Canto IV
PLANO DA HISTÓRIA
 Está Vasco da Gama a contar a História de
Portugal ao Rei de Melinde, referindo a morte
de D. Fernando e respetivas cons...
 O Rei de Castela invade Portugal, e poucos eram os
que queriam combater pela Pátria. Mas os que
estavam dispostos a defe...
 No início desta batalha, o som da trombeta
castelhana causa efeitos não só nos guerreiros,
como nas mães, que apertam os...
 INTRODUÇÃO - (est. 28–29) Início da batalha –
“Deu sinal a trombeta castelhana”
 O poeta descreve o sinal (o toque) da
...
 Descrição da batalha
 30 - Início da batalha com realce para Nuno
Álvares Pereira – referências ao número e
valor dos c...
 32 – A traição dos dois irmãos de Nuno
Álvares Pereira que combatem no exército de
Castelo.
 33 – Comentário emotivo do...
 Consequências nefastas da guerra: a mágoa e
a desonra, sentimentos inerentes de quem
perde; a queixa perante aqueles que...
 Pesquisa:
 http://camaraclara.rtp.pt/#/arquivo/129
- 26 Abril 2009 – sobre a canonização de Nun’ Álvares Pereira
 http...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os Lusíadas, Batalha de Aljubarrota

4.624 visualizações

Publicada em

Batalha de Aljubarrota, Canto V, Os Lusíadas

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.624
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Lusíadas, Batalha de Aljubarrota

  1. 1. Canto IV PLANO DA HISTÓRIA
  2. 2.  Está Vasco da Gama a contar a História de Portugal ao Rei de Melinde, referindo a morte de D. Fernando e respetivas consequências, e referindo também D. João, Mestre de Avis, e toda a sua história de nomeação a Regedor e Defensor do Reino.  Dá-se a batalha contra Castela, que se travou em 14 de Agosto de 1383.
  3. 3.  O Rei de Castela invade Portugal, e poucos eram os que queriam combater pela Pátria. Mas os que estavam dispostos a defender o seu Reino, onde se destacava Nuno Álvares Pereira, iriam defendê-lo com a convicção da vitória, pois o país vizinho tinha enfraquecido bastante no reinado de D. Fernando, e D. João I era garantia de valor e sucesso e nunca Portugal tinha saído derrotado dos combates contra os Castelhanos.  No final, Camões refere o desânimo e a fuga dos Castelhanos, que novamente foram derrotados pelos lusitanos.
  4. 4.  No início desta batalha, o som da trombeta castelhana causa efeitos não só nos guerreiros, como nas mães, que apertam os filhos ao peito, e também na natureza: o Guadiana, o Alentejo, o Tejo ficam assustados!  Na descrição da batalha, destacam-se as atuações de Nuno Álvares Pereira e de D. João, Mestre de Avis; salienta-se também o facto dos irmãos de Nuno combaterem contra a própria Pátria, acabando por morrer numa batalha em que foram traidores de Portugal.
  5. 5.  INTRODUÇÃO - (est. 28–29) Início da batalha – “Deu sinal a trombeta castelhana”  O poeta descreve o sinal (o toque) da trombeta castelhana que dá início aos combates e aos efeitos não só nas pessoas (as mães que apertam os filhinhos ao peito, a palidez dos rostos), mas também na Natureza (o Guadiana, o Tejo, o Douro e o Alentejo, que ficam assustados).
  6. 6.  Descrição da batalha  30 - Início da batalha com realce para Nuno Álvares Pereira – referências ao número e valor dos contendores;  31 – Movimento e o ruído próprios do combate: Aliterações  Visualização da batalha  Uso do presente histórico  Sonoridades dadas pelo tropel dos cavalos ritmo martelado
  7. 7.  32 – A traição dos dois irmãos de Nuno Álvares Pereira que combatem no exército de Castelo.  33 – Comentário emotivo do Condestável e referência a outros traidores da história.  34/35 – Descrição propriamente dita da batalha, com especial relevo para as atuações decisivas de Nuno Álvares Pereira e D. João I (36/37), que conduzem à derrota dos Castelhanos.
  8. 8.  Consequências nefastas da guerra: a mágoa e a desonra, sentimentos inerentes de quem perde; a queixa perante aqueles que, cheios de cobiça, pretendem chamar seu ao que não lhes pertence, arrastando para o campo de batalha os que não têm culpa; imagens amargas das mulheres que ficam sós, desamparadas, as famílias destruídas. 
  9. 9.  Pesquisa:  http://camaraclara.rtp.pt/#/arquivo/129 - 26 Abril 2009 – sobre a canonização de Nun’ Álvares Pereira  http://www.youtube.com/watch?v=x8V7y3tvJVk  http://www.youtube.com/watch?v=cIfj2I7TJz0  Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota Património, Tradição e Cultura – Campo Militar de S. Jorge

×