Lisboa dos Descobrimentos

2.717 visualizações

Publicada em

Lisboa dos Descobrimentos, monumentos, Belém, representatividade, trabalho aluno

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.717
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.570
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lisboa dos Descobrimentos

  1. 1. LISBOA DOS
  2. 2. Portugal, país de aventureiros e marinheiros corajosos, foi pioneiro na descoberta de novas rotas marítimas que potenciaram o encontro de civilizações. De Lisboa partiram as expedições que iniciaram o processo de conquista do Norte de África e da expansão colonial rumo ao ouro, escravos e especiarias. Num passeio pela nossa capital revivemos este período grandioso onde os testemunhos do Mundo Novo inspiraram vários arquitetos.
  3. 3. Acompanha-me numa viagem até ao século XVI que terá o seu inicio … AGORA
  4. 4. Mosteiro dos Jerónimos Este monumento do séc. XVI, do reinado de D. Manuel I, foi consagrado à descoberta do Caminho Marítimo para a Índia. Neste local Vasco da Gama ouviu missa na noite antes de partir para a Índia e daqui sairam as naus de Pedro Alvares Cabral, que chegariam ao Brasil. De arquitetura manuelina, este mosteiro é a mais notável construção religiosa de Portugal do seu tempo, estando classificado como Monumento Nacional desde 1907 e como Património Mundial da UNESCO desde 1983. Em 7 de julho de 2007 foi eleito como uma das Sete Maravilhas de Portugal.
  5. 5. Capela de S. Jerónimo Iniciada em 1514 por Diogo de Boitaca e concluida por Rodrigo Afonso, de estilo manuelino, dentro dos terrenos da cerca dos Monges Jerónimos do Mosteiro de Santa Maria de Belém, é um monumento que impressiona todos os que o vêem pela primeira vez. Situa-se numa colina sobre Belém e a partir do jardim obtém-se uma vista deslumbrante sobre o Tejo. Nesta capela esteve sepultado Pina Manique, fundador da Casa Pia de Lisboa.
  6. 6. Torre de Belém Inicialmente cercada pelas águas em todo o seu perímetro, progressivamente foi envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme. Esta fortificação integrava o plano defensivo da barra do rio Tejo e o projeto de construção desta torre data do reinado de D. João II, no entanto só foi posto em prática no reinado do seu sucessor, D. Manuel I, entre 1515 e 1519.  Classificada como Património Mundial pela UNESCO desde 1983, foi eleita como uma das Sete maravilhas de Portugal em 7 de julho de 2007. Hoje é um espaço cultural onde se realizam exposições e concertos.
  7. 7. Padrão dos Descobrimentos Tem a forma de uma caravela e está decorado com 16 figuras, cada uma com sete metros de altura. Por lá, estão representadas personalidades ligadas aos descobrimentos, como Gil Eanes, Fernão Mendes Pinto, Pedro Álvares Cabral e Vasco da Gama. No topo e proa do edifício, olhando diretamente para o rio Tejo, está a figura do infante D. Henrique, com nove metros de altura. O edifício original, de autoria do arquiteto Cottinelli Telmo, foi construído em 1940 para a Exposição do Mundo Português. Contudo, só em 1960 é que o edifício que hoje conhecemos foi erguido.
  8. 8. Casa dos Bicos - Fundação José Saramago Este edifício foi mandado construir em 1523, por Brás de Albuquerque, filho do governador da Índia, Afonso de Albuquerque, após uma viagem a Itália, e teve como modelo o Palácio dos Diamantes, tendo sido um dos poucos sobreviventes do terramoto de Lisboa de 1755.  A fachada é decorada em pedra esculpida em forma de pirâmide, como se fossem pontos de diamantes e nos dois últimos pisos estão janelas em estilo manuelino.  O interior foi restaurado para acolher a Fundação José Saramago, pensada para a apresentação de eventos culturais e para a biblioteca do Nobel português.
  9. 9. Mosteiros dos Jerónimos Torre de Belém Padrão dos Descobrimentos Casa dos Bicos
  10. 10. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar!   Fernando Pessoa, “Mar Português”,1934
  11. 11. Trabalho realizado por:Trabalho realizado por: Tiago GouveiaTiago Gouveia 9º A9º A nº 19nº 19 Fontes: Google

×