Poesia Quase, Mário de Sá-Carneiro

14.763 visualizações

Publicada em

Poema Quase, Mário de Sá-Carneiro, análise, gramática, 9º ano , Plural 9

Publicada em: Educação
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • es linda adoro-te!! o meu trabalho vai ser um COPY PASTE!!!!!!!!! FOFÉRRIMA!!!!!!! ADORO-TEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE BABE!

    *P.s. O TÍTULO DO POEMA É ''QUASI'' FOFA.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.763
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.134
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
275
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesia Quase, Mário de Sá-Carneiro

  1. 1. Mário de Sá Carneiro, Dispersão Plural 9
  2. 2. Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe de asa... Se ao menos eu permanecesse aquém... Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído Num grande mar enganador de espuma; E o grande sonho despertado em bruma, O grande sonho - ó dor! - quase vivido... Quase o amor, quase o triunfo e a chama, Quase o princípio e o fim - quase a expansão... Mas na minh'alma tudo se derrama... Entanto nada foi só ilusão! De tudo houve um começo ... e tudo errou... - Ai a dor de ser-quase, dor sem fim... - Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim, Asa que se elançou mas não voou...
  3. 3. Momentos de alma que desbaratei... Templos aonde nunca pus um altar... Rios que perdi sem os levar ao mar... Ânsias que foram mas que não fixei... Se me vagueio, encontro só indícios... Ogivas para o sol - vejo-as cerradas; E mãos de herói, sem fé, acobardadas, Puseram grades sobre os precipícios... Num ímpeto difuso de quebranto, Tudo encetei e nada possuí... Hoje, de mim, só resta o desencanto Das coisas que beijei mas não vivi... Um pouco mais de sol - e fora brasa, Um pouco mais de azul - e fora além. Para atingir faltou-me um golpe de asa... Se ao menos eu permanecesse aquém... Mário de Sá-Carneiro
  4. 4. Assunto do poema: o sujeito poético faz um balanço de vida negativo, centrado na ideia da frustração de tudo o que foi sonhado, iniciado e não concluído, ou vivido apenas pela metade. Nenhum projeto ou sonho foi realizado, nenhuma meta foi alcançada, sendo que várias vezes esteve lá perto (“quase”).
  5. 5. 1. Caracterização do estado de alma do sujeito poético. 1.1. frustração – “Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim”; “Tudo encetei e nada possuí...”; “Tudo esvaído/Num grande mar enganador de espuma”; “grande sonho despertado em bruma”; “Entanto nada foi só ilusão!”; “Asa que se elançou mas não voou...” 1.2. incapacidade de lutar pelos sonhos – “faltou-me um golpe de asa...”; “Asa que se elançou mas não voou...” 1.3. sofrimento – “O grande sonho - ó dor! - quase vivido...”; “- Ai a dor de ser - quase, dor sem fim...”
  6. 6. 1.4. O sujeito poético assume a responsabilidade do incumprimento dos projetos e sonhos, por exemplo em “Momentos de alma que desbaratei”, ou na metáfora “Rios que perdi sem os levar ao mar”, caracterizadora da atitude de desistência a meio do caminho, como o rio que se perde sem chegar à foz, ou ainda a afirmação autoculpabilizadora “Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim”. 2. A incapacidade e a frustração do passado têm continuidade no presente: “Se me vagueio, encontro só indícios...” “Ogivas para o sol - vejo-as cerradas”; “Hoje, de mim, só resta o desencanto”.
  7. 7.  3. Metáforas:  “faltou-me um golpe de asa” (v. 3)  “Tudo esvaído / num grande mar enganador de espuma” (vv. 5-6)  “o grande sonho despertado em bruma” ( v. 7)  “Asa que se elançou mas não voou” (v. 16)  “Rios que perdi sem os levar ao mar” ( v. 19)  “grades sobre os precipícios” (v. 24)  4. Comenta a expressividade das reticências. As reticências sublinham o estado de desilusão, frustração e abatimento que o balanço de vida provoca no sujeito poético.
  8. 8. Gramática 1. eu era brasa /eu fora brasa – 1ª estrofe /última estrofe eu era além / eu fora além – 1ª estrofe /última mudança de tempo verbal O pretérito imperfeito (era) é usado com valor de condicional (seria), sugerindo a possibilidade de concretização em relação ao momento presente. Já no final do poema, a utilização do pretérito mais-que-perfeito do indicativo (“ fora”) acentua a impossibilidade, a distância, evidencia a total desilusão e desistência do sonho, conferindo ao poema um tom pessimista.
  9. 9. 2. Identifica os três predicativos do sujeito na 1ªestrofe. brasa; além; aquém 3. Indica a classe e subclasse das palavras além e aquém. Advérbios de predicado, com valor locativo (de lugar) 4. Identifica o tempo e o modo da forma verbal presente no verso “Se ao menos eu permanecesse aquém…” Pretérito imperfeito do conjuntivo
  10. 10. 5. Coloca-a no pretérito mais-que-perfeito composto do conjuntivo. tivesse permanecido 6. Faz a análise sintática dos constituintes da expressão “faltou-me um golpe de asa”. faltou-me – predicado; me- complemento indireto; um golpe de asa- sujeito simples

×