Poesia, floriram por engano as rosas bravas

9.178 visualizações

Publicada em

análise do poema "Floriram por engano as rosas bravas", de Camilo Pessanha, Raiz Editora e Paratextos, 9º ano

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
989
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
141
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesia, floriram por engano as rosas bravas

  1. 1. Poesia Plural 9, Raiz Ed, p. 268  Camilo Pessanha, Clepsidra, Ática
  2. 2. Floriram por engano as rosas bravas No Inverno: veio o vento desfolhá-las... Em que cismas, meu bem? Porque me calas As vozes com que há pouco me enganavas? Castelos doidos! Tão cedo caístes!... Onde vamos, alheio o pensamento, De mãos dadas? Teus olhos, que um momento Perscrutaram nos meus, como vão tristes! E sobre nós cai nupcial a neve, Surda, em triunfo, pétalas, de leve Juncando o chão, na acrópole de gelos... Em redor do teu vulto é como um véu! Quem as esparze — quanta flor! —, do céu, Sobre nós dois, sobre os nossos cabelos?
  3. 3. 1. O sujeito poético dirige-se a alguém que parece acompanhá-lo:  expressões nominais: meu bem; teus olhos; teu vulto.  verbos: calas; cismas; enganavas. 2. Palavras e expressões que transmitem sentimentos de ilusão e de perda. “veio o vento desfolhá-las”; “Castelos doidos”; “Tão cedo caístes”. 3. Sugestão de noivado. “sobre nós cai nupcial a neve”; “pétalas, de leve /Juncando o chão”; “é como um véu”.
  4. 4. 4. A impressão dominante é de melancolia, tristeza, desilusão. As rosas desfolhadas, as vozes que se calaram e os castelos que caíram sugerem a destruição da ilusão de felicidade, ou seja, a desilusão. Estas marcas negativas são reforçadas pela referência à tristeza da amada “teus olhos(…)como vão tristes!”. Aliás, ambos parecem partilhar deste espírito de tristeza, melancolia “Onde vamos, alheio o pensamento”, apesar de seguirem de “mãos dadas”. 5. Aliterações – o v na 1ª quadra; o l no 1º terceto. 6. Estrutura formal: o poema é um soneto (2 quadras e dois tercetos) de versos decassilábicos; o esquema rimático é abba/cddc/eef/ggf, havendo, por isso ,rima emparelhada e interpolada.
  5. 5. 1. “Floriram por engano as rosas bravas”; “quanta flor”. 1.1. Indica a relação semântica que une as palavras destacadas, justificando a tua resposta. 1.2. Refere outras palavras que tenham com flor a mesma relação semântica que tem a palavra rosas. 1.3. Transcreve, do texto, todas as palavras que pertencem ao campo lexical de “flor”. Paratextos 9
  6. 6. 1.4. Refere cinco palavras/expressões que se insiram no campo semântico de “flor”. 1.5. Indica cinco vocábulos da família de “flor” e cinco da família de “rosa”. 1.6. Que relação semântica se estabelece entre a palavra “flor” e a palavra “pétalas”? Paratextos 9
  7. 7.  Hiperonímia: significado geral que inclui outros  Hiponímia: significado incluído num outro mais geral  Holonímia: significado que se refere a um todo  Meronímia: significado que se refere a partes que constituem o todo  Campo lexical: palavras associadas a uma realidade pelo seu significado  Campo semântico: significados que uma palavra pode ter em vários contextos
  8. 8. 1.1. hiperonímia / hiponímia: flor é o hiperónimo, pois possui o significado geral, designando classe/ grupo; a palavra rosa é o hipónimo, pois possui o significado mais restrito, designando um elemento do grupo (“flor”). 1.2. cravo, lírio, malmequer, papoila, margarida 1.3. “Floriram”; “rosas bravas”; “desfolhá-las”; “pétalas” 1.4. flor de estufa, fina flor, flor da idade, não é flor que se cheire, ter os nervos à flor da pele. 1.5. rosado, rosácea, roseiral, rosé, roseira, roseta 1.6. holónimo /merónimo – pétala é merónimo de flor

×