Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra

7.509 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.509
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
411
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra

  1. 1.  Eventos que marcaram a desestruturação do feudalismo e a transformação dessa sociedade. Crescimento Comercial Cruzadas ( início séc. XI) Renascimento Urbano Peste Negra Guerra dos cem anos
  2. 2.  Já vimos que:  As inovações tecnológicas que aconteceram a partir do séc. X, ocasionaram mudanças na vida das pessoas que moravam nos feudos. (charrua, rotação de culturas, novas formas de atrelar os animais).  As novas técnicas possibilitaram o crescimento da produção de alimentos, gerando um excedente agrícola e por conseqüência um aumento populacional.
  3. 3.  Porém: essas inovações, reduziram a necessidade de mão de obra no campo, e as pessoas começaram a buscar novos meios de sobrevivência nos centros urbanos ( os burgos).  Muitos camponeses passaram a se dedicar a outras atividades econômicas.  Passaram então a se dedicar ao trabalho na produção de artigos em oficinas artesanais, as atividades comerciais, e o empréstimo de dinheiro a juro.
  4. 4.  Trabalhadores/artesãos e comerciantes formavam a população dos burgos.  Mas também haviam pessoas muito pobres que não tinham trabalho e eram obrigados a mendigar.
  5. 5.  A produção artesanal era organizada assim:  Mestres de oficio: donos das oficinas e dos instrumentos Aprendizes: jovens que dependiam do mestre para aprender, não recebiam salários apenas alojamento, alimentação e vestuário. jornaleiros:trabalhadores especializados que recebiam por jornada trabalhada, podendo com o tempo juntar dinheiro e formar sua própria oficina.
  6. 6.  Corporações de oficio:  Vários artesãos  que desempenhavam uma mesma atividade se reuniam e formavam as corporações.  Essas eram responsáveis por controlar a qualidade dos produtos, os preços, e proteger dos artesãos da concorrência.
  7. 7.  Do séc. XI em diante principalmente no XI e XIII, as atividades comerciais tiveram grande desenvolvimento no Ocidente europeu.  Destacaram-se as feiras da região de Champagne na França ( ficava entre o norte da Península Itálica e a região de Flandres).  O comércio internacional de mercadorias era o que gerava mais lucros.  A intensa atividade comercial , originou condições para o surgimento de centros urbanos com estruturas mercantis permanentes.
  8. 8.  Foram expedições militares/religiosas européias enviadas ao oriente a partir do final do séc. XI
  9. 9. -Movimento religioso e militar para reconquistar a Terra Santa, era uma luta contra os infiéis. -No Inicio não eram chamadas de Cruzadas, eram chamadas de peregrinações ou Guerra Santa. - Um conjunto de circunstâncias levou a igreja a dar inicio as Cruzadas. -Que circunstâncias seriam estas?
  10. 10. Contexto social - -Crescimento demográfico -Interesses comerciais. -Ampliar as áreas de comércio - Falta de terras entre os nobres - Aumento na violência. -Para os marginalizados: as cruzadas representavam oportunidades de melhorias nas condições de vida. - Interesses religiosos. - Fé
  11. 11. - Apesar dos interesses políticos e econômicos que existiam por traz das Cruzadas sua essência era Espiritual e de Fé. -A igreja concedeu aos que participassem das Cruzadas a indulgência plena, ou seja, o perdão de todos os pecados.
  12. 12.  Abertura e aceleração do comércio.  Contato com outras culturas  Outras transformações que culminam na crise do feudalismo.
  13. 13.  Enfraquecimento do sistema feudal: os senhores endividaram-se para montar seus exércitos, muitos servos partiram para as Cruzadas e não voltaram.  Terras do Norte da Europa ficaram despovoadas em razão da partida de seus habitantes para a luta.  O mar Mediterrâneo recuperou sua importância econômica, muitas embarcações transitavam por ele.  Aumento do comércio entre o Ocidente e o Oriente.  O contato com os muçulmanos, ampliou os conhecimentos produzidos na Antiguidade e preservados pelos muçulmanos, como a filosofia e a matemática .
  14. 14. A Peste Negra assolou a Europa ocidental em meados do século XIV. Na imagem a representação da morte, triunfante. “A Europa do séc. XIV foi marcada por desgraças e tragédias: a “grande fome”, a “peste negra” e a multiplicação das guerras entre nobre e levantes camponeses. O resultado maior foi a crise do feudalismo e do regime senhorial”. (Vainfas, p. 163, 2010)
  15. 15. PESTE NEGRA  Meados do século XIV foi uma época marcada por muita dor, sofrimento e mortes na Europa. A Peste Bubônica, que foi apelidada pelo povo de Peste Negra, matou cerca de um terço da população europeia. Cerca de 20, 25 milhões de pessoas. A doença mortal não escolhia vítimas. Reis, príncipes, senhores feudais, artesãos, servos, padres entre outros foram pegos pela peste.  A peste espalha a morte pela Europa Nos porões dos navios de comércio, que vinham do Oriente, entre os anos de 1346 e 1352, chegavam milhares de ratos. Estes roedores encontraram nas cidades europeias um ambiente favorável, pois estas possuíam condições precárias de higiene. O esgoto corria a céu aberto e o lixo acumulava-se nas ruas. Rapidamente a população de ratos aumentou significativamente. Estes ratos estavam contaminados com a bactéria Yersinia Pestis. E as pulgas destes roedores transmitiam a bactéria aos homens através da picada. Os ratos também morriam da doença e, quando isto acontecia, as pulgas passavam rapidamente para os humanos para obterem seu alimento, o sangue.
  16. 16. -Um terço da população européia morreu por causa da epidemia. -Os conhecimentos médicos do período não foram suficientes, pois muitas vezes se misturava o conhecimento médico com superstições religiosas. - O vírus da epidemia pode ter vindo com as Cruzadas. - Explicação religiosa para a epidemia, era a cólera de Deus, ou seja, a ira, sobre a humanidade por causa de seus pecados.
  17. 17.  Após adquirir a doença, a pessoa começava a apresentar vários sintomas: primeiro apareciam nas axilas, virilhas e pescoço vários bulbos (bolhas) de pus e sangue. Em seguida, vinham os vômitos e febre alta. Era questão de dias para os doentes morrerem, pois não havia cura para a doença e a medicina era pouco desenvolvida.  Vale lembrar que, para piorar a situação, a Igreja Católica opunha- se ao desenvolvimento científico e farmacológico. Os poucos que tentavam desenvolver remédios eram perseguidos e condenados à morte, acusados de bruxaria. Relatos da época mostram que a doença foi tão grave e fez tantas vítimas que faltavam caixões e espaços nos cemitérios para enterrar os mortos. Os mais pobres eram enterrados em valas comuns, apenas enrolados em panos.
  18. 18.  As péssimas condições de higiene das cidades contribuíram para a propagação da doença;  Os centros urbanos mão possuíam redes de esgoto e serviços de limpeza pública. As cidades viviam cobertas de lama, cheias de lixo, isso possibilitou a proliferação da doença. A população foi em busca de uma solução para a doença  O preconceito com a doença era tão grande que os doentes eram, muitas vezes, abandonados, pela própria família, nas florestas ou em locais afastados. A doença foi sendo controlada no final do século XIV, com a adoção de medidas higiênicas nas cidades medievais.
  19. 19.  Entre 1315 e 1317 a produção agrícola caiu vertiginosamente em função do esgotamento do solo, fortes chuvas que castigaram a Europa entre 1314 e 1325 e o clima frio forma as razões das más colheitas.  A crise atingiu todas a classes da sociedade  Conseqüentemente houve um aumento dos preços , o desabastecimento das cidades e o aumento do banditismo. Os senhores feudais passaram a explorar mais ainda os camponeses.
  20. 20.  A peste e a fome causaram um enorme desequilíbrio social e econômico.  Promoveram a miséria e muitas mortes.  E também o surgimento de REVOLTAS CAMPONESAS. ( séc. XIV)
  21. 21.  Duas rebeliões campesinas causaram grande impacto na Europa: a Jacquerie (França) e Revolta de Walt Tyler (Inglaterra), essas revoltas contribuíram para enfraquecer o sistema feudal
  22. 22.  Revoltas Camponesas Com a morte de boa parte dos servos, muitos senhores feudais aumentaram as obrigações, fazendo os camponeses trabalharem e pagarem impostos pelos que haviam morrido. Como a exploração sobre os servos já era exagerada, em muitos feudos, principalmente na França e Inglaterra, ocorreram revoltas camponesas. Estes, chegaram a invadir e saquear castelos, assassinando os senhores feudais e outros nobres. Os senhores feudais que conseguiram sobreviver não ficaram inertes aos movimentos de revolta. Organizaram exércitos fortes e combateram com violência as revoltas. Porém, em muitas regiões da Europa, os camponeses obtiveram conquistas importantes, conseguindo diminuir as obrigações servis

×