O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão

362 visualizações

Publicada em

Jorge Amado, O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá(estação do verão)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
362
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão

  1. 1. A ESTAÇÃO DO VERÃO O GATO MALHADO E A ANDORINHA SINHÁ Português - 8.º Ano Prof.ª Margarida Santos
  2. 2. “Este é um capítulo curto, porque o verão passou muito depressa…” • O narrador explica que a Felicidade é muito curta, por isso o verão passou depressa para a Andorinha e para o Gato, cuja relação se prolongou em passeios, em longas conversas, em olhares e alguns arrufos. TEMPO PSICOLÓGICO tempo que não é material nem mensurável, flui na mente das personagens. A personagem pode ter passado por situações que pareceram extremamente longas, mas que, na realidade, duraram apenas alguns minutos. Ou então, como no caso desta estação do verão, o tempo em que estiveram juntos passou num instante, tal era a felicidade que experienciavam. .
  3. 3. “(…) por vezes a Andorinha encontrava o Gato abatido, de bigodes murchos e olhos ainda mais pardos.” • O Gato tinha ciúmes do Rouxinol, com quem Sinhá tinha saído e com quem tinha aulas de canto. Um dia a aula prolongou-se mais do que o habitual e o gato entristeceu. • Precipita-se então a PROPOSTA: “Se eu não fosse um gato, te pediria para casares comigo…” DESAFIO À LEI DOS ANIMAIS
  4. 4. “A Andorinha ficou calada, num silêncio de noite profunda.” • A Andorinha sentiu medo. No entanto, a sua ternura fê-la aproximar-se do gato Malhado, tocando-o ao de leve com a asa esquerda. • O Gato sentiu, de perto o pequeno coração da jovem Sinhá. Depois, esta voou, olhando-o de longe: “Era o último dia de verão.”
  5. 5. EXERCÍCIOS 1. “Encheram-no com passeios vagabundos…”. Explicita o valor expressivo do adjetivo. O adjetivo “vagabundos” exprime a ideia de que passeavam sem rumo, sem nenhum objetivo que não fosse o de estarem juntos. 2. Qual a frase do texto que contém em si a base do conflito em que assenta esta obra? “Os gatos são inimigos irreconciliáveis das Andorinhas”. 3. Que tipo de preconceito pretende o narrador denunciar? O narrador pretende denunciar o preconceito racial.
  6. 6. EXERCÍCIOS 4. No último parágrafo, qual a palavra ou expressão que revela o sentimento da Andorinha? “ .. podia ouvir os latidos do pequeno coração da Andorinha Sinhá.” 5. Qual o sentido da última frase do texto? É ele otimista ou pessimista? Justifica. A frase constitui um indício de que a sua história de amor terá um final infeliz. É pessimista. 6. Retira do último parágrafo todos os determinantes e pronomes que nele encontrares. o, a, os tocou-o, ele, ela, o olhou
  7. 7. EXERCÍCIOS 7. Procede à análise sintática da frase: “A Andorinha não compreendia a atitude do Gato Malhado, aquelas súbitas tristezas que se prolongavam em silêncios difíceis.” Sujeito simples: A Andorinha Predicado: não compreendia a atitude do Gato Malhado, aquelas súbitas tristezas C.D.: a atitude do gato Malhado; aquelas súbitas tristezas Modificador restritivo do nome: que se prolongavam em tempos difíceis
  8. 8. EXERCÍCIOS 8. Divide a mesma frase em orações, classificando-as. “A Andorinha não compreendia a atitude do Gato Malhado, aquelas súbitas tristezas que se prolongavam em silêncios difíceis.” Oração subordinante: A Andorinha não compreendia a atitude do Gato Malhado, aquelas súbitas tristezas Oração subordinada relativa restritiva: que se prolongavam em silêncios difíceis
  9. 9. PARÊNTESIS DAS MURMURAÇÕES
  10. 10. “É o fim do mundo, os tempos são outros, perdeu-se o respeito a todas as leis.” • Este é um dos capítulos mais curiosos do livro, na medida em que nos revela um narrador profundamente conhecedor da sociedade humana. • CAPÍTULO DE CARIZ SOCIAL: mesmo sem tecer outros comentários que não sejam os das personagens em ação (murmurações), o narrador apresenta subtilmente aquela que é a sua posição face à discriminação. Em matéria de vida social, a especulação e o boato são prejudiciais e perigosos. O leitor fica alertado para o futuro da história de amor que só poderá ter uma conclusão: a única dentro das regras e das leis da natureza.
  11. 11. “Onde já se viu, onde já se viu?” • A família sente-se pressionada pela sociedade. Ela é a instituição que deve zelar pelo cumprimento da ordem e da disciplina, encontrando a solução eficaz contra a degradação dos costumes. • Não importam os sentimentos da Andorinha nem a sua vontade. O casamento será realizado com um noivo escolhido pelos pais, da mesma raça, que não os envergonhe nem ridicularize. Grande cumplicidade entre os VALORES SOCIAIS e os VALORES RELIGIOSOS. Os princípios estruturadores de uns são os suportes ideológicos dos outros.
  12. 12. “Pombo com pomba, pato com pata, cão com cadela e gato com gata.” • As vozes que murmuram são elementos de hipocrisia e fraca cultura democrática pois, em nome dos bons costumes sociais e morais, pretendem ser controladores dos comportamentos. SERÃO ESTAS VOZES MAIS FORTES DO QUE O AMOR? AGORA QUE O VERÃO TERMINOU E O OUTONO SE APROXIMA…
  13. 13. “Eu não acredito, eu não acredito.” “Onde já se viu, onde já se viu?!” “Pobre Andorinha…” “Padre nosso que estais no céu…” “É perigoso, imoral e feio!” “É pecado mortal!”

×