in the United Arab Emirates, October 2010, consultado em 04/06/2013 em http://wwwats- sea.agr.gc.ca/afr/5608-eng.htm; [6] Agri-Food Trade Service - Consumer Trends Ice Cream in the United Arab Emirates, June 2012, consultado em 04/06/2013 http://ww.ats- sea.agr.gc.ca/afr/6177-eng.htm [7] Stephanie Lahad, Paris Office, Bord Bia – Irish Food Board, 2012 – acedido em 04/06/2013 em http://www.bordbia.ie/industryservices/information/alerts/Pages/Innovationandindulg encedrivingFrenchice-creammarket.aspx; [8] IRi Market Intelligence, consultado em 04/06/2012 em http://www.iriworldwide.eu/; [9] Decreto-Lei n.º 50/2013 de 16 de Abril, consultado em 07/04/2014 em www.dre.pt [10] Entrevista à Eng. Raquel Marques Zenha, responsável de produção da Gelados Globo, em 09 de Abril de 2014; [11] Food Science Department of University of Guelph - consultado em 11/06/2014 em http://www.uoguelph.ca/foodscience/ice- cream; [12] Padmini, S. et al (2008) A comparative study on the effect of chemical microwave, and pulsed electric pretreatments on convective dryig and quality of raisins. Drying Technology 26: 1238 – 1243; [13] Regulamento n.º 1169/2011 de 25 de Outubro, concultsado em 07/04/2014 em eur-lex.europa.eu [14] Instituo de Vinho do Douro e Porto (IVDP), consultado em 25/05/2013 em http://www.ivdp.pt/; [15] Food Processing Technology Principles and Practice (2000) 2nd Edition, PJ Fellow Woodhead Publishing Limited; [16] Cengel, Y. A., Klein, S. A., & Beckman, W. A. (1998). Heat transfer: a practical approach. [17] Instituto de apoio a pequenas e médias empresas e à inovação (IAPMEI), consultado em 02/06/2014 em www.iapmei.pt [18] Monteiro, R. (2011) Fundamentos de Gestão. Secção Autónoma das Ciências Agrárias, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto; [19] Pachedo, Luís P. Finanças empresariais – Avaliação de Investimentos. Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa; [20] Damodaran, A. (2001) Corporate Finance: Theory and practice. Wiley 2nd Edition; [21] Koller, T et al (2005) Valuation. Measuring and managing the value of companies. Wiley 4th Edition; [22] Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge - Tabela da Composição dos Alimentos (TCA) consultado em http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/Aplicaco esOnline/TabelaAlimentos/Paginas/TabelaAlimentos.aspx; [23] Burmester, S. et al. (2005) The Evolution of Ice Cream Technology, Ice Cream Global Technology Center, Unilever R&D Colworth, U.K. 18
    19. 19. 19

    ×