Avó e neto contra vento e areia

4.504 visualizações

Publicada em

Avó e neto contra vento e areia, A mulher que prendeu a chuva, Teolinda Gersão, guião de leitura, questionário

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.074
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avó e neto contra vento e areia

  1. 1. Conto Contigo 7, p. 147
  2. 2.  1. e 2. Resposta aberta.  3. a) “Tinham ido à praia…” até “…uma manhã perfeita”;  b) “Até se levantar o vento” até “Ambas perdidas, no vento e na areia.”  c) “Avó, olha o cão do sr. Lourenço…” até ao final do conto.
  3. 3. 3.1. – Reconto de cada momento  1º momento – Numa manhã de verão, a avó e o neto foram à praia. A avó, feliz, por ter o neto ao seu cuidado, e o neto, contente, por ter ido brincar e nadar com a avó. Durante a manhã, a avó perdeu os óculos, mas pensou que depois arranjaria outros.
  4. 4.  2º momento – O tempo mudou de repente, levantou-se cada vez mais vento e o céu cobriu-se de nuvens. A avó, decidida a ir para casa, percebeu que não sabia onde estava. Entretanto, o neto espetou um pico no pé e queixava-se com dores. O tempo piorou e a avó, com o neto ao colo, tentava encontrar o caminho. À sua mente, vieram recordações de tempos tristes passados, em que perdera uma criança.  continua
  5. 5. 3.1. – Reconto de cada momento  Ficou com medo de que algo de semelhante acontecesse novamente. Forte e resoluta, continuou a caminhar.  3º momento – O neto avistou o cão do sr. Lourenço, o dono do café. Seguiram o cão e, passado pouco tempo, estavam em segurança dentro do café.
  6. 6. 4.1.  a) As palavras que comprovam a afirmação são “Muitos anos atrás”, “A lembrança”, “E depois os dias passavam”, “Durante muito tempo”; os verbos estão no pretérito perfeito, mais-que-perfeito e imperfeito.  b)Esta sequência explica os medos que a avó sentiu quando o tempo piorou – teve receio de voltar a perder uma criança.
  7. 7. 5.1. - Espaços  A ação decorre na praia, “Tinham ido à praia”, e no café do sr. Lourenço, “Em breve se sentavam à mesa do café”.
  8. 8. 5.2. – Espaço interior / espaço exterior  Podemos estabelecer uma relação entre o espaço exterior, a praia, e os momentos de desequilíbrio da ação (o perigo que avó e neto enfrentaram nesse espaço).  Já no espaço interior, dentro do café, voltaram a sentir-se protegidos.
  9. 9. 5.3. – divisão da narrativa em momentos  1º momento da ação: “Tinham ido à praia, porque estava uma manhã bonita”, (l. 1) até “…uma manhã perfeita” (l. 56);  2º momento da ação – “Até se levantar o vento. Na verdade não se percebeu por que razão de repente se levantou cada vez mais vento.” (l. 57 – 58 – 59) até “Ambas perdidas, no vento e na areia.” (l. 111);  continua
  10. 10. 5.3.  3º momento – (l. 118- 119) “Em breve se sentavam à mesa do café, e viam o vento levantar a areia. Mas agora isso passava-se lá fora, do lado de lá da janela.”
  11. 11. 6. - Personagens  As personagens principais são a avó e o neto.  6.1. 1º momento – A avó estava muito contente por ir à praia com o neto; achava o neto perfeito e sentia-se orgulhosa por ainda conseguir tomar conta dele. O neto estava contente por ir à praia com a avó; tinha cinco anos e sabia nadar muito bem, não assustava a avó e não tinha medo de nada.
  12. 12. 6.1.  2º momento – A avó ficou surpreendida e preocupada com a mudança repentina de vento; receosa por não saber onde estava, sentia-se perdida, cansada e não conseguia carregar o neto, corajosa e persistente. O neto estava com dores no pé, magoado, cansado.  3º momento – A avó fica feliz por encontrar o caminho de regresso; estava agradecida, sossegada e reconfortado. O neto ficou feliz por encontrar o cão e esqueceu a dor.
  13. 13. 6.2.  a) “o seu coração cantava” – avó  b) “era ainda suficientemente forte para ter alguém por quem olhar” – avó  c) “gostava de protegê-la contra os medos” – neto  d) “não tinha medo de nada” – neto  e) “tinha a sensação de entrar para dentro de fotografias, tiradas nos mesmos lugares, muitos anos antes.” – avó  f) “tinha a sensação de entender tudo” – avó  g) “era muito pesado” - neto
  14. 14. 6.2.1.  a) A avó estava feliz por estar com o seu neto e sentia isso no seu coração, que parecia cantar.  c) Apesar de ter apenas cinco anos, o neto percebia que não deveria assustar a avó com diabruras.  e) A avó, ao ver o neto, lembrava-se dos momentos bons, registados em fotografias e tornados únicos, passados com outros familiares, nos mesmos lugares.  f) A avó parecia compreender tudo, dada a sua experiência de vida.
  15. 15. 6.2.  6.2.2. “o seu coração cantava” - O recurso expressivo presente é a metáfora.  6.2.3. “entrar para dentro” - O pleonasmo presente na expressão reforça a ideia expressa de que a personagem parece ter a capacidade de se fundir com as fotografias.
  16. 16. 7. - Narrador  O narrador é não participante, “Tinham ido à praia…”, “A avó vestia uma saia clara e levava o neto pela mão.”  7.1. O narrador revela conhecer os sentimentos e o estado psicológico das personagens, “Ia muito contente, e o seu coração cantava”. e conhece os medos que se apoderaram da personagem avó, “a avó começou a ter medo de estar perdida”.
  17. 17. 8. Tema  O tema do conto é a relação afetuosa entre avó e neto.
  18. 18. “subiram para umas dunas à procura de camarinhas…” http://hortaaporta.blogspot.pt/2012/08/core ma-album-camarinha-caraminheira.html http://tentacoesobreamesa.blogspot.pt/2012 /09/geleia-de-camarinhas.html

×