LAB
COMUNIDADES VIRTUAIS NA EDUCAÇÃO
EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA
Marcus Eduardo Maciel Ribeiro
profmarcus@yahoo.com.br
Doutor...
PLANO DA APRESENTAÇÃO
1. Busca das definições de palavras-chave
importantes;
2. Compreensão da importância das
comunidades...
1. COMUNIDADES VIRTUAIS
As comunidades virtuais são definidas
como redes virtuais de comunicação interativa
organizadas em...
A internet nos leva a rever a
epistemologia, ou seja, como “a mente processa
e forma crenças sobre objetos e eventos que
n...
• O princípio de trabalho em uma comunidade virtual
é a reciprocidade.
• Estimula-se a participação e o contato entre os
s...
A LEITURA DE ALGUNS TEÓRICOS
• Segundo Morin (2002, p. 48), “o problema dos humanos
é aproveitar as técnicas, mas não se s...
A EDUCAÇÃO EM COMUNIDADES
• Permite o compartilhamento de
conhecimento;
• Incentiva o protagonismo, em oposição à
passivid...
2. COMUNIDADE APRENDENTE
É um grupo de sujeitos que se reúnem com
o objetivo específico de aprender. Também possui
pressup...
3. ALGUMAS COMUNIDADES VIRTUAIS
ICQ ORKUT MSN
MESSENGER MYSPACE SECOND LIFE
FACEBOOK CHATS YOUTUBE
LISTAS DE DISCUSSÃO PÁG...
4. O USO DO FACEBOOK COMO COMUNIDADE
VIRTUAL DE APRENDIZAGEM
Auxilia professores a utilizarem o facebook como
ferramenta d...
50 RAZÕES PARA USAR O FACEBOOK EM SALA DE AU
O USO DO FACEBOOK EM AÇÕES DE
APRENDIZAGEM EM QUÍMICA
Química + facebook
Ensino de Química + facebook
NATUREZA DAS COMUNIDADES DE
QUÍMICA DO FACEBOOK
• Espaço para comunicação e troca de
mensagens;
• Troca e postagem de arqu...
O uso do Educar pela Pesquisa
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO
1. A exclusão digital poderia aumentar ainda
mais a distância entre estudantes de realidades
socia...
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO
3. O estudo em grupo provoca o desenvolvimento
do sujeito, como sabemos. A participação em
comunid...
REFERÊNCIAS
CATELA, Hermengarda. Comunidades de aprendizagem: em torno de um conceito.
Revista de Educação,.Vol. XVIII, nº...
MUITO OBRIGADO !!
LAB
COMUNIDADES VIRTUAIS NA EDUCAÇÃO
EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA
Marcus Eduardo Maciel Ribeiro (PUCRS)
profmarcus@yahoo.com.b...
  comunidades virtuais na ecm
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

comunidades virtuais na ecm

215 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
215
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

comunidades virtuais na ecm

  1. 1. LAB COMUNIDADES VIRTUAIS NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Marcus Eduardo Maciel Ribeiro profmarcus@yahoo.com.br Doutorando em Educação em Ciências e Matemática Seminário Avançado de Tecnologias na ECM Prof. Lori Viali Prof. Regis Alexandre Lahm
  2. 2. PLANO DA APRESENTAÇÃO 1. Busca das definições de palavras-chave importantes; 2. Compreensão da importância das comunidades virtuais para a educação em Ciências; 3. Pesquisa sobre o uso de comunidades virtuais na ECM; 4. O uso do Facebook no ensino de Química.
  3. 3. 1. COMUNIDADES VIRTUAIS As comunidades virtuais são definidas como redes virtuais de comunicação interativa organizadas em torno de interesses compartilhados (MUSSOI; FLORES; BEHAR, 2007).
  4. 4. A internet nos leva a rever a epistemologia, ou seja, como “a mente processa e forma crenças sobre objetos e eventos que nos circundam” (HARLOW; JOHNSON, 1998).
  5. 5. • O princípio de trabalho em uma comunidade virtual é a reciprocidade. • Estimula-se a participação e o contato entre os sujeitos, e não o anonimato. • O objetivo de uma comunidade virtual é a busca de inteligência coletiva. • A aprendizagem em uma comunidade virtual se fundamenta no trabalho cooperativo.
  6. 6. A LEITURA DE ALGUNS TEÓRICOS • Segundo Morin (2002, p. 48), “o problema dos humanos é aproveitar as técnicas, mas não se subordinar a elas.” • Gardner critica o uso de tecnologia apenas como forma de transmissão de conhecimento, com práticas não mediadas (1994, p. 256)
  7. 7. A EDUCAÇÃO EM COMUNIDADES • Permite o compartilhamento de conhecimento; • Incentiva o protagonismo, em oposição à passividade; • Desenvolve novas competências.
  8. 8. 2. COMUNIDADE APRENDENTE É um grupo de sujeitos que se reúnem com o objetivo específico de aprender. Também possui pressupostos importantes (CATELA, 2011): a.Objetivos, interesses ou localização geográfica em comum ou partilhados; b.Colaboração, parceria e aprendizagem; c. Respeito pela diversidade; d. Potencial e resultados maximizados.
  9. 9. 3. ALGUMAS COMUNIDADES VIRTUAIS ICQ ORKUT MSN MESSENGER MYSPACE SECOND LIFE FACEBOOK CHATS YOUTUBE LISTAS DE DISCUSSÃO PÁGINAS WIKI MOODLE TWITTER LINKEDIN EDMODO
  10. 10. 4. O USO DO FACEBOOK COMO COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Auxilia professores a utilizarem o facebook como ferramenta de ensino em suas atividades didáticas.
  11. 11. 50 RAZÕES PARA USAR O FACEBOOK EM SALA DE AU
  12. 12. O USO DO FACEBOOK EM AÇÕES DE APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Química + facebook Ensino de Química + facebook
  13. 13. NATUREZA DAS COMUNIDADES DE QUÍMICA DO FACEBOOK • Espaço para comunicação e troca de mensagens; • Troca e postagem de arquivos e curiosidades; • Resolução de dúvidas de alunos ou de colegas professores.
  14. 14. O uso do Educar pela Pesquisa
  15. 15. QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 1. A exclusão digital poderia aumentar ainda mais a distância entre estudantes de realidades sociais distintas? 2. Nas comunidades sem moderador (animador), a difusão de práticas ou ideias incorretas pode diminuir sua credibilidade?
  16. 16. QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 3. O estudo em grupo provoca o desenvolvimento do sujeito, como sabemos. A participação em comunidades virtuais não poderia estimular ações individuais, já que o sujeito pode acessar a qualquer horário? 4. Como alinhar o uso de comunidades virtuais com as teorias de desenvolvimento de Piaget e Vygotsky? É possível?
  17. 17. REFERÊNCIAS CATELA, Hermengarda. Comunidades de aprendizagem: em torno de um conceito. Revista de Educação,.Vol. XVIII, nº 2, 2011. GARDNER, Howard. Estruturas da Mente: A teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas. 1994 HARLOW, S.; JOHNSON, D. An epistemology of technology. International Technology Review. N.9, Spring/Summer, 1998. MORIN, Edgar. Os Sete Saberes para a Educação do Futuro. Lisboa: Instituto Piaget, 2002. MUSSOI, Eunice M.; FLORES, Maria L.P.; BEHAR, Patricia A. Comunidades virtuais: um novo espaço de aprendizagem. In: Centro Interdisciplinar de Tecnologia Educacional CINTED- UFRGS, 2007. Disponível em: www.cinted.ufrgs.br/ciclo9/artigos/8aEunice.pdf. Último acesso em 06/04/2014 .
  18. 18. MUITO OBRIGADO !!
  19. 19. LAB COMUNIDADES VIRTUAIS NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Marcus Eduardo Maciel Ribeiro (PUCRS) profmarcus@yahoo.com.br Doutorando em Educação em Ciências e Matemática Seminário Avançado de Tecnologias na ECM Prof. Lori Viali Prof. Regis Alexandre Lahm Abril de 2014

×